Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Untitled Prezi

No description
by

Leticia Holanda

on 4 March 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Untitled Prezi

Componentes:
-André Igor
-Carlos Alexandre
-Josy Mayara
-Letícia Louise
-Pedro Henrique LINGUAGEM INFORMAL Linguagem Informal
Muitos acham que linguagem informal é aquela em que usamos gírias, ISSO NÃOÉ VERDADE .... Podemos fazer uso da linguagem informal sem usar gírias. Por exemplo, quando digo: - A gente vai ao cinema Edu?
“a gente” é informal e “ Edu” , um apelido também indica um intimidade típica da linguagem informal. EXEMPLOS: IMAGENS: Então, o que indica se a linguagem é informal ou não, não é apenas o uso de gírias, mas outros aspectos como o grau de intimidade, familiaridade entre os interlocutores (aquele que fala e aquele para quem se fala) A linguagem informal não possui compromisos com as regras gramaticais. É uma linguagem espontânea. Nessa linguagem o uso das frases polpulares como gírias ,clichés, são comuns. Estou/To
Estava/Tava
Para/Pra
Professora/Fessora
Velho/Veio
Tamos/Tamo
Historia: Sopa de pedras
Pedro Malasarte era um cara danado de esperto. Um dia ele es­tava ouvindo a conversa do pessoal na porta da venda. Os matutos fa­lavam de uma velha avarenta que morava num sítio pros lados do rio Cada um contava um caso pior que o outro:
— A velha é unha-de-fome Não dá comida nem pros cachorros que guardam a casa dela — dizia um.
— Quando chega alguém pro almoço, ela conta os grãos de feijão pra pôr no prato. Verdade! Quem me contou foi o Chico Carreteiro, que não mente — afirmava outro.
— Eta velha pão-duro! — comentava um terceiro. — Dali não sai nada. Ela não dá nem bom-dia.
O Pedro Malasarte ouvindo. Ouvindo e matutando. Daí a pouco entrou na conversa:
— Querem apostar que pra mim ela vai dar uma porção de coisas, e de boa vontade?
— Tu tá é doido! — disseram todos — Aquela velha avarenta não dá nem risada...
Full transcript