Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Revolução Russa: De Lenin à Stalin

Apresentação feita para trabalho da disciplina de História Contemporânea, do Curso de Graduação em Relações Internacionais, do Centro Universitário de Belo Horizonte (UniBH)
by

on 3 June 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Revolução Russa: De Lenin à Stalin

Revolução Russa
De Lênin à Stalin
Após conflitos expansionistas, Rússia e Japão entram em guerra devido a disputas territoriais no leste da Ásia. Apesar de a população russa pedir por paz, o Czar tem confiança na vitória e prossegue com a guerra. Atrapalhados pela difícil logística de locomoção de um lado para o outro do país, tendo apenas a linha férrea transiberiana como possibilidade, os russos têm sua força derrotada pelos japoneses.
1904 - 1905
Guerra Russo-Nipônica e o Ensaio Geral
Charge retratando as batalhas navais em Porth Arthur, durante a Guerra Russo-Nipônica
Com a derrota para o Japão, o governo ficou com sua imagem abalada perante sua população. A população da capital então se organizou em uma marcha pacífica com o intuito de entregar uma petição ao Czar, no entanto as autoridades locais na ausência do Czar reforçaram a segurança da cidade, tendo assim a marcha culminado com o assassinato de 92 de seus integrantes, além da prisão de muitos outros. Este dia ficou conhecido como "Domingo Sangrento".
Em resposta, a população começou a se revoltar, pedindo maior liberdade, igualdade e melhorias econômicas. Diante disto então, o Czar publicou o chamado "Manifesto de Outubro", no qual criava um parlamento, porém este com sérios limites em sua autonomia. Este gesto provocou um racha entre os moderados e os socialistas, dando espaço para a estabilização do Czar no poder. Lênin viria a chamar este evento de "Ensaio Geral para a revolução de 1917".
1905 - 1916
Período Pré-Revolução
A posição do então Czar Nicolau II, conhecido como “O Sanguinário”, ganhou uma sobrevida com o início da I Guerra Mundial. O fator inimigo externo arrefeceu os ânimos revolucionários, no entanto o conflito trouxe para o país uma profunda crise econômica gerando fome, desemprego e novamente insatisfação popular. Com isto protestos e passeatas começaram a ocorrer por parte da população. Greves e revoltas populares passaram a ocorrer nas cidades.
Referências
HOBSBAWM, Eric.
Era dos Extremos: o breve século XX – 1914 – 1991
. Editora Schwarcz S. A. 1995.

TROTSKY, Leon.
A Revolução Permanente
. 1929.

FILIPPI, Eduardo Ernesto.
Experiências internacionais de reforma agrária: entre socialismo e populismo.
UFRGS
Março de 1917
A Revolução Branca
No início de 1917, a tensão entre Czar e população alçaram um nível crítico, culminando com o Czar ordenando aos militares que disparassem contra a população revoltosa, no entanto parte desta aderiu a causa popular.
Pouco tempo depois os populares invadiram o palácio de inverno de Petrogrado, depondo o Czar do poder a partir de então.
Duas salas foram ocupadas no palácio invadido, em uma estava um grupo formado por deputados do parlamento, no outro um Soviete composto por trabalhadores, soldados e integrantes de partidos socialistas. Em seguida Instalou-se um governo provisório de caráter liberal-burguês, com participação dos mencheviques, que pretendia zelar pela propriedade privada e se manter na primeira guerra mundial. Paralelamente o Soviete reinvidicava o controle sobre o governo.
Ao contrário das idéias do governo provisório, os sovietes queriam dar terras para o povo e o fim da guerra.
As medidas tomadas pelo governo não amenizaram a crise economica, e a população permaneceu insatisfeita.
Sovietes
A divisão interna
Os sovietes eram conselhos regionais compostos por diversos grupos da sociedade, porém o Partido Operário Social-Democrata Russo possuia grande influência nesse meio.
O partido se dividia em dois grupos principais; os Mencheviques e os Bolcheviques.
Novembro de 1917
A Revolução Vermelha
Mencheviques:
possuiam uma visão pragmática acerca da revolução, acreditando que a Rússia ainda deveria passar por algumas etapas antes de se tornar socialista. Eram minoria dentro do partidos e liderados por Martov.
Bolcheviques:
acreditavam que era possível transformar a onda de revolta popular em poder político e implantar o socialismo desde o início. Eram maioria no partido, e liderados por Lênin.
Durante os dias de governo provisório iniciou-se uma disputa entre os principais setores políticos Russos. Entre eles o que melhor conseguiu captar militantes foram os bolcheviques, utilizando o slogan: "Paz, Pão e Terra".
O Governo provisório não obteve sucesso em atender os anseios da população, a crise piorou, a fome assolou a população e o país se manteve na guerra.
Os bolcheviques baseados em seu lastro popular, começaram a se preparar para tomar o poder do governo provisório.
No fim de outubro eles invadem o palácio de inverno e prendem alguns dos membros do governo, o Soviete de Petrogrado então delega o poder ao "Conselho dos Comissários do Povo", que é composto em sua maioria por bolcheviques.
O Comitê Executivo do Soviete não aceita a decisão de sua assembléia e ordena que as forças armadas lutem contra o golpe bolchevique, porém estes eram maioria nas principais cidades russas e puderam assim estabelecer um novo governo provisório. De imediato foi implementado o modelo de auto gestão em empresas médias e grandes, dando o controle aos operários.
Esta medida reforçou o apoio dos operários ao governo bolchevique, e aos poucos os sovietes independentes começaram a ser incorporados ao "Conselho Pan-Russo de Gestão Operária", que ficava subordinado ao governo.
Os bolcheviques ficam em segundo lugar nas votações para a composição da assembléia constituinte marcada para o início do ano seguinte. Esta, no entanto, é fechada pelo governo e as manifestações de apoio à assembleia são dissipadas com poder militar.
No início de 1918 é assinado um acordo de paz com a Alemanha, onde a Rússia perde parte de seus territórios em troca da paz, outras medidas foram a estatização da economia e o confisco de grandes propriedas privadas, inclusive do clero.
Charge retratando as revoltas populares pedindo pelo fim da crise econômica e pelo fim da guerra.
1918 - 1921
Guerra Civil
Retrato de Nicolau II, O Sanguinário
Após a consolidação do poder bolchevique movimentos de contra-revolução começaram a estourar, em especial nos territórios cedido à Alemanha. Os Estados do ocidente passaram a financiar levantes e outros movimentos golpistas, com medo de que o comunismo se espalha-se pela população europeia.
Os bolcheviques organizaram um exército e conseguem organizar sua defesa, então chefiada por Leon Trotski, um dos líderes do movimento revolucionário junto à Lênin. Neste período os bolcheviques passam a integrar o Partido Comunista, que irá ser a base do governo da futura união soviética.
1922
União das Repúblicas Socialistas Soviéticas
Com o fim da Guerra Civil no início de 1921, o país começou a se organizar com o intuito de superar a crise economica e os prejuizos sofrido devido à guerra. Lênin criou uma comição de planificação da economia, porém em um primeiro momento foi necessário para o Estado adotar algumas medidas capitalistas para garantir sua estabilização econômica. Estas e outras medidas ficaram conhecidas como NEP (Nova Política Econômica)
No final de 1922, em um congresso geral que reuniu todos os sovietes do país, foi fundada a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS). Esta era baseada no sistemas de sovietes locais, subordinados a um soviete supremo. O poder executivo era escolhido por este soviete supremo, e a ele cabiam as atribuições de chefe de Estado.
Paralelamente, o Partido Comunista permeava todo o sistema político russo, e era quem contralava de fato o país.
Representação dos líderes da revolução socialista. Stalin (a esquerda), Lênin (ao centro) e Trotski (a direita)
1924
A Morte de Lênin
No inicío do ano de 1924, Lênin falece de causas obscuras até os dias de hoje. Dá-se inicio a uma grande disputa pelo poder na URSS.
Entre os que aspiravam à sucessão estavam dois companheiros de Lênin; Trotski e Stalin.
Stalin:

Ganhou notoriedade no Partido Comunista por sua organização e facilidade para fazer alianças. Comportamento altamente centralizador e burocrata. Defendia que a revolução deveria ser primeiro consolidada na Rússia, para então tentar levar a revolução ao restante do mundo.

Trotski:
Conhecido por seu talento como organizador e orador, fez parte do quadro intelectual da revolução. Com inclinações para líderança, chefiou o exército vermelho durante a guerra civil. Acreditava que a Rússia serveria como estopim para a revolução em outros países, e que a revolução deveria ser permanente e expandida.
1924
Stalin assume
Após forte disputa interna do partido, Stalin assume o governo e expulsa Trotsky do país. Com estilo de governo buracratizado e centralizado em suas mãos, dá início à campanha de fortalecimento da economia da União Soviética.
Seu foco inicial de investimentos foi na industria de base, junto a educação e técnologia. A economia do país era projetada em "Planos Quinquenais".
Levou adiante a redistribuição de terras, criando propriedade estatais e propriedades coletivas.
O perÍodo no qual Stalin esteve no poder foi marcado por alta perseguição aos seus inimigos políticos. Parte do alto escalão militar que havia servido no regime anterior foi fulizado sob a acusação de traição.
Trotski, seu rival na disputa pelo poder foi morto anos depois a mando de Stalin, com golpes de picareta.
1953
Morre Joseph Stalin
Stalin morre envenenado aos 74 anos de idade. As circunstancias de sua morte não são claras até o presente momento.
Suspeita-se, no entanto que tenha sido assassinado por seus subordinados imediatos devido ao temor destes, de que Stalin levasse a cabo seu próximo plano de perseguição à opositores. Este plano consistia na acusação de um grupo de médicos judeus de fazerem parte de uma organização internacional de espionagem. O caráter deste ato traria consequências desastrosas para o regime, e para a união.


Após sua morte, Nikita Kruschev assume o poder e, pouco depois inicia um processo de "destalinização" da União Soviética.
Faz graves denuncias a seu antecessor e amigo pessoal, trazendo a público inclusive cartas de Lênin que indicava que Stalin não deveria assumir o poder por seu temperamento e ambição.

Governo de Stalin
O Expurgo
Governo de Stalin
Reforma Agrária
1939
Pacto de Não Agressão Germano-Soviético
1941
Ofensiva Alemanha
1942
A Batalha de Stalingrado
1945 - 1953
Stalin pós guerra
Stalin utilizada os campos de serviços forçados na sibéria como punição para inimigos políticos, estima-se que cerca de 3 milhões de pessoas tenham sido exiladas entre 1941 e 1949.
Seu regime é considerado um dos mais sangrentos da história.
Além de seu caráter violento, Stalin foi acusado de praticar o culto a personalidade, fazendo uso de marketing pessoal para a população.

Com as tensões européias aumentando, Stalin tinha consciência que a União Soviética não se encontrava em condições de entrar numa guerra deste porte.
Por outro lado, a Alemanha previa um bloqueio naval por parte da Inglaterra, e sabia que seria um fato complicador dividir suas forças em duas frentes, ocidental e oriental.
Ao contrário da economia de guerra, a NEP trouxe a possibilidade ao camponês de vender seus excedentes de produção no mercado comum. Isto estimulou a economia de estabilizou o processo de redistruibuição de terras na União Soviética.
Devido à escasses de produtos, a tecnológia agrária foi alvo de fortes investimentos por parte do Estado, aumentando a produtividade das terras visando a necessidade de fornecimento de alimentação para toda a população soviética.
Charge Retratando o Pacto Germano-Soviético
Em agosto de 1939, Alemanha e URSS assinam um pacto de não agressão entre os países. Em complemente o mesmo pacto definia a divisão entre os dois países da Polônia e outros estados de interesse de ambos como Letonia, Lituania e Finlandia.
Este pacto surpreendeu França e Inglaterra, que acreditavam que os nazistas e soviéticos entrariam em guerra.
Em Julho de 1941, a Alemanha dá inicio à operação "Barbarossa", que consistia na abertura da frente de guerra no oriente.
Utilizando suas táticas de guerra, os alemães conseguem um rápido avanço sobre as linhas defensivas inicias da URSS. Em parte da ofensiva os soldados soviéticos não sabiam como agir contra o até então neutro exército alemão.
O plano nazista era baseado em formar uma grande linha de batalha que se entendesse de Leningrado ao norte, passando por Moscou na região central e chegando até Stalingrado, ao sul.
Os nazistas conseguem tomar controle sobre a cidade de Kiev e estabelecem um cerco à Leningrado, que viria a durar cerca de dois anos.
Na linha central as forças alemãs são retardadas pela defesa soviética, porém ao sul ocorre uma das maiores batalhas da segunda guerra mundial, a batalha de Stalingrado.
Charge retrata o ato traidor de Hitler ao atacar a União Soviética
Mapa detalhando a extensão da linha de combate criada pela Alemanha e seus alvos.
A batalha de Stalingrado é uma das mais famosas batalhas da segunda guerra mundial por ser a primeira derrota efetiva do exército alemão.
Um dos fatores que diferenciam desta batalha foi o território onde foi travada. A estratégia de guerra nazista chamada "Blitzkrieg" possui grande efetividade em campo aberto, porém em meio às ruinas da cidade os alemães se viram em desvantagem numérica e estratégica.
Após fortes ofensivas alemãs, os soviéticos traçam um plano de contra-ataque utilizando os flancos mal-protegidos do adversário. Em pouco tempo conseguem fazer prisioneiros os exércitos romenos e croatas que serviriam de reforço às tropas nazistas. Dando continuidade ao ataque os Soviéticos conseguem empurrar a força invasora até a margem do rio Volga.
Parte do insucesso da investida alemã se deve ao fato de Hitler desejar o controle de Stalingrado a todo custo, o que implicou em decisões equivocadas do exército.
Derrotados em Stalingrado, o exército alemão começou a ser empurrado de volta pelo território soviético. Este recuo, no entanto, foi lento devido às batalhas que se travaram no processo.
Em agosto de 1944 a União Soviética consegue expulsar os alemães de seu território definitivamente, dando início a ofensiva em direção a Berlim.
Charge ilustrativa sobre o resultado da invasão nazista sobre a União Soviética
Ao término da guerra, Stalin se reuniu com os líderes ocidentais por diversas vezes. Geralmente para decidir assuntos referentes à divisão de territórios, pagamento de multas de guerra e a criação do acordos pós-guerra.
Sua divergencia em relação às políticas ocidentais ficaram claras de início, e ambos os lados passaram a tomar medidas de proteção.
Foto de encontro de líderes de Estado.
Churchill (a esquerda), Roosevelt (ao centro) e Stalin (a direita).
Durante a década de 40, Estados que faziam fronteira com a face ocidental das URSS se tornaram regimes socialistas no formato soviético. Entre estes Estados estão Polônia, Tchecoslováquia, Bulgária e Hungria.
Estes movimentos foram considerados pelos líderes capitalistas como "governos fantoches" de Stalin para criar um cordão sanitário entre os blocos na região do leste europeu.
Esta política foi batizada de "cortina de ferro".
Full transcript