Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Os desafios na intervenção do terapeuta da fala na surdez em

No description
by

Sem Cuscos

on 20 October 2017

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Os desafios na intervenção do terapeuta da fala na surdez em

Intervenção do Terapeuta da Fala nas Problemáticas da Audição
Estabelecimento das EREBAS
- Reorganização em termos de recursos humanos e materiais;

- Alteração da forma de intervenção.

A nossa interpretação
O início...
Em contexto escolar, no decurso do século XX, foram implementadas vários modelos de intervenção e atuação (ex. NACDA, UAAS, entre outros).
Questão ancestral
"Gestualismo" Vs Oralismo
Os primeiros passos do TF...
- Decreto-lei 319/91 - perspetiva a introdução dos terapeutas da fala em contexto escolar;

- A introdução dos mesmos só ocorre no ano letivo de 2004/05;

- Estabelecimento de EREBAS com o decreto-lei 3/2008.
28 de novembro de 2015
Os desafios na intervenção do terapeuta da fala na surdez em contexto escolar
Novos desafios
Turma bilingue
vs Turma regular
Perfil auditivo e desenvolvimental
Perturbações associadas
Intervenção precoce
Emerton (1996) - "movimento livre"
Prêambulo do DL 3/2008
Decreto-Lei nº3/2008, 7 de janeiro
"Um aspecto determinante dessa qualidade é a promoção de uma escola democrática e inclusiva, orientada para o sucesso educativo de todas as crianças e jovens. Nessa medida importa planear um
sistema de educação flexível
, pautado por uma política global integrada, que permita responder à diversidade de
características e necessidades
de todos os alunos
que implicam a inclusão das crianças e jovens com necessidades educativas especiais no quadro de uma política de qualidade orientada para o
sucesso educativo
de todos os alunos."
Pessoas bimodais com surdez
Participam de forma ativa, com diferentes formas de envolvimento, nas vivências características das duas culturas;

Até certo ponto, adaptam as suas atitudes, comportamentos, valores e linguagem de acordo com as duas culturas;

Combinam e misturam vários aspetos das duas culturas.
Bilingue
Bimodal
Escolas fora da dinâmica EREBAS
Metodologias
diferenciadas
Mitos!
Questões metodológicas!
Ausência de procedimentos standard!
Falta de evidência científica!
Necessidade de otimização e divulgação
http://projetoredes.org/wp/?p=2179
http://projetoredes.org/wp/
http://projetoredes.org/wp/?page_id=229
Bruno Coimbra
Análise da opções comunicativas para crianças com perda auditiva
“...the child and family
need a method to
communicate which
facilitates natural,
meaningful, and
abundant interchanges”
Gravel e O´Gara (2003)
Gravel e O´Gara (2003)
“the active involvement
of the family...appears
to be a primary mediator
of outcome regardless of
the communication
option used”
Moeller, 2012
"Thus, an ongoing process that empowers
parents, considers family dynamics, and
continually evaluates the changing needs
of the child appears to be the best means of ensuring the development of optimal communication in children with hearing loss." Gravel and O´Gara 2003
1. Língua usada em casa

2. Envolvência familiar
3. Etapa cronológica auditiva

4. Capacidade para desenvolver competências de literacia
Espectro da Surdez
5. Recursos da comunidade
6. Capacidade auditiva
7. Uso de ajudas auditivas
8. Inteligibilidade da fala
9. Presença de perturbações associadas
10. Respostas educativas
Bimodal - Bilingue - Bicultural
http://vl2.gallaudet.edu/research/research-briefs/
Research Brief 6: Children with Cochlear Implants
Research Brief 7: The Benefits of Bilinguslism
Research Brief 8: ASL/English Bilingual Education
Bilingualism: A Pearl to Overcome
Certain Perils of Cochlear Implants
Humphries et al. (2014)

Using a bimodal-bilingualism approach for children
with CI is the safest method to ensure that those
children, regardless of socioeconomic status or any
other factors, are provided with the best opportunity
for maximal language development, and, hence,
the optimal chance for good cognitive development,
academic success, and psychosocial well-being.
Recent research has highlighted the risks of delaying language input during critical periods of brain development with concomitant
consequences for cognitive and social skills.
Oralismo
. Bilingual Oral Language Proficiency in Children With Cochlear Implants

Robbins et al. (2004)

A cochlear implant can make oral proficiency in more than 1 language possible for prelingually deaf children.
AVT
Research Outcomes of Auditory-Verbal Intervention: Is the Approach Justified?
Rhodes (2006)


"...concluded that even with the minimal number of studies, there was evidence for the validity and effectiveness of the A-V intervention model”.
In 2010, Dornan et al published a longitudinal study comparing the
outcomes of 29 children enrolled on an AV programme with age-matched controls. They found AV to be an effective intervention.
- Massaro, D. e Light, J. (2004). Using Visible speech to Train Perception and Production of Speech in Individuals with Hearing Loss. Journal of Speech, Language and Hearing Research (47), 304-320.
- Bernstein, L. E. (2006). Visual speech perception. In E. Vatikiotis-Bateson, G. Bailly, & P. Perrier (Eds.), Audio-Visual Speech Processing. MIT Press.
- Paul, P. V.(2001). Language And Deafness (3th ed.).San Diego: Singular Thomson Learning.
- LaSasso, L. (2005). Cued Speech an Cued Language for Deaf and Hard of Hearing Children.
- Reynolds, Sarah Elizabeth, "An examination of cued speech as a tool for language, literacy, and bilingualism for children who are deaf
or hard of hearing" (2007). Independent Studies and Capstones. Paper 315. Program in Audiology and Communication Sciences,
Washington University School of Medicine.

Audição
Fala
Leitura de Fala
Linguagem
Leitura
Permite à criança desenvolver um modelo fonémico completo da língua.

As crianças surdas que comunicam com Cued Speech desenvolvem uma base linguística que lhes permite ler ao mesmo nível e usar estratégias semelhantes aos ouvintes.

O uso de Cued Speech pode resolver o problema de literacia de muitas crianças surdas.

- Cued Speech
facilita o processamento auditivo da informação
e elimina a confusão entre sons incompletos ou distorcidos.

- Os
Implantes Cocleares e o Cued Speech
são parceiros poderosos. Para muitos casos, o Cued Speech acelera o reconhecimento dos sons recebidos via IC.

- Utilizadores de todas as idades reconhecem o benefício do Cued Speech em
situações acústicas difíceis.

O Cued Speech pode facilitar o desenvolvimento de competências de fala e articulação verbal porque:

- Dirige a atenção para a boca;
- Identifica os sons da fala ou sílabas-alvo;
- Facilita a memória ao nível da evocação dos movimentos articulatórios para a produção de fala;
- Integra simultaneamente visão-audição-motricidade.

O Cued Speech clarifica a leitura de fala em situações em que é usado (existe codificação) e também melhora a leitura de fala em situações não codificadas.

Crianças surdas sem perturbações associadas, que usem Cued Speech de forma consistente durante quatro anos ou mais, dominam a sintaxe e a gramática da língua oral.


Surdos que usam Cued Speech conseguem aprender duas ou mais línguas.

Independentemente do posicionamento comunicativo...
Os estudos de produção de fala de crianças com perdas auditivas têm abordado os inventários consonânticos e efetuado análises acústicas e fonéticas que estão na base da atividade verbal oral
(Perkell et al., 2003; Geers, 2004; Lane, 2005; Bakhshaee et al., 2007; Guenther et al., 2007; Nicolaidis et al., 2007; Nittrouer, 2007).
Teoria da Mente
Research with
deaf children supports the idea that language experience affects theory of mind development
(see Peterson & Siegal, 2000; Remmel, Bettger, & Weinberg, 2001, for reviews).
Native-signing deaf children of deaf parents
, who acquire sign language at the same rate that hearing children acquire spoken language (Newport & Meier, 1985),
are not delayed in their theory of mind performance
(Courtin, 2000; Peterson & Siegal, 1999; Remmel, 2003; Schick et al., 2007; Woolfe, Want, & Siegal, 2002).
Deaf children of hearing parents
, however, are typically delayed in their acquisition of either spoken or sign language (Marschark, 1993) and
are also typically delayed in their theory of mind performance
(Courtin, 2000; de Villiers & de Villiers, 2000; Peterson & Siegal, 1999; Schick et al., 2007; Woolfe et al., 2002). Furthermore, maternal mental state talk predicts theory of mind performance in deaf children of hearing parents (Moeller & Schick, 2006).
Teoria da mente e implantes cocleares
Remmel e Peters (2008)

Thirty children with cochlear implants (CI children), age range 3–12 years, and 30 children with normal hearing (NH children), age range 4–6 years, were tested on theory of mind and language measures.
The
CI children showed little to no delay on either theory of mind
, relative to the NH children, or spoken language, relative to hearing norms.
- qualidade de vida
- recursos digitais
- modos de procedimento
- boas práticas na intervenção
do TF, entre outros.

audicao.sptf@gmail.com
Full transcript