Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Feminismo

No description
by

Alessandra Anjos

on 14 September 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Feminismo

FEMINISM
Alessandra
Flávio Cesar
Larissa Ávila
Lucas Purim
Nájila Padilha
Clama por igualdade
pelo fim da dominação de um gênero sobre outro
Luta pelo fim do sistema de dominação entre gêneros
Império
Dionísia Gonçalvez Pinto
1810-1885
Nísia Floresta Brasileira Augusta
Narcisa Amália
1852-1924
República
1889
Greve das Costureiras
1907
Bertha Lutz
1884-1976
1919 - Liga para a Emancipação Intelectual da Mulher
Jerônima Mesquita
1880-1972
1919 - Movimento Bandeirante
A primeira eleitora do Brasil
25 de novembro de 1927
Celina Guimarães Viana
(1890-1972)
1º de janeiro de 1929
A primeira prefeita do Brasil e da América Latina
Alzira Soriano
(1897-1963)
1934 - 1937
Primeira deputada estadual do Brasil
Maria do Céu Fernandes
de Araújo
(1910-2001)
Novembro de 1933
Primeira deputada federal
do Brasil
Carlota Pereira de Queirós
Ditadura
1964 - 1985
Movimento Feminino
pela Anistia - 1975
Conselho Nacional dos Direitos da Mulher - 1985
ONU proclama o Dia Internacional da Mulher - 1977
8
de
março
Pós - ditadura
Lei Maria da Penha - 2006
2010
Dilma Vana Rousseff
A primeira mulher a ser eleita à presidência do Brasil
(1892-1982)
1932 - Mulheres passam a ter direito a voto
Maria Firmina dos Reis
(1825-1917)
NO BRASIL
EXERCÍCIOS –FEMINISMO NO BRASIL
(ENEM 2013) Na imagem, da década de 1930, há uma crítica à conquista de um direito pelas mulheres, relacionado com a
a) redivisão do trabalho doméstico.
b) liberdade de orientação sexual
c) garantia da equiparação salarial.
d) aprovação do direito ao divórcio.
e) obtenção da participação eleitoral.
(UERJ) A publicidade abaixo expressa ideias e valores dos movimentos de contestação e de crítica de costumes, ocorridos em sociedades europeias e americanas, incluindo-se o Brasil, na década de 1960.
Uma das transformações ocasionadas por esses movimentos de contestação, claramente explorada na publicidade, foi:
a) politização das questões de gênero
b) mecanização do trabalho doméstico
c) modernização da identidade feminina
d) massificação dos hábitos de consumo
(UFU/2013.) A sociedade contemporânea abriga inúmeros e diversificados movimentos sociais, dentre eles, os movimentos feministas que visam à transformação da situação feminina e das relações entre mulheres e homens na sociedade, em diversos aspectos.
A despeito de suas diversas configurações - liberal, socialista, radical, pós-moderna, etc., são bandeiras comuns às diversas agendas femininas
a) a luta contra a discriminação social no trabalho, o combate à violência de gênero e a elaboração de uma grande teoria capaz de aglutinar as mulheres e unificá-las no bojo da categoria universal "mulher".
b) a luta contra as desigualdades assentadas sobre as diferenças sexuais dos sujeitos sociais; a igualdade de oportunidades para mulheres e homens; o combate à violência de gênero.
c) o combate à violência de gênero; a luta pela preservação de guetos ocupacionais femininos e masculinos; a defesa de direitos sexuais e reprodutivos.
d) o combate à propriedade privada como mecanismo de opressão de gênero; a defesa de direitos sexuais e reprodutivos; a luta contra a discriminação no trabalho.
(PITÁGORAS) Leia o trecho a seguir.
Em 1949, a francesa Simone de Beauvoir faria publicar o seu livro O segundo sexo. Em passagem célebre, a autora aponta que não são características naturais que conformam as nossas identidades de gênero na sociedade. “Ninguém nasce mulher, torna-se mulher”.
Vale a pena refletirmos acerca dos elementos que nos diferenciam enquanto homens e mulheres. Segundo esta autora, os diferenciais de gênero tem muito mais amparo na cultura do que na natureza. É a nossa formação social, tanto em casa quanto na escola e na rua, que nos ensina a nos diferenciarmos enquanto mulheres ou homens. Aprendemos quais roupas devemos vestir, quais cores gostar, quais atividades nos são mais próprias. Enfim, é a sociedade e não a natureza que estabelece as diferenças de gênero.
O senso comum, no entanto, fornece-nos uma explicação distinta para as diferenças entre homens e mulheres. É muito habitual que as pessoas utilizem de raciocínios de ordem biológica ou natural para formular os diferenciais de gênero.
Assinale a alternativa onde se pode RECONHECER um raciocínio de ordem cultural, tal qual vimos expresso na frase de Simone de Beauvoir.
a) As mulheres são o sexo-frágil e por isso precisam ser protegidas pelos homens. Homens são mais fortes física e emocionalmente.
b) Cuidar dos filhos é tarefa primordial das mulheres. Elas ficam grávidas, os homens não. Apenas eles devem trabalhar fora de casa.
c) Os homens, mais fortes e decididos que são, devem ser os chefes da casa. As mulheres devem ser suas apoiadoras.
d) Ao incentivarmos meninos pequenos a brincarem de carrinho e de luta, e meninas a brincarem de boneca e de cozinha, estamos formando suas personalidades para a vida adulta.
e) As mulheres são mais aptas ao contato humano, ao cuidado inter-pessoal. Por isso vemos tantas enfermeiras mulheres, e não homens.
5. (PITÁGORAS) Assinale a alternativa que CARACTERIZA uma situação de diferenciais de renda entre homens e mulheres em uma dada sociedade.
a) Desigualdade de gênero.
b) Diferença de gênero.
c) Preconceito masculino.
d) Diferenciais de desigualdade.
e) Sexismo desigual.
Full transcript