Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Acidente de Bhopal - India

No description
by

Thalita Ramos Cunha

on 5 December 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Acidente de Bhopal - India

3 de dezembro de 1984
Acidente de Bhopal - Índia
Fábrica de agrotóxicos controlada pela Union Carbide Corporation que produzia um pesticida conhecido como Sevin, que agia atacando o sistema nervoso dos insetos.
Acidente Industrial
Combinação de falhas mecânicas, operacionais e de segurança, ocasionou:

Elevação da pressão dos tanques de armazenamento para mais de 14 bar;
Temperatura dos reservatórios se aproximou de 200° C.

O aumento da pressão e da temperatura foi atribuído à entrada de água em um dos tanques, o que ocasionou uma reação altamente exotérmica que culminou para o vazamento de cerca de 40 toneladas de metil-isocianato e outros gases letais e uma imensa nuvem tóxica foi liberada para a atmosfera.
Calcula-se que nas primeiras horas o acidente fez cerca de 8000 vítimas fatais. E nos anos que sucederam, o número de mortos chegou a 22.000.
Estudos mais aprofundados com os sobreviventes também apontam sintomas neurológicos, que incluem dores de cabeça, distúrbios de equilíbrio, depressão, fatiga e irritabilidade, além de anormalidade e efeitos negativos sobre os sistemas: gastrointestinal, muscular, reprodutivo e imunológico.
Os resíduos perigosos e materiais contaminados foram deixados para trás pela empresa sem nenhum tipo de ação mitigadora.
Dessa forma, todos esses poluentes estão contaminando o solo e a águas subterrâneas, dentro e no entorno da antiga fábrica. A contaminação desses recursos hídricos constitui-se na forma em que a tragédia de décadas atrás encontrou, de continuar atormentando os moradores da região da fábrica – mais de 20 mil pessoas habitam aquela área atualmente -, pois grande parte dessa população continuou consumindo dessa água após o acidente.
Indenização
Atualmente
Referências bibliográficas
http://www.theguardian.com/environment/gallery/2009/nov/30/bhopal-anniversary-union-carbide

http://www.greenpeace.org.br/bhopal/docs/Bhopal_desastre_continua.pdf

http://araucb.blogspot.com.br/2009/08/o-pior-acidente-quimico-da-historia.html

http://pt.euronews.com/2014/12/03/tragedia-de-bhopal-recordada-30-anos-depois/

http://nuevosparatos.blogspot.com/2011/06/el-peor-accidente-industrial-de-la.html

http://www.publico.pt/multimedia/fotogaleria/bhopal-342287#/27

http://noticias.uol.com.br/ultnot/2004/12/03/ult29u37635.jhtm
O ex-presidente da Union Carbide Warren Anderson foi preso pela polícia indiana durante uma visita à fábrica após o desastre, mas foi libertado sob fiança e prontamente deixou o país.
Ele foi oficialmente classificado como "fugitivo", mas o governo indiano jamais seriamente pressionou por sua extradição dos Estados Unidos.
Os acidentes envolvendo substâncias perigosas nas atividades de transporte, armazenamento e produção industrial de produtos químicos constituem um sério risco à saúde e ao meio ambiente.

É preciso realizar formas de prevenção, através da avaliação de riscos, medidas de controle, planos de emergência, atenuação e redução das consequências de impactos, nos âmbitos da saúde pública e do meio ambiente.

Para que acidentes como esse em Bhopal que deixou milhares de mortos, diversas sequelas que atravessam gerações e danos ao meio ambiente que perdura até hoje não venham ocorrer novamente.
Obrigado
Alessandro Sa
Milla Silva E. Santo
Thalita Ramos Cunha
A empresa Union Carbide em uma tentativa de se ver livre da responsabilidade pelo passivo ambiental causado pelo acidente em sua fábrica e, principalmente, pelas mortes provocadas pelo vazamento dos gases tóxicos, pagou compensações inadequadas ao Governo da Índia. Dessa forma, em 1985, através de um acordo com o poder Executivo indiano, a Union Carbide, sem ir a julgamento, aceitou o pagamento de US$ 470 milhões de indenização.

Só em outubro de 2004, o Supremo Tribunal da Índia aprovou o pagamento de parte do dinheiro restante, cerca de US$ 350 milhões, a mais de 500 mil vítimas e familiares, sendo ainda uma quantia muito inferior à que exigem.
Muitos aspectos relacionados à esse acidente ainda encontram-se pendentes na justiça indiana e norte-americana, e diversos processos judiciais encontram-se em aberto até os dias de hoje.

A fábrica da Union Carbide que está desativada contém ainda cerca de 8.000 toneladas de produtos químicos carcinogênicos que continuam a contaminar a água usada por cerca de 30.000 pessoas. Sendo que ninguém examinou ainda até que ponto as substâncias tóxicas se alastram pelo solo e pela água da região.
Organizações locais estimam que entre 10-15 pessoas continuam morrendo a cada mês como resultado da exposição.

Os responsáveis estão nos Estados Unidos e nunca foram julgados e a atual proprietária, a Dow Chemical Co disse que aceita responsabilidade total pelo desastre de Bhopal, na Índia, e anunciou um fundo de 12 bilhões de dólares para indenizações às vítimas.

Full transcript