Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Untitled Prezi

No description
by

Anne Porciúncula

on 3 August 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Untitled Prezi


Referências
Anderson Soares
Anne Porciúncula
Elainy Priscila
Gessiane Tenório
Jane Keyla Souza
Milana Fernandes
Maryanne Machado
Paula Alencar


Universidade Federal de Alagoas - UFAL
Escola de Enfermagem e Farmácia - ESENFAR
Curso de Graduação em Enfermagem
Intervenção de Enfermagem no Processo Saúde – Doença Mental


Atenção Psicossocial à Pessoa com Transtornos de Humor e Ansiedade

Transtornos de Humor
Transtornos de Ansiedade
Os transtornos do humor são caracterizados pelas alterações patológicas que levam a pessoa a perder o controle sobre seu humor e seus afetos.
Pode ser dividido em:
Depressão;
Mania;
Bipolaridade

Transtornos de Pânico
Fobias
Transtornos de Ansiedade Generalizada
Transtorno Obsessivo-Compulsivo

Transtorno Afetivo Bipolar ou Transtorno Bipolar de Humor
Transtornos de Pânico
Fobias
Transtornos de Ansiedade Generalizada (TAG)
Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC)
Depressão
Transtorno de humor

Obrigado(a)!
Descrição
Etiologia
Epidemiologia
Sinais e Sintomas
Medicamentos utilizados
Diagnóstico
Outras abordagens terapêuticas
Prognóstico
Funções psíquicas alteradas
DALGALARRONDO, P. Psicopatologia e semiologia dos transtornos mentais. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2008.

SADOCK, B.J; SADOCK, V.A. Compêndio de psiquiatria - ciência do comportamento e psiquiatria clínica. 9. ed. Rio de Janeiro: Artmed, 2007.

STEFANELLI, M.C; FUKUDA, I.M.K. ARANTES, E.C. Enfermagem psiquiátrica nas suas dimensões assistenciais. São Paulo: Manole, 2008.

BRASIL. Ministério da Saúde. Uso Racional de Antidepressivos. Acesso em: 25 de Jul de 2013. Disponível em<http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/Tema09-antidepressivos.pdf>

BRATS - Boletim Brasileiro de Avaliação de Tecnologias em Saúde. Ano VI nº 18 | Março de 2012. Acesso em: 25 de Jul de 2013. Disponível em<http://portal.anvisa.gov.br/wps/wcm/connect/838fdf804aec14f9b529bfa337abae9d/brats18+(2).pdf?MOD=AJPERES>

Sintomas ansiosos excessivos por pelo menos 6 meses;
Angústia, tensão, preocupação, nervosismo e irritabilidade;
Insônia, dificuldade em relaxar e de concentração;
Cefaleia, dor muscular, dor e queimação no estômago, taquicardia, parestesia, tontura e sudorese fria.
Rede de Atenção Psicossocial Necessária e Disponível
DSM-IV
Discartar efeitos fisiológicos de substâncias ou de condições médicas.
Descrição
Classificação
Etiologia

Ansiedade e preocupação excessiva
+
6 meses
Epidemiologia

Sinais e Sintomas
Diagnóstico
Difícil controle da preocupação e ansiedade
Mínimo 3 sintomas:

Inquietação;
Cansaço fácil, fragilidade;
Dificuldade de concentração
Irritabilidade;
Tensão muscular;
Alteração do sono.
Tratamentos
Medicamentos
Utilizados
Caso Especial:

Não decorrente de outro transtorno mental
Sofrimento significativo
ou
prejuízo no funcionamento social
Difícil (co-morbidade);
Associado com acontecimentos da vida;
Crônico.
Comum;
3 a 8% da população;
Mulheres (2) x homens (1);
Prevalência de 5% em vida;
25% dos transtornos de ansiedade.
Fatores biológicos
+
psicossociais

Maior concentração de receptores benzodiazepínicos;
Buspirona como agonista de receptor 5-HT1A de serotonina;
Baixa taxa metabólica nos gânglios basais e substância branca.
Cognitivo-comportamental: resposta incorreta e imprecisa ao perigo (atenção seletiva negativa);
Psicanalítica: conflitos inconscientes não resolvidos;
Fatores hierárquicos de ansiedade: fusão, separação, perda e superego.

Ansiedade persistente, de grau intenso, incontrolável, apreensiva e desproporcional ao estímulo.
Preocupação crônica, não realista e excessiva.
Stefanelli; Fukuda; Arantes, 2008.
Descrições das
Etiologia
Epidemiologia
Sinais e sintomas
Diagnóstico de fobia específica
Tratamento medicamentoso para fobia específica
Outras abordagens terapêuticas
Prognóstico
Funções psíquicas alteradas
Descrição
Sinais e sintomas
Epidemiologia
Etiologia
Diagnóstico
Medicamentos utilizados
Outras abordagens terapêuticas
Prognóstico
Funções psíquicas alteradas
Mecanismos de Defesa Acionados
TRANSTORNOS DE HUMOR
Transtornos de Ansiedade
Mecanismos de Defesa Acionados
Descrição
Etiologia
Epidemiologia
Sinais e sintomas
Diagnóstico
Medicamentos utilizados
Outras abordagens terapêuticas
Prognósticos
Funções psíquicas alteradas
Trailler
Ocorrência simultânea e inesperada de ataques de pânico;
Períodos de medo, apreensão ou desconforto;
Preocupação persistente sobre a recorrência;
agorofobia;
Não exclusivos desse transtorno.
(Oliveira et al, 2011).
Fatores biológicos:
Biologia do medo e da ansiedade;
Anormalidades biológicas da estrutura e da função do cérebro;
Desregulação do SNC e SNP, principais sistemas implicados são os da norepinefrina (locus ceruleus) serotonina e do ácido gama-aminobutínico;
Imagens cerebrais: envolvimento patológico dos lóbulos temporais, hipocampo e vasoconstrição cerebral.
(Sadock, 2010; Oliveira, 2007)
Fatores genéticos
Diversas regiões cromossomais;
Múltiplos genes contribuem para a vulnerabilidade;
Mecanismo ainda desconhecidos;
Parentes de primeiro grau tem um risco de 4 a 8X maior de desenvolver o transtorno;
Fatores Psicossociais
Explicam o desenvolvimento da agorofobia;
Ligação entre sintomas somáticos menores e a geração do ataque de pânico;
aumento do n° e da gravidade dos ataques de pânico.
cognitivo-
comportamentais:
Psicanalíticas:
Resultante de uma defesa malsucedida contra impulsos que provocaram ansiedade;
Fatores ambientais e psicológicos;
Incidência mais alta de acontecimentos estressantes;
Perda dos pais na infância ou uma história de separação, abuso físico e sexual.


Teorias
Epidemiologia
Sinais e Sintomas
1° ataque:
Espontânio;
Inesperado;
Relacionado a excitação, esforço físico; atividade sexual ou trauma emocional moderado.
(Sadock, 2007)
sinais e sintomas
Sinais e sintomas:

Sintomas mentais:

Medo extremo;
Sensação de morte iminente;
Ausência da fonte do medo;
Se sentem confusos;
Problemas em se concentrar. (Sadock, 2007)

Sinais e sintomas:
Sintomas gerais:

Taquicardia, palpitações;
Taquipnéia;
Sudorese;
Tentativa de fuga e procura de auxílio;
Dificuldade na fala;
Comprometimento da memória;
Hiperventilação= alcalose
(Sadock, 2007)
Sinais e sintomas:
Ansiedade antecipatória;
Preocupações somáticas;
Depressão por despersonalização durante o ataque;
Tentativa de fuga;
Duração: 20 a 30 min e nunca mais de 1 hora: os sintomas podem desaparecer de forma rápida e gradual.

(Sadock, 2010)
Diagnóstico
Diretrizes diagnósticas da CID-10 para transtornos do pânico:
Vários ataques graves de ansiedade autonômica - ataques de pânico- devem ter ocorrido em cerca de 1 mês:
- em circunstâncias em que não há perigo;
- sem estarem confinados a situações conhecidas ou previsíveis;
- com relativa ausência de sintomas ansiosos entre os ataques.
(CID 10)
Critério DSM- IV-TR:
1° PASSO: Diagnóstico do Ataque de pânico
2° passo: Transtorno do pânico
(Salum e manfro, 2009)
Cognitivo-comportamental.
De apoio.
Orientadas para o insight.
O transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) é um transtorno psiquiátrico heterogêneo caracterizado por pensamentos obsessivos e ações compulsivas.
Transtorno heterogêneo: apresentação clínica, prognóstico e resposta ao tratamento.
Teoria genética
Teoria neurobiológica
Teoria neuroimunológica
Teoria dos eventos de vida
(SALES et al, 2010)
Estudos com famílias: Risco para o TOC em familiares de primeiro grau de pessoas que estão em sofrimento por TOC;
Variações nos genes
SLC6A4
serotonina
SAPAP3
Glutamato
(CONSTANTINO; GENTIL; GATTAZ, 2011.)
Aumento da atividade metabólica no córtex orbitofrontal, no giro do cíngulo anterior e no núcleo caudado
Gânglios da base
Início após infecção por estreptococo beta-hemolítico do grupo A
anticorpos x estreptococos

Reação cruzada com os gânglios da base
Experiências traumáticas
Fase final da gravidez e o período pós-parto
Eventos estressantes

(CORDIOLLI, 2006)
(CONSTANTINO; GENTIL; GATTAZ, 2011)
(CONSTANTINO; GENTIL; GATTAZ, 2011)
-
Areteu da Capadócia
: Primeiro relacionou quadros de Melancolia com quadros de Mania.
-
Despercebida
até o século XIX.
-
Falret e Baillanger
: Descreveram os quadros de folie circularie e folie à double forme.
-
Kraepelin:
Final de XIX propôs um sistema de classificação das doenças psiquiátricas e reconheceu a insanidade maníaco-depressiva.
-Leonhard:
Em 1957 propôs a separação entre episódios depressivos (monopolar) dos episódios maníacos.
-
Angst e Perris
: Em 1960 validaram e incorporam nos sistemas de classificação atuais.
(Miguel, et al 2011)

Obsessões e compulsões que causem sofrimento à pessoa e que ocupem pelo menos 1 hora do seu dia;
Em algum momento a pessoa em sofrimento perceb que esse comportamento é irracional e excessivo;
Os sintomas devem estar presentes na maioria dos dias, por pelo menos 2 semanas;
É caracterizada pe

Fobia é o medo excessivo, imensurável de objetos, circunstâncias ou situações específicas.
Ela é subdividida em social e específica.
É a interação entre os fatores genéticos por um lado e acontecimentos biológicos por outro, também há a do tipo sangue-injeção-ferimento.
Obsessões
Agressividade, doenças, morte, sujeira e contaminação, sexualidade e religiosidade
Compulsões
A fobia específica possui uma prevalência que varia de 5% a 10% em seis meses. O pico pode incidir aos 5 anos e ir até 9 anos, no entanto atinge também a faixa etária de pessoas com 20 anos.
A fobia social possui uma prevalência de 3 a 13% durante a vida, contudo em seis meses varia de 2 a 3%. O pico é de 10 anos, embora seja comum entre os 5 e 35 anos.


SADOCK; SADOCK ,2008.

Verificação/checagem, higiene/limpeza, ordenação/arranjo/simetria, contagem e colecionamento
-> Estudos recentes comprovaram
que a prevalência de depressão em nosso
meio, é de 16,8%.


-> Em estudos recentes, com amostra de 5.037
sujeitos da grande São Paulo determinaram
taxas de 10.4% de depressão , adotando
critérios da 4ª edição do Manual de
Diagnostivos e Estatisticas dos Trantornos
Mentais da Associação Psiquiatrica
Americana.
-> A depressão acomete de duas a
tres vezes mais mulheres que homens -
. principalmente na idade fértil - devido a
diferenças hormonais, estressores psicosiciais e
parto.


-> Essa diferença se reduz em estudos com
amostras mais jovens. Embora atualmente exista
uma comprovação de inicio mais precoce dos
transtornos depressivos.

Antidepressivos inibidores de recaptura da serotonina (IRS);
Inibidores seletivos de recaptura da serotonina (ISRS)
Sadock; Sadock, 2008.
Sadock; Sadock, 2008.
(CONSTATINO; GENTIL GATTAZ, 2011).
Delgalarrondo, 2008.
Delgalarrondo, 2008.
Stefanelli; Fukuda; Arantes, 2008.
Sadock; Sadock, 2007.
Sadock; Sadock, 2007.
->A síndrome da depressão é uma

condição médica seria potencialmente

letal, cujo quadro clinico é caracterizado

por humor patologico e alterações

comportamentais, cognitivas e vegetativas.

Como o mau humor persistente, perda de

interesse e disposição.


-> Sem diagnosticos e tratamentos,

causa sofrimento e incapacita para o

trabalho, vida social e familiar.


Dalgalarrondo, 2007.
A pessoa adoece na sua totalidade.
Atenção
Ansiedade, angústia e medo
Pensamento
Memória
Transtorno Afetivo Bipolar

-É um distúrbio psiquiátrico caracterizado por alternância de episódios de depressão e mania (euforia/expansividade).

-É uma doença crônica e subdiagnosticada.

-Compromete o funcionamento e o bem-estar da pessoa afetada e de sua família no curso da vida.

- Altos índices de mortalidade.



(Miguel, et al 2011; e Stefanelli, et al 2008)



De acordo com a Classificação Internacional das Doenças (CID- 10) a Depressão é dividida em::




Fobia social: medo de falar em público, andar de elevador, urinar em banheiro público, fazer uma prova ou exame importante, conversar com alguma pessoa que tem interesse em0 namorar, entre outros.


Fobia específica: tigres, cães, cobras venenosas, sangues, águas rasas ou profundas, trovões ou tempestades, alturas, elevadores, aviões, entre outros.


SADOCK; SADOCK,2008.




1- Episódios depressivos (F32):

-> Alteração da capacidade de experimentar o prazer,
perda de interesse, diminuição da capacidade de concentração, associadas em geral à fadiga importante, mesmo após um esforço mínimo.
-> Observam-se em geral problemas do sono e diminuição do apetite.
-> Diminuição da auto-estima e da autoconfiança e idéias de culpabilidade e ou de indignidade, mesmo nas formas leves.
-> Perda de interesse ou prazer, despertar matinal precoce,
agravamento matinal da depressão, perda de apetite,
perda de peso e perda da libido.
O número e a gravidade dos sintomas permitem
determinar três graus de um episódio
depressivo: leve, moderado e grave.

Baseado no CID 10 - DSM-IV-TR
Medo acentuado e persistente, excessivo ou irracional, que é revelado pela presença ou antecipação de um objeto ou situação fóbica;
Exposição aos estímulos fóbicos;
Reconhecimento por parte do inidivíduo de um medo excessivo ou irracional;
Situação fóbica;
Esquiva, antecipação ansiosa ou sofrimento na situação teminada;
Ansiedade, os ataques de pânico e a esquiva fóbica associados aos objetos ou situações específicas.
Especificar tipo:
Animal;
Ambiente natural;
Sangue-ejeção ferimentos;
Situacional
Outro tipo.
Classificações das fobia específicas:
Acrofobia;
Agorafobia;
Ailurofobia;
Hidrofobia;
Claustrofobia;
Cinofobia;
Misofobia;
Pirofobia;
Xenofobia
Amxofobia;
Zoofobia.



Diagnóstico de fobia social
Medo acentuado ou persistente de uma ou mais situações sociais;


A exposição a situação social temida;


O indivíduo reconhece o medo excessivo ou irracional;


Evita as situações sociais e as temidas;


Esquiva, antecipação ansiosa ou sofrimento na situação teminada;


Acessar este link: http://www.inpaonline.com.br/testes/escala-liebowitz.htm





Antagonistas Beta-adrenérgico;

Benzodiazepínico;

Psicoterapia.



Tratamento medicamentoso da fobia social


Inibidores seletivos de recaptação de serotonina ISRS
Benzodiazepínico;
Venlafaxina;
Buspiroma

Hipnose;
Terapia de apoio;
Terapia familiar.
Fenômenos sensoriais
Sensações físicas: pele, músculos, ossos, vísceras;
"Estar em ordem": estímulos sensoriais visuais, auditivos e táteis;
Sensação de incompletude ou necessidade de sentir-se "em ordem" ("just-right");
Sensação de energia interna.
SADOCK; SADOCK,2008.
Subtipos do TOC
SADOCK; SADOCK,2008.
RETARDO PSICOMOTOR
-O
CID-10
apresenta o transtorno afetivo bipolar em vários episódios.
-Denominados em
dois subtipos
: TB I e II pelo Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disordens.
-TB Tipo I : A pessoa já apresentou ou está apresentando um conjunto de sintomas de mania durante o curso do transtorno.
-TB Tipo II: Há presença de episódios depressivo com presença ou história de pelo menos um episódio hipomaníaco, traços ciclotímidos e hipertímicos.

(MIGUEL, et al 2011 e STEFANELLI, et al 2008)
HUMOR
AFETO
FALA
PERCEPÇÃO
PENSAMENTO
ORIENTAÇÃO e MEMÓRIA
CONFIABILIDADE
JULGAMENTO E INSIGHT
CONTROLE DOS IMPULSOS
SADOCK; SADOCK ,2008.
SADOCK; SADOCK ,2008.
SADOCK; SADOCK, 2008.
Pensamentos

Preocupações



Mau prognóstico
Coexistência de transtorno distímico
Abuso de álcool e outras drogas
Sintomas de transtorno de ansiedade
Mais de um episódio depressivo prévio
Bons prognóticos
Ausência de transtorno psiquiátrico co-morbido e de transtorno de personalidade
Episódios leves
Estadia curta em hospital e no máximo uma hospitalização
História de amizades solidas na adolescência e relacionamento familiar e social estável
Ausência de sintomas psicóticos
e idade avançada de inicio
Medicamentos utilizados
Tratamentos de primeira linha
(SADOK, 2007)
Inibidores seletivos da recaptura de serotonina
(Fluvoxamina, citalopram, fluoxetina) = mais eficazes. Latência de 2 a 4 semanas;
Inibidores seletivos da recaptura de serotonina-noradrenalina
. Riscos inerentes à ativação noradrenérgica.
Benzodiazepínicos (alprazolam, clonazepam).
(oliveira et al, 2007)
(SADOK, 2007)
Tratamentos de 2° ou 3° escolha:
(BRATS, 2012)
Inibidores da monoamino-oxidase;
Outros medicamentos (reboxetina, valproato de sódio e inositol)
Tratamento combinado:
ISRS + Benzodiazepínicos de meia vida longa
ou de liberação prolongada.
Forte influência de fatores:
-Genéticos
-Neurobiológicos;
-Neuroendócrinos;
-Neuropsicológicas.

-Aproximadamente 50% das pessoas com TB I têm pelo menos um dos pais com transtorno afetivo.

(MIGUEL, et a2011;e STEFANELLI,et al 2008)
Comorbidades
Outras abordagens terapêuticas
Contexto de apoio e de atenção aos estados emocionais;
Métodos psicoeducacionais;
Informações sobre a doença;
Terapia familiar;
Parceria = farmacologia e psicoterapia.
Depressão: causa mais comum de hospitalzação, gravidade e cronicidade do TOC;
Transtorno de ansiedade generalizada e Fobia;
Tiques.
Terapia cognitivo-comportamental:
Breve: 10 a 20 sessões, objetivos claros;
Constituída por um pacote de técnicas:
1- Psicoeducação;
2- Técnicas para lidar com a ansiedade;
3- Técnicas cognitivas (correção de pensamentos distorcidos que levam à interpretações catastróficas de sensações corporais benignas e dos sintomas de ansiedade);
4- Exposição introceptiva e in vivo.
Primeira escolha para tratamento com pessoas que apresentam sintomas leves a moderados;
Pode ser realizada em grupo ou individual.
Terapia cognitivo-comportamental:
Crônico;
30 a 40% dos pacientes ficam livres de sintomas no acompanhamento a longo prazo;
50% tem sintomas leves que não afetam sua vida;
10 a 20% continuam a ter sintomas significativos;
20 a 40% desenvolvem dependência de álcool outras substâncias;
(Sadock, 2007)
Transtornos de ansiedade
Eletroconvulsoterapia (ECT): usada
para tratar a depressão grave.
Psicoterapias:
psicoterapia cognitiva e comportamental;
psicoterapia psicodinâmica;
psicoterapia interpessoal;
Terapia de orientação psicanalítica
Terapia familiar.
Hospitalização
Fitoterapia
Massagem
Mecanismos de defesa:

Negação;
Deslocamento;
Racionalização.
Mecanismo de
defesa:
Identificação;
Regressão;
sublimassão;
Projeção;
Formação.
Prevalência na população geral: 1%e 2% ao longo da vida;
Em crianças: preponderância em meninos, com início mais precoce dos sintomas;
Na adolescência: aumento da incidência em meninas;
Na idade adulta: proporção de 1:1
Aproximadamente uma em cada 50 pessoas (2%) apresentam TOC ao longo da vida.

Indicadores nos últimos 5 anos que precedem o transtorno
Diagnóstico diferencial:
Simulação;
Transtorno fictício;
hipocondria;
fobia social;
transtorno depressivo;
estresse pós-traumático;
esquizofrenia.
(Sadock,2007)
(BRASIL, 2011; BRATS, 2012; SADOK, 2007)
Nesses casos, deve-se determinar se o ataque de pânico foi inesperado, ligado a uma situação ou predisposto por ela e se houve foco da ansiedade ou do medo.
Em 2000 o TAB ocupava o quinto lugar.
-Para 2020 segundo a OMS passe a ocupar
o segundo lugar.
-Prevalência:
Espectro bipolar de 5 a 8%.
Idade: Precoce, média de 30 anos;
Gênero e etnia: não há diferença
Escolaridade e ocupação
-O TB I: acomete igualmente ambos os gêneros
-O TB II: é mais frequente entre as mulheres.
-Alto índice de morbidade e mortalidade.

(MIGUEL,et al 2011; e STEFANELLI,et al 2008)

(Oliveira et al, 2007)
(Oliveira et al, 2007)
(Oliveira et al, 2007)
Pode-se iniciar em qualquer época da vida;
Transtorno de evolução crônica, com raros períodos de remissão completa dos sintomas;
Presença de trasntornos comórbidos interfere na evolução do TOC.
(Associação Brasileira de Psiquiatria, 2009)
Introdução
A Reforma Psiquiátrica vem construindo importantes ações e intervenções que consolidam a produção de uma clínica ampliada em saúde mental.
Manicômios --> outras práticas terapêuticas
Novos modelos
Produtores de subjetividade
Provocadores de novos modos de existência
Desconstrutores de estigmas acerca da saúde/doença psíquica no âmbito coletivo

As pessoas alternam entre períodos de muito bom humor ou irritação e depressão.
Fase Maníaca
• Redução da necessidade de sono
• Capacidade de discernimento diminuída
• Pouco controle do temperamento
• Compulsão alimentar, beber demais e/ou uso excessivo de drogas
• Sexo com muitos parceiros (promiscuidade)
• Gastos excessivos
• Atividade em excesso (hiperatividade)
• Aumento de energia
• Pensamentos acelerados que se atropelam
• Fala em excesso
• Autoestima muito alta (ilusão sobre si mesmo ou habilidades)
• Grande envolvimento em atividades
• Grande incomodação (agitação ou irritação)

Fase depressiva
• Desânimo diário ou tristeza
• Dificuldade de se concentrar, de lembrar ou de tomar decisões
• Perda de peso e perda de apetite
• Comer excessivamente e ganho de peso
• Fadiga ou falta de energia
• Sentir-se inútil, sem esperança ou culpado
• Perda de interesse nas atividades
• Baixa autoestima
• Pensamentos sobre morte e suicídio
• Problemas para dormir ou excesso de sono
• Afastamento dos amigos ou das atividades que antes eram prazerosas
• O risco de tentativas de suicídio


-Diante do paciente com depressão, sistematicamente deve investigar a presença de episódios hipo/maníacos ao longo da sua vida.

-Exige a presença de sintomas de elevação de humor e aumento de atividade física e mental suficientemente grave para causar acentuado prejuízo social e/ou funcional ou a presença de sintomas psicóticos,por um período mínimo de sete dias, ou em qualquer duração, caso a gravidade exija hospitaloização.
-Fármacos como estabilizadores de humor (lítio e anticonvulsivantes);
-Antidepressivos,
-Antipsicóticos atípicos e típicos,
-Ansiolíticos,
-Eletroconvulsoterapias;
-Terapias complementares como cognitivo-comportamental, interpessoais e psicossociais.
(MIGUEL, et al 2011; e STEFANELLI,et al 2008)
A
estruturação
da

rede

de atenção em saúde mental é
fundamental
no processo de
inclusão
do
usuário
e consequente alcance do objetivo norteador da Reforma Psiquiátrica:
o resgate da cidadania do indivíduo com transtorno psíquico

Objetivo de curto prazo:
-É o tratamento dos episódios depressivos, maníacos ou mistos e as condições associadas, como a clivagem rápida.

Objetivo de longo prazo:
-É a profilaxia das recorrências, isto é, impedir que o paciente apresente novos episódios depressivos ou maníacos uma vez estando em remissão do último episódio de humor.

(MIGUEL,et al 2011)
Importância
Rede de saúde mental de base comunitária: Pilares
Base comunitária
Caracteriza os serviços que são prestados em equipamentos de saúde próximos de onde moram os paciente
A proximidade
Facilita o acesso do usuário ao serviço e a busca ativa do indivíduo.
Outros recursos da comunidade
Acesso a Igrejas, centros comunitários, escolas, promovem a reabilitação psicossocial dos pacientes
Interação com o contexto sociocultural
Prevenção
Ajuda no plano individual a pactuar os projetos terapêuticos e no plano comunitário a combater o estigma que sofrem os pacientes.
-É fundamental a identificação:
Fatores de risco,
Proteção relacionados ao transtorno cuja incidência se pretende reduzir.
-É necessário examinar a significância etiológica dos fatores de risco e se eles estão sujeitos a modificação;
-Avaliar a efetividade das medidas propostas.

(MIGUEL, et al 2011)
www.youtube.com/watch?v=6qd1s7y5K5A
A rede de equipamentos
existentes no Brasil

Atenção Primária
CENTROS DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL - CAPS
AMBULATÓRIO DE SAÚDE MENTAL
Residência terapêuticas
Centros de convivência
Pronto-socorro
SAMU
Atende aos casos de avaliação e remoção para casos de urgências psiquiátricas na comunidade.
Enfermaria psiquiátrica
As enfermarias psiquiátricas em hospitais psiquiátricos oferecem internação para diagnóstico e tratamento de casos graves durante a crise.
Comunidade e outros setores
Muitos serviços de saúde mental são prestados pela própria comunidade, familiares e amigos dos pacientes, com ou sem orientação técnica. Entram neste grupo: Igrejas, associações de moradores, ONGS.
Estratégia de Saúde da Família (ESF) +
núcleos de apoio à saúde da família (Nasf).

Os CAPS são equipamentos especializados em saúde mental voltados para o atendimento de pacientes com transtorno mental grave e persistente. Eles devem oferecer atendimento tanto na crise quanto no acompanhamento dos pacientes em regimes que variam do intensivo (quando este passa o dia no CAPS) ao não intensivo (ATENDIMENTOS pontuais).
São equipamentos historicamente mais
voltados
para o
acompanhamento
de pacientes
moderados
e
graves
,
não
oferecendo
cuidados
contínuos
diários
durante o período da crise.
Atendem
pacientes referenciados
, normalmente pela atenção primária ou egressos de internação.

São equipamentos na interface entre a saúde e outros setores como cultura, esportes e trabalho. Oferecem cursos, oficinas e espaços de convívio a um público heterogêneo portadores de transtorno mental ou não.
São casas para moradia a longo prazo de até 08 pacientes sem condições de viver autonomamente e sem possibilidade de viver com família. Possuem sempre um vínculo de apoio técnico como um CAPS.
Serviço hospitalar que oferece atendimento ininterrupto com avaliação psiquiátrica e possibilidade de internação para observação.
Funções psíquicas alteradas
Fatores biológicos:


Há diversas hipóteses biológicas
como justificativas para a depressão;

Todas se baseiam que o transtorno se
associa com desregulações heterogêneas
das aminas biogencias: norepinefrina,
serotoninca e dopamina.



Fatores genéticos:

O componente genético exerce
um papel significativo na transmissão do transtono depressivo, embora, menos significativamente neste do que do transtorno bipolar.

Sintomas principais

(2 ou mais desses sintomas devem
estar presentes)

->Humor depressivo
->Tristeza profunda

-> Inibição ou ausência de capacidade de sentir alegria ou prazer

->Redução da energia

->Fatigabilidade aumentada


Sintomas adicionais

-> Perda de confiança
. . . . -> Perda da auto estima

-> Sentimentos irracionais de morte ou monifestações
de ideias e comportamento suicida

-> Diminuição da capacidade de pensar e se
concentrar

-> Perturbação do sono (insônia ou hipersonia)

-> Alteração do apetite e alteração do peso.


Pode haver a presença da Síndrome Somática (caracteristicas melancólica,
neurovegetativas ou fisicas):
-> Perda de interesse e prazer em atividades que são normalmente prazerosas.
-> Levanta-se de manha 2 horas antes do habitual (insonia matinal)
-> Depressão pior pela manhã
-> Retardo ou agitação psicomotora
->Perda de apetite, de peso e libido.
Fatores psicossociais
Acontecimentos na vida e estresse ambiental:

- O estresse leva a modificações duradouras na biologia do cérebro;

- Essas modificações podem elevar os estados funcionais de vários neurotransmissores e os sistemas intraneurais de sinalização;

- As modificaçõe podem até incluir a perda de neurônios e a redução excessiva de contatos sinápticos;

- Como resultado, o individuo fica com um alto risco de
desenvolver episódios de um transtorno do humor.

2. F33 Transtorno depressivo recorrente
 -> Transtorno caracterizado pela ocorrência repetida
de episódios depressivos na ausência de todo antecedente
de episódios independentes de exaltação de humor e de aumento de energia.

-> O primeiro episódio pode ocorrer em qualquer idade, da infância à senilidade, sendo que o início pode ser agudo ou insidioso e a duração variável de algumas semanas a alguns meses.
->Em caso de ocorrência de um episódio maníaco, o
diagnóstico deve ser alterado pelo de transtorno afetivo
bipolar.

-> Pode ser leve, moderado, grave com ou sem sintomas psicóticos
Tratamento não medicamentoso para fobia específica
Terapia de exposição
Tratamento não medicamentoso
Envolve os métodos cognitivos e comportamentais. incluindo re-treinamento cognitivo, dessensibilização, treino durante as sessões e uma gama de recomendações de tarefas de casa.




Atentar-se aos fatores genéticos, ambientais e biológicos e medo excessivo de algo.
(MIGUEL, E. C; GENTIL, V; GATTAZ, W. F. 2011)
(STEFANELLI, M.C; ARANTES,E.C; e FUKUDA I.M.K, 2008)
(STEFANELLI, M.C; ARANTES,E.C; e FUKUDA I.M.K, 2008)
(STEFANELLI, M.C; ARANTES,E.C; e FUKUDA .M.K, 2008)
(MIGUEL, E. C; GENTIL, V; GATTAZ, W. F. 2011)
(MIGUEL, E. C; GENTIL, V; GATTAZ, W. F.
2011.)
Bons prognósticos
Idade de início mais tardia;
Ausência de transtornos de personalidade;
Boa resposta inicial à intervenção terapêutica;
Menor frequência de trasntornos cormóbidos;
Ausência de doenças piquiátricas nos pais.
Descrição
Etilogia
Exagerar o risco;
Exagerar a responsabilidade;
Pensamentos;
Necessidade de certeza
Perfeccionismo
Lucatelli,2010
(Locatelli,2010)
(SODOCK, 2007)
Diagnóstico
TOC associados a tiques: predominante em homens e pior resposta ao tratamento;
TOC com idade de início precoce: maior transmissibilidade genética;
TOC associado a infecção estreptocócica: início mais precoce dos sintomas
(CONSTANTINO; GENTIL; GATTAZ, 2011).
Prognóstico
Rede de serviços
em
Maceió
CAPS
Caps II Enfermeira Noraci Pedrosa Rua G, Qd. 07. Conjunto da Silva Peixoto, s/n - Jacintinho 3315-5399 Maceió
Caps Sadi Feitosa de Carvalho Rua Oswaldo Cruz, s/n – Chã de Bebedouro. 3315-5433/ Maceió.
Caps Luiz da Rocha Cerqueira Conjunto José Tenório, rua E, Qd. E, s/n –3315-2401 Maceió

Manter em segredo;
Depressão= complica os sintomas (40 a 80%);
Risco para suicídio;
20 a 40% desenvolvem dependência de álcool ou outras substâncias;
Podem desenvolver TOC;
Afeta interação familiar, desempenho na escola ou no trabalho;
Bom prognóstico = bom desempenho pré-morbido
e sintomas de duração breve.
(Sadock, 2007)
Instituto Casa Verde – Ligado à UNCISAL
Fits grupo de estudos sobre transtorno de pânico.
Centro de Crescimento Humano - (82) 3241-2541
PROGRAMA NA PRAIA – atividades físicas
Grupos de meditação
ESCOLAS ABERTAS FIM DE SEMANA CURSOS PROFISSIONALIZANTES
CRAS CURSOS PROFISSIONALIZANTES
SESI – SAÚDE
FENIX – GRUPOS DE DANÇA
Ambulatórios de saúde mental: PAM SALGADINHO, HOSPITAL PROFESSOR ALBERTO ANTUNES E PORTUGAL RAMALHO.

Antidepressivo tricíclico (ADT)
Mecanismo de ação desta classe consiste em reduzir a recaptação de 5-HT e NA, aumentando a disponibilidade desses neurotransmissores na fenda sináptica. Entretanto, alguns possuem predominância da atividade noradrenérgica (como desipramina, nortriptilina e maprotilina) e outros da serotoninérgica (como amitriptilina, clomipramina e imipramina).
Os efeitos anticolinérgicos são os mais frequentes, englobando:
Constipação, xerostomia (boca seca), visão turva, sedação e retenção urinária e causar ganho de peso
(devido aos efeitos anti-histamínicos), arritmias
IMAO (inibidores da monoaminoxidase)
O mecanismo de ação consiste na inibição da enzima monoamina oxidase (MAO), responsável pela degradação de 5-HT, NA e DA. O bloqueio da MAOa no trato gastrointestinal pode ser responsável pela reação do “queijo” (como é conhecida popularmente), na qual ocorre crise hipertensiva grave, resultante da ingestão concomitante desses inibidores com alimentos que contêm tiramina. Ex: selegilina e a tranilcipromina
Efeitos adversos:
Hipotensão ortostática, síncope, anticolinérgicos, taquicardia, disfunção sexual e edema periférico
Teorias cognitivo-comportamentais:
Inibidores da Recaptação de Serotonina e Noradrenalina (IRSN)
Venlafaxina: é um potente inibidor da recaptação de 5-HT e de NA.
Efeitos adversos:
Náusea, vômitos, insônia, vertigem e cefaleia.
Duloxetina inibe a recaptação de 5-HT e de NA, com atividade equilibrada entre as duas monoaminas.
Efeitos adversos:
Náusea, constipação e xerostomia, prurido, diarreia, vômito, disfunção sexual e alterações do sono.
Resposta aprendida (comportamento dos outros e condicionamento clássico);
Ligação entre sintomas somáticos menores e geração do ataque de pânico;
Aumento do n° e da gravidade dos ataques de pânico.
Teorias psicanalíticas:
Defesa mal sucedida contra impulsos que provocaram ansiedade;
Fatores ambientais e psicológicos;
Incidência mais alta de acontecimentos estressantes;
Perda dos pais na infância, abuso sexual (60%).
(Sadock,2007)
Inibidores seletivos da recaptação de serotonina (ISRS).
Mecanismo de ação: inibem a recaptação de 5-HT
na fenda sináptica, aumentando a disponibilidade da monoamina e, consequentemente, a atividade serotonérgica.
Ex: fluoxetina, paroxetina, sertralina, fluvoxamina, citalopram e escitalopram.
Efeitos adversos: São mais bem tolerados que as demais classes, visto que possuem melhor perfil
de segurança (mesmo em casos de sobredose, possuem baixa toxicidade, além de mínimos efeitos anticolinérgicos – xerostomia, constipação, visão turva)
(MIGUEL, E. C; GENTIL, V; GATTAZ, W. F. 2011)
(MIGUEL, E. C; GENTIL, V; GATTAZ, W. F. 2011)
A incidência na população mundial é de 2% a 5% enquanto no Brasil, é de 4%;
Estados Unidos: 1.000 indivíduos cerca de 1 a 3 são afetados.
De modo geral, 50% dos portadores desenvolvem depressão e 90% agorafobia;
Adultos jovens entre 20 e 45 anos.
(Sadock, 2010; Locatelli 2010)
(MIGUEL, E. C; GENTIL, V; GATTAZ, W. F. 2011)
Epidemiologia
Filhos e irmãos têm 25% de possibilidade de desenvolver transtorno de pânico;
o indivíduo urbano está mais propenso do que do rural;
Mulheres tem 2 a 3 vezes maior probabilidade de serem afetadas;
Cerca de três quartos dos pacientes com agorafobia são do sexo feminino.
(Sadock, 2010; Locatelli, 2010)

Epidemiologia
Epidemiologia
Outras instituições
De acordo com o DSM-IV-TR para que seja diagnosticado o trantorno depressivo, é necessário que estejam presentes pelo menos cinco sintomas num periodo de duas semanas:
Pertubação no humor;
Presença ou ausência de humor;
Comprometimento na vida social, familiar e profissional da pessoa em sofrimento
Transtorno de ansiedade
Sintomas gerais:
Sensação vaga, difusa e desagradável;
Preocupações irrelevantes;
Ideias ocupam parcialmente a capacidade de memória de trabalho
(ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSIQUIATRIA, 2008).
* Humor deprimido na maior parte do dia;
* Diminuição do interesse ou prazer na maioria das atividades na maior parte do dia;
* Perda ou ganho significativo de peso sem estar de dieta acompanhado de aumento ou diminuição do apetite;
* Insonia ou hipersornia frequente;
* Agitação ou retardo psicomotor quase todos os dias;
* Fadiga ou perda de energia frequente;
* Sentimento de inutilidade ou culpa excessiva;
* Capacidade diminuida de pensar e se concentrar;
* Pensamentos de morte recorrente e ideação suicida.

Atenção!
Deve Investir:
Sinais e Sintomas
Sintomas Físicos:
taquicardia;
palpitações;
dispneia;
sudorese;
dificuldade na fala;
comprometimento da memória.

(ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PSIQUIÁTRICA, 2009)
* Não inclui sintomas nítidamente devidos a uma
condição medica geral ou alucinações;

* Os sintomas não satisfazem os criterios para um episódio
misto;

* Os sintomas causam sofrimento significativo ou prejuizos no funcionamento social, ocupacional e em outras áreas da vida;

*Os sintomas não se devem aos efeitos fisiológicos diretos de
uma substancia ou de uma condição medica em geral.


(ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSIQUIATRIA, 2009)
(ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSIQUIATRIA, 2009)
Prognóstico
Ansiolíticos*
Benzodiazepínicos*
(CONSTANTINO; GENTIL; GATTAZ, 2011)
Buspirona
Formação reativa: é a atitude psicológica de sentido oposto a um desejo recalcado (ex: o pudor a expor-se a tendencias exibicionistas.

(CONSTANTINO; GENTIL; GATTAZ, 2011)
Inibidores seletivos de recaptação de serotonina
Velafaxina (somáticos)
Regressão: retorno das etapas ultrapassadas do desenvolvimento com passagens a modo de expressão e de comportamento em nivel inferior.
(ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSIQUIATRIA, 2009)
(MIRANDA; BORDIN, 2001)
Capacidade crítica: "insight";
Processamento das informações:
Projeção: é a operação pela qual o individuo expulsa de si e localiza no outro (pessoa ou coisa) qualidades, sentimentos, desejos que ele desdenha ou recusa em si
Atenção;
Consciência do eu;
memória.
Racionalização: é a apresentação de uma explicação coerente do ponto de vista lógico ou aceitável do ponto de vista moral, para uma ação, ideia ou sentimento, cujo motivverdadeiro o individuo não se apercebe.
Sinal de alerta;
Mecanismo de defesa;
Patológica quando desproporcional ao estímulo que a iniciou, ou sem justificativa e acompanhada de sintomas físicos originados do sistema nervoso autônomo. Compromete o desempenho e bem-estar do indivíduo.
efeitos adversos; dependência.
efeito demorado; sem efeitos não-ansiolíticos;
Fluoxetina
Sertralina
Paroxetina
Associados.
Distorções cognitivas hipoativas.
Sintomas somáticos.
Conflitos e ego.
Ansiedade
:
Transtorno de ansiedade:
estados emocionais repetitivos ou persistentes nos
quais a ansiedade patológica desempenha papel fundamental.

Medicamentos de primeira linha
Fluoxetina: 20-80 mg/dia;
Sertralina: 50-200 mg/dia;
Fluvoxamina: 100-300 mg/dia;
Paroxetina: 20-60 mg/dia;
Citalopram: 20-60 mg/dia;
Escitalopram: 10-20 mg/dia;
Clomipramina: 75-250 mg/dia
Sistematização da Assistência em Enfermagem
(Nunes, et al 2009)
Full transcript