Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Valorização do Patrimônio Edificado do Centro Histórico de Barreiras

No description
by

Luiza Carvalho

on 28 June 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Valorização do Patrimônio Edificado do Centro Histórico de Barreiras

Valorização do Patrimônio Edificado do Centro Histórico de Barreiras
Valorização do Patrimônio Edificado do Centro Histórico de Barreiras
Por Luiza Dalle Zotte Carvalho
Estudante de Arquitetura e Urbanismo – Universidade de Brasília
Graduada em Arquitetura Sustentável – Politecnico di Torino – Itália
rio grande
Identificação e Proposta de recuperação
Proposta de Valorização do Mercado Municipal no Centro Histórico de Barreiras - BA
Levantamentos e Estudos
Tesi di Laurea Specialistica:
Escala Urbana

Escala do Centro Histórico

Escala do Mercado Municipal
Valorização do Patrimônio Edificado do Centro Histórico de Barreiras
Identificação e Proposta de recuperação
"Como resgatar o vínculo de pertencimento do morador à cidade de Barreiras?"
Introdução
- Falta de identidade do Barreirense;
- Desenvolvimento inicial ao redor do rio: Zona do Centro Histórico delimitada pelo PDU
- Últimos anos: transferimento do centro urbano leva ao abandono do Centro Histórico;
- Denso fluxo de imigrantes: perda dos padrões culturais;
- Processo de decadência; perda do valor histórico;
BR 020
BR 242
BR 135
Centro Histórico
Centro Urbano
Rio Grande
br 242
Centro Histórico - PDU
Ponte Ciro Pedrosa
Paço Municipal
- Trapiche São João
Edifício Sertaneja
Igrejinha - Igreja Santa Terezinha
Casa Rua Ruy Barbosa, n°36
Mercado Municipal de Barreiras
Casas Rua Presidente Vargas
Casa Daniel
Casa Rua Ruy Barbosa, n°55
Casa Rua Ruy Barbosa, n°58
Casa Suringa - Rua Marechal Deodoro, n° 79
Casa Vermelha
Casa Goyana
Cadeia Pública
Igreja São João Batista
Escola Municipal Dr. Costa Borges
Praça Duque
de Caxias
Praça da Bandeira
Praça
24 Horas
Principais Danos
- Pichação; Lixo;
- Adição de Letreiros;
Foto Antigo/Novo - Correios
Foto Antigo/Novo - Casa Vermelha, Museu Municipal e Casa Suringa
Foto Antigo/Novo - Cadeia Pública
Foto Antigo/Novo - Escola Municipal Dr. Costa Borges
Foto Antigo/Novo - Paço Municipal
Foto Antigo/Novo - Praça Duque de Caxias
Foto Antigo/Novo - Igreja São João Batista
- Adição de elementos não congruentes;
- Destacamento de elementos da fachada;
Conclusão
- Requalificação do Centro Histórico: Promover a valorização da área maximizando os recursos;

- Recursos: edifícios, praças, calçadão e margens do rio Grande;

- É preciso incentivar a atividade comercial existente: reestabelecer a vitalidade e sustento econômico do centro histórico;

- A valorização do patrimônio edificado de Barreiras pode alavancar a requalificação do centro histórico como um todo;

- Necessidade de desenvolvimento de politicas de valorizaçã em Barreiras;

- Continuação do projeto na Universidade de Brasília;
Bibliografia
Pinto, Suely, Simplesmente Barreiras, pagg. 75, 79 e 81, 1 ed., independente, Barreiras, 1979.

Fundação CPE – Centro de Estudos e Projetos, Plano Diretor Urbano de Barreiras 1990/2005, pag 96, 2 v., 1 ed., CPE, Salvador, 1989.

Pitta, Ignez de A., História de Barreiras – Resumo didático – Das Origens às primeiras Décadas do Século XX, pagg. 33, 34 e 35, 1 ed., Prefeitura de Barreiras, Barreiras, 1998.

Da Cruz, Júlio C., Lena, Vinicius A., Traçando Barreiras, pag. 19, 1 ed., Barreiras, independente, 2006.

Fotos Antigas: Acervo do Museu Municipal de Barreiras e do blog História de Barreiras;

Fotos Atuais: Luiza Dalle Zotte Carvalho;
Praça Landulfo Alves
Mercado Municipal
Sertaneja
Igrejinha
Correios
Praça São João
Batista
Costa Borges
Rua Prof. Guiomar Porto
Rua 24 de Outubro
Rua Barão de Cotegipe
Rua Ruy Barbosa
Praça Celso Viana
Casa Vermelha
Museu
Propriedade da sociedade Braga & Cia, nos anos 30 foi uma das casas comerciais mais importantes da cidade.
Antiga casa reconstruída pelo engenheiro polonês Dr. Filipowisk responsável pela implantação da usina hidrelétrica de Barreiras, em 1920. Foi a primeira residência da cidade com atenção às questões sanitárias, como banheiro interno e com recuos em relação ao terreno.
O aspecto atual é devido às alterações feitas no ano de 1925, quando o edifício começa a abrigar a sede do município, função exercida até 1972.
A igreja foi construída em 1891 para celebrar a emancipação politica de Barreiras. Foi a principal igreja da cidade, até 1925, quando foi inaugurada a Catedral São João Batista.
Foi construída e habitada por Ivan Pisa, o pedreiro-arquiteto autor de outros edifícios significativos na cidade, como a casa Vermelha. Habitava ali também Suringa, filho de Ivan Pisa e importante personagem do Centro Histórico, conhecido por todos.
Era propriedade do Coronel Antônio Balbino, distinto cidadão barreirense e que foi governador do Estado da Bahia.
Edifício construído em 1908 como casa comercial e farmácia.
Foi a primeira cadeia do município. Atualmente desativada.
Inaugurada em 1925 graças aos esforços de Padre Viera.
Escola inaugurada em 1928, tendo como primeira diretora Guiomar Porto.
n 67: Casa construída em 1905 e onde, em 1912, nasceu Antônio Balbino de Carvalho Filho.
Edifício comercial, propriedade de Daniel Lopes.
Obra de um arquiteto espanhol, sediava a Companhia Sertaneja de Geraldo Rocha, um dos cidadãos mais importantes de Barreiras.
O prédio do Mercado Municipal foi construído durante a gestão de Sabino Dourado, inaugurado em 26 de janeiro de 1951.
Full transcript