Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Conceito Terceiro Setor

No description
by

samantha buglione

on 27 January 2012

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Conceito Terceiro Setor

Conceito terceiro setor A partir de sucessivas intervenções mais institucionalizadas e laicas da sociedade civil no domínio social, surge, na década de 70, a caracterização desse movimento como Terceiro Setor;
O Terceiro Setor é um campo de atuação na esfera pública (interesse público) de organizações sem fins lucrativos e que não estão vinculadas nem ao aparelho burocrático do Estado nem a economia de mercado É um campo que surge a partir da organização da sociedade civil, ou seja, é quando a “sociedade civil se organiza e busca soluções próprias para suas necessidades e problemas, fora da lógica do Estado e do mercado”. (RODRIGUES, 1998, p.31). No Brasil, o Terceiro Setor adquire visibilidade a partir do final da década de 80.
Exemplos de organizações do 3T - Irmandade Misericórdia, 1543
- Fundação Ford, 1936
- Fundação MacArthur, 1970
- Anistia Internacional, 1961
- IPAS (saúde da mulher), 1973
- Biorga (cooperativa de produtores biorganicos), 1984
- ABIA (hiv/aids), 1987
- IDEA, BC, 2005
- Casa Lar Emaus
- ABONG, 1991
- Grupo de Institutos, Fundações e Empresas (GIFE), 1995
- Agreco, 1996.
- Gapa
- Çarakura
- ONG Me ensina
_ Fundação O Boticário
- ICOM
- Montanha VIiva
- Cladem

Organizando as organizações 1º. Organizações de Economia Social latu sensu: têm uma forma de regulação com base na troca mercantil.
2º. Financiadores: têm como princípio de regulação a redistribuição de recursos públicos ou privados, visando ao bem comum.
3º Organizações de Economia Solidária: associações comunitárias, ongs de atuação social direta e as organizações filantrópicas. O perfil dessas organizações é o da reciprocidade. Conceito Terceiro Setor
UDESC - Ad. Publica
Profa. Dra. Samantha Buglione O Terceiro Setor latu sensu possui uma configuração flexível que muda a depender da matriz cultural, das estruturas legais e econômicas dominantes, da história e dos arranjos políticos presentes em cada região.
A Concepção anglo-saxão ou terceiro setor strictu sensu: são organizações privadas, formalmente organizadas, autogovernadas que envolvem a participação voluntaria, sem finalidade de lucro (Salamon, Anheier, 1996).
A Concepção européia (economia social – contraponto a economia capitalista – destaque para o caráter coletivo): Trata-se de um universo de organizações (associações, fundações, cooperativas e mutuas) que funcionam não a partir de uma lógica de complemento ao sistema capitalista, mas como um contraponto a este, com base em alguns princípios norteadores (Barea, Monzon, 1992 e 1995 e Chaves, 2006):
Atividade -
pegue a lista de organizações e os textos de referencia e classifique cada organização a partir de cada grupo de critérios:
a) Grupo A -FORMAL: Associação, Organização Social, OSCIP, Instituto, Fundação, outro.
b) Grupo B - ECONOMICO: economia social, financiador ou
organização de economia solidaria
b) Grupo C - PARADIGMA/CONCEPÇÃO: terceiro setor latu senso, conceito anglo-saxão ou concepçao europeia.

A economia solidária tem como característica: 1. a primazia das pessoas e do objetivo social sobre o capital; 2 adesão voluntaria e aberta e controle democrático por seus membros desde a base; 3 conjunção de interesses dos membros, usuários e do interesse geral; 4 defesa e aplicação do principio da solidariedade 5 autonomia de gestão e 6. aplicação dos excedentes

Economia social – tem relação com o marxismo e questiona as formas de associação pressupões que há diferenças da forma de associação. A sociedade é mais cooperativa e autonoma. A cultura associativa é diferente – relação com o Estado.
Essa dupla classificação – semelhante e próxima – decorre do fato de que na Europa as associações tradicionais foram colocadas em cheque, eis que as tradicionais cooperativas (união de pessoas e membros para exercer atividade) hoje aproximam-se cada vez mais de um perfil empresarial (hierarquia, metas, lucro) e distanciam-se dos princípios cooperativos. As criticas a isso criou o termo economia solidaria. A idéia não foi romper, mas renovar o termo.

No Brasil o tradicional sistema de crédito cooperativo foi renovado pelo sistema cooperativos alternativo para as pequenas cooperativas. As cooperativas tem um viés de transformação social e cuidados com seus membros (inclusive com leis trabalhistas diferenciadas)
SINTESE:

Economia social – lucro é importante. Governança deve ser democrática (cooperativa deve ser autogerida, os membros devem influenciar nas decisões e agenda institucional).
Economia solidária – não visam lucro ou lucro é repartido, governança democrática.
Terceiro setor stricto senso: a governaça democrática não é uma prerrogativa.

O Brasil sofre influencia dos dois conceitos (Europeu -economia solidária e Anglo-saxão - terceiro setor) a partir dos anos 2000 (criação de políticas solidárias, microcrédito...)
Full transcript