Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Realismo / Naturalismo

No description
by

akatsuki shippuden

on 4 September 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Realismo / Naturalismo

Realismo / Naturalismo
Contexto Histórico - Realismo / Naturalismo
Surgiu a partir da segunda metade do século XIX. As idéias do Liberalismo e Democracia ganham mais espaço. As ciências evoluem e os métodos de experimentação e observação da realidade passam a ser vistos como os únicos capazes de explicar o mundo físico. Em 1870, iniciam-se os primeiros sintomas da agitação cultural, sobretudo as que defendiam a abolição da escravatura e a criação de um regime republicano para o Brasil. Houve também uma transformação no aspecto social com o surgimento da população urbana, a desigualdade econômica e o aparecimento do proletariado.

O Realismo iniciou-se na França, em 1857, com a publicação de “Madame Bovary”, de Gustave Flaubert. No Brasil foi em 1881, com “Memórias Póstumas da Brás Cubas” de Machado de Assis. O Naturalismo surgiu na França, em 1867, quando Émile Zola publica Thérèse Raquin, inaugurando o romance naturalista. O naturalismo é uma ramificação do Realismo, por isso apresenta-se no contexto histórico do mesmo. Com a publicação de O Mulato (1881), tem início o Naturalismo brasileiro.

Realismo / Naturalismo - Portugal
Em Portugal, o marco histórico que introduziu as idéias realistas-naturalistas foi a chamada Questão Coimbrã que, em 1865, opôs realistas a românticos. O livro de poemas “Odes modernas”, do poeta Antero e Quental, é considerado o marco inicial dessas escolas literárias em Portugal em 1865.


Características do Realismo Brasileiro
Objetividade, ou seja, o autor é imparcial.

Contemporaneidade, ou seja, narração do presente.

Oposição ao idealismo romântico, ou seja, não há envolvimento sentimental.

Representação mais fiel da realidade.

Linguagem de fácil entendimento.

Romance como meio de crítica social.

Influência dos métodos experimentais e do cientificismo.

Narrativa minuciosa (com muitos detalhes).

Personagens analisadas psicologicamente e mais realistas.

Características do Naturalismo Brasileiro
Assim como o Realismo, o Naturalismo é anti-romântico, não há idéia de sentimentalismo, é objetivo, ou seja, ao autor não se envolve, a linguagem é fácil, a narrativa é detalhada e há também a análise e critica aos problemas sociais. E mais exclusivamente do Naturalismo tem o determinismo, onde as personagens sofrem influência do meio, da raça e do momento e o zoomorfismo, onde lhes são atribuídas características animais.
Autores e Obras do Realismo Português

Antero de Quental: “Odes Modernas”, “Sonetos Completos” e “Bom Senso e Bom Gosto”.
Eça de Queirós: “O Crime do Padre Amaro”, “O Primo Basílio” e “Os Maias”.
Teixeira de Queirós: “Comédia do Campo e Comédia Burguesa”.
Abel Botelho: “Patologia Social”.

Principais Nomes do Realismo/Naturalismo Brasileiro
Raul Pompéia: “O Ateneu”
Aluísio Azevedo: “O Cortiço”, “O Mulato”, “Casa de Pensão”
Inglês de Souza: “O Missionário”
Adolfo Caminha: “A Normalista”, “Bom-Crioulo”
Domingos Olímpio: ”Luzia-Homem”
Júlio Ribeiro – “A Carne”
Visconde de Taunay: “A Mocidade de Trajano”; “Inocência”
E o principal deles Machado de Assis: “Memórias Póstumas de Brás Cubas”, “Quincas Borba” e “Dom Casmurro”.
Full transcript