Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

CIÊNCIA DO TREINAMENTO ESPORTIVO - Metabolismo Humano

No description
by

Fabiano Soares

on 10 December 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of CIÊNCIA DO TREINAMENTO ESPORTIVO - Metabolismo Humano

Glicogênio
Glicose
Piruvato
Acetyl CoA
Ciclo do Ácido Cítrico
ou
Ciclo de Krebs
Glicólise
Glicogenólise
Glicogênese
Gliconeogênese
Aminoácidos
Anaplerose
Cataplerose
Lactato
Glicólise Anaerobica
Ácidos Graxos
Lipólise
Aminoácidos
Degradação Protéica
Ponte
Aspartato
Malato
NADH
NADH
Fosforilação Oxidativa
Cadeia de
Transporte de
Elétrons
Citoplasma
Mitocôndria
Glicose é absorvida do sangue ou gerada pela glicogenólise.

No fígado, glicose pode ser sintetizada a partir do piruvato e alguns outros metabólitos celulares.

Glicolise é a quebra de uma molécula de glicose em duas de piruvato, que pode entrar na respiração celular.

A energia gerada durante a glicólise em forma de NADH (nicotinamida adenina dinucleotídeo) entra na mitocôndria pela via do aspartato-malato.
Glicogênio é o polímero ramificado da glicose e é usado para armazenagem de energia nos músculos e no fígado:
Sua quebra pela glicogênio fosforilase resulta em glicose 6-fosfato, que pode entrar na glicólise;
No fígado, glicose 6-fosfato pode ser desfosforilado para suprir glicose, que será secretado na corrente sanguínea para suprir outros tecidos;
Glicogênese é a polimerização da glicose via uma desfosforilação em uma cadeia ramificada.

Ocorre em resposta a altos níveis de glicose e insulina resultante de uma refeição rica em carboidratos.
ADP + Pi
39 ATP
Gliconeogênese é a síntese de glicose a partir moléculas de não-carboidratos via piruvato;

O Lactato, quase todos os aminoácidos e o glicerol podem ser convertidos em glicose;

Este caminho ocorre apenas no fígado.
Na ausência de oxigênio, nossas células iniciam a glicólise anaeróbica produzindo lactato e pouca energia.
A ponte do ciclo aspartato-malato intermedia a troca de energia entre o citosol e a matriz mitocondria, transportando simultaneamente elétrons do NADH do citoplasma para o NAD dentro a mitocôndria. A membrana é impermeável ao NADH, apenas seu potencial reduzido é translocado.
Anaplerose é o processo no qual intermediários do Ciclo do Ácido Cítrico podem ser geradas de outros metabólitos, primáriamente aminoácidos.










Cartaplerosis é o processo no qual aminoácidos e outros metabólitos celulares podem ser sintetisados a partir de intermediários do Ciclo do Ácido Cítrico.
Degradação completa de glicose, ácidos graxos e proteínas.
Ressíntese de ATP com a presença do oxigênio e sem acúmulo de ácido lático.
Predominante nas atividades que ultrapassam 1,5 min.
Fornece energia para o estado de repouso e para os exercícios de baixa (<140bpm) e moderada (140-160bpm) intensidade.
C6H12O6 + 6O2 6CO2 + 6H2O + 39 ATP
ß-Oxidação usa 15% mais de oxigênio e produz até 142 ATPs a partir de cada mol de trigicerídeos.
Desnutrição, dieta pobre em carboidratos e lipídios, ou atividades intensas ao extremo (treinamento muito pesado).
Este fornecimento se dá em condições de repouso e quase nunca durante o exercício.
1 mol de proteína é capaz de produzir 15 ATPs.
Bioenergética
Matriz
Adrenalina prepara o corpo para o exercício que necessita de glicose como fonte primária de energia.

A adrenalina ativa a proteina kinase A que fosforiliza tanto a glicogênio sintase quanto a glicogênio fosforilase.

A glicogênio sintase é inibida neste processo, enquanto glicogenólise é promovida.
O AMP é um ativador das enzimas Alostéricas (Glicogenólise) e Fosfofrutoquinase (Glicólise), estimulando o catabolismo dos Carboidratos
Fontes Imediatas
Uso no Esporte
Pré Requisitos:
Fornecimento insuficiente de O2;
Demanda energética ultrapassa a capacidade de ressíntese pela via aeróbica.
Normalmente existe O2 disponível na Mitocôndria para aceitar H+ do NADH produzido na Glicólise;

Na via anaeróbia o O2 não é suficiente;

H+ do NADH é aceito pelo Piruvato para formar o Lactato;

Inicia-se o Ciclo de Cori.
Aplicação no Esporte
Dosagem de intensidade de treino;
Poderá ser transformado novamente em piruvato;
Usado como combustível pelo coração;
Novamente convertido em Glicose e Glicogênio no fígado;
O treinamento aumenta a produção das enzimas resonsáveis por estas conversões.
Citoplasma da célula muscular.
Mitocôndria da célula muscular.
LIPÍDEOS
Representam a mais abundante fonte corporal de energia potencial;
Armazenado essencialmente como triglicerídeos (triacilglicerol);
60 mil a 100 mil kcal (adipócitos)
3 mil kcal (nos músculos)
Promovem isolamento térmico e proteção mecânica de órgãos vitais;
Lipídeos dietéticos servem inclusive como transportadores de vitamias lipossolúveis: A, D, E e K.
Ativada pelo AMP
3x
Perguntas?
REQUISITO
Presença de O2
A eficiência do Ciclo de Cori aumenta em resposta ao treinamento anaeróbico;
O objetivo é melhorar a capacidade de recuperação pós esforço.
Full transcript