Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Aula de pesquisa aplicada a moda - fast fashion, co branding

No description
by

CAMILA OSUGI

on 30 May 2016

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Aula de pesquisa aplicada a moda - fast fashion, co branding

Aspectos da Moda Contemporânea
Fast-Fashion
Fast-Fashion (moda rápida) é o termo utilizado por grandes magazines para produção rápida e contínua de novidades, visando o aumento do faturamento.
Para dar certo, o sistema requer coleções compactas, modelos novos o tempo todo e retirar das araras o que não vende e repor o que vende.








Ao mesmo tempo em que os estoques se ampliam nesse modelo, eles ficam mais restritos: nem todos os números e tamanhos estão disponíveis na coleção, nem todas as cores e estampas existem para cada um dos produtos.
Normalmente, as lojas vendem muito no mês de lançamento e, depois, a freqüência cai.

No conceito fast fashion, a empresa fica mais saudável economicamente, porque há sempre uma novidade chamando a atenção das clientes.

Segundo Serrentino, o maior giro do estoque traz outros benefícios: há menos peças encalhadas e liquidações. Com menos queima de estoque, as lojas aumentam a margem de lucros.
A rede chega a lançar dois mil produtos por ano, o que exige agilidade de quem cuida das vitrines, que são trocadas, ao menos, uma vez por semana.

Com mais variedade e menos peças, o consumidor também precisa ser ágil: se ele não compra na hora, não compra mais — explica o empresário Anderson Birman, que também muda a estrutura das lojas da Arezzo, da iluminação à decoração, três vezes por ano.
Segundo João Bailey, sócio da Checklist, o aumento da produção garante preços mais acessíveis. Isso, além das novidades das araras, atrai os clientes às lojas:

"Essa estratégia do fast fashion atinge em especial a cliente que vai usar de três a cinco vezes as nossas peças. E, depois, quer novidades."
Zara
Grifes européias são o berço do fast fashion.
Arezzo
Checklist
CoolHunting
Coolhunter - busca tendências de Moda.

O termo é uma junção de duas palavras em inglês: cool que significa legal (o que estará na moda, tendências) e hunter que significa caçador. O caçador de tendências é aquele que identifica, através de pesquisas sociológicas, possíveis futuros padrões de comportamento no que se diz respeito a produtos e consumo.

Eles captam comportamentos, estilos, novos talentos, ídolos emergentes e desejos de consumo – informações bastante preciosas para a indústria da moda e do design.

O que acontece de novo na arte, música, esporte, tecnologia, cinema, lugares, etc.

O caçador de tendências saberá se o produto que uma determinada empresa está disposta a lançar irá atingir o público estudado.
Huis Clo + Shoestock
Glória Coelho + Shoestock
Cris Barros + Riachuelo
Na prática, o cool hunter se infiltrará num determinado público-alvo.

A partir daí ele irá registrar quais os gostos desses jovens, em que lugares eles costumam andar, quais seus desejos, quais suas necessidades entre outras coisas.

Após criar o perfil psicológico desse determinado grupo, o caçador de tendências saberá se o produto que uma determinada empresa está disposta a lançar irá atingir o público estudado. Ele também poderá informar às empresas como atingir o seu público-alvo, qual a melhor forma de despertar o desejo do grupo e qual a melhor forma de atingi-lo.
Os caçadores de tendências surgiram na década de 90 e trabalham para bureaux de estilo, empresas especializadas (como o Stylus.com e a WGSN) ou diretamente para marcas/lojas/grifes. Seu objetivo principal é entender tudo que ocorre no mundo, nos espaços comunicacional e sociocultural e sob os mais diversos aspectos. Porque, acredite, quase tudo pode ser traduzido em tendências.
A partir dos dados capturados pelos cool hunters, as empresas interpretam de que forma tais informações poderão se refletir na moda e no design.

As informações, traduzidas e mastigadas, são, claro, vendidas – e não custam barato. Mas quem usa o serviço garante que vale a pena.

As marcas dos produtos de moda se beneficiam da associação com marcas de outras esferas industriais - e vice-versa - para a criação de uma imagem desejável e atrativa.
Fast-Fashion
"Adaptar, vender e renovar em tempo recorde"
Na prática é ter novidades sempre, visando estimular o consumo!
É uma estratégia de marketing que acelera o "Ciclo da Moda".
A loja cria uma relação mais intensa com o consumidor, porque educa o cliente a não esperar por liquidações. Se ele não comprar logo a peça de que gostou, semana que vem ela já pode ter sido vendida. O cliente passa a ir mais ao ponto de venda e, em conseqüência, compra mais.
É uma compra totalmente não-planejada, por puro impulso. E é a vitrine que me chama a atenção. Se a loja não muda a vitrine, passo reto por ela.
Produzir de forma rápida e continua as tendências que estão na moda!

O consultor lembra que, pelo modelo de gestão europeu, os produtos passam a ser desenvolvidos por temas — em vez de coleções.

O importante é captar desejos do consumidor e conseguir levar isso para a produção — disse ele.
Na Zara, são 17 compras por cliente ao ano, o triplo da média do setor – cita Alberto Serrentino, sócio-sênior da consultoria Gouvêa de Souza & MD.

O tempo entre concepção e produto nas lojas são incríveis 15 dias. Para se ter idéia, a Arezzo, um dos ícones do fast fashion brasileiro, precisa de 45 dias.
O fast-fashion torna acessível a moda,
mas o produto não carrega o "valor da marca" junto!
O ritmo da produção é tão intenso que torna impossível inovações?
CRIAÇÃO
X
REPETIÇÃO
CRIAÇÃO
X
PRODUÇÃO
DEMOCRATIZAÇÃO DA MODA?
assim...
Então...
Será que o fast-fashion mudou o modo de se pensar, produzir e consumir Moda...
...ou é só mais uma moda passageira!
FAST-FASHION
X
SLOW FASHION
É um modo de pensar, de agir, de consumir. Levando em conta esse consumismo exagerado da população mundial, o movimento levanta a bandeira de que temos que ser mais conscientes e sustentáveis.
É refletir sobre o verdadeiro papel da moda na nossa vida, ir devagar nos delírios de consumo e começar a valorizar um estilo de vida mais sustentável. É dar um freio nesse desespero de mostrar estar sempre seguindo tendências.
"Cooperar para competir"
Co-Branding
A essência do cobranding implica que os parceiros ganham acesso a carteira de clientes do outro, isto implica obviamente partilhar marcas bem como o relacionamento com clientes.
Riscos resultantes das estratégias de co-branding:

A diluição e a desvalorização de uma marca, são dois perigos enormes. A diluição acontece quando uma marca perde força perante os seus clientes e a outra ou as outras prevalecem.
Co-branding, então, nada mais é do que a junção de duas marcas reconhecidas por suas qualidades para que associadas consigam ter mais força e se diferenciar frente à concorrência.
A estratégia pode ser usada em situações em que o mercado já está saturado ou quando a marca pretende entrar em um novo mercado.
Junção de marcas como estratégia de marketing e vendas.
O branding constitui-se como uma das mais complexas, porém eficientes, estratégias para expressar os valores intangíveis de um produto, transformando a marca em referência para o consumidor.
O Co-branding como estratégia de marketing se tornou popular na década dos anos 90.
Os fast fashion como a holandesa C&A e a sueca H&M vêm praticando essa estratégia, que começou a ganhar novos segmentos do mercado de moda. Muitos estilistas renomados estão desenvolvendo coleções-cápsulas para esses gigantes varejistas.
Alexandre Herchcovitch já “emprestou” seu nome para algumas marcas como: Lupo, Tilibra, Chilli Beans, Zêlo, Melissa e Tock&Stock.
A coleção infantil da C&A do ano de 2009 foi desenvolvida por Isabela Capeto.
“A escolha da linha infantil se deu porque eu sempre comprei muito para a minha filha na C&A, além isso eu frequentava a loja quando era criança”, declarou Isabela.
A Osklen e a Riachuelo através de uma excelente campanha, apostaram em uma linguagem multimídia para conceituar a relação entre designer e indústria do fashion.
O Co-branding permite uma rápida transferência de imagem e notoriedade de uma marca para a outra, torna o processo de marketing mais rápido e eficaz e facilita a percepção dos consumidores.
Kotler (2003) define co-branding como duas ou mais marcas conhecidas harmonizadas em uma mesma oferta, e acrescenta que cada um dos patrocinadores espera que o nome da outra empresa fortaleça a preferência pela marca ou tenha como resultado a obtenção de um novo nicho de mercado.
Em resumo, co-branding é um termo relativamente novo, que se refere à ação de gestão de marca cuja intenção é a associação entre duas ou mais marcas no desenvolvimento de um produto ou serviço que ofereça duplo valor agregado.
O sucesso do co-branding depende da relação existente entre as marcas, assim devem ser observados aspectos como similaridade de públicos, focos de interesse e, acima de tudo, domínio de cada negócio. Obviamente, deve existir um acordo escrito de co-branding, onde deve figurar fundamentalmente: confidencialidade, independência das marcas, plano estratégico de mercado, pagamentos e royalties, etc.
Para as pessoas adeptas ao slow fashion, o ritmo acelerado das grandes cidades resultou em uma moda efêmera com confecções de baixa qualidade. É preciso ir muito além das “tendências” e valorizar aquilo que é atemporal e ecofriendly.
Nos últimos anos a H&M vem realizando parcerias de sucesso com assinaturas como Karl Lagerfeld, Roberto Cavalli, Jimmy Choo, Viktor & Rolf, Stella McCartney, Comme des Garçons, Matthew Williamson, Sonia Rykiel e Lanvin que provocaram tumultos em diversas lojas da rede.
Existe o favorecimento de ambas as empresas no momento em que permite a conquista de um novo público-consumidor; em que reforça a imagem e identidade perante o mercado; na circunstância em que gera mídia espontânea; além de situar a marca em um grupo mais seleto de empresas e, simplesmente, proporcionar o mesmo apelo de desejo dedicado a outras marcas.
As empresas do setor de vestuário trazem consigo a possibilidade de se beneficiar do co-branding como forma de associação com marcas de outros setores, visando adquirir para si o status e imagem das mesmas.
Assim...
MUNDO GLOBALIZADO
INCONSCIENTE COLETIVO
BLOGS
LUXO
EMPRESA DE
MODA

CO-BRANDING
SUSTENTABILIDADE
FAST FASHION
COOLHUNTING
Full transcript