Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

CERRI, Luis Fernando. Cartografias temporais: metodologias d

No description
by

Júlia Matos

on 29 September 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of CERRI, Luis Fernando. Cartografias temporais: metodologias d

CERRI, Luis Fernando. Cartografias temporais: metodologias de pesquisa da Consciência Histórica. Educ. Real. Porto Alegre, v. 36, n.1, p. 59-81, jan./abr., 2011.
Disponível em: http://www.ufrgs.br/edu_realidade

Consciência Histórica
Segundo Jörn Rüsen (2001a), a orientação temporal é uma contingência de todo ser humano organizado em grupos sociais. Ela é o resultado da equação que envolve o passado, as nossas intenções e a nossa ideia geral sobre o que é o tempo. O passado é tanto aquele que experimentamos direta e pessoalmente, como testemunhas ou como protagonistas diretos, quanto o passado que conhecemos porque nos contaram, mostraram ou ensinaram.
O ensino de História
O ensino de história não pode ser considerado como a ação socialmente estabelecida cujo objetivo é formar a consciência histórica, e muito menos conscientizar historicamente pode ser um objetivo do ensino de história. O ensino de história é a tentativa das gerações mais velhas de intervenção na consciência histórica em formação.
A narrativa clássica
* O modelo clássico de narrativa que promove a orientação temporal, portanto empiricamente útil à identificação e análise da consciência histórica, é o de relatos com início, meio e fim, cujo sentido e significado sugerem ou impõem implicitamente
uma moral da história.
* No que se refere ao conteúdo, essas narrativas remetem a uma experiência passada, e motivam a decisão e a ação a partir das legitimações que produzem.
* Entretanto, Rüsen adverte que o mundo da cultura está pleno de outros produtos que se referem ao passado ou ao tempo e não se apresentam como histórias completas, como é o caso das abreviações narrativas, ou seja, palavras, termos ou símbolos que evocam histórias inteiras.
A pesquisa Os jovens e a História
A pesquisa se inicia a partir de problemas que se interrelacionam com os domínios de consciência histórica que se pretende analisar.
a metodologia
Desenvolvimento de perguntas;
* elaboração de categorias (domínios de consciência histórica que irão ser analisados;
* desenvolvimento de problemas a serem resolvidos pelos alunos ou sujeitos envolvidos pela pesquisa;
* Após, busca a similitude entre as respostas e a relação com o tipo de narrativa na qual se enquadra;
* definição de perfil dos entrevistados; grupo social; gênero e escolaridade;
A narrativa
A expressão "consciência Histórica" toma história no sentido amplo, definindo-a como narrativa que coloca a identidade – pessoal e social – em função do tempo.
A experiência no tempo
A Consciência Histórica é definida como “a suma das operações mentais com as quais os homens interpretam a sua experiência de evolução temporal de seu mundo e de si mesmos, de tal forma que possam orientar, intencionalmente, sua vida prática no tempo” (Rüsen, 2001, p. 57)
Sentido e narrativa
[...] na constituição de sentido sobre a experiência do tempo mediante a narrativa histórica, se trata afinal de contas da identidade daqueles que têm de produzir esse sentido da narrativa (histórica), a fim de poderem orientar-se no tempo.
Toda narrativa (histórica) está marcada pela intenção básica do narrador e de seu público de não se perderem nas mudanças de si mesmos e de seu mundo, mas de se manterem seguros e firmes no fluxo do tempo (Rüsen, 2001, p.66).
O papel do ensino de História
* o ensino de história não é a aplicação da ciência histórica e seu acréscimo de racionalidade ao pensamento dos alunos:
* ensinar história é uma decisão social e política de uma sociedade, e essas esferas adicionam, por exemplo, o sentimento nacional, e algumas de suas consequências podem até mesmo ser lidas como alienantes no que se refere à capacidade de leitura e
construção do sentido do tempo.
Os tipos de narrativa
Os quatro tipos de geração de sentido histórico são o tradicional, o exemplar, o crítico e o genético
análise
O trabalho de identificar, recolher e colocar sob análise as representações empíricas da consciência histórica começa com a importante referência das narrativas que interferem sobre o sentido e o significado de sociedades e grupos no tempo.
Full transcript