Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Água virtual, escassez e gestão:

No description
by

Eduardo Fritzke

on 4 September 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Água virtual, escassez e gestão:

Água virtual, escassez e gestão:
O Brasil como grande
“exportador” de água

Introdução
Estimativas de exportação de água virtual: o caso brasileiro.
A água virtual tem um volume que demanda a produção de um determinado produto, chamado de commodity, que é o volume em m3 de água necessários para a produção de x toneladas de soja, arroz, açúcar etc, para exportação desses produtos.
Mercado internacional de água e legislação de recursos hídricos
Através da produção de commodities, água passa a figurar em um comércio internacional que explora a abundância (ou a escassez)
de recursos hídricos como um dos pontos chaves para decisão sobre “o que” e “onde” produzir.
Segurança e risco internacional
De forma específica, no Brasil a disponibilidade
de água se concentra muito mais na Região Norte.
Contudo, as já estabelecidas regiões
de produção agropecuária se concentram Sul, Sudeste, Nordeste e Centro-Oeste.
É apontada atualmente a expansão da produção de soja em direção à Região Norte, que é uma região abundante em água e em terras agriculturáveis, mas que também abriga importantes remanescentes florestais e rica biodiversidade, além de ser pouco povoada.
O direcionamento dessa produção demonstra como seria danosa a divisão de produção determinada apenas pela abundância ou escassez de recursos hídricos por conta de todo o debate sobre a preservação da região
Antes mesmo de se pensar no comércio como determinante da divisão da produção por países, outras questões de política hídrica e econômica teriam de ser averiguadas. Por isso, alguns autores sugerem uma visão holística.
No caso brasileiro, seria aplicar-se a política das águas proposta na lei de recursos
hídricos (Lei 9.433/97) que apresenta aspectos fundamentais, e representa importante avanço em termos da gestão da água.
Dentre estes aspectos estão:
democratização das decisões
- com a implementação dos comitês de bacia
- descentralização das decisões.
Duas formas eficazes de gestão asseguradas pela lei:

- Outorga de direito de uso, que possui grande potencial de organização das demandas.
- Cobrança pelo uso de água bruta.

Existem ainda poucas bacias hidrográficas que aprovaram a cobrança pelo uso da água no país. O Estado do Ceará possui a experiência mais
antiga.
O setor agropecuário é o que mais demanda dos recursos hidrícos e também o que oferece maior resistência a cobrança de taxas.
Outro conflito ocorre entre o padrão produtivo e a impossibilidade de sua manutenção caso a lei seja efetivamente aplicada.
Cuidados e Soluções
Uma falsa percepção de que o comércio por si através de ofertas e demandas equilibrariam de usos de recursos hídricos.
A grande quantidade de recurso hídrico empregado seria compensado por um maior montante monetário oriundo das exportações.
A abundância do recurso de um país pode não ser capaz de suprir a demanda mundial. Gerir os recursos hídricos baseado em divisões de países com abundância ou escassez pode vir a comprometer as reservas e segurança hídrica em escala mundial.


A gestão e pesquisa em torno da água virtual pode representar uma saída para nações com pressão hídrica, contudo, as políticas devem vir acompanhadas de ações e propostas de conscientização, principalmente para o uso de produtos que demandem uma quantidade de água menor
Existe uma distribuição desigual da disponibilidade hídrica entre as diversas partes do planeta.


As Américas estão em uma região confortável, em relação a água
Regiões do centro sul e sudeste asiático encontram-se em situação crítica, por terem recursos de água limitados.


Segundo a UNESCO, o Brasil possui capacidade exemplar em relação a recursos hídricos envolvendo produtos como soja e açúcar e produtos semi-manufaturados como cortes de carne bovina.
Hoekstra e Hung mapearam os fluxos de água virtual do mundo e dividiram o globo em países exportadores e países importadores devido a relação com aos recursos hidricos.
Países Exportadores: Brasil e os da America do Norte, America Central, Sudoeste Asiático entre outros.
Países Importadores: países europeus e africanos e muitos países do oriente médio entre outros.
O caso brasileiro destaca-se a soja ,carne e o açúcar que foram usados no volume de água virtual. Sendo a soja responsável por 58% das exportações desse grupo, o maior comprador de soja é o mercado chinês, comprando 32% do produto.
O Brasil assim como na maioria mundo a agricultura é extensiva e se utiliza muito a água de um modo geral, e o avanço na produção e nas exportações nem sempre vem acompanhado de uso consciente de água
A água também é utilizada na irrigação,que por não terem um método controle os agricultores acabam utilizando a água em excesso e sem contar com desperdício de energia e bombeamento desnecessário e a água não retorna na sua origem ela retorna contaminada com pesticidas ou através de resíduos dos rebanhos.
Nas regiões sul e sudeste a água é utilizada na irrigação com mais consciência pelo homem.
Região Nordeste a produção é muito afetada devido a disponibilidade da água e a irrigação é obrigatória.
Nas demais regiões a irrigação é mais um complemento de técnicas de produção.
O aumento da produção e exportação de produtos agrícolas apresentam aspectos importantes ao uso da água, mas devemos ter consciência, mesmo sob o "conforto" de umas das maiores reservas de água doce do mundo.
Temos que usar com inteligência, pois pode ser um dos grandes motivos de conflitos mundiais no futuro.
O que é Água Virtual ?

É o comércio indireto de água que está embutida em certos produtos, especialmente em commodities agrícolas, ou seja, toda a água envolvida no processo produtivo de qualquer bem industrial ou agrícola passa a ser chamada de água virtual.
O Brasil tem destaque internacional devido à disponibilidade de terras cultiváveis e de recursos hídricos além de custos baixos na produção. Esse processo de transferência de água para regiões mais escassas que acaba impactando a disponibilidade e a qualidade da água.

Vale citar como exemplo a China, que importa cerca de 18 milhões de toneladas de soja por ano, a um custo de 3,5 milhões de dólares. Por esse caminho ingressam naquele país cerca de 45 bilhões de litros de água, um recurso hídrico que a China não teria disponível para cultivar a soja. (Fonte: sabesp.com.br)

Outro exemplo que vale a pena citar é o das exportações de carne do Brasil. Em 2003, o país mandou para fora 1,3 milhão de toneladas de carne bovina, com uma receita cambial de 1,5 milhão de dólares. Por esse caminho, acabou exportando também 19,5 km³ de água virtual (19,5 trilhões de litros de água). (Fonte: sabesp.com.br)
Dados recentes da UNESCO dão conta que o comércio global movimenta um volume anual de água virtual da ordem de 1.000 a 1.340 km³, sendo:

67 % relacionados com o comércio de produtos agrícolas;
23 % relacionados com o comércio produtos animais;
10 % relacionados com produtos industriais.
(Fonte: sabesp.com.br)

No Brasil, a água considerada como um produto de exportação indireta, nos dá a ideia de dispersão dos riscos ambientais em escala global, pois fica claro que quem é que paga a conta da escassez de outros países, já que essa água exportada não é contabilizada.

Em nome de uma modernização produtiva resolve-se um problema e criam-se outros, e atualmante uma sociedade não mais pautada pela distribuição de riquezas, mas pela redistribuição e fuga de riscos.

Segundo Ulrich, a sociedade do pós-guerra é a sociedade de risco, "onde não se tem mais uma proposta de distribuição dos ganhos, mas sim a distribuição dos prejuízos "
Fonte: Revista Científica Internacional Indexada ISSN – Julho / Agosto de 2009.
Água Virtual: uma agenda para investigação.
David Pimentel atenta para questões acerca das questões de água virtual e os cardápios e culturas alimentares das populações.


"Pimentel (2004) afirma a necessidade de que se reestruture o cardápio, de maneira
que ele seja mais “sustentável”, privilegiando os produtos que exigem menos água para sua
produção"
Observa-se ao longo das últimas décadas uma tendência de expansão de um modelo de alimentação baseado em “fast food”, que prioriza os hambúrgueres compostos de pão e carne bovina, que é pobre em quesitos nutricionais e demanda de muita água em sua produção.
Quando se entra na questão de alimentos por população, retorna-se a questão malthusiana.
"Não se pode ficar preso à armadilha
do pensamento malthusiano; entretanto, uma questão importante a ser enfrentada é como
alimentar essa população, principalmente considerando que a produção de alimentos está
estreitamente relacionada com a disponibilidade de água" Gleick (2000)
Brasil 2006: 58,4 milhões de toneladas de soja, exporta cerca de 39 milhões de toneladas, porém apenas 2,7 para consumo humano (EMBRAPA, 2010).

Dieta onívora: 4000 L/dia
Dieta vegetariana: 1500 L/dia
Full transcript