Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

jhuhuh

No description
by

Luari Dias Júnior

on 5 September 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of jhuhuh

Período Pré Colonial
Período Colonial

1500 - 1889
Ciclos Econômicos
1500
1530
1650
1700
1770
1808
1815
1822
Construção do Estado Nacional
Processo de Independência
Contexto Internacional
Expansão Marítima
Império Colonial
Estrutura do Estado Nacional
Exclusivo
Metropolitano
Pacto Colonial
- Obrigações estabelecidas pela metrópole às colônias;

- Não é um pacto, mas um conjunto de obrigações impostas;

- Há todo uma legislação penal voltada para punir o não cumprimento destes dispositivos.
foco
Conclusão das expedições
- Não havia sociedade com produção de excedente;

- Havia Pau-vermelho (Bréssil) de inferior qualidade em relação ao africano e Asiático;

- Não há Metais preciosos.
Diretrizes da Coroa portuguesa
- Manter sistemática exploração do Pau-
Brasil para assegurar a posse da terra em nome do Rei;

- Policiar as águas contra o assédio francês e espanhol;

- Pau Brasil como Lastro e partir em direção as Índias Orientais
Pré colonizção
Razões da crise do Pau Brasil
1. Crise do comércio oriental;

2. Perdeu as áreas orientais;

3. Fim da madeira no litoral;

4. Índio não queria mais fazer otrabalho de corte e transporte;

5. França e Espanha estavam presentes no território.
Início da Colonização
Açúcar
Bandeiras
Entradas
Ouro
Crise do A.S.C
Fuga da
Família Real
Elevação do Brasil
a Reino
Impedimento da
Recolonização
Crise Do comércio Oriental
- Portugal perdeu sua principal fonte
de lucro: Especiarias;

- Restou apenas o Brasil como área de exploração;

- Promoveu projeto de colonização;
Condições do Estado Português
- Não tinha capital para investir na
colonização;

- Concedeu para privados o direito-obrigação da exploração colonial;

- Promoveu campanhas para arregimentar investidores;
Quem respondeu ao Chamado?
- Alguns integrantes das elites portuguesas;

- Cristãos Novos - Judeus convertidos ao catolicismo
(sobrenome de árvores: Oliveira, Pereira, Figueira, etc.)
Diretrizes do Estado Português
- Grande Propriedade - Para obter o maior rendimento possível

- Monocultura - Monocultura açucareira (produto altamente lucrativo)

- Exportação - Toda produção deveria ter o detino europeu;

- Escravismo - Forçar o nativo ao trabalho sistemático e a produção de excedente.
Contratos com a Holanda
- Contrato de Monopólio com a Holanda para fazer o comércio
do açúcar;

- Holanda ficava responsável por fornecer todos os insumos metropolitanos necessários para a "empresa açucareira";

- Pagaria o imposto na alfândega colonial pelo açúcar retirado da colônia;

- Poderia revender o açúcar nos mercados que lhe fosse conveniente.

- Depois da troca da Escravidão ficaria responsável por fornecer mão de obra escrava da África.
Modelo de Exploração
- Capitanias Hereditárias;

- Iniciativa Privada com Subsídio Estatal;

- Cristãos Novos (Judeus convertidos);

- Os Donatários (que recebiam a Capitania) assinavam:

*Carta de Doação;
*Foral.
Sistema de Capitanias Hereditárias
A troca do mão de obra
- Índio

Africano -
Cuidar com as explicações de cunho euroêntricas e etnocêntricas que foram popularizadas no século XX pela
historiografia tradicional:

* O índio era fraco;
* O índio não gostava de trabalhar;
* O índio não sabia plantar a cana;
* O índio resistia a escravidão, o negro não;
* O índio conhecia o território, o negro não saberia para nde fugir;

Correr destas explicações como
o diabo da cruz!!!!!
O Vestibular e o ENEM vai te combrar...
1. O índio não gerava lucro mercantil
(mercantilismo)

2. Criou uma classe de comerciantes de
escravos que passariam a ganhar dinheiro
na colônia;

3. Este dinheiro poderia ser usado contra a Metrópole;

4. O africano deveria ser comprado (importado de comerciantes portugueses";

5. O lucro iria para a Metrópole;

6. Enfim, o negro abriria mais uma porta
comercial de exportação para a coroa
portuguesa
Carta Régia de 1570 -
Proibição da escravidão indígena
HOLANDA
1548
80 % - Holanda

15 % - Portugal

5 % - Brasil
LUCRO DA EMPRESA AÇUCAREIRA
Dinâmica do Comércio Triangular durante o período do Açúcar
Crise do açúcar
Como Estava a situação?
Bahia - Centro Político
Pernambuco - Centro Econômico
Espanha anula o contrato de
monopólio com a Holanda.
Restauração do trono Português (1640)
1-
D. João IV
- 3ª Dinastia Portuguesa (Bragança) retoma os territórios Metropolitanos (Guerra);

2- 1642 - Criação do
Conselho Ultramarino
que implementou as companhias de Comércio Portuguesas (monopólio).
Insurreição Pernambucana
Motivados pela restauração, portugueses se revoltam contra os holandeses e atrapalham os negócios até holandeses desistirem do Brasil;

A historiografia tradicional credita a revolta uma suposta expulsão dos holandeses do Brasil.

Conflito Colono X Jesuíta
- Colonos e jesuítas não se entendiam nesta questão;
tos da coroa não
- A Igreja considerava o índio súdito de portugal e não queria escravizar;

- NA realidade legitimava seu trabalho de aculturação e recuparação de "almas" perdidas para a reforma protestante com esta argumentação;

- Por outro lado desenvolve o conceito de "negro", sem alma, sendo a pele escura uma prova de que o africano não recebeu alma de Deus, sendo assim um animal;

- Animais poderiam ser vendidos, os súditos da coroa não: Esta percepção racista legitimou moralmente a escravidão;

- Ainda assim, os colonos queriam escravizar os negros, pois eram mais baratos;

- O Rei decide em favor dos jesuítas, precionados pelo Papa;

- A Igreja e a Coroa eram acusadas de atravancar o desenvolvimento colonial;

- Os padres passaram a denunciar os colonos que eram duramente punidos pelos desvios;

- Não era ainda a roibição definitiva de escravidão dos índios (somente com Pombal em 1749)
"Guerra Justa"
- "Guerra Justa" era o modelo moral de legitimação da escravidão indígena:

- Atacar os índios com a desculpa de que eles colocavam em risco a colonização;

- Escravização de prisioneiros de guerra era aceitável;

- Visava diminuir a resistêcia indígena à colonização e ao mesmo tempo conseguir "peças" (termo racista da época) para execução dos trabalhos na colônia.

- Com esta "ferramenta moral" legitimou-se as maiores violências contra comunidades indígenas que orbitavam os espaços de colonização, principalmente no nordeste e no sudeste.
Bandeirantismo
- Momento de crise do colonialismo Português;

- Crise do Açúcar, atirou a colônia em uma crise econômica muito grave;

- Nas últimas décadas do açúcar o sudeste foi esquecido
pela metrópole:

1. O nordeste corria riscos (holandeses);

2. A Espanha (U.I.) colocou seu foco no nordeste;

3. Após a Restauração, Portugal não tinha dinheiro para investir no sudeste;

4. Periferia da colônia, miséria, atividades extra-oficiais, ilegais, tráfico de índios, etc (elementos comuns em zonas marginalizadas por qualquer sistema)

O contexto da Crise
-Não havia mais um produto monocultor
para exportação;

-O Açúcar para a Europa agora era holandês (antilhas);

-Não havia encontrado ouro ainda no território;

- Não havia mais o tráfico negreiro, pois Holanda e Portugal eram inimigas agora;
Novos contratos de monopólio
- POrtugal se aproxima da Inglaterra;

- Desde a mediação dos conflitos contra os holandeses a Inglaterra estava ao lado de Portugal;

- Esperava uma oportunidade de lucrar com a colônia portuguesa;

- Ainda não era o momento.
O que era o Bandeirantismo?
- Expedições
PRIVADAS
em direção a floresta por várias razões;

- Muito heterogênea do ponto de vista étnico:
* Crioulos, Caboclos (mestiços), índios aculturados, esravos negros, etc. ( variava de 80, 120, 150 integrantes)

- Haviam vários tipos de bandeiras:

1.
Bandeirantismo apresador
- Buscava índios no interior para escravizá-los, dada a falta de escravos africanos;

2.
Bandeirantismo Prospector
- Buscava drogas do sertão e metais preciosos. Qualqer coisa que pudesse ser comercializado;

3.
Bandeirantismo de Contrato
- Tinha objetivo de combater as comunidades indígenas organizadas e destruir quilombos no interior;

Atenção
: Bandeirantismo = Sertanismo
Sertão = Interior
ENTRADAS
- Expedições públicas da Coroa Portuguesa para buscar metais preciosos;

- Espanha já havia encontrado ouro desde 1540, Portugal, em fins de 1600, ainda não havia encontrado.

- Expedições bem equipadas (em relação as bandeiras) pela Coroa portuguesa;

- Apesar do esforço quem encotrou ouro foram os Bandeirantes (Privados) em 1690-1700.
Eventos ligados ao Bandeirantismo
Fundação da Vila de São Paulo de Piratininga
1. Fundada por uma MIssão jesuítica em 1554, pelos Padres MAnuel de Nobrega e José de Anchieta, que foram auxiliados por um já morador do Planalto (João Ramalho). A vila de São Paulo de Piratininga foi a primeira povoação do planalto Brasileiro.

2. Com permissão do Cacique local (Tibiriça) foi construído uma pequena casa de barro e bambú, onde viria a ser o "Colégio" de Piratininga, que serviria de ponto de aculturção dos indígenas;

3. No conflito entre Colonos escravizadores e religiosos anti escravidão (física) os Jesuítas foram expulsos da região;

4. No período das BAndeiras, São Paulo de Piratininga, passou a ser o mais importante entreposto comercial fora do Nordeste, auxiliando as BAndeiras que ali paravam para reabastecer e descansar.

5. Desde então A Vila se desenvolveu e se transformou na maior Cidade do Hemisfério sul e a uma das maiores do mundo.
A Introdução da Pecuária no Sul do Brasil
1. Os bandeirantes preferiam índios das reduções jesuíticas, pois estes já estavam aculturados ao trabalho capitalista com produção de excedente;

2. Os índios aculturados já haviam sido "pacificados", não promovendo resistência (em geral), juntamente com padres desarmados;

3. O foco principal das bandeiras apresadoras era as reduções jesuíticas do Paraguai e Bacia do Amazonas;

4. As do Paraguai eram de jesuítas espanhois, produtores de erva mate e
pecuaristas;

5. Ao destruir as reduções do Paraguai, o gado se expalhou livremente e se reproduziu por um século, povoando todo o sul da América do Sul de bovinos, que viriam a ser a principal atividade econômica da região no século seguinte;

6. Somente depois destes ataques que as Reduções do Rio Grande do Sul foram Cnstruídas (7 Povos da Missões), mas foram atacadas também.

Atenção:
Não havia gado na Amperica antes dos Europeus.
Os retratos costumam mostrar os bandeirantes como senhores nobres, bem vestidos, com ar elegante. Não se engane. Em sua maioria, eles eram mestiços, pobres e quase maltrapilhos.
Fica Esperto!!!!!
Em uma de suas primeiras incursões pelo país,
Fernão Dias Pais
aprisionou 5 mil índios na região Sul para trabalhar nas lavouras de São Paulo. Em 1672, o bandeirante ganhou do governador-geral do Brasil, Afonso Furtado de Mendonça, uma carta que lhe dava o direito de chefiar uma expedição para descobrir esmeraldas e minas de ouro em Minas Gerais.
Antônio
Raposo Tavares
nasceu em Portugal e chegou ao Brasil em 1618. Aprisionou 10 mil índios para trabalhar em sua fazenda ou vendê-los como escravos aos fazendeiros de açúcar do Nordeste.
Suas expediçðes cobriram grande parte da América do Sul. Percorreu 12 mil quilômetros, enfrentando chuvas, pântanos e doenças. Partindo de São Paulo, chegou até onde hoje ficam Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Rondônia e Pará. Atravessou pela primeira vez a Floresta Amazônica. (que foi rgistrado).

Domingos Jorge Velho
partiu de Taubaté e chegou ao interior do Piauí. Na sua caçada aos índios do Nordeste, perseguiu e destruiu uma série de aldeias. Seu principal feito (para os colonizadores),foi a destruição do Quilombo dos Palmares, em 1694. A morte do líder Zumbi foi atribuída a
André Furtado de Mendonça
, da tropa de Velho. Era considerado por todos um homem muito rude, que falava mal o português. Comunicava-se sempre em tupi-guarani.
Ao encontrar ouro e diamantes na região de Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso em fins de 1600, o período das Bandeiras acabou.
Crise do Bandeirantismo
1ª Fase - Antigo Regime
- Portugal está em crise colonial;

- Aposta no ouro para sair da crise;

- Missão Burocrática para retomar e organizar o espaço colonial que estava sem o controle da coroa;

- Tomar posse da região aurífera e organizar a exploração do ouro;

- D. João V (1703 - 1750);

- Acordo com a Inglaterra.
Sobre os Acordos
- Impossibilitaram que portugal lucrasse com a exploração colonial;

- Drenou recursos coloniais portugueses para Inglaterra, patrocinando a I Revolução Industrial;
2ª Fase - Despotismo Esclarecido
- Governo de D. José I e Marquês de Pombal como Ministro de Governo;

- Reformas Pombalinas e tentativa de anulação do Antigo Regime em Portugal e na colônia.
Reformas Pombalinas na Metrópole
1. Redução do Poder da CIA de Jesus;
2. Igualdade jurídica entre Cristãos Novos, burguesia e nobreza;
3. Abolição da escravidão na Metrópole;
4. Tribunal da Inquisição passa a ser controlado pelo Estado;

5.
REformas do Ensino
: Universalização do Ensino - Curriculo Nacional - Estímulo ao Ensino Superior - Retirada dos Jesuítas das escolas - Escolas menores - Escols Régias - Concurso Público para Professores - Colégio dos Nobres - Aulas de comércio - Educação Laica;

6. Diminuição da influência da Inglaterra;
7. Aumento das Exportações e diminuição das Importações;
8. Anulação do Tratado de Metwen;


Reformas Pombalinas na Colônia
1. Extinção das Capitanias Hereditárias;
2. Proibição do escravismo indígena;
3. Expulsão dos Jesuítas da Colônia;
4. Unificação do Graão Pará com o Brasil;
5. Criação de companhias de Comércio para atender mercado Colonial com produtos portugueses;
6. Obrigatoriedade do Ensino em português;
7. Aumento do "Quinto" para 100 Arrobas (1,5 mil kg);
8. Intensificação da derrama (não encontrando ouro soldados entram nas casas e levam o valor de 100 arrobas em bens pessoais);
9. Algodão no Maranhão;
10. TAbaco e manufaturados;
11. REtomada da Cana em Pernambuco.
Início da Exploração Aurífera
- Bandeirantes dominam as áreas auríferas;
- Corrida do Ouro - Colônia passa de 500 mil para 3 Milhões de habitantes;
- Estrangeiros Chegam ao Brasil;
- Guerra dos Emboabas;
- MIssão Burocrática Portuguesa assume o controle das áreas auríferas;
- Regulamentação das áreas do Ouro;
- Distribuição de Datas (lotes de rio) aos "Homens Bons" (ricos com capacidade de comprar escravos);
Ouro era de aluvião
- Encontrado no leito dos rios, córregos e arredores. Sobre o solo;

- Rio foi dividido em lotes e concedido a crioulos e portugueses;

- Urbanização do entorno das áreas de exploração;

- Ciclo Urbano - dinâmica diferente do Açúcar.
Escravismo de Ganho
- Introdução de "mobilidade social" dentro de um sistema escravista;
- Escravo retiava o que o seu senhor solicitava (variava de acordo com a data) o restante era seu;
- Acumulava para comprar sua alforria;
- Investia em atividades autônomas depois de livre:
* Atividade Imobiliária;
* Alimentos;
* Serviços - barbearia, cabelo,
* Empresas de aluguel de escravos, etc.
Combate ao contrabando de ouro
- Transferência da Capital de Salvador para Rio de Janeiro.
Obs: Retorno do Comércio Triangular - Inglaterra - Retorno do fornecimento de escravos africanos - Tratado de Metwen - Portugal não via a cor do ouro - direto para Londres - I Rev. Industrial - Déficit Português - Necessidade de reforma administrativa - Morte de D. João V - Assume D. José I - Marquês de Pombal
Reformas Pombalinas - Expulsão dos Jesuítas (Espanha expulsa os seus Jesuítas)
Guerras Guaraníticas
- 1750 - Tratado de Madri - Portugal desiste de tentar tomar o Rio da Prata através da
"Colônia do Sacramento"
e recebe os
"sete povos das Missões" mais territórios sul".


- Portugal e Espanha (Despot. Esclar.)
Expulsaram os Jesuítas;

- Jesuítas e Índios Missioneiros se
recusam a sair;

- Exército Indígena + JEsuítas X Exército Port. + Esp.
Líder Indígena - Sepé Tiaraju.

- Massacre Indígena
Tratado de Santo Idelfonso - 1777
- Portugueses não respeitam o Tratado de Madri e continuam tentando dominar o Rio da Prata;

- Espanhóis invadem Ilha de Santa Catarina em 1777;

- No fim do ano Portugueses e espanhois assinam o referido tratado:

Portugal desiste do Rio da Prata e Esanha devolve a Ilha de Santa Catarina;
Integração das áreas produtivas do Brasil do Ouro
Processo de integração da
economia colonial
- Áreas secundárias e primárias se integraram;

- Criação de um mercado interno;

- Forte circulação de produtos e criação de uma classe comercial nativa (burguesia comercial);

- Geração de riqueza interna pela primeira vez;

- Sentimento anti-colonial;

- Sentimento de Brasilidade - a riqueza do Brasil deveria ficar no Brasil;

- Primeiras motivações independentistas.
EXCLUSIVO METROPOLITANO
capital da
côlonia
capital da
matrópole
comércio marítimo
contrabando

proibido
contrabando

proibido
outras
capitanias
outras
capitanias
outras
cidades
outras
cidades
1ª - Fase - Antigo Regime - D. João V - Estado deficitário mantenedor dos provilégios da nobreza - 1700- 1750
2ª Fase - Despotismo Esclarecido - Anulação do Antigo Regime - Administração Iluminista - Bem comum - Racionalidade nos negócios de Estado
1750 - 1770
Abastecimento - Rotas
Charque - Farinha - Gado
Charque - Carne Seca - Carne de Sol
- Principal alimento dos escravos no século XVIII era o Charque;

- 80% do charque brasileiro vinha do sul do RS, com centro produtor em
Pelotas
e arredores;

- Elite rio-grandese vinha da atividade charqueadora (oligarquia periférica);

- Escoamento se dava pelo porto de Rio Grande;
- O restante (20%) vinha do vale do Rio São Francisco, chamado de carne seca ou carne de sol;
Farinha de Mandioca - Cultura Guarani - Produção Açoriana
- A produção da Farinha de MAndioca foi a principal atividade econômica do século XVIII no litoral catarinense;

- A cultura da Mandioca era praticada pelos índios guaranis do litoral brasileiro há lo menos 5-6 mil anos;

- Açorianos chegaram a partir de 1750, tentaram várias culturas europeias, mas nehuma deu certo;

- Acabaram se dobrando aos conhecimentos indígenas;

- TAmbém servia de comida de escravo, mas também era consumido por pessoas pobres livres;

- Era escoado pelos portos (LAguna, Desterro e S. Francisco)
Gado - responsável por toda a tração para
transporte de mercadorias no período do ouro
- Origem: Dispersão do gado das Reduções Jesuíticas a partir do ataque dos Bandeirantes no sécuo anterior (XVII);

- Se espalharam pelo sul da América do Sul - no Brasil o RS recebeu a maior parte no que se refere ao Brasil;

- Vagavam livres e chucros (não domados) pelos campos;

- PAssaram a ser recolhido pelos tropeiros (que levam as tropas);

- Localização: Região das Vacarias e Campos de Viamão;
Origem do gado
Vacarias dos campos de
cima da serra
Vacarias dos
campos de Viamão
Rotas de Escoamento e Integração do Centro Sul
- Dois caminhos ligavam o centro sul:

*Caminho dos Tropeiros (BR116) - Rota planaltina
*Caminho do LItoral (BR 101) - Rota da planície

- Os dois caminhos eram interligados em Santa Catarina pela Serra do RIo do Rastro.
Transformações Econômicas
Capitalismo Comercial
1ª fase do capitalismo
ou
Fase pré-capitalista
Capitalismo Industrial
Monopólio Inglês
1400
1500
1600
1700
1750
Mercantilismo
Liberalismo
Transformações Políticas
Mundo Absolutista
Mundo Iluminista
Direito div. dos Reis ------------------ Democracia

Monarquia ------------------------------ República

Súdito ------------------------------------ Cidadania

Mercantilismo -------------------------- Liberalismo

Escravismo ----------------------------- Abolicionismo


Contradições
Antigo Regime
Despotismo Esclarecido
O discurso Metropolitano
não bate com a prática
colonial.
Principais Eventos
Independência dos Estados Unidos - 1776
Revolução Francesa - 1789 - 1800
Período Napoleônico - 1800 - 1815
Na colônia...
- Não é a crise do Ouro;

- É a crise do A.S.C.;

- Embora o ouro estivesse em decadência;
As elites crioulas
- Estudam em universidades europeias;

- Estão empregnadas pelo ideário Iluminista;

- Nasce uma geração anti colonial;

- Articulação política no sentido de ideias de independência.
OBS: A proibição de circulação de obras iluministas no espaço colonial demonstra a preocupação metropolitana com as transformações em curso.
O reflexo das contradições metropolitanas
- Por um lado, integração das áreas coloniais e sentimento anti-colonial e brasilidade;

- Por outro, medidas pombalinas geraram mais riqueza ainda com a anulação do Antigo Regime e introdução do Desp. Esclarecido;

- Elites coloniais estavam cada vez mais aportadas teoricamente no Iluminismo;

- Portugal se afastou da Inglaterra com seu protecionismo despótico esclarecido;
Revoltas Emancipacionistas
- As revoltas emancipacionistas têm como base o questionamento da ordem colonial. Inspiradas nos ideais iluministas, os grupos crioulos buscavam transcender o modelo colonial (ASC), com base em projetos de independência.
Porém, esse movimento independentista
nunca assumiu caráter nacional
, estando
reduzido às localidades
onde se desenvolveu, tornando
mais fácil a neutralização desses movimentos.
Pau Brasil Açucar Bandeiras Ouro Crise ASC Processo de Independência
CONCEITO DE REVOLTAS NATIVISTAS

Revoltas Nativistas
- As revoltas nativistas ocorreram pelo descontentamento dos grupos crioulos em relação às regras do “jogo colonial”, ou seja, lutavam para melhorar sua inserção no quadro econômico e social do colonialismo português. Nenhuma delas tem objetivos separatistas ou de transcender o colonialismo, sendo todas elas de caráter regional. São elas:
Revolta dos Beckman - 1684 (Período da Restauração Portuguesa)

Aproveitando da ausência do governador, um grupo de manifestantes promoveu uma grande agitação em São Luís. Os revoltosos prenderam o governador interino, invadiram os colégios jesuítas e saquearam os galpões da Companhia de Comércio. Liderados pelos irmãos Manuel e Tomás Beckman, a revolta exigia a melhora das relações entre Maranhão e Portugal

Guerra dos Mascates - 1710 (Senhores de Engenho (Olinda) X Comerciantes Portugueses (Recife)

No contexto de falência do Açucar e pós expulso dos Holandeses, os Senhores de Engenho estavam falidos e deviam emprestimos para os comerciantes recifenses. Recife foi elevada a vila e teve sua câmara local fundada, o que ocasionou o aumento dos impostos sobre estas dívidas. Oilndenses invadem Recife e a guerra e declaram guerra aos MASCATES, nome pejorativo para os comerciantes portugueses. A guerra acaba somente com a interferência metropolitana.
Guerra dos Emboabas (1708 - 1709) Bandeirantes x Estrangeiros (emboabas)

A utilização do termo “emboaba” era pejorativamente dirigida aos estrangeiros que tentaram controlar a região tardiamente. Sob a liderança de Manuel Nunes Viana, os emboabas organizaram diversas expedições em que buscavam enfraquecer a hegemonia dos paulistas nas regiões mineradoras. Entre as lutas mais intensas, o combate desenvolvido no Capão da Traição ficou conhecido pela morte de 300 paulistas pela mão dos emboabas. Tendo em vista a situação de confronto,a Coroa buscou formas para reafirmar sua autoridade no local.
Revolta de Vila Rica ou de Felipe dos Santos - 1720

No contexto de retomada do contrle colonial pela Coroa por ocasião do encontro dos metais preciosso, uma série de obrigações foram introduzidas dentro da lógica do pacto colonial. Altos impostos e violento combate ao contrabando. Felipe dos Santos lidera uma revolta que invade a cidade de Vila Rica, importante ponto de exploração aurífera e exigem do Governador da região medidas que atenuem a exploração. Todos são presos e Felipe é enforcado e esquartejado, tendo seus pedaçoes sido expostos em várias cidades da região como exemplo de punição.
Inconfidência ou Conjuração (Conspiração) Mineira - 1789 (Não ocorreu)

Revoltados com a exploração ocasionada pelas medidas portuguesas no contexto de crise do ouro e crise do ASC, as elites colonias, inspiradas em ideais iluministas marcaram uma revolta de independência no dia da "derrama". Foram presos um dia antes, traído por Silvério dos Reis. Não tinha caráter nacional, pois queriam apenas a independência de Minas em relação a portugal, manteriam a escravidão e o caráter elitista da região. Não é uma revolta popular. Apenas as Elites locias participaram do projeto que fracassou.
Conjuração Baiana (1797)

Sob a influência da maçonaria francesa, formou-se em Salvador uma sociedade secreta que tinha como foco inicial realizar a disseminação do iluminismo. Composta por membros da elite intelectual baiana, essa loja maçônica promovia a leitura de textos de Voltaire e Rousseau. Além disso, seus integrantes, também conhecidos como “Cavaleiros da Luz”, passaram a circular panfletos que criticavam o governo local e defendiam a criação de uma República na Bahia. Os soldados Lucas Dantas de Aromam e Luís Gonzaga das Virgens, e os alfaiates Manuel Faustino dos Santos e João de Deus Nascimento foram condenados à forca e esquartejamento. Outros sete acusados foram encaminhados ao exílio na África.

Conjuração Pernabucana- 1817

A partir da Chegada da Família Real que fugiu de Portugal, ocorreu um ciclo inflacionário no Brasil devido a reprodução do estilo de vida parasitário da Aristocracia portuguesa que chegou junto com a Coroa. Revoltados com os altos impostos e com os preços dos alimentos, em meio a tantas insatisfações e problemas, os proprietários de terra e outros brancos livres pobres organizaram o movimento que eclodiu em março de 1817. Após derrotarem as tropas defensoras de Portugal, os revoltosos formaram um governo provisório republicano, composto por cinco membros. Além disso, estabeleceram a formação de um grupo de emissários que difundiriam o movimento em outras capitanias do Brasil e algumas nações europeias. Logo que soube do ocorrido, o governo português organizou tropas na Bahia e no Rio de Janeiro com o objetivo de abafar o levante. Enquanto as tropas terrestres tomavam as regiões do interior, a cidade do Recife foi cercada por embarcações que interromperam a comunicação da capitania com outras regiões. Os lideres acabaram sendo presos e executados. Dessa forma, o governo lusitano preservava a sua hegemonia política através da força das armas.
CONCEITO DE REVOLTAS EMANCIPACIONISTAS

Revoltas Emancipacionistas
- Inspiradas nos ideais iluministas, os grupos crioulos buscavam transcender o modelo colonial com base em projetos de independência. Porém, esse movimento independentista nunca assumiu caráter nacional, estando reduzido às localidades onde se desenvolveu, tornando mais fácil a neutralização desses movimentos.

Expansão Napoleônica
- Guerra contra Inglaterra;

- Bloqueio Continental;

- Invasão da Espanha;

- Invasão de Portugal em 1808;

- Fuga da Família Real com auxílio Inglês D. Joaõ VI era príncipe regente até a morte de sua Mãe D. MAria a "Louca";

- Transferência de toda a Corte para o Brasil;

- Elite aristocrática também se transferiu;
Medidas Portuguesas
- Abertura dos portos em 1808 às nações amigas, que no caso Europeu somente a Inglaterra;

- Permissão de comércio diretamente com o comprador, aos sem a necessidade de vender a comerciantes portugueses;
Aproximação com os Estados Unidos
- Os Estados Unidos imediatamente se aproximou do Brasil para ampliar seu espectro de relações comerciais na América.

- Instantaneamente passou a ser o maior parceiro cercial do Brasil;

- Inglaterra estava perdendo sua área de influência;

- As relações bilaterais entre Brasil e Estados Unidos duram somente dois anos - 1808 até 1810;

- Inglaterra articula a retomada do seu mercado consumidor (Brasil).

Tratado de aliança e Amizade - 1810
- Portugal assina um acordo com a terra onde os produtos ingleses gazariam de impostos menores em relação aos produtos de "outros" países, leia-se Estados Unidos;

- Renovação da proibição de manufaturas no Brasil para não concorrer com os produtos Ingleses;

- Inglaterra retoma de forma monopólica o mercado cosumidor do Brasil (aqui nasce o Novo colonialismo no Brasil - protetorado)
Derrota Napoleônica

- Derrota definitiva de Napoleão;

- Restauração Europeia;

- Congresso de Viena;

- Santa Aliança;

- Saída da Inglaterra da Santa Aliança;

- Os reis deveriam voltar aos seus reinos;

- D. João VI estava colocando a grana no bolso pela primeira vez na História colonial portuguesa.
Elevação do Brasil a Reino
Unido do Brasil e Algarves

- O Rei deveria voltar a Portugal para ocupar seu trono;

- Não vai pois está Lucrando no Brasil;

- Precisa legitimar o ato de permanecer em uma colônia, ato essimamente visto pela comunidade internacional;

- Eleva o Brasil a Reino para permanecer em um Reino e não em uma colônia;

- Anula o Pacto Colonial.
Independência
Econômica

Dependência
Econômica

Independência
Política

Neste caso o 1º Rei
do Brasil é D. João VI
Queriam a
Recolonização

1820
Última Etapa do Processo
- D. João VI volta para Portugal;

- Pedro fica como Príncipe Regente;

- Oligarquias e Comerciantes brasileiros tem medo da recolonização;

- Unidos em torno de Pedro oecem o cargo de Rei se ele se comprometer em não recolonizar o Brasil e ele aceita;


Seguindo...

- Ordena que as ordens do Pai não sejam cumpridas sem o seu aval;

- D. João VI manda Pedro voltar para Portugal;

- DIa do FIco - 1822

- Posterior Coroação de Pedro de Alcantara que assume com o título de D. Pedro I




Não foi independência,
mas impedimento
da Recolinização
Full transcript