Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Apresentação projeto - Oficina 1/2

PEHEG - Juarez Calil
by

Juarez Calil 2013

on 23 September 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Apresentação projeto - Oficina 1/2

Agente PNAE em Nutrição
juarezcalil@unb.br
Juarez Calil
Transição Demográfica
Envelhecimento acelerado da população
Urbanização
Queda da fecundidade
Mortalidade por doenças crônicas supera a mortalidade por doenças infecto contagiosas (Dupla Carga de Doenças)

Mudanças no perfil alimentar e nutricional da população
Transição Epidemiológica
Transição Nutricional
Perfil de saúde e nutrição da população brasileira
Dados: CGAN/MS
Imagem: http://almirantinos.com/wp-content/uploads/miscigena%C3%A7%C3%A3o.jpg
Transição Demográfica
Envelhecimento acelerado da população
Urbanização
Queda da fecundidade
Dados: IBGE (2009a, p. 11)
Image: http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/908759-urbanizacao-atinge-a-maior-taxa-da-historia-mostra-censo.shtml
Mortalidade por doenças crônicas supera a mortalidade por doenças infecto contagiosas (Dupla Carga de Doenças)
Transição Epidemiológica
Dados: Malta et al (2006)
Gastos totais do MS em 2002 com as DCNT: R$ 7,5 bilhões (69,1% dos gastos ambulatoriais e hospitalares do SUS) sem contabilizar os recursos aportados pelos estados e municípios
Hipertensão
Sobrepeso e obesidade
Hipercolesterolemia
Baixo consumo de frutas e verduras
Tabagismo
Inatividade física
Principais fatores de risco responsáveis pela maior parte das mortes e doenças no mundo:
Dados: Malta et al (2006)

Mudanças no perfil alimentar e nutricional da população
Transição Nutricional
1950 -> 2010
Esperança de vida: 45,7 -> 72,8 anos
Fonte: IBGE (2009a, p. 15)
DCNT (doenças crônicas não-transmissíveis)
Fonte: Ministério da Saúde, 2006
0,42x
0,39x
0,38x
PEHEG na Escola Comunitária Uraim e na Escola Arnaldo. Paragominas/PA.
Desertificação
e perda de
qualidade do
solo
Buraco na
camada de
ozônio
Escassez de água doce
Degradação
dos oceanos
Extinção da
biodiversidade
Mudanças
climáticas
"Nossa sociedade vive um paradigma de produção e consumo que não corresponde à potencialidades e aos limites do planeta"
Econômica e Financeira
Ambiental
Alimentar
Energética
Política
e Social
Fonte: http://www.ceid.edu.ar/biblioteca/observatorio_africa/ponencia_esther_salas_garcia_y_sunamis_fabelo_concepcion.pdf
Fonte: http://planetasustentavel.abril.com.br/noticia/ambiente/sergio-besserman-crises-ambientais-mudancas-climaticas-587690.shtml
CRISES
MUNDIAIS
Foto: http://acertodecontas.blog.br/wp-content/uploads/2008/09/josue2.jpg
Foto: http://4.bp.blogspot.com/-bLYDijGZ-Ro/UauT1waqO1I/AAAAAAAACPs/6FS3wPX-nB0/s1600/Paulo+Freire+2.jpg
Fonte: http://2.bp.blogspot.com/_hgqgfIRkftU/Sv3I0HpWKxI/AAAAAAAAAiQ/w-Vu8T3igEc/s1600/Betinho.jpg
Fonte: http://4.bp.blogspot.com/_NjAer3-hk84/TFjAo6YS6vI/AAAAAAAABow/OeNLC3fx7X4/s1600/Chico+Mendes.jpg
2005-2007
2008
2009-2010


2012
2013
3 municipios
14 municipios
57 municipios


175 mun. + 3 estados +DF
418 mun. + 2 estados
FNDE - ABC - FAO
FNDE - CET/UnB
Histórico do projeto
(desenvolvimento da metodologia)
(formações por município)
(formação por polo)
Josué de Castro
Paulo Freire
Betinho
Chico Mendes
1908-1973
1921-1997
1935-1997
1944-1988
"O destino das nações
depende daquilo e de como
as pessoas se alimentam"

Brillat-Savarin, 1825
Alguns
expoentes
brasileiros...
CRISES
MUNDIAIS
Bases legais
Programa Nacional de Alimentação Escolar - PNAE (Lei nº 11.947/2009 e Resolução CD/FNDE nº 26/2013)
Diretrizes para Promoção da Alimentação Saudável na Educação Básica (Portaria Intermin MS/MEC nº 1.010/2006)
Marco de Referência em Educação Alimentar e Nutricional para as Políticas Públicas (MDS, 2012)
Política Nacional de Promoção da Saúde - PNPS (Portaria MS n.º 687/2006)
Política Nacional de Alimentação e Nutrição - PNAN (Port MS n.º 2715/2011)
Plano Intersetorial de Prevenção e Controle da Obesidade (Caisn, MS, 2011)
Plano de Enfrentamento das Doenças Crônicas Não-Transmissíveis (MS, 2011)
Dados: Malta et al (2006)
Fonte: Ministério da Saúde (2008, p.22)
• ENDEF – Estudo Nacional de Despesa Familiar (realizado pelo IBGE entre 1974–1975);
• PNSN – Pesquisa Nacional sobre Saúde e Nutrição (realizada pelo IBGE 1989);
• POF – Pesquisa de Orçamentos Familiares (realizada pelo IBGE);
• VIGITEL – Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (realizada pelo Ministério da Saúde em 2006).
Fonte: IBGE - PENSE (2010, p. 20)
Fonte: IBGE - PENSE (2010, p. 21)
Fonte: IBGE - PENSE (2010, p. 22)
Representante
do CAE
Nutricionista
Pedagogo
Agrônomo
ou técnico
agrícola
Diretor ou
Coordenador
da AE
Gestor
Multiplicadores
Formação na área da respectiva área;
Flexibilidade para trabalho e diálogo interdisciplinar e multiprofissional;
Profissionais preferencialmente lotados na Secretaria de Educação;
Perfil
Habilidade para falar em público e para mediar grupos de estudo;
Habilidade com equipamentos eletrônicos, como computador e projetor, e softwares, como editores de texto e de apresentações, navegadores de internet e e-mails;
Desejável experiência com educação à distancia;
Ter expectativas positivas acerca do trabalho pedagógico com a gastronomia e a horta escolar;
Possuir disponibilidade para acompanhar o desenvolvimento do projeto;
Ter habilidade para articular-se com as secretarias do município, a fim de viabilizar as ações do Projeto.
Multiplicadores
Manifestação de interesse do Diretor da escola;
Corpo docente receptivo a novos projetos;
Escolas com diferentes resultados em indicadores educacionais, como o IDEB;
Escolas de comunidade em maior insegurança alimentar;
Unidades que já possuem hortas escolares;
Escolas do campo e/ou atendidas pelo PronaCampo;
Escolas com educação em período integral e/ou atendidas pelo Programa Mais Educação;
Seleção
das escolas
Seleção /
Adesão
Conveniência
técnica
Como fazer?
Metodologia?
Sozinho ou
acompanhado?
Como fazer a
transposição didática?
Carga horária
Como e quem convidar?
Onde fazer?
EAD?
Quem certifica?
Destinação dos produtos da
horta escolar
Atividades pedagógicas
Incorporação à alimentação escolar (imediata ou processada)
Adaptação do cardápio escolar
Rotinas e competência dos merendeiros e cozinheiros para essa substituição programada
Fichas técnicas de processamento
Distribuição para educandos e familiares (produtos, mudas ou insumos excedentes)
Economia solidária (arrecadação/troca de recursos ou apoio para sustentabilidade do Projeto)
Outros...
Acompanhamento formativo
participar da elaboração do PPP
acompanhar planejamentos pedagógicos
propor atividades e temas geradores
discutir os conhecimentos que fundamentam determinada atividade
assistir à algumas atividades pedagógicas
participação em jornadas/semanas pedagógicas
participar de feiras e culminâncias nas escolas
Fotos: reuniões do Projeto em Escolas em Carinhanha/BA em 2008.
Fonte: http://renatamedeiross.blogspot.com.br/2010/11/ciclo-pdca-como-ferramenta-da-qualidade.html
Explorar a cultura das regiões brasileiras, respeitando os hábitos culturais e alimentares;
Perceber a relação entre os procedimentos corretos de higiene e sanidade alimentar com as técnicas gastronômicas;
Desenvolvimento de novas receitas, modificação de preparações e revisão do cardápio;
Aumentar o aporte nutricional dos pratos servidos, através do uso de técnicas adequadas e que favorecem, portanto, a qualidade sensorial e o valor nutricional dos alimentos;
Transformar o aspecto sensorial dos alimentos, trabalhando os sentidos, cortes e a montagem dos alimentos;
Trabalhar a apresentação dos pratos servidos através do uso correto de cortes de hortaliças e frutas;
O emprego de fundos, caldos, aromatizantes e técnicas apropriadas para minimizar o uso de temperos industrializa-dos, molhos prontos e sal, resultando em uma alimentação mais saudável;
Potencializar a adição de hortaliças em preparações culinárias diversas;
Valorização do trabalho dos cozinheiros/merendeiros;
Desenvolvimento de preparações culinárias com o aproveitamento integral dos alimentos.
Aracruz/ES
Imunoprofilaxia
(vacinação)
dos educandos)
Acompanhamento de farmacêutico e/ou médico à hortas medicinais
Integração com
programas de saúde
(ESF, ACS, PSE)
Abordagem
pedagógica do
diagnóstico
nutricional
Agricultura
Saúde
Meio
Ambiente
Outras secretarias
• Estado nutricional e hábitos alimentares;
• Autopercepção do estado nutricional e da imagem corporal;
• Conhecimentos sobre alimentação e nutrição;
• Características socioeconômicas;
• Indicadores de desempenho escolar;
• Perspectiva sobre a participação da escola e do Estado na formação dos hábitos e comportamentos alimentares.
Planejar indicadores de avaliação
Processo
Impacto
• Mural do projeto;
• Cronograma de formações do projeto;
• Cronograma das reuniões de planejamento pedagógico;
• Registro de atividades pedagógicas/portfólio;
• Registro das formações e reuniões;
• Planificação da horta (planejamento à colheita);
• Autoavaliação dos formadores e professores;
• Avaliação dos eventos de formação;
• Avaliação de impacto.
Alguns instrumentos do projeto
Formação (não capacitação)
Estudantes ou educandos (não alunos)
Cozinheiros (não merendeiros)
Alimentação escolar (não merenda)
Projeto Educando com a Horta Escolar e a Gastronomia – PEHEG (não projeto horta)
Logomarca do Projeto + do Município nos documentos municipais (não as logos da UnB, MEC, FNDE e Governo Federal)
Cada alface é um flash (não se esqueçam de socialização as atividades do Projeto e de convidar autoridades para prestigiar as principais ações, para valorizar o Projeto)
Nutrição (não nutricionismo)
Levar para estudar na horta (não levar para trabalhar na horta)
Pontos de atenção
Só temos lições aprendidas para compartilhar
Não existe uma receita pronta e universal.
Seminário
Municipal
Porto Seguro/BA
http://saladeimprensa.ibge.gov.br/noticias?view=noticia&id=1&busca=1&idnoticia=2455
1950 -> 2012
População: 52 -> 200 milhões
http://portalsaude.saude.gov.br/portalsaude/arquivos/pdf/2013/Ago/27/coletiva_vigitel_270813.pdf
VIGITEL 2012
Atendimento do PNAE
44 milhões de beneficiários
130 milhões de refeicoes/dia
R$ 3,525 bi/ano da União
Valores per capitas
R$ 0,30 EF, EM, EJA
R$ 0,50 Pré-Escola
R$ 0,60 Indígena e Quilombola
R$ 0,90 Mais Educação
R$ 1,00 Creches
Foto: A.Frota. Dourados/MS
Diretrizes do PNAE
Macroestrategias de ação
Macroestrategias de ação
44 milhões de beneficiários
Oferta de
refeições
Educação alimentar e nutricional
Nacional
Local
(municipal/estadual)
Níveis de ação
Alimentação
Saudável e
Adequada
Educação
Alimentar e
Nutricional
Universalidade
Controle
social
Desenvolvimento
Sustentável
Direito à
Alimentação
Marco de referência de
Educação Alimentar e Nutricional
para as políticas públicas

www.youtube.com/watch?v=wyvwQE0gRWk
Vídeo institucional PEHE
www.youtube.com/watch?v=ZBTZm9bDMMg
Implantação
do PEHEG

Implantação
do PEHEG

(61) 3107-6004
(61) 3107-5988

gastroehorta@unb.br
Peheg CET UnB
Peheg2013
Nutricionista, Mestre em Nutrição pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Membro fundador do Núcleo de Pesquisas de Nutrição em Produção de Refeições – Nuppre/UFSC. Foi tutor da Especialização a Distância em Gestão da Segurança de Alimentos do Senac/BA, no módulo de APPCC nas turmas 2 e 3. Atualmente é Multiplicador em Educação para o Consumo Consciente formado pelo INMETRO, Supervisor de Segurança de Alimentos certificado pela ABNT e consultor e multiplicador do Programa Alimentos Seguros – PAS. Vem atuando como consultor vinculado a projetos do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE/MEC), através de convênios com universidades (Centros Colaboradores da UFBA, UnB e UNIFESP) e de cooperações internacionais com a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação – FAO (projetos UTF/BRA/067/BRA e GCP/RLA/067/BRA). Participou de estudos, ministrou cursos e palestras e prestou assessoria relacionados à promoção da alimentação saudável e à gestão da produção e qualidade da alimentação escolar junto à agentes do governo no Brasil, Chile, El Salvador, Nicarágua e Honduras. Entre 2008 e 2009, atuou como Consultor de Nutrição da FAO no Projeto Educando com a Horta Escolar – PEHE e desde 2012. Atualmente trabalha como agente do PNAE/FNDE no Centro de Excelência em Turismo (CET/UnB).

2013
Juarez Calil
Juarez Calil elaborou este material mediante contrato com um órgão público. Portanto, é autorizada a utilização didática de todo o material contido nesta apresentação. Solicita-se ao multiplicador informar a fonte e autoria do material e manter as referências originais. Qualquer utilização comercial é proibida e depende de autorização escrita do autor, estado a infração sujeita as penalidades da Lei de Direitos Autorais.
SISAN
Consea
Caisan
Conferência de SAN
Plano de SAN
Fonte: http://www.ceid.edu.ar/biblioteca/observatorio_africa/ponencia_esther_salas_garcia_y_sunamis_fabelo_concepcion.pdf
Política Nacional de Educação Ambiental (Lei 9.795/1999)
Plano de Ação para Produção e Consumo Sustentáveis - PPCS (MDA, 2011)
Bases legais
O
objetivo
do PEHEG é
promover a educação
de crianças, adolescentes, jovens e adultos de escolas atendidas pelo PNAE e comunidades do seu entorno, utilizando as
hortas escolares
e a
gastronomia
como
ferramenta e eixo gerador da prática pedagógica
na abordagem de temas sobre a
alimentação saudável, saborosa, educativa e ambientalmente sustentável
.
Agente PNAE em Nutrição
juarezcalil@unb.br

Juarez Calil
Escolas de bairros ou cidades representativos de diferentes realidades;
Escolas que possuem condições que favorecem a implantação de hortas;
Condição física e de pessoal de execução da alimentação escolar das escolas;
Escolas com maior facilidade de acesso;
Envolvimento da comunidade do entorno da escola;
Disponibilidade de organizações não governamentais ou outros parceiros em potencial;
Escolas que atendam comunidades indígenas ou quilombolas.
Etc.
Full transcript