Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Sociedade Oitocentista

uma sociedade de classes
by

Inês Coelho

on 25 June 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Sociedade Oitocentista

Uma sociedade de classes
Sociedade Oitocentista
*Este tipo de sociedade aceita como únicas diferenças, aquelas que fossem resultantes do poder económico, as capacidades individuais e grau de cultura, profissão de cada um, valores e comportamentos. Deste modo, permite a mobilidade ascensional e descensional.
Grande Burguesía
Ocupação:

* Empresários industriais;
* Homens de negócios;
* Grandes proprietários;
* Banqueiros;
* Directores de companhias de transportes.
Importância
a) Económicas: Controlavam os meios de produção e as fontes de riqueza;

B) Politicas: Eram verdadeiras dinastias familiares, poderosas e influentes, que ocupavam cargos políticos e administrativos (deputados, ministros, presidentes), consolidando o poder económico;

c) Social: Através do ensino, da imprensa e das modas dominam a sociedade, impondo os seus valores.
Valores
Imitaçao da velha nobreza ( propriedades, procura de respeitabilidade, comportamentos requintados) que levou a fusão das elites nobre e burguesa.

Consciencia de classe com virtudes baseadas no trabalho, estudo, honestidade, sacrifício, poupança.

Possuem uma mentalidade própria marcada pela ambição, pelo prestigio social, pela importância da família pelo culto da imagem e pelo individualismo.

O objetivo de vida é o êxito individual que permite a ascenção social ( self Made man).
Introdução
O liberalismo político triunfou na maior parte dos Países Europeus.
Instituiu-se um novo tipo de sociedade:

* Baseado na igualdade jurídica de todos os cidadãos perante a lei, no respeito natural dos homens e pela liberdade individual em todos os sectores.
* Os indivíduos nascem livres e com igual estatuto jurídico.
Num plano inferior ao da alta burguesia situava-se a classe média
As classes médias aumentaram extraordinariamente o seu número durante o século XIX que pode ser explicado por quatro fatores:
O crescimento natural da população
A mecanização crescente dos processos produtivos, na industria e na agricultura
O alargamento dos sectores administrativos das grandes empresas industriais, comerciais e financeiras
A modernização e crescente complexidade dos aparelhos administrativos dos Estados
O crescimento do sector terciário alterou ao estrutura da população ativa da Europa e condicionou comportamentos e mentalidades
Praticavam profissões liberais
Com o seu crescimento, a classe media teve uma nova impotência a diferentes níveis:
Politico - dominavam a opinião publica e constituíam a maioria votante devido ao seu número
Economico - pelo seu poder de consumo que representavam e pelo seu dinamismo produtivo
A classe média de olhos postos no exemplo dos mais bem sucedidos, procurava uma identificação com a alta burguesia
A burguesia começou a adotar uma atitude mais conservadora e puritana
A classe media orientou os seus comportamentos:
Um quotidiano dividido entre o trabalho (escritório, loja, banco ou repartição) e a família, numa rotina regular
O respeito pela família
Uma moral rígida, fundamentada numa religião de deveres, preconceitos e puritanismo, que julgava com severidade quem a desrespeitasse.
O respeito pela hierarquia do dinheiro e do poder, valores pelos quais se confere a importância social
A importância dada á opinião publica e á preservação da reputação: numa sociedade onde predominava uma moral de aparência, “mais do que ser, é preciso parecer”
Full transcript