Prezi

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in the manual

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Gestão Escolar, estratégia para um ensino de qualidade.

Pontos relevantes para o direcionamento das atividades do gestor na escola, com perspectiva de um ensino de qualidade.
by Jânua Gervásio on 17 October 2012

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Gestão Escolar, estratégia para um ensino de qualidade.

GESTÃO ESCOLAR,
ESTRATÉGIA PARA UM ENSINO DE QUALIDADE. Jânua Caeli Gervásio Galvão
Analista Educacional/InspetoraEscolar
Mestranda em Gestão e Avaliação da Educação Pública –UFJF
jcgergal@hotmail.com VOCÊ GOSTA DO QUE FAZ?
MUDANÇAS são Sempre Possíveis:
no nível pessoal
no nível profissional EM QUE MOMENTOS DE SUA VIVÊNCIA COMO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO
VOCÊ SE SENTE OU SE SENTIU FELIZ, REALIZADO (A)? Qual a sua última versão? (Cortella) “Se depender de mim, nunca ficarei plenamente maduro nem nas ideias nem no estilo, mas sempre verde, incompleto, experimental”
Gilberto Freire ROTEIRO IDENTIDADE / PPP
GESTÃO ESCOLAR NO BRASIL / REFORMAS EDUCACIONAIS / TEMPO DAS REFORMAS
LEGITIMIDADE DE PODER
REDE DE ENSINO / POLÍTICAS PÚBLICAS EM NÍVEL DA ESCOLA
RELAÇÕES SOCIAIS / CLIMA ESCOLAR
PLANEJAMENTO
GESTÃO PEDAGÓGICA
GESTÃO DECAMOCRÁTICA IDENTIDADE / PPP




PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA IDENTIDADE PPP TRABALHAR VALORES

NO QUE ACREDITAMOS “QUE CIDADÃO QUEREMOS AJUDAR A FORMAR, PARA QUE TIPO DE SOCIEDADE?” IDENTIDADE / PPP CONJUNTO DE PRINCÍPIOS ORIENTADORES DAS ATIVIDADES E RELAÇÕES DOS MEMBROS DA COMUNIDADE EDUCATIVA. Profa. Dra. Ana Maria Di Grado Hessel (2011) Disponível em:
http://www.slideshare.net/digrado/teste-7708053 IDENTIDADE / PPP Profa. Dra. Ana Maria Di Grado Hessel (2011) Disponível em:
http://www.slideshare.net/digrado/teste-7708053 IDENTIDADE / PPP
HISTÓRICO DA GESTÃO ESCOLAR NO BRASIL / REFORMAS EDUCACIONAIS / TEMPO DAS REFORMAS
A gestão escolar no Brasil, desde a década de 90, tem sido tema recorrente nos debates educacionais. A importância do papel do gestor é evidenciada nas reformas educacionais na busca pela qualidade do ensino. O que é confirmado por Luck: A busca permanente pela qualidade e melhoria contínua da educação passa pela definição de padrões de desempenho e competências de diretores escolares, dentre outros, de modo a nortear e orientar o seu desenvolvimento. Este é um desafio que os sistemas, redes de ensino, escolas e profissionais enfrentam e passam a se constituir a ordem do dia das discussões sobre a melhoria da qualidade do ensino. (2006, p.12). Estudos apontam que boa relação entre os diferentes atores escolares é uma das variáveis do sistema social que favorece o sucesso escolar (Brunet, 2011).
Que as boas relações dos atores escolares interferem no clima organizacional de uma instituição. Desta forma, a eficácia da escola e o sucesso dos alunos são afetados pelo clima de trabalho.
Clima é um atributo difícil de medir numa escola, mas todos sabem o que é e o percebem com facilidade. Clima refere-se ao que se valoriza, às interações, ao que se acredita
PLANEJAMENTO A importância de se planejar na escola é tema abordado por Luck (2000). Segundo a autora a ausência de planejamento leva a limitações da prática. Os profissionais trabalham “como quem “apaga incêndios”, isto é, correndo atrás do prejuízo e sendo conduzidos pelas ações do cotidiano escolar”. Ainda, de acordo com Luck, “os acontecimentos determinam a ação de dirigentes escolares, em vez de, como seria próprio, os dirigentes, por meio de uma ação competente, influenciarem os acontecimentos e realidade.” GESTÃO PARTICIPATIVA “A escola não se torna participativa em um toque de mágica”. NEUBAUER e SILVEIRA (2008: 93)
DEMOCRACIA:
Processos de planejamento
Tomada de decisão
Avaliação dos resultados alcançados
Convivência / diálogo
Pensamentos diferentes – propósitos comuns “ A comunidade escolar e a população, em geral, precisam ser estimuladas a se integrar às escolas e participar de seu cotidiano, assim como ter imagem positiva das possibilidades dessa participação na melhoria da qualidade da educação.” (NEUBAUER e SILVEIRA, 2008, p.93) GESTÃO PEDAGÓGICA Este é o FOCO
É possível cada escola fazer diferença com ações simples e essenciais no cotidiano escolar. Raimers (2011)
Ações abordadas por Reimers como diferencial para o sucesso da gestão e, consequentemente, alcance dos resultados educacionais, é o tempo que o gestor dedica às visitas às salas de aula, conhecendo o trabalho realizado pelo professor com os alunos. A gestão que dedica mais tempo às questões administrativas (burocráticas) tende a perder o foco educacional, que é a aprendizagem e sucesso do aluno. Profa. Dra. Ana Maria Di Grado Hessel (2011) Disponível em:
http://www.slideshare.net/digrado/teste-7708053 Pesquisa “Identificação dos perfis de lideranças e características relacionadas à gestão pedagógica eficaz nas escolas”– Estudo Longitudinal da Geração Escolar 2005 – Rio de Janeiro. 2009, pela professora Dra.Thelma Polon da PUC Rio. Disponível em:
http://www2.dbd.puc-rio.br/pergamum/tesesabertas/0510368_09_pretextual.pdf TRÊS PERFIS DE LIDERANÇA

1 – LIDERANÇA RELACIONAL
2 – LIDERANÇA ORGANIZACIONAL
3 – LIDERANÇA PEDAGÓGICA CLIMA ESCOLAR TEMPO DAS REFORMAS ROTEIRO PADRÃO DE COMPETÊNCIA DOS DIRETORES
1. O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E O APRIMORAMENTO DA ESCOLA
2. O PROCESSO PEDAGÓGICO E A QUALIDADE DO ENSINO
3. O DESENVOLVIMENTO DA EQUIPE E O FORTALECIMENTO DA AUTONOMIA
4. A ADMINISTRAÇÃO DA ESCOLA E A GESTÃO PARTICIPATIVA
5. O FORTALECIMENTO E A AMPLIAÇÃO DAS RELAÇÕES DA ESCOLA COM A COMUNIDADE “Se depender de mim, nunca ficarei plenamente maduro nem nas ideias nem no estilo, mas sempre verde, incompleto, experimental”
Gilberto Freire ROTEIRO IDENTIDADE / PPP
HISTÓRICO DA GESTÃO ESCOLAR NO BRASIL / REFORMAS EDUCACIONAIS / TEMPO DAS REFORMAS
LEGITIMIDADE DE PODER
REDE DE ENSINO / POLÍTICAS PÚBLICAS EM NÍVEL DA ESCOLA
RELAÇÕES SOCIAIS
CLIMA ESCOLAR
PLANEJAMENTO
GESTÃO PEDAGÓGICA IDENTIDADE / PPP






PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA PPP CONJUNTO DE PRINCÍPIOS ORIENTADORES DAS ATIVIDADES E RELAÇÕES DOS MEMBROS DA COMUNIDADE EDUCATIVA.
TRABALHAR VALORES – NO QUE ACREDITAMOS “QUE CIDADÃO QUEREMOS AJUDAR A FORMAR, PARA QUE TIPO DE SOCIEDADE?” IDENTIDADE / PPP Profa. Dra. Ana Maria Di Grado Hessel (2011) Disponível em:
http://www.slideshare.net/digrado/teste-7708053 IDENTIDADE / PPP Profa. Dra. Ana Maria Di Grado Hessel (2011) Disponível em:
http://www.slideshare.net/digrado/teste-7708053 IDENTIDADE / PPP HISTÓRICO DA GESTÃO ESCOLAR NO BRASIL / REFORMAS EDUCACIONAIS / TEMPO DAS REFORMAS A gestão escolar no Brasil, desde a década de 90, tem sido tema recorrente nos debates educacionais. A importância do papel do gestor é evidenciada nas reformas educacionais na busca pela qualidade do ensino. O que é confirmado por Luck, A busca permanente pela qualidade e melhoria contínua da educação passa pela definição de padrões de desempenho e competências de diretores escolares, dentre outros, de modo a nortear e orientar o seu desenvolvimento. Este é um desafio que os sistemas, redes de ensino, escolas e profissionais enfrentam e passam a se constituir a ordem do dia das discussões sobre a melhoria da qualidade do ensino. (2006, p.12). PADRÃO DE COMPETÊNCIA DOS DIRETORES
1. O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E O APRIMORAMENTO DA ESCOLA
2. O PROCESSO PEDAGÓGICO E A QUALIDADE DO ENSINO
3. O DESENVOLVIMENTO DA EQUIPE E O FORTALECIMENTO DA AUTONOMIA
4. A ADMINISTRAÇÃO DA ESCOLA E A GESTÃO PARTICIPATIVA
5. O FORTALECIMENTO E A AMPLIAÇÃO DAS RELAÇÕES DA ESCOLA COM A COMUNIDADE PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Meta 19: Garantir, mediante lei específica aprovada no âmbito dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, a nomeação comissionada de diretores de escola vinculada a critérios técnicos de mérito e desempenho e à participação da comunidade escolar.
http://fne.mec.gov.br/images/pdf/notas_tecnicas_pne_2011_2020.pdf TEMPO DAS REFORMAS


TUDO NESTE MUNDO TEM SEU TEMPO
http://www.youtube.com/watch?v=L6o2O7dest8&feature=related LEGITIMIDADE DE PODER
O Poder tem que estar a serviço da vida, não pode estar a serviço de si mesmo, se não serve.(Cortella,2010) “ Qualquer um que queira ser um líder entre vocês, deve primeiro ser o servidor.
Se você opta por liderar, deve servir.”
Jesus Cristo Profa. Dra. Ana Maria Di Grado Hessel (2011) Disponível em:
http://www.slideshare.net/digrado/teste-7708053 Década 70 e 80
Descentralização – Autonomia – participação

A partir da Década de 90
Centralização – Responsabilização – Avaliação de Resultados REDE DE ENSINO / POLÍTICAS PÚBLICAS EM NÍVEL DA ESCOLA AGENDA
DESENHO
IMPLANTAÇÃO
IMPLEMENTAÇÃO
MONITORAMENTO
AVALIAÇÃO
RELAÇÕES SOCIAIS
CLIMA ESCOLAR PPP
GESTOR – PROFESSOR
PROFESSOR – ALUNO
PROFESSOR – CONHECIMENTO – ALUNO
ALUNO – PROFESSOR
ALUNO - CONHECIMENTO Estudos apontam que boa relação entre os diferentes atores escolares é uma das variáveis do sistema social que favorece o sucesso escolar (Brunet, 2011).
Que as boas relações dos atores escolares interferem no clima organizacional de uma instituição. Desta forma, a eficácia da escola e o sucesso dos alunos são afetados pelo clima de trabalho.
Clima é um atributo difícil de medir numa escola, mas todos sabem o que é e o percebem com facilidade. Clima refere-se ao que se valoriza, às interações, ao que se acredita CLIMA ESCOLAR PLANEJAMENTO A importância de se planejar na escola é tema abordado por Luck (2000). Segundo a autora a ausência de planejamento leva a limitações da prática. Os profissionais trabalham “como quem “apaga incêndios”, isto é, correndo atrás do prejuízo e sendo conduzidos pelas ações do cotidiano escolar”.
Ainda, de acordo com Luck, “os acontecimentos determinam a ação de dirigentes escolares, em vez de, como seria próprio, os dirigentes, por meio de uma ação competente, influenciarem os acontecimentos e realidade.”
LÍDER - http://www.youtube.com/watch?v=XvZSpZbaHbw
Entrevista Exclusiva com Professora Heloisa Luck - Os Desafios da Liderança
See the full transcript