Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

3s-l3-port-mod11

No description
by

Coord Acadêmica ENEM

on 26 August 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of 3s-l3-port-mod11


É o complemento preposicionado de um verbo transitivo indireto ou transitivo direto e indireto.
Exemplos:
Precisamos de ajuda.
Ofereci flores à namorada.
O Substantivo e os
Termos Integrantes

Este módulo aprofundará o estudo sintático dos termos que integram a oração. São os complementos verbais (objeto direto e objeto indireto), o complemento nominal e o agente da passiva.
Língua Portuguesa
Revista da
Convém lembrar que o núcleo dessas funções será sempre um substantivo ou pronome substantivo.
É o complemento sem preposição de um verbo transitivo direto ou transitivo direto e indireto.

Exemplos:
Compramos imóveis urbanos e rurais.
Ofereceu flores à namorada
.
Objeto direto
Observações:
A preposição que antecede o objeto direto não é exigida pelo verbo.

a) Expressões consagradas pela língua.
Amar a Deus.
Cumpriu com o dever.

b) Para evitar ambiguidade.
Venceu ao Vasco o Flamengo.
Aos pais amam os filhos.

c) De uso obrigatório.
Esta é a mulher a quem amo. (Pronome relativo quem)
Ofendeu a mim. (Pronome oblíquo tônico)
Objeto direto preposicionado
É o objeto repetido por motivo de ênfase.
Exemplos:
Meus livros, já os li.
Minhas filhas, vê-las-ei amanhã.
Objeto direto pleonástico
O núcleo repete a ideia contida no verbo da oração, com vocábulos cognatos ou do mesmo campo semântico.
Exemplos:
Choveu uma chuva de resignação.
Viveu uma vida de paixões.
Chorou lágrimas de crocodilo.
Obs.: Todo o objeto direto interno possui um adjunto
adnominal (adjetivo ou locução adjetiva).
Objeto direto interno
Pronomes como objeto direto (na 3ª pessoa)
Não a vejo há dias.
Objeto indireto
É o objeto repetido por motivo de ênfase.
Exemplos:
A mim, ninguém me disse nada.
“De que lhe vale ao homem conquistar o mundo, se
perde a alma?”
Objeto indireto pleonástico
Disse-lhe bobagens.
Ofereceu-me ajuda.
Pronome como objeto indireto
Completa o sentido de substantivo abstrato, adjetivo ou de advérbio.
Exemplos:
Tenho amor à pátria.
Estou certo da vitória.
Relativamente à turma, tudo está correto.
Complemento nominal
Fui-lhe fiel.
Este é o funcionário em quem tenho confiança.
Pronome como complemento nominal
É o termo que representa o agente da ação do verbo na voz passiva.
O ladrão foi perseguido pelos policiais.
A Terra era habitada de selvagens.
Agente da passiva
O livro foi escrito por mim.
Ela foi vista por ele.
Pronome como agente da passiva
Atividades
Questão 1:
Questão 2:
Questão 3:
Questão 4:
Questão 5:
(ENEM)

Diferentemente do texto escrito, que em geral, compele os leitores a lerem numa onda linear – da esquerda para a direita e de cima para baixo, na página impressa – hipertextos encorajam os leitores a moverem-se de um bloco de texto a outro, rapidamente e não sequencialmente. Considerando que o hipertexto oferece uma multiplicidade de caminhos a seguir, podendo ainda o leitor incorporar seus caminhos e suas decisões como novos caminhos, inserindo informações novas, o leitor -navegador passa a ter um papel mais ativo e uma oportunidade diferente da de um leitor de texto impresso. Dificilmente dois leitores de hipertextos farão os mesmos caminhos e tomarão as mesmas decisões.

MARCUSCHI, L. A. Cognição, linguagem e práticas interacionais. Rio: Lucerna, 2007.
No que diz respeito à relação entre o hipertexto e o conhecimento
por ele produzido, o texto apresentado deixa claro
que o hipertexto muda a noção tradicional de autoria, porque
a) é o leitor que constrói a versão !nal do texto.
b) o autor detém o controle absoluto do que escreve.
c) aclara os limites entre o leitor e o autor.
d) propicia um evento textual-interativo em que apenas o
autor é ativo.
e) só o autor conhece o que eletronicamente se dispõe para
o leitor.
(ENEM)

O Chat e sua linguagem virtual

O significado da palavra chat vem do inglês e quer dizer “conversa”. Essa conversa acontece em tempo real, e, para isso, é necessário que duas ou mais pessoas estejam conectadas ao mesmo tempo, o que chamamos de comunicação síncrona. São muitos os sites que oferecem a opção de bate-papo na internet, basta escolher a sala que deseja “entrar”, identi!car se e iniciar a conversa. Geralmente, as salas são divididas por assuntos, como educação, cinema, esporte, música, sexo, entre outros. Para entrar, é necessário escolher um nick, uma espécie de apelido que identificará o participante durante a conversa. Algumas salas restringem a idade, mas não existe nenhum controle para verificar se a idade informada é realmente a idade de quem está acessando, facilitando que crianças e adolescentes acessem salas com conteúdos inadequados para sua faixa etária.

AMARAL S..F. Internet: novos valores e novos comportamentos. In: SILVA E.T. (Coord.). A leitura nos oceanos da internet (Adaptado)
Segundo o texto, o chat proporciona a ocorrência de diálogos
instantâneos com linguagem especí!ca, uma vez que nesses
ambientes interativos faz-se uso de protocolos diferenciados
de interação. O chat, nessa perspectiva, cria uma nova forma
de comunicação porque
a) possibilita que ocorra diálogo sem a exposição da identidade
real dos indivíduos, que podem recorrer a apelidos
!ctícios sem comprometer o "uxo da comunicação em
tempo real.
b) disponibiliza salas de bate-papo sobre diferentes assuntos
com pessoas pré-selecionadas por meio de um sistema
de busca monitorado e atualizado por autoridades no
assunto.
c) seleciona previamente conteúdos adequados à faixa etária
dos usuários que serão distribuídos nas faixas de idade
organizadas pelo site que disponibiliza a ferramenta.
d) garante a gravação das conversas, o que possibilita que
um diálogo permaneça aberto, independente da disposição
de cada participante.
e) limita a quantidade de participantes conectados nas salas
de bate-papo, a !m de garantir a qualidade e e!ciência
dos diálogos, evitando mal-entendidos.
(ENEM)

O hipertexto refere-se à escritura eletrônica não sequencial e não linear, que se bifurca e permite ao leitor o acesso a um número praticamente ilimitado de outros textos a partir de escolhas locais e sucessivas, em tempo real. Assim, o leitor tem condições de definir interativamente o "uxo de sua leitura a partir de assuntos tratados no texto sem se prender a uma sequência fixa ou a tópicos estabelecidos por um autor. Trata-se de uma forma de estruturação textual que faz do leitor simultaneamente coautor do texto final. O hipertexto se caracteriza, pois, como um processo de escritura/leitura eletrônica multilinearizado, multisequencial e indeterminado,realizado em um novo espaço de escrita. Assim, ao permitir vários níveis de tratamento de um tema, o hipertexto oferece a possibilidade de múltiplos graus de profundidade simultaneamente, já que não tem sequência de!nida, mas liga textos não necessariamente correlacionados.

MARCUSCHI L.A. Disponível em http://www. Pucsp.br.Acesso em: 29 jun 2011
O computador mudou nossa maneira de ler e escrever, e o
hipertexto pode ser considerado como um novo espaço de
escrita e leitura. De!nido como um conjunto de blocos autônomos
de texto, apresentado em meio eletrônico computadorizado
e no qual há remissões associando entre si diversos
elementos, o hipertexto
a) é uma estratégia que, ao possibilitar caminhos totalmente
abertos, desfavorece o leitor, ao confundir os conceitos
cristalizados tradicionalmente.
b) é uma forma arti!cial de produção da escrita que, ao
desviar o foco da leitura, pode ter como consequência o
menosprezo pela escrita tradicional.
c) exige do leitor um maior grau de conhecimentos prévios,
por isso deve ser evitado pelos estudantes nas suas pesquisas
escolares.
d) facilita a pesquisa, pois proporciona uma informação
especí!ca, segura e verdadeira em qualquer site de busca
ou blog oferecidos na internet.
e) possibilita ao leitor escolher seu próprio percurso de leitura,
sem seguir sequência predeterminada, constituindo-se
em atividade mais coletiva e colaborativa.
(ENEM)

O QUE É POSSÍVEL DIZER EM 140 CARACTERES

Sucesso do Twitter no Brasil é oportunidade única de compreender a importância da concisão nos gêneros de escrita

A máxima ”menos é mais” nunca fez tanto sentido como no caso do microblog Twitter, cuja premissa é dizer algo — não importa o quê — em 140 caracteres. Desde que o serviço foi criado, em 2006, o número de usuários da ferramenta é cada vez maior, assim como a diversidade de usos que se faz dela. Do estilo “querido diário” à literatura concisa, passando por aforismos, citações, jornalismo, fofoca, humor etc., tudo ganha o espaço de um tweet (“pio” em inglês) , e entender seu sucesso pode indicar um caminho para o aprimoramento de um recurso vital à escrita: a concisão.

Disponível em: http://www.revistalingua.com.br.
Acesso em: 28 abr. 2010 (adaptado).
O Twitter se presta a diversas !nalidades, entre elas, a comunicação
concisa, por isso essa rede social
a) é um recurso elitizado, cujo público precisa dominar a
língua padrão
b) constitui recurso próprio para a aquisição da modalidade
escrita da língua.
c) é restrita à divulgação de textos curtos e pouco signi!cativos
e, portanto, é pouco útil.
d) interfere negativamente no processo de escrita e acaba
por revelar uma cultura pouco re"exiva.
e) estimula a produção de frases com clareza e objetividade,
fatores que potencializam a comunicação interativa.
No fragmento acima, de uma página inicial de edição digital do jornal “O Globo” , percebemos, como elementos distintivos desse meio em relação à edição jornalística tradicional
a) atualização, interatividade e multimidialidade.
b) intertextualidade, linguagem não verbal, seções variadas.
c) personalização, hipertextualidade, apelo visual.
d) diagramação, manchetes e chamadas.
e) índices, artigos, reportagens.
No que diz respeito à relação entre o hipertexto e o conhecimento por ele produzido, o texto apresentado deixa claro que o hipertexto muda a noção tradicional de autoria, porque é o leitor que constrói a versão final do texto (letra A), tal como assevera a seguinte passagem: “Considerando que o hipertexto oferece uma multiplicidade de caminhos a seguir, podendo ainda o leitor incorporar seus caminhos e suas decisões como novos caminhos, inserindo informações novas, o leitor –navegador passa a ter um papel mais ativo e uma oportunidade diferente da de um leitor de texto impresso”.
O chat, na perspectiva do texto apresentado, cria uma nova forma de comunicação porque possibilita que ocorra diálogo sem a exposição da identidade real dos indivíduos, que podem recorrer a apelidos fictícios sem comprometer o fluxo da comunicação em tempo real ( letra A), assim como afirma o texto no seguinte trecho: “Essa conversa acontece em tempo real, e, para isso, é necessário que duas ou mais pessoas estejam conectadas ao mesmo tempo, o que chamamos de comunicação síncrona. (...) Para entrar, é necessário escolher um Nick, uma espécie de apelido que identificará o participante durante a conversa”.
Definido como um conjunto de blocos autônomos de texto, apresentado em meio eletrônico computadorizado e no qual há remissões associando entre si diversos elementos, o hipertexto possibilita ao leitor escolher seu próprio percurso de leitura, sem seguir sequência predeterminada, constituindo-se em atividade mais coletiva e colaborativa (letra E). Tal assertiva é comprovada na seguinte passagem do texto: “Assim, o leitor tem condições de definir interativamente o fluxo de sua leitura a partir de assuntos tratados no texto sem se prender a uma sequência fixa ou a tópicos estabelecidos por um autor. Trata-se de uma forma de estruturação textual que faz do leitor simultaneamente coautor do texto final”.
Pode-se dizer que o Twitter se presta a diversas finalidades, entre elas, a comunicação concisa, por isso essa rede social estimula a produção de frases com clareza e objetividade, fatores que potencializam a comunicação interativa (letra E), uma vez que o texto apresentado deixa claro que tal ferramenta caracteriza-se fundamentalmente pela restrição do número de caracteres em 140 – fato que implicaria em uma objetividade por meio da concisão textual e, consequentemente, uma maior interatividade comunicacional.
No texto apresentado, de uma página inicial de edição digital do jornal “O Globo” , percebemos, como elementos distintivos desse meio em relação à edição jornalística tradicional atualização, interatividade e multimidialidade (alternativa A), isso porque embora se perceba que o texto pertença ao conhecido gênero jornalístico, ele é veiculado em um suporte razoavelmente novo no que diz respeito ao âmbito dos gêneros textuais e, por isso, é também adaptado a tal gênero a fim de apresentar mais dinamicidade e praticidade ao leitor.
Full transcript