Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

AUDIÊNCIA PÚBLICA TRANSPORTE COLETIVO MUNICIPAL

No description
by

Allison Franco

on 21 February 2017

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of AUDIÊNCIA PÚBLICA TRANSPORTE COLETIVO MUNICIPAL

SISTEMA VIÁRIO
De acordo com os dados levantados sobre o sistema viário da cidade, 80 % das vias são compostas por ruas e 14 % por avenidas. 6% das vias são compostas por Estradas, Rodovias e Travessas.

As larguras das vias existentes na cidade de Apucarana variam entre 12 a 15 metros.

Descritivo das linhas
7. REQUISITOS MÍNIMOS
7.1. VALIDADORES ELETRÔNICOS.
ESPECIFICAÇÃO SALA DE ATENDIMENTO AOS USUÁRIOS
Esta especificação técnica define as características básicas para a implantação de Sala de Atendimento aos Usuários.

A Empresa Concessionária prestadora dos serviços de transporte coletivo, deverá implantar uma Sala de Atendimento aos Usuários localizada no centro de Apucarana e próxima ao Terminal.

Esta sala deverá ter no mínimo 80,00 m2 e dispor de:

a) Pelo menos 20 cadeiras novas para espera no atendimento;
b) Guichê para atendimento e venda dos Cartões e Créditos;
c) Computador com monitor e licença especifica para este fim, para uso do atendente na comercialização dos Cartões e Créditos.

TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS
No município de Apucarana existem atualmente 23 linhas urbanas e 5 rurais. A maior parte da frota é de ônibus convencionais. Ao todo são 65 veículos. Não existe tecnologia embarcada nos veículos, nem sistema de controle municipal da operação do Sistema.
A cidade conta com um terminal urbano e um rodoviário, que também atende linhas intermunicipais. Ambos são operados pela Prefeitura Municipal de Apucarana. Os pontos de ônibus são motivo de reclamação, possuem um desenho único e praticamente nenhuma informação ao usuário. Eles são de responsabilidade da prefeitura.

Atualmente o sistema de transporte coletivo municipal conta com 65 ônibus com cobradores. Todos possuem sistema de bilhetagem eletrônica, mas não existe um sistema de monitoramento de frota. Ambos os terminais são administrados pela prefeitura.

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DA BILHETAGEM
1. APRESENTAÇÃO

1.1. O sistema de Bilhetagem Eletrônica a ser implantado, deverá ser compatível com as especificaçõestécnicas abaixo relacionadas.

1.2. O prazo máximo para a implantação do sistema, conforme especificado no Edital de Concorrência, é de xxx () dias, contados da assinatura do contrato de concessão.

1.3. Os custos relativos ao desenvolvimento, implantação, manutenção e atualização deste sistema correrão por conta da concessionária e NÃO integrarão os cálculos tarifários.

2.1. OBJETIVOS

2.1.1 O sistema de Bilhetagem Eletrônica a ser implantado deverá atender os seguintes objetivos básicos:
2.1.2Proporcionar o controle de todos os usuários do transporte coletivo de passageiros sejameles pagantes ou não, através da passagem pelas roletas e, para os usuários impossibilitados de passagem pelaroleta deverá ser prevista solução técnica que permita a contabilização destes usuários;
2.1.3Minimizar a evasão de receita;
2.1.4Possibilitar a racionalização de rede de transporte, através da integração do sistema, comaumento da mobilidade dos usuários;
2.1.5Possibilitar flexibilidade da estrutura tarifária;
2.1.6Proporcionar maior segurança, pela venda antecipada dos cartões, com a consequente redução de valores monetários embarcados;
2.1.7Possibilitar o controle operacional da oferta de serviços e a aferição do cumprimento dasdeterminações de operação;
2.1.8Permitir uma coleta de dados que subsidie o planejamento do sistema e a programação dosserviços.

2. SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA.
3.1. Utilização de cartões inteligentes (smart card contact less) recarregáveis como meios de pagamento, eequipamentos eletrônicos embarcados nos veículos para validação dos créditos de viagem.

3.2. Ao lado das catracas deverão ser instalados os validadores, que realizarão a leitura e verificação daexistência de crédito de viagem gravado no cartão e, posteriormente, irão liberar a roleta.

3.3. Cada operação da validação de um crédito de viagem ou da liberação da roleta deverá ser armazenada novalidador e, ao final da operação do veículo, estes dados deverão ser coletados automaticamente através detransmissão para um computador na garagem da empresa concessionária.

3.4. Os dados deverão ser transmitidos diretamente ao Sistema Central de Processamento de Dados caso osvalidadores estejam equipados com sistema de telefonia celular.

3.5. O validador também deverá armazenar no próprio cartão do responsável pela operação, um resumo de sua jornada detrabalho, o qual deverá ser descarregado na garagem com a emissão de um comprovante que será entregue naarrecadação desta, possibilitando desta forma o seu acerto de contas sem a necessidade deretorno do ônibus à garagem.

3.6. Em cada garagem, os dados de todos os veículos que nela operam deverão ser agrupados e transmitidosdiariamente para a Central de Armazenamento e Processamento de Dados onde serão realizadas as operações deautenticação dos créditos, atualização de contas corrente e consolidação dos dados.

3.7. Todos os softwares e programas aplicativos deverão ser desenvolvidos de forma parametrizável,permitindo a Prefeitura do Município de Apucarana definições de parâmetros operacionais do sistema e alteraçãodos mesmos sem a necessidade de interveniência do fornecedor de tecnologia.

3. CONDIÇÕES GERAIS.
4. PROCESSOS ENVOLVIDOS.
4.1. Os processos existentes no sistema de Bilhetagem Eletrônica devem ter suas rotinas conhecidas pelosagentes envolvidos e estar compatibilizados com a operação dos equipamentos que serão implantados.

4.2. Os processos a serem implementados com a automatização são, basicamente, os seguintes:
• Emissão de créditos;
• Cadastramento de usuários;
• Distribuição dos créditos;
• Comercialização;
• Validação;
• Transmissão;
• Controle e Gerenciamento

5. ELEMENTOS FÍSICOS.
5.1. Cartão:
5.2. Validador;
5.3. Catraca;
5.4. Terminais de venda;
5.5. Equipamentos de transmissão;
5.6. Computadores e periféricos.

6.1. As seguintes instalações deverão ser consideradas:
6.1.1. Sistema Central de Armazenamento e Processamento de Dados;
6.1.2.Sistema de Geração de Créditos;
6.1.3.Sistema Central de Distribuição dos Créditos;
6.1.4.Postos de Comercialização;
6.1.5.Sistema de Gerenciamento nas Garagens.

6. INSTALAÇÕES FÍSICAS.
A Prefeitura do Município de Apucarana, após aprovação do Projeto Executivo apresentado pela concessionária, emitirá regulamento operacional do Sistema de Bilhetagem Municipal que contemplará,além do detalhamento tecnológico apresentado no Projeto Executivo, os procedimentos operacionaisenvolvidos.
8. INFORMAÇÕES ADICIONAIS
Especificações para o Sistema de Controle Operacional de Transportes.
A licitante vencedora deverá implantar um Sistema de Controle Operacional para o desenvolvimento dos Serviços de Controle Operacional de Transporte do município, devendo englobar no mínimo os seguintes sistemas:

• Controle de Frota.
• Bilhetagem Eletrônica.
• Informação ao Usuário.
• Telecomunicação.
• Centro de Controle Operacional.

O sistema deverá permitir que a contratante acesse em tempo real todas as informações que julgar necessária, entre elas: Controle de frota, controle de
quilometragem percorrida, quantidade de passageiros transportados por modalidade.
(assim como qualquer outra que se faça necessária incluir)
ESPECIFICAÇÕES FUNCIONAIS DOS SISTEMAS
1) Controle de Frota

1.1. O Controle de Frota deverá estar baseado em sistemas embarcados nos veículos que transmitirão o posicionamento do veículo via 3G, 4G ou GPRS para o Centro de Controle de Operação – CCO, para rastreamento dos veículos, processamento e emissão de relatórios operacionais.

1.2. O controle de frota deverá informar no mínimo:
• Controle do cumprimento horário.
• Controle da quilometragem percorrida.
• Controle da disponibilidade de frota.

2) Bilhetagem Eletrônica

2.1. A Bilhetagem Eletrônica deverá ser baseada em sistemas embarcados nos veículos e fixos instalados em bilheterias e em catracas nas linhas de bloqueio como validadores, outro componente são os cartões contactless e a retaguarda de processamento das informações capturadas e transmitidas para o CCO.

2.2) O Sistema de Bilhetagem Eletrônica deverá fornecer no mínimo as seguintes informações para o gestor:

2.2.1. Quantidade de passageiros transportados dentro das suas modalidades:
• Passe Normal.
• Passe Estudante.
• Passe Empresa.
• Passe Idoso.
• Demais passes com gratuidades.

2.2.2. Informações de faturamento do dia operacional.

2.3. O sistema de Bilhetagem Eletrônica deverá estar de acordo com o Anexo xx deste edital de Concorrência.

3) Informação ao Usuário

3.1. O Sistema de Informação ao Usuário tem como objetivo garantir ao usuário de transporte coletivo informações referentes à operação através de sistemas visuais e sonoros, além de oferecer através da internet, celulares smartphones, tabletes e atendimento 0800.

3.2. O sistema de Informação ao Usuário deverá, no mínimo, ser compostos pelos seguintes subsistemas:

• Painéis de Mensagens Variadas – Terminal e Estações.
• Sonorização em Terminais.
• Atendimento ao Usuário.

3.3. O subsistema de Painéis de Mensagens Variadas – Terminal e Estações deverá fornecer, no mínimo, as seguintes informações:

3.3.1. Mensagens operacionais.
• Linhas que operam no ponto.
• Próximas partidas.
• Atrasos.

3.3.2. Mensagens institucionais.
• Campanhas da Prefeitura em geral.

3.3.3. Mensagens de Segurança.

3.4. O subsistema de Sonorização em Terminais deverá fornecer no mínimo as seguintes informações:

3.4.1. Mensagens operacionais.
• Linhas que operam no terminal, ponto e plataforma.
• Próximas partidas do ponto e plataforma.
• Atrasos das linhas do ponto e plataforma.

3.4.2. Mensagens institucionais.
• Campanhas da Prefeitura em geral.

3.4.3. Mensagens de Segurança.

3.5. O subsistema de Atendimento ao Usuário, composto pelo fornecimento de informações pela internet, smartphone, tabletes e 0800 deverá, no mínimo, fornecer as seguintes informações:

3.5.1. Resultados de pesquisa de origem destino.
3.5.2. Valores da tarifa e integrações.
3.5.3.Itinerário das linhas.
3.5.4. Horários das linhas.

Os resultados das consultas deverão considerar o menor percurso e o menor custo.

4) Telecomunicações

4.1. Todo o sistema devera estar suportado por uma infraestrutura de Telecomunicação com alta disponibilidade e redundante que deverá interligar os pontos de parada, terminais, pátios e CCO.

4.2. O sistema de Telecomunicações deverá, no mínimo, atender aos seguintes requisitos:

• Ter capacidade de transmitir dados para todos os sistemas de Controle Operacional.
• Ser redundante garantindo a não paralisação do controle da operação.
• Integrar diversos meios de comunicação como Fibra Óptica, cabos metálicos e meios de comunicação sem fio como Wi-fi e Celular.
• Softwares aplicativos de gerenciamento de rede.

5) Centro de Controle Operacional

5.1. A função do Centro de Controle Operacional – CCO é a de receber, processar, monitorar e transmitir todos os dados e informações referentes à operação de transporte. O CCO possui uma sala de controle composta por mobiliário adequado, estações de trabalho e vídeowall composto por 2 telas de 50 polegadas e Data Center composto por racks de telecomunicações e servidores de processamento e banco de dados, além da estrutura de rede local, e energia elétrica estabilizada.

5.2. O CCO deverá operar 24 horas 7 dias por semana sendo que deverá possuir no mínimo 2 operadores em horário comercial e 1 operador em horário noturno, além de 1 supervisor em dias úteis. Aos sábados, domingos e feriados deverá possuir no mínimo 1 operador em horário comercial e 1 operador em horário noturno, além de 1 supervisor de plantão. – o CCC operará 24 horas ou em horário comercial?

5.3. Uma das atribuições dos operadores será de atendimento ao 0800 para fornecer informações aos usuários de transporte público.

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DAS GARAGENS
APRESENTAÇÃO

Esta especificação técnica define as características básicas para a garagem da frota de ônibus dosserviços que compõe o objeto desta licitação.

Agaragem, utilizada pela Empresa Concessionária prestadora dos serviços de transporte coletivo, deverá estar localizada dentro do Município de Apucarana. O local indicado deverá adequar-se à topografia da região respeitando também as leis de uso e ocupação do solo. Deverá dispor de áreas de estacionamento, de abastecimento, lavagem, manutenção, administração, entre outras.

A área do terreno deve atender satisfatoriamente às necessidades da operação, manutenção e guarda dos veículos e possuir laudo de vistoria emitido pelaPrefeitura do Município de Apucarana ou indicado por ela, antesdo início da operação, com o objetivo de comprovar sua adequação às exigências técnicas e legais realizadas.

2. CARACTERÍSTICAS DA GARAGEM

PORTARIA DE VEÍCULOS
Local próprio para entrada e saída de veículos, provido de portão einstalações para controle de movimentação da frota.


2.1. DIMENSIONAMENTO DA ÁREA TOTAL DA GARAGEM
A área deverá atender satisfatoriamente às necessidades da Concessionária no que se refere àadministração, manutenção e estacionamento dos veículos.

2.2. ÁREA ADMINISTRATIVA
A área destinada à administração deverá estar diretamente relacionada ao número de funcionários,distribuídos de forma racional, facilitando o deslocamento e interação entre as áreas.
As áreas administrativas deverão ser dotadas de ambientes arejados, com boa iluminação, construção emalvenaria e número de sanitários compatíveis com a quantidade de funcionários.

2.3. ÁREA DE MANUTENÇÃO
A área destinada à manutenção deverá ser compatível com o número de veículos da frota, quantidade deintervenções preventivas/corretivas realizadas e quilometragem percorrida pela frota de veículos.
A área de manutenção deverá ser coberta exclusiva, com pontos de fornecimento de ar comprimido eeletricidade. Deverá, também, possuir iluminação adequada aos serviços realizados, possuir boa ventilação, pisoantiderrapante e estar devidamente sinalizada.
As áreas destinadas à pintura deverão ser isoladas das demais áreas de manutenção.
As áreas de manutenção elétrica, câmbio, motores, tapeçaria e outras poderão estar instaladas no mesmoprédio da oficina, desde que devidamente localizadas para proporcionar um bom tráfego e interação entre asáreas.
A área e equipamentos destinados à lavagem de veículos devem ser compatíveis com a frota.

A área destinada à manutenção de pneus (borracharia) deve possuir instalações e equipamentoscompatíveis com o serviço e o armazenamento dos pneus deve ser feito de forma a impedir o acúmulo de águaem seu interior.
Na atividade de enchimento dos pneus é obrigatória a utilização de dispositivo de proteção do tipo gaiola,de modo a isolar o borracheiro das proximidades da operação, reduzindo os riscos de acidentes do trabalho.

2.4. VALETAS OU RAMPAS PARA INSPEÇÃO / MANUTENÇÃO
A quantidade de valetas ou rampas deverá ser proporcional ao número de veículos, tempo médio deduração das intervenções e intervalos médios entre elas.
2.4.1. Revestimento
As paredes das valetas deverão ser revestidas de cerâmica ou pintura na cor clara. O piso deverá ser dotipo antiderrapante e possuir ralos ou grades para escoamento de água e outros líquidos.
2.4.2. Acesso
O acesso às valetas deverá ser efetuado por rampas ou escadas fixas, de alvenaria, com corrimãos e pisoantiderrapante.

2.4.3. Iluminação
A iluminação da valeta ou da rampa deverá ser de forma homogênea, dotada de proteções contra choquesmecânicos (grades) e luminosidade suficiente para a realização dos serviços. Deverá também ser dotada detomadas de força para a ligação de ferramentas elétricas ou cordões de luz.
As valetas ou rampas deverão possuir, preferencialmente, pontos de ar-comprimido.

2.4.4. Almoxarifado
Área fechada e reservada para estocagem de peças e materiais.


2.5. ÁREA DE ABASTECIMENTO
Os tanques de combustíveis deverão estar localizados em área isolada, e obedecer às exigências da ABNTe do Corpo dos Bombeiros. A área deverá estar devidamente sinalizada.
O armazenamento e manuseio de líquidos inflamáveis e combustíveis devem atender às normas da ABNT.

2.6. PAVIMENTAÇÃO
O piso do pátio deverá ser revestido com paralelepípedo, "blokret", piso inter-travado, concreto ou asfalto.

2.7. DOCUMENTAÇÃO
A documentação necessária para o funcionamento da Garagem deve estar acessível para qualquerverificação.

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DA FROTA
1. CONSIDERAÇÕES GERAIS

A frota para o sistema proposto consiste em 65 veículos com capacidade mínima de 70 lugares, sendo 59 destes veículos com capacidade para receber cadeirantes.

Para fins de dimensionamento de capacidade para passageiros em pé, fica estabelecida a capacidade de 6 (seis) passageiros por metro quadrado da área destinada para esse fim.

Os licitantes poderão apresentar veículos com capacidade superior à estabelecida acima, entretanto, esta decisão não poderá justificar qualquer pedido de revisão tarifária durante a concessão.

A frota operacional está dimensionada com 65 veículos e a frota total do sistema a critério do município, considerando um acréscimo de 10% para frota reserva.

Os veículos da frota apresentada pela LICITANTE não poderão ter idade individual superior a 8 (oito) anos e a frota total não poderá ter idade média superior a 04 (quatro) anos. Para definição da idade de cada veículo, deverá ser adotada a seguinte fórmula:
Iv = AC – AM
Iv= Idade do veículo
AC = Ano em curso (no caso da licitação, ano de sua realização, ou seja, 2015)
AM = Ano Modelo do Veículo, conforme indicado no CRV, CRLV ou na declaração de disponibilidade.
Aidade média da frota será calculada por média aritmética ponderada, considerando o número de veículos da frota situados em cada faixa etária. O resultado final deverá ser apresentado com duas casas decimais, utilizando-se de arredondamento matemático, pelo critério científico, quando for o caso.

2. PADRONIZAÇÃO DA FROTA
O licitante vencedor, previamente ao inicio da operação, deverá apresentar o projeto de pintura externa da frota para a devida aprovação da equipe técnica do IDEPPLAN.

3. LEGISLAÇÃO SOBRE VEÍCULOS, MANUTENÇÃO E INSPEÇÃO.
Todos os veículos deverão atender as Resoluções, Normas Técnicas e Legislação específica daindústria de fabricação de chassis e carroceria, além das mencionadas a seguir, e ainda novaslegislações que vierem a ser publicadas ou alteradas.

 Lei Federal nº 9.503/97 de 23/09/97 instituindo o novo Código de Trânsito Brasileiro.
 Lei Federal nº 10.048, de 08/11/2000, da prioridade de atendimento às pessoas específicas.
 Lei Federal nº 10.098, de 19/12/2000, que estabelece normas gerais e critérios básicos para promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida.
 Decreto Federal nº 5.296/04 de 02/12/2004, que regulamenta as Leis nos 10.048, de 8 de novembro de 2000, que dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica, e 10.098, de 19 de dezembro de 2000, que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida.
 Resolução CONMETRO 01/93, estabelecendo o Regulamento Técnico para construção de carroçarias dos ônibus urbanos.
 Resolução CONAMA 18/86 e suas alterações, instituindo o Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores – PROCONVE.
 Resolução CONAMA 01/93 e suas alterações, estabelecendo limites máximos de ruído.
 Resolução CONAMA 06/93 e suas alterações, dispondo sobre divulgação das recomendações e especificações dos sistemas dos veículos ao público em geral.
 Resolução CONAMA 07/93 e suas alterações, dispondo sobre diretrizes básicas e padrões de emissão para o estabelecimento de Programas de Inspeção e Manutenção de Veículos em Uso – I/M.
 Resolução CONAMA 08/93 e suas alterações, estabelecendo os limites máximos de emissão de poluentes para os motores.
 Resolução CONTRAN 14/98, estabelecendo os equipamentos obrigatórios para frota de veículos em circulação.
 Resolução CONTRAN 777/93, dispondo sobre a adoção das Normas ABNT, como método de ensaio e requisitos mínimos para avaliação do sistema de freios.
 Resolução CONTRAN 784/94, regulamentando o uso e estabelecendo requisitos para vidros de segurança.
 Resolução CONTRAN 811/96, estabelecendo requisitos de segurança para veículos de transporte coletivo.
 Normas Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT.

GRATUIDADES

Portadores de HIV ou Doentes de AIDS
Idosos com idade igual ou superior a 60 anos
Portadores de deficiência:
I. Deficiência física;
II. Deficiência visual;
III. Deficiência renal;
IV. Deficiência mental;
V. Deficiência auditiva.
Agentes Comunitários de Saúde da Autarquia Municipal de Saúde
Carteiros quando em serviço de entrega de correspondência
Policiais Civís, Agentes de Policia, Detetives, Escrivães de Policia
Servidores do DETRAN
7.2.CARTÕES
7.3. POSTOS DE VENDA E CADASTRO.
7.4. EQUIPAMENTOS DE TRANSMISSÃO.
7.5. EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA.
O município iniciou o processo administrativo para licitar o transporte público a modalidade utilizada sera concorrência pública o criterio de escolha proposta é a menor tarifa o prazo de concessão de 15 anos tendo como valor da contratação 355 milhões.
Os validadores eletrônicos deverão ser instalados em todos os pontos do sistema onde existam responsáveis por uma catraca de passagem de pessoas, ou seja, em ônibus, estações e terminais de passageiros.
Os cartões inteligentes recarregáveis deverão ser utilizados como meio de pagamento das viagenspreviamente adquiridas, sendo a comunicação entre o cartão e o dispositivo de leitura feita através deradiofrequência sem contato físico.
O gerenciamento da rede de comercialização e habilitação de cartões e de venda de créditos e arrecadaçãode valores será de responsabilidade da concessionária conforme estabelecido, para isto, deverá manter umaestrutura de postos de venda e atendimento.
Os validadores deverão ser equipados com memória que possibilite o armazenamento dos dados cadastrados e a comunicação entre o cartão e o dispositivo de leitura deverá ser feita através de radiofreqüência, para cartões sem contato.
A concessionária deverá apresentar junto com o Plano de Implantação os quantitativos e especificaçõesde todos os equipamentos e periféricos que forem considerados necessários (servidores, microcomputadores,softwares, equipamentos de coleta, roteadores, hubs, etc.) para cada ambiente (Prefeitura do Município de Apucarana, Sistema Central, Postos de Vendas, Garagens, Veículos, etc.) discriminando os equipamentos e softwares de terceiros e próprios.
ATUAIS MODELOS DE PONTOS
MODELO PADRÃO A SER UTILIZADO COM INFORMAÇÕES E ROTAS PARA OS PASSAGEIROS
CONTATOS PARA SUGESTÕES
SITE DA PREFEITURA - WWW. APUCARANA.PR.GOV.BR
ENTRAR EM OUVIDORIA
DESEJO ME CADASTRAR
RECEBERA UMA SENHA VIA EMAIL
LOGIN SERÁ SEU CPF
DENTRO DA OUVIDORIA TERA O LOCAL DE SUGESTÕES
AUDIÊNCIA DE CONCESSÃO DO SERVIÇO PÚBLICO DE TRANSPORTE COLETIVO MUNICIPAL DE APUCARANA
MELHOR SERVIÇO MENOR TARIFA
MELHOR SERVIÇO MENOR TARIFA
MELHOR SERVIÇO MENOR TARIFA
MELHOR SERVIÇO MENOR TARIFA
MELHOR SERVIÇO MENOR TARIFA
MELHOR SERVIÇO MENOR TARIFA
MELHOR SERVIÇO MENOR TARIFA
MELHOR SERVIÇO MENOR TARIFA
MELHOR SERVIÇO MENOR TARIFA
MELHOR SERVIÇO MENOR TARIFA
MELHOR SERVIÇO MENOR TARIFA
MELHOR SERVIÇO MENOR TARIFA
MELHOR SERVIÇO MENOR TARIFA
MELHOR SERVIÇO MENOR TARIFA
MELHOR SERVIÇO MENOR TARIFA
MELHOR SERVIÇO MENOR TARIFA
MELHOR SERVIÇO MENOR TARIFA
MELHOR SERVIÇO MENOR TARIFA
MELHOR SERVIÇO MENOR TARIFA
MELHOR SERVIÇO MENOR TARIFA
MELHOR SERVIÇO MENOR TARIFA
MELHOR SERVIÇO MENOR TARIFA
MELHOR SERVIÇO MENOR TARIFA
MELHOR SERVIÇO MENOR TARIFA
MELHOR SERVIÇO MENOR TARIFA
MELHOR SERVIÇO MENOR TARIFA
Full transcript