Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Epicurismo: Ética, Prazer e Sensação

Trabalho apresentado na disciplina de Filosofia do 1° período de Direito da Favip/Devry - Caruaru/PE, em 07 de maio de 2013.
by

Carlos Francisco Silva

on 8 May 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Epicurismo: Ética, Prazer e Sensação

O que você quer
para a sua vida? "Toda ação humana é no sentido de evitar a dor e procurar o prazer.
A felicidade depende do alcance do prazer" (Epicuro (341-270 a.C.)) Capacidade Intuitiva Humana Sensações AS SENSAÇÕES Fonte metafísica de conhecimento Poder Lógico-Racional "É através das sensações (sentidos humanos), que o homem experimenta o mundo"
Em geral a justiça não é só necessária, mas sobretudo, é útil socialmente.
É um pacto útil para subsistência da sociedade à medida que evita a causação dos danos mútuos. Justiça Na Máxima “XXXIII de Epicuro – A Justiça não existe em si mesma, mas só nas relações recíprocas e naqueles lugares em que se concluiu um pacto para não causar e não sofrer danos”.
Nesse sentido:
INJUSTIÇA=PERSEGUIÇÃO= TORMENTO.
A injustiça em si não é um mal, mas o medo aterrorizante de ser punido, por aqueles que têm a função de castigar os culpados. (aplicar a sanção). Injustiça
“Se há que se evitar a dor, há também que se evitar a injustiça.”
“A justiça não é algo naturalmente instintivo no homem, mas como um pacto útil para a subsistência da sociedade à medida que evita a causação dos danos mútuos.”
Não causar danos e não sofrê-los é o ideal do direito natural, nisso a uma convenção traçada entre os homens regendo um tipo de conduta. A justiça como pacto útil
“O justo goza de uma perfeita tranqüilidade de alma; o injusto, em compensação, está cheio de perturbações”.


O Epicurismo recomenda a justiça e a serenidade;

O homem justo não perturba o outro, e por isso afasta problemas, ódio,vinganças e demais dores que possam advir das atitudes tomadas.

O homem injusto vive perturbado e desiquilibrado, seja pelo medo de ser golpeado pela vitima de seus atos, ou seja pelo temor de ser rejeitado pela comunidade a qual pertence por causa de suas atitudes. (sanção) A ética social do prazer
“ Não é possível viver feliz sem ser sábio, correto e justo, ( nem ser sábio, correto e justo) sem ser feliz. Aquele que está privado de uma dessas coisas, como, por exemplo, da sabedoria, não pode viver feliz, mesmo se for correto e justo” (Epicuro, Máximas fundamentais.In: Moraes, Epicuro: as luzes da ética, 1998, p. 93-97). Felicidade e Sabedoria
A chave para compreensão dos preceitos de justiça dessa doutrina consiste em ser feliz e promover felicidade, mantendo serenidade evitando prejudicar e causar preocupações aos outros.
O sábio evita não só prejudicar como não causar preocupações nos outros. Da ética individualista do prazer surge uma ética social do prazer. Estabilidade das sensações e satisfação do corpo
Para Epicuro não era as bebedeiras, as festas contínuas, o prazer que as mulheres proporcionam e uma mesa farta que constituem um vida feliz, mas sim, aquela sóbria reflexão que examina a causa das escolhas, que recusa e rejeita as falsas opiniões responsáveis pelas grandes perturbações que e apoderam da alma. Vida Feliz
Essa doutrina entrou em grande confronto com o cristianismo, sofrendo fortes resistências e logo se transformando em doutrina antagônica, o epicurismo tornou-se sinônimo de perdição, confundida como filosofia de apologia do vícios.
Epicuro já prevendo esse confronto disse:“Quando dizemos que o prazer é a meta, não nos referimos aos prazeres dos depravados e dos bêbados, como imaginam os que desconhecem nosso pensamento ou nos combatem ou nos compreendem mal, e sim à ausência de dor pisquica e à ataraxia da alma. Epicurismo X Cristianismo Proponho uma vida de contínuo prazer como chave para felicidade
Essa convenção tem por objeto o prazer geral da sociedade e a garantia da tranquilidade e do equilíbrio das relações que envolvem uma pluralidade de indivíduos.
Se não se sofre o mal, também se está obrigado a não causar nenhum mal.
É onde consiste a JUSTIÇA, conserva-se longe da possibilidade de causar dano a outrem e de sofrê-lo.
A JUSTIÇA – traz tranquilidade, serenidade. Convenção e Justiça. “VVI- Nenhum prazer é em si um mal, mas as coisas que nos proporcionam certos prazeres acarretam sofrimentos às vezes maiores que os próprios prazeres”.
É a consciência da dor e do prazer que capacita ao homem escolher causar dor ou prazer. (experiência).
A ética social epicurista, uma vez compreendida, leva à conclusão de que a consciência de dor e de prazer induz o homem a se livrar da dor, e, portanto, a evitar produzi-la injustamente em outrem, e a buscar do prazer, é, portanto, procurar favorecer para que os outros tenham prazer. Nem sempre o prazer atrai o que há de melhor . Nem sempre a dor atrai o que há de pior. Observa-se na sua máxima epicúrea o seguinte: "Sem prazer não há felicidade, essa é a essência da doutrina epicurista." Prazer e justiça PRAZER E JUSTIÇA ÉTICA EPICÚREA A Ética Epicúrea tem sua fonte na SENSAÇÃO (AISTHÉSIS).

Os princípios éticos do epicurismo provém dos sentidos.

As sensações desempenham papel fundamental na formação do conhecimento humano, através da interação com a natureza e os demais seres humanos.

Os sentidos possibilitam a construção conhecimento por meio do que pode ser tateado, visto, provado. Para a doutrina Epicurista, o ser humano foge da dor e busca o prazer. A felicidade depende do PRAZER.
Exatamente porque o prazer é um bem primitivo e natural, não escolhemos todo e qualquer prazer; podemos mesmo deixar de lado muitos prazeres quando é maior o incômodo que os segue; e consideramos que muitas dores são melhores do que os prazeres quando conseguimos, após suportá-las, um prazer ainda maior (Epicuro, Carta a Menequeu, trad. In Moraes, Epicuro: as luzes da ética, 1998, p.92). Somente os deuses podem fruir do prazer absoluto.
O homem sábio deverá buscar:
1 – Prolongar os prazeres;
2 – Reduzir e suportar as dores;
3 - Favorecer a que os outros participem do prazer. O prazer gera tranquilidade na alma. A PRUDÊNCIA (PHRÓNESIS) seria a maior faculdade que o homem possui. O discernimento permite domar os instintos e superar as temeridades. Para o epicurismo os desejos são:
1 – necessários e naturais;
2 – não necessários e naturais;
3 – não necessários e não naturais. Felicidade Prazer Discernimento Razão Paixão Felicidade Obrigado!

Arthur
Carla
Cristiane
Douglas
Carlos
Wellington
Full transcript