Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

"Cristalizações" de Cesário Verde

No description
by

Rafaela Pedroso

on 2 June 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of "Cristalizações" de Cesário Verde

Estilo
Características Narrativas
Este poema passa-se nos subúrbios de Lisboa, na altura do Inverno. Pode-se observar isso quando o poeta utiliza expressões como "Faz frio." , "a molhada casaria" , "água gelada" , "cristais de neve" e até mesmo quando diz "As árvores despidas. Sóbrias cores!" Isto indica tudo a localização temporal. Havendo mesmo um verso que diz "...Neste dezembro enérgico..." .
As personagens:
- Calceteiro, Pedreiro e Valador- fazem o trabalho mais sujo e duro;
- As peixeiras- são as pobres trabalhadoras;
- Atriz- elegante, pretensiosa e receosa que se destingue das outras personagens.
Resumo:
Cesário Verde, vai deambulando pela rua com vários casarios, onde vai encontrando vários trabalhadores de diferentes profissões. Vai falando desses e descrevendo a suas condições de trabalho




Nível Temático
Poetização do real:
-Este poema retrata a rua pela qual ele deambulava e vai-se expandindo à medida que este desliza os seu olhos, chegando a englobar toda a rua e pelo casario. O que depois expande ainda mais quando surgem as peixeiras. À medida que este vai retrando a rua , vem ao de cima, a suavidade do campo, que é oposta da cidade.
-Expressa bastante o que vê e o que ouve (visão e audição) ,neste poema. "Não se ouvem..."; " Dois assobiam..."; "gritam as peixeiras"; "Mal encarado e negro";

Binómio (Cidade- Campo)
-São em poemas como este, em que decorre na cidade, que se denota melancolia no poeta. Em que este sente necessidade de abrir as janelas sobre o campo "Pede-me o corpo inteiro esforços na friagem.../...Sabe-me a campo, a lenha, a agricultura." Mostra então a saudade que este tem do campo, do ambiente rural.
Sendo que, neste poema ,o campo funciona como antítese da cidade.

Imagética feminina
-Neste poema aparecem dois tipos de imagem feminina, ambas da cidade.
As peixeiras que são retratas como pobres trabalhadoras e que valoriza quando diz "Luzem, aquecem na manhã bonita,/ Uns barracões de gente pobrezita..." .
E por outro lado a atriz, que tem uma imagem distinta das peixeiras. Esta agora, com melhor aspecto, bonita e com um trabalho menos duro. Esta provoca admiração masculina.
O poeta acaba por revelar desprezo em relação à atriz, valorizando o trabalho dos calceteiros em detrimento do trabalho desta. Chegando a referir-se a esta com um tom irónico "Espanta-me a atrizita que hoje pinto..."

Questão social
-Neste poema o poeta demonstra procupação e revolta com as diferenças na sociedade, visto que ao longo do poema é evidente as diferenças entre a atriz e os restantes trabalhadores que trabalhavam no duro e todos os dias, durante horas. Chegando a referir-se à atriz num modo irónico e desprezante.
"Cristalizações" de Cesário Verde
- 20 estrofes
- Todas quintilhas (5 versos cada estrofe)
- 1º verso é composto por 12 s.m
- 2º/3º/4º/5º compostos por 10 s.m.
- Em relação à rima, há o prodomínio da "interpolada" entre os 1ºs e 3ºs versos e 2ºs e 5ºs versos
- "Emparelhada" entre os 3ºs e 4ºs versos


Repara-se então, que neste poema está pantente a sua , preocupação com beleza e perfeição formal, no que diz respeito à regularidade métrica, recorrendo ao verso alexandrino nos 1ºs versos das estrofes; e ainda com a regularidade métrica (interpolada e emparelhada) que é igual ao longo de todo o poema. O que não se observa é a sua preferência pela quadra, visto que dividiu o poema em quintilha.
Recorre frequentemente a adjectivos:
- " ...crua" (estrofe 1, verso 2);
- "...vidrento" (estrofe 2, verso4)
- "...bonita/...pobrezita" (estrofe 3, verso 3/4
- "...morosos,duros,baços" - tripla adjectivação (estrofe 4, verso 1)
Utiliza, ainda uma linguagem objectiva e clara do que observa no dia-a-dia, como por exemplo, quando diz ".Que espessos forros..." , " Eu tudo encontro alegremente e exato...", o mostrando claramente o que vê.

Utiliza ainda vocabulário expessivo e preciso, quando usa expressões que transcrevem o que ele sente. Por exemplo quando diz que "Faz frio" , "Não se ouvem aves..." , "Bom tempo...." .
Utiliza ,por fim, vários tipos de recursos estilísticos.
-Sinestesia- " Vibra uma imensa claridade crua"
-Sinédoque- " Em pé e perna"
-Hipérbole- "Luzem..."
-Perífrase- "Não se ouvem aves; nem o choro duma nora!"
-Metáfora- " E os charcos brilham tanto, que eu diria/ Ter ante mim lagoas de brilhantes!
-Comparação- "Fundeiam, como esquadra em fria paz"
-Exclamação- "E o descoberto sol abafa e cria!"

Vai falando desses e descrevendo as suas condições de trabalho, os seus aspectos, ou seja, a maneira como se apresentam "Assim as bestas vão curvadas!". E chega a uma altura que aparece " ao cimo da barroca" uma imagem feminina completamente distanciada daquele cenário que descreve. Esta é atriz , por quem o poeta se encanta "olhos lisos como polimento!/ com seu rostinho estreito...". Sente-se tentado pelo papel que desempenha. Mas ao mesmo tempo mostra algum desprezo em relação a esta, pois nãovaloriza o trabalho que esta desempenha em relação ao trabalho dos calceteiros, pedreiros...
Full transcript