Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

A história da Comunicação (Livro: Comunicação - Do Grito ao Satélite. Antonio F.Costella)

s
by

Tiago Oliveira

on 28 February 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of A história da Comunicação (Livro: Comunicação - Do Grito ao Satélite. Antonio F.Costella)

Comunicação - Do Grito ao Satélite Tiago de Oliveira Brito Aluno RGM 128117-8 Publicidade e Propaganda Curso Matéria História da Comunicação Contemporânea Profª Lara Maria O JORNAL IMPRESSO O Jornal impresso foi um dos acontecimentos mais marcantes da evolução da comunicação. Os meios de comunicação se iniciaram através do contato entre grupos primitivos, onde era necessário a comunicação, seja ela por gestos ou sons. PRIMEIRAS FORMAS DE COMUNICAÇÃO Com o decorrer do tempo na época primitiva, a comunicação foi se aperfeiçoando. Os sons se definiram. Para cada expressão, um tipo de som. Essas transformações aconteceram por conta da convivência em grupo. Com todo o desenvolvimento da comunicação na era primitiva, o homem desenvolveu diversas técnicas. Uma delas foi o desenho. Eram desenhados nas rochas plantas, cenas da natureza, animais. A Escrita Por conta das gravuras feitas pelos homens primitivos, foram lançados os fundamentos do que viria a ser a escrita. Gradualmente alguns desses sinais feitos nas paredes de cavernas tomaram um sentido convencional e passaram a designar conceitos abstratos, tornando-se ideogramas. Depois sílabas que, unidas, formavam palavras foram acrescentadas. Logo após surgiram signos alfabéticos que,
reproduziam graficamente a voz humana. Os egípcios, os assírios e outros povos da antiguidade conheceram essa evolução em seus sistemas de escrita. A última etapa do longo caminho foi a utilização exclusiva dos caracteres alfabéticos nas comunicações escritas. Foram os fenícios que obtiveram essa conquista. Jornal e Tipografia O Jornal impresso foi um dos acontecimentos mais marcantes da evolução da comunicação. É necessário fazer distinção entre jornal e tipografia. O jornal impresso somente surgiu um século e meio após o advento da tipografia. Antes do aparecimento do jornal impresso, porém, tivemos o jornal feito à mão, representado pelas gazetas manuscritas dos séculos XV a XVIII. Gênese do jornal impresso O jornal impresso surgiu por vários fatores históricos, dentre os quais sobrelevam em importância o papel, a tipografia e o correio. Os três pendem entre si na tarefa histórica da criação do jornal impresso. A palavra "jornal" significa "toda e qualquer publicação dotada de atualidade, periocidade e variedade de matéria". Portanto, o jornal impresso tipograficamente é apenas uma das formas de se fazer jornal. Papel Correio Produção de tipografia O papel No início da comunicação através de símbolos gráficos, na era primitiva, foram diversas as possibilidades para a fixação dos símbolos: pedra, madeira, barro cozido, ossos de animais, cascas e folhas de árvores, papiro até chegar ao papel. Porém, o papel feito através de processos químicos, surgiu após uma longa tradição do papiro. Antecedentes Desde a alta Antiguidade, o papiro foi utilizado pelos egípcios.
Era fabricado com uma planta chamada papiro, cujas hastes cortadas em tiras eram superpostas cruzadamente e, depois de encharcadas em água, eram comprimidas, formando folhas, postas ao sol para secar. Escrevia-se no papiro com um talo vegetal de ponta afilada em forma de um picel, utilizando-se, como tinta, fuligem dissolvida em gomas vegetais. Planta utilizada para produzir a folha de papiro Escrevia-se no papiro com um talo vegetal de ponta afilada Levado pelos mercadores, o papiro passou a abastecer várias regiões da Ásia e da Europa. As regiões da Ásia e da Europa eram onde os mercadores vendiam o papiro Um curioso evento sustentou a produção do pergaminho. Escrituras feitas em pergaminho, onde sua substância é fabricada com a pele de carneiro e também de bezerro. No século II, Eumênides II, rei de Pérgamo, região incluída na Turquia de hoje, tentou atrair para seu reino o principal poeta da Biblioteca de Alexandria, pois era sua intenção montar em seus domínios um grande centro de estudos. Mapa da região de Pérgamo, hoje localizada a Turquia. Os soberanos do Egito não viram com bons olhos a pretensão, que punha em risco a supremacia de sua famosa biblioteca, instituição cultural máxima da época. Por conta disso, em represália, os Ptolomeus proibiram a remessa de papiro a Eumenides II. O rei de Pérgamo, sem escolha, teve que expandir sua Biblioteca fazendo o uso da pele de animal. Biblioteca de Alexandria O intinerário do papel O papel difundiu-se com relativa rapidez no oriente. No século II, chegou à Coréia. Uma centena de anos depois já era encontrado no Japão e na indochina. Antes do século VII atinge a Índia. Ingresso do papel na Europa O papel chegou na Europa cerca de milênio e meio partindo da China. A Tipografia Tipografia e impressão Entende-se por tipografia a técnica de imprimir sinais gráficos pelo emprego de tipos móveis metálicos. Históricamente, a tipografia se insere como o primeiro meio de comunicação de massa. Início da impressão na Europa Impressão tabulária A técnica primitiva de impressão se desenvolveu pelo uso de matrizes de madeira. O artesão desenhava em uma tábua de madeira a figura a ser reproduzida. O resultado consistia na transposição do desenho, originalmente lavrado na madeira, para o pano Essa nova técnica, também chamada de xilografia ou impressão tabulária, haveria de se desenvolver-se pela intensa produção de imagens de santos e cartas de baralho. Matriz da imagem Imagem original Gravuras sacras e
cartas de baralho Os monges, recolhidos em seus conventos, tiveram oportunidade de trabalhar a xilogravura. Tendo uma finalidade específica, os monges faziam imagens de santos. As gravuras sacras, tidas como talismãs, originaram um comércio que se espandiu rapidamente por toda Europa. Crucificação. Fragmento de matriz em madeira (à esquerda) e a xilogravura resultante de sua impressão (direita). Data estimada: ano de 1370 Paralelamente, embora com pequeno atraso, a xilogravura aprimorou-se através da fabricação de cartas de baralho. Quiroxilografia A transição do manuscrito ao impresso pode ser exemplificada pelo “Exercitium Super Pater Noster”.
As gravuras religiosas acrescentavam-se, por vezes, legendas.Várias folhas foram sendo reunidas, formando um caderno.
As impressões quiroxilográficas atenderam o objetivo de baratear o preço do livro.
um dos mais famosos incunábulos quiroxilográficos foi o livro "Ars Moriendi". O correio O correio na antiguidade Entendemos por correio a linha regular de troca de informaçõs, a qual, para manter sua regularidade, é dotada de infraestrutura permanente. Referências do ano 2400 a.C. atestam a existência, já àquela época, da profissão de mensageiro no Egito. Historiadores relatam também que nenhum correio da Antiguidade mostrou-se tão bem organizado quanto o dos persas. Cursus publicus O "cursus publicus" e todos os outros correios da Antiguidade foram organizações estatais a serviço do próprio Estado. O imperador Augusto criou o Cursus publicus , o serviço de correio do Império Romano, para o transporte de mensagens, funcionários e receitas fiscais de uma província para outra. Reprodução gráfica das províncias que eram atendidas pelo cursus publicus. Foto da escultura que representa os mensageiros do cursus publicus. Ilustração do local onde partiam as mensagens. As gazetas manuscritas Era de costume a carta circular de mão em mão e, depois de lida, reproduzir-se de boca a boca. As cartas eram trocadas, sendo assim, as informações circulavam entre um grande número de pessoas. pessoas com grande poder, se encontravam nos cafés parisienses para discutir as informações. Em diferentes lugares, as pessoas começaram a reunir os noticiários variados eum um texto único, do qual tiravam cópias escritas à mão para verder. Periódico manuscrito dos Fugger. O advento do jornal impresso O jornal impresso foi o fruto da soma de duas experiências: a da impressão tipográfica, de um lado, e a do jornalismo, até então manuscrito, de outro. Os primeiros jornais impressos Para alguns historiadores, o mais antigo jornal impresso da história é o "Noviny poradné celého mesice zari léta 1597", cujo nome pode ser traduzido para "Jornal completo do mês inteiro de setembro de 1957". Relation oder Zeitung, um dos primeiros jornais impressos Gazeta de lisboa, o primeiro jornal de Portugal, 1641. The Daily Courant, o primeiro diário, 1702 The Daily Courant, o primeiro diário, 1702 O advento da tipografia e
do jornalismo no Brasil A primeira tentativa de implantação tipográfica no Brasil ocorreu em recife.
A mais conhecida foi a segunda e última tentativa por Antonio Isidoro da Fonseca. Imprimiu somente quatro modestos folhetos. Um deles foi a "Relação de Entrada". Relação de Entrada, impressa em 1747, no Rio de Janeiro. Por Antônio Isidoro da Fonseca. Em 1808, fugindo à invasão francesa, a Casa real portuguesa muda-se para o Brasil.
Dom João, em 13 de maio de 1808, institui a Imprensa Régia. Surgindo o primeiro jornal impresso no Brasil, a "Gazeta do Rio de Janeiro". primeiro número da Gazeta do Rio de Janeiro, primeiro jornal impresso no Brasil, 10 de setembro de 1808. Primeiro número da Gazeta do Rio de Janeiro, primeiro jornal impresso no Brasil, 10 de setembro de 1808. Semestre 1º
Full transcript