Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Monteiro Lobato

Vida, obra e legado de um dos maiores escritores brasileiros.
by

Rafaela Barcha Piccin

on 22 October 2012

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Monteiro Lobato

Obras Trecho Conceitos Jornalismo Trajetória Biografia José Bento Renato Monteiro Lobato
(Taubaté, 1882 - São Paulo, 1948) Monteiro Lobato "Dirão: e a modinha?
A modinha, como as demais manifestações de arte popular existentes no país, é obra do mulato, em cujas veias o sangue recente do europeu, rico de atavismos estéticos, borbulha d’envolta com o sangue selvagem, alegre e são do negro.
O caboclo é soturno.
Não canta senão rezas lúgubres.
Não dança senão o cateretê aladainhado.
Não esculpe o cabo da faca, como o cabila.
Não compõe sua canção, como o felá do Egito.
No meio da natureza brasílica, tão rica de formas e cores, onde os ipês floridos derramam feitiços no ambiente e a infolhescência dos cedros, às primeiras chuvas de setembro, abre a dança dos tangarás; onde há abelhas de sol, esmeraldas vivas, cigarras, sabiás, luz, cor, perfume, vida dionisíaca em escachôo permanente, o caboclo é o sombrio urupê de pau podre a modorrar silencioso no recesso das grotas.
Só ele não fala, não canta, não ri, não ama.
Só ele, no meio da tanta vida, não vive…"
(Urupês, 1918) Nacionalismo:
Paranoia ou Mistificação
Petróleo
Eugenia:
O Presidente Negro
Racismo:
Caçadas de Pedrinho
Negrinha Revelar o Brasil
Necessidade em comunicar-se
Espírito empreendedor + liberdade de expressão = jornalista e empresário editor
Estilo simples, direto, irônico - polêmico.
Tribuna de Santos, Correio Paulistano
O Estado de S. Paulo
União Jornalística Brasileira
“O escritor confundia-se com o jornalista, o homem de imprensa virava publicista e ambos lançavam mão dos meios de comunicação da época – o livro, jornal e a revista – para tentar despertar a consciência social e criar novos padrões de comportamento coletivo.” Urupês, conto, 1918
O Marquês de Rabicó, literatura infantil, 1922
Reinações de Narizinho, literatura infantil, 1931
Caçadas de Pedrinho, literatura infantil, 1933
O Picapau Amarelo, literatura infantil, 1939 Órfão aos 17 anos. Mudou-se para São Paulo: desenho e escrita Sonhava com a Faculdade de Belas-Artes, mas cursou Direito no Largo de São Francisco. Fazenda Buquira
Velha Praga Revista do Brasil - publicação nacionalista
Editora Monteiro Lobato & Cia - Editora Nacional
Sítio do Picapau Amarelo e histórias infantis
cultura brasileira
costumes da roça
folclore
mitologia
Full transcript