Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

O EGO E O SUPEREGO E A DISSOLUÇÃO DO ÉDIPO

No description
by

Giovanna Sandoval

on 24 September 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of O EGO E O SUPEREGO E A DISSOLUÇÃO DO ÉDIPO

Referências:

FREUD, S. O Ego e o Id e Outros Trabalhos (1923 - 1925). In: SIGMUND FREUD. Obras psicológicas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro, Imago, 2006. v. 19, p. 41-51 e 193-199.

O EGO E O SUPEREGO
Ego x Superego
O ego é a parte do id "modificada pela influência do sistema perceptivo, o representante na mente do mundo externo real " (p.41), mas não é só isso, existe uma " diferenciação dentro dele, que pode ser chamada de ‘ideal do ego’ ou ‘superego’ ", mas, segundo Freud, "o fato de que essa parte do ego está menos firmemente vinculada à consciência é a novidade que exige explicação."

"O superego, contudo, não é simplesmente um resíduo das primitivas escolhas objetais do id; ele também representa uma formação reativa enérgica contra essas escolhas." (p.47)

" Vemos, então, que a diferenciação do superego a partir do ego não é questão de acaso; ela representa as características mais importantes do desenvolvimento tanto do indivíduo quanto da espécie; em verdade, dando expressão permanente à influência dos pais, ela perpetua a existência dos fatores a que deve sua origem." (p.48)
Catexia do objeto e Identificação
A Identificação substitui a catexia do objeto perdido: " Um objeto que fora perdido foi instalado novamente dentro do ego, isto é, que uma catexia do objeto foi substituída por uma identificação." (p.41)

" Pode-se dizer que essa transformação de uma escolha objetal erótica numa alteração do ego constitui também um método pelo qual o ego pode obter controle sobre o id, e aprofundar suasrelações com ele - à custa, é verdade de sujeitar-se em grande parte às exigências do id. Quando o ego assume as características do objeto, ele está-se
forçando, por assim dizer, ao id como um objeto de amor e tentando compensar a perda do id " (p.42 e 43)

Transformação da libido
" A transformação da libido do objeto em libido narcísica, que assim se efetua, obviamente implica um abandono de objetivos sexuais, uma dessexualização - uma espécie de sublimação, portanto (...) em verdade, deve se saber que este não será o caminho universal à sublimação " (p.43)
Complexo de Édipo
"O superego, contudo, não é simplesmente um resíduo das primitivas escolhas objetais do id; ele também representa uma formação reativa enérgica contra essas escolhas (...) Esse aspecto duplo do ideal do ego deriva do fato de que o ideal do ego tem a missão de reprimir o complexo de Édipo; em verdade, é a esse evento revolucionário que ele deve a sua existência (...) Os pais da criança, e especialmente o pai, eram percebidos como obstáculo a uma realização dos desejos edipianos, de maneira que o ego infantil fortificou-se para a execução da repressão erguendo esse mesmo obstáculo dentro de si próprio " (p.47)
O superego provém do pai?
" O superego retém o caráter do pai, enquanto que quanto mais poderoso o complexo de Édipo e mais rapidamente sucumbir à repressão (sob a influência da autoridade do ensino religioso, da educação escolar e da leitura), mais severa será posteriormente a dominação do superego sobre o ego, sob a forma de consciência (conscience) ou, talvez, de um sentimento inconsciente de culpa. " (p.47)
O Ideal do Ego
" O ideal do ego, portanto, é o herdeiro do complexo de Édipo, e, assim, constitui também a expressão dos mais poderosos impulsos e das mais importantes vicissitudes libidinais do id. Erigindo esse ideal do ego, o egodominou o complexo de Édipo e, ao mesmo tempo, colocou-se em sujeição ao id. Enquanto que o ego é essencialmente o representante do mundo externo, da realidade, o superego coloca-se, em contraste com ele, como representante do mundo interno, do id. Os conflitos entre o ego e o ideal, (...) em última análise refletirão o contraste entre o que é real e o que é psíquico, entre o mundo externo e o mundo interno. " (p.48 e 49)
Dissolução feminina
2 desejos catexizados: ter um pênis e um bebê
Superego inconsciente?
"A maneira pela qual o superego surge explica como é que os primitivos conflitos do ego com as catexias objetais do id podem ser continuados em conflitos com o seu herdeiro, o superego. Se o ego não alcançou êxito em dominar adequadamente o complexo de Édipo, a catexia energética do último, originando-se do id, mais uma vez irá atuar na formação reativa do ideal do ego. A comunicação abundante entre o ideal e esses impulsos instintuais do Ics. soluciona o enigma de como é que o próprio ideal pode, em grande parte, permanecer inconsciente e inacessível ao ego. " (p.51)
A dissolução
"Em extensão sempre crescente, o complexo de Édipo revela sua importância como o fenômeno central do período sexual da primeira infância. Após isso, se efetua sua dissolução, ele sucumbe à regressão, como dizemos, e é seguido pelo período de latência." (p.193)
>> duas possibilidades
1) Falta de sucesso
2)desintegração natural
Dissolução masculina
Príncipio da castração
E a Dissolução do Édipo
Full transcript