Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Docência no Ensino Superior: dilemas e perspectivas na formação de professores de música

No description
by

Gislene Alves

on 5 December 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Docência no Ensino Superior: dilemas e perspectivas na formação de professores de música

Docência no Ensino Superior: reflexões a partir de um relato de experiência na Docência Assistida
Everson Ferreira
Flavia Maiara
Gislene de Araújo Alves
PPGMUS - UFRN

Profª. Drª Valéria Carvalho
PPGMUS - UFRN

Formação do professor na História
Apresentação
Estudo bibliográfico;
Análise e reflexão da legislação vigente sobre a formação do professor para atuar no Ensino Superior;
Trazer alguns apontamentos para compreender a formação docente para o Ensino Superior,
Refletir sobre a Docência Assistida como prática reflexiva-na-ação docente.
No século XVII a necessidade da formação docente já era preconizada por
Comenius
,e o primeiro estabelecimento de ensino voltado para essa finalidade teria sido instituído por São João Batista de La Salle em 1684, em Reims, levando o nome de Seminário dos Mestres; No século XIX, após a Revolução Francesa, a questão do ensino, se torna institucional, tendo como foco a instrução popular (LIBÂNEO, 2010);
No Brasil, as universidades surgem no começo do século XIX, a primeira instituição de ensino superior brasileira foi a Universidade do Rio de Janeiro, fundada em 1920, na cidade do Rio de Janeiro e que contribuiu para definir os rumos da educação superior no Brasil. No período de 1930 e 1964, foram criadas no Brasil mais de 20 universidades federais.
John Amos Comenius
Foi um inovador e um dos primeiros defensores da universalidade da educação, conceito que defende em seu livro
Didactica Magna.
É considerado como o pai da educação moderna. Aplicou um método de ensino mais efetivo, a partir dos conceitos mais simples para chegar aos mais complexos. Preconizava o aprendizado contínuo, por toda a vida, e o desenvolvimento do pensamento lógico, em vez da simples memorização. Apoiava o acesso das crianças pobres e das mulheres à escola. Introduziu livros textos escritos na língua nativa dos alunos, em vez de latim.
O surgimento dessas universidades, como a Universidade de São Paulo, em 1934, traz a contratação de um grande número de professores europeus, marcando assim o sistema público federal de educação;
Em 1968, a educação superior brasileira entra no movimento de reforma universitária, neste contexto, impulsionou o desenvolvimento de cursos de pós graduação no exterior com o intuito de capacitar o corpo docente brasileiro.
Na década de 90, com a Constituição de 1988 e a homologação de leis que passaram a regulamentar o ensino superior;(STALLIVIERI, 2006)
LDB 9.394/96
A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei nº 9.394) sancionada em 20 de dezembro de 1996, estabelece os parâmetros para a formação do docente no Ensino Superior, mas não deixa claro como deve ser realizado essa preparação do docente;
"Art. 66. A preparação para o exercício do magistério superior far-se-á em nível de pós-graduação, prioritariamente em programas de mestrado e doutorado.
Parágrafo único. O notório saber, reconhecido por universidade com curso de doutorado em área afim, poderá suprir a exigência de título acadêmico."
(BRASIL, 1996)
No âmbito do ensino superior deve ter competência técnica e domínio da área de conhecimento, no Art. 52 da Lei 9.394 (BRASIL, 1996) nos incisos II e III determina-se que as universidades serão caracterizadas por:

LDB 9.394/96
II um terço do corpo docente, pelo menos com titulação acadêmica de mestrado ou doutorado;
III um terço do corpo docente em regime de tempo integral.
(BRASIL, 1996)
A nova Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDBEN, fixa, em relação aos profissionais da Educação, diversas normas e exigências que orientam a formação profissional docente, como as finalidades e fundamentos da formação profissional; os níveis de formação; os cursos que serão mantidos pelas Instituições de Ensino Superior (IES); a carga horária a ser destinada para a prática de ensino; a valorização e a experiência docente.
O professor de música no Ensino Superior
Com a Lei 11.769/2008, no qual a música passa a ser conteúdo obrigatório na Educação Básica, surgem no Brasil, o aumento da oferta de cursos superiores, licenciatura e bacharelado em música em todo o país, nas modalidades presencial e à distância;
A totalidade de cursos ativos de licenciatura em Música no Brasil, segundo o MEC (2014), em relatório de instituições de ensino superior, apresenta
cento e um
estabelecimentos de ensino públicos e privados, cursos presenciais e à distância. (MEC, 2014)
As nomenclaturas são diversas (Educação Artística com habilitação em Música, Educação Musical, Música com habilitação em Educação Musical, Linguagens e Códigos – Música, Educação do Campo – Linguagens e Códigos/Artes e Música).

NOTAS

Prática docente no Ensino Superior: experiência da Docência Assistida
No Brasil, a introdução dessa temática acontece na década de 1990, especialmente, pelas obras de Schön, Tardif e, posteriormente de Gauthier, Nóvoa e Zeichner, dentre outros que direta ou indiretamente vêm tratando do saber docente. Estes autores defendem a emancipação do professor como alguém que deve decidir e encontra prazer na aprendizagem e na investigação do processo de ensino e aprendizagem.
As idéias de Schön (1992) sobre o desenvolvimento do conhecimento profissional baseiam-se em noções como a de pesquisa e de experimentação na prática
Ação e Reflexão
[...] a formação deve estimular uma perspectiva crítico-reflexiva, que forneça aos professores os meios de um pensamento autônomo e que facilite as dinâmicas de autoformação participada. Estar em formação implica um investimento pessoal, um trabalho livre e criativo sobre os percursos e os projectos próprios, com vistas à construção de uma identidade, que é também uma identidade profissional (NÓVOA, 1991, p.25).
A DISCIPLINA DE DOCÊNCIA ASSISTIDA

O programa de estágio docência na graduação da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, foi criado no ano de 2010 segundo a resolução n°063/2010 com o objetivo de estabelecer e regulamentar a prática de estágio no ensino superior. Esse programa tem como principais objetivos a integração entre a graduação e a pós-graduação, envolvendo-os em atividades de ensino, garantindo que a formação do pós-graduando para a docência no ensino superior e contribuindo para a melhoria na qualidade de ensino na graduação.
O CURSO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA
Para a realização da docência assistida, os alunos de pós-graduação participam do Curso de Iniciação à Docência-CID. O CID, aborda conteúdos relacionados a práticas, estratégia e metodologias de ensino voltadas para o ensino superior. O curso também objetiva orientar os pós-graduandos quanto a elaboração do plano de docência e do relatório, atuação no componente curricular (carga horária, atribuições e funções dos professores e alunos).
PLANEJAMENTO, OBSERVAÇÃO E ATUAÇÃO
A elaboração do plano de docência assistida é realizada em conjunto com o professor titular do componente curricular escolhido;
essa experiência de elaboração do plano pode desenvolver uma habilidade fundamental para a profissão docente: a capacidade de planejamento e organização;
Essas atividades podem ser realizadas em classe ou extraclasse: plantão de dúvidas, planejamento, seleção e elaboração de material didático, regência em aula, correção da atividades avaliativas, dentre outras.
É uma experiência fundamental para a formação docente pois através da prática, é possível desenvolver muitas habilidades e competências para a docência no ensino superior. Como pós-graduando, tivemos a oportunidade de realizar a docência assistida em uma turma do curso de licenciatura em música no componente curricular de didática musical.
A experiência de estudar, planejar e aplicar os conhecimentos e atividades trazem cada vez mais apropriação e desenvolvimento de habilidades. A interação, a capacidade de se relacionar com o professor e alunos da turma, segurança ao conduzir as aulas, capacidade de adaptação das atividades planejadas ao tempo, são algumas dessas habilidades.
Breves considerações
REFERENCIAS
BALDI, Elena Mabel Brütten. A docência no ensino superior: perspectivas e imagens. Revista portuguesa de pedagogia, ano 44-1, 2010, p. 169-193.
LEAL, Regina Barros. Planejamento de ensino: peculiaridades significativas. Revista Iberoamericana de educación.
UFRN, RESOLUÇÃO No 063/2010-CONSEPE, de 20 de abril de 2010.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei número 9.394, 20 de dezembro de 1996.

______. Relatório de Consulta Pública. Ministério da Educação - MEC, 2014. Disponível em: http://emec.mec.gov.br/, acessado em 04 de setembro de 2014.

CARVALHO, Djalma Pacheco de. A Nova Lei de Diretrizes e Bases e a formação de professores para a educação básica. Ciência e Educação, v. 5,
n.2, p. 81 – 90, 1998.

CNE. Resolução CNE/CES 2/2004. Diário Oficial da União, Brasília, 12 de março de 2004, Seção 1, p. 10.
Full transcript