Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Copy of PLE II - Revisão para o exame do dia 11 de abril de 2013

08 jun. 2012
by

Edna Maria Rangel de Sá

on 3 April 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Copy of PLE II - Revisão para o exame do dia 11 de abril de 2013

Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Escola de Ciências e Tecnologia
PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA II
Profª Ada Lima, Profª Edna Rangel
Profª Glícia Azevedo Tinoco e Prof. José Romerito Silva

AULA DE REVISÃO

04 de abril de 2013 Iniciando nossa conversa...

Durante este semestre, tratamos acerca do discurso argumentativo, considerando sua natureza, seus componentes, suas características. Discutimos também a respeito das melhores estratégias argumentativas e dos procedimentos que devem ser evitados.
Na aula de hoje, vamos retomar esses tópicos, a título de revisão para o exame do dia 11 de abril. Para começar, leiamos o artigo de opinião a seguir e, depois, façamos uma breve análise de seu conteúdo. A privacidade e a segurança nas redes sociais

Depois de uma época na qual os utilizadores da World Wide Web eram simples consumidores da informação que era disponibilizada on-line e que esse canal de comunicação era, na sua essência, unidirecional, assistimos hoje a uma nova realidade. Os utilizadores deixaram de ser passivos e passaram eles mesmos a produzir seus próprios conteúdos e a disponibilizá-los on-line.
Os utilizadores criam comunidades virtuais de interesse entre si para partilharem músicas, fotos, gostos, preferências, fazerem amigos, de uma forma perfeitamente transparente. Florescem grandes comunidades e serviços de partilha, que vulgarmente se designam por redes sociais. Redes sociais representam um enorme potencial de crescimento, não apenas do ponto de vista individual, mas também como oportunidade para implementar inovadores modelos de negócio que podem ser explorados por empresas e por empreendedores. Essas redes são reconhecidamente importantes, quer pelo seu aspecto lúdico quer pela possibilidade oferecida como canal de marketing. Do ponto de vista empresarial, as redes sociais podem determinar ou ajudar a determinar o potencial de negócio de um dado produto ou serviço.
No entanto, apesar de todo o potencial apresentado, as redes sociais são igualmente uma séria ameaça. Não querendo pintar um cenário demasiado negro, mas tentando ser realista, essas redes, em particular aquelas de maior dimensão e que têm maior representatividade, são alvo de ataques visando explorar a principal vulnerabilidade delas: seus utilizadores. Uma das principais ameaças à segurança e à privacidade dos utilizadores é proveniente do tipo de conteúdo e de informação que eles partilham nas redes sociais. Um pequeno exemplo: uma foto divertida hoje partilhada no Facebook pode tornar-se algo comprometedor no futuro. Existe alguma falta de percepção por parte dos utilizadores sobre o impacto que a partilha desses conteúdos e de outros pode provocar. Os conteúdos partilhados hoje numa rede social vão ser distribuídos e partilhados por inúmeros utilizadores e vão permanecer na rede mesmo que a conta do utilizador seja removida. Não há retorno.
Portanto, é preciso estar atento. Uma informação ou uma imagem divulgada inocentemente nesses ambientes virtuais, ainda que seja para pessoas do seu círculo de amizade, pode, por algum motivo, ser utilizada de forma irresponsável por alguém mal-intencionado para prejudicá-lo.

(Adaptado de http://webappsec.netmust.eu/2010/02/06/a-privacidade-e-a-seguranca-nas-redes-sociais/. Acesso em 12/05/2012). 1. O título do texto "A privacidade e a segurança nas redes sociais" representa

(a) o tema.
(b) o recorte temático.
(c) a tese defendida.
(d) o problema. 1. O título do texto "A privacidade e a segurança nas redes sociais" representa

(a) o tema.
(b) o recorte temático.
(c) a tese defendida.
(d) o problema. Análise do artigo 2. Indique a opção que apresenta a questão levantada no texto.

(a) A World Wide Web é boa ou má?
(b) Deve-se (ou não) confiar na internet?
(c) As redes sociais são um ambiente seguro?
(d) Qual a função das redes sociais? 2. Indique a opção que apresenta a questão levantada no texto.

(a) A World Wide Web é boa ou má?
(b) Deve-se (ou não) confiar na internet?
(c) As redes sociais são um ambiente seguro?
(d) Qual a função das redes sociais? 3. A tese defendida encontra-se no seguinte trecho:

(a) “Os utilizadores deixaram de ser passivos e passaram eles mesmos a produzir seus próprios conteúdos e a disponibilizá-los on-line.” – 1º§.
(b) “Essas redes são reconhecidamente importantes, quer pelo seu aspecto lúdico quer pela possibilidade oferecida como canal de marketing.” – 3º§.
(c) “[...] apesar de todo o potencial apresentado, as redes sociais são igualmente uma séria ameaça.” – 4º§.
(d) “Os conteúdos partilhados hoje numa rede social vão ser distribuídos e partilhados por inúmeros utilizadores e vão permanecer na rede mesmo que a conta do utilizador seja removida.” – 5º§. 3. A tese defendida encontra-se no seguinte trecho:

(a) “Os utilizadores deixaram de ser passivos e passaram eles mesmos a produzir seus próprios conteúdos e a disponibilizá-los on-line.” – 1º§.
(b) “Essas redes são reconhecidamente importantes, quer pelo seu aspecto lúdico quer pela possibilidade oferecida como canal de marketing.” – 3º§.
(c) “[...] apesar de todo o potencial apresentado, as redes sociais são igualmente uma séria ameaça.” – 4º§.
(d) “Os conteúdos partilhados hoje numa rede social vão ser distribuídos e partilhados por inúmeros utilizadores e vão permanecer na rede mesmo que a conta do utilizador seja removida.” – 5º§. 4. O principal objetivo do texto é

(a) alertar os usuários sobre os perigos da autoexposição em redes sociais.
(b) advertir os usuários quanto aos malefícios da internet.
(c) apresentar benefícios e malefícios da World Wide Web.
(d) desestimular a divulgação de informações nas redes sociais. 4. O principal objetivo do texto é

(a) alertar os usuários sobre os perigos da autoexposição em redes sociais.
(b) advertir os usuários quanto aos malefícios da internet.
(c) apresentar benefícios e malefícios da World Wide Web.
(d) desestimular a divulgação de informações nas redes sociais. 5. Observe o 5º parágrafo:

“Uma das principais ameaças à segurança e à privacidade dos utilizadores é proveniente do tipo de conteúdo e de informação que eles partilham nas redes sociais. Um pequeno exemplo: uma foto divertida hoje partilhada no Facebook pode tornar-se algo comprometedor no futuro. Existe alguma falta de percepção por parte dos utilizadores sobre o impacto que a partilha desses conteúdos e de outros pode provocar. Os conteúdos partilhados hoje numa rede social vão ser distribuídos e partilhados por inúmeros utilizadores e vão permanecer na rede mesmo que a conta do utilizador seja removida. Não há retorno.” As estratégias argumentativas utilizadas nesse parágrafo são:

(a) exemplificação e fato histórico.
(b) exemplificação e confronto.
(c) exemplificação e comparação.
(d) exemplificação e relação causa-efeito. As estratégias argumentativas utilizadas nesse parágrafo são:

(a) exemplificação e fato histórico.
(b) exemplificação e confronto.
(c) exemplificação e comparação.
(d) exemplificação e relação causa-efeito. 6. Um problema de argumentação que NÃO se encontra no 5º parágrafo é

(a) falso pressuposto.
(b) falso prognóstico.
(c) generalização indevida.
(d) uso de noção vaga/imprecisa. 6. Um problema de argumentação que NÃO se encontra no 5º parágrafo é

(a) falso pressuposto.
(b) falso prognóstico.
(c) generalização indevida.
(d) uso de noção vaga/imprecisa. 7. Julgue como “verdadeira” (V) ou como “falsa” (F) cada uma das afirmações a seguir sobre o texto.

(a) A internet tem um caráter ambíguo, pois pode ser vantajosa ou prejudicial. ( )
(b) Os usuários não têm a menor noção dos perigos escondidos nas redes sociais. ( )
(c) Sendo utilizada adequadamente, a internet pode trazer benefícios ao usuário. ( )
(d) As comunidades virtuais representam um importante meio de autopromoção. ( )
(e) O apelo ao leitor, no último parágrafo, torna a argumentação subjetiva e fragilizada. ( ) 7. Julgue como “verdadeira” (V) ou como “falsa” (F) cada uma das afirmações a seguir sobre o texto.

(a) A internet tem um caráter ambíguo, pois pode ser vantajosa ou prejudicial. ( V ) (b) Os usuários não têm a menor noção dos perigos escondidos nas redes sociais. ( F ) (c) Sendo utilizada adequadamente, a internet pode trazer benefícios ao usuário. ( V ) (d) As comunidades virtuais representam um importante meio de autopromoção. ( V ) (e) O apelo ao leitor, no último parágrafo, torna a argumentação subjetiva e fragilizada. ( F ) Agora, vamos examinar um texto argumentativo produzido por um graduando do BCT. A Lei de cotas tem como objetivo dar oportunidade aos alunos provenientes das escolas da rede pública, o ingresso numa universidade pública federal. Só que gira em torno dessa lei uma grande polêmica. Alguns pensam que com ela em vigor, o nível das universidades federais diminuiria bastante, devido o déficil educacional apresentado pela maioria dos alunos da rede pública, enquanto outros, dizem que dessa maneira estariam sendo mais justos com pessoas menos favorecidas da sociedade. Penso que com essa lei estariamos dando a pessoas que não tiveram oportunidade de ter um bom ensino médio e fundamental, condições de ingressar e de se formar numa instituição de ensino superior de qualidade.
Grande parte dos alunos do ensino público são inferiores, em questões educacionais, aos alunos da rede privada, então seria uma enorme injustiça estar colocando em mesmo nível de seleção pessoas que receberam instruções escolares em níveis completamente diferentes.
Além disso, de que maneira mudariamos a triste condição vivida por pessoas pobres, se não lhe dermos oportunidade de se formar para futuramente arrumar melhores empregos? Ou será, que quem já vem da rede pública, onde o ensino é gratuito, que ao meu ver pelas condições atuais já está caro, tem condições de pagar uma universidade particular?
Por esses motivos defendo a lei de cotas para o acesso a educação superior, pois assim estaremos de certa forma "igualando" os alunos em níveis de seleção e ajudando a mudar a triste realidade na educação brasileira.
Atenciosamente,
Paulo Henrique Amorim O primeiro problema do texto é a definição do gênero discursivo quanto à estrutura composicional. Se o autor quis escrever uma carta argumentativa (o que é sinalizado pela inserção de despedida e assinatura), não conseguiu seu intento. Faltam, no texto em análise, elementos essenciais desse gênero discursivo: local, data, vocativo e marcas de interlocução. A Lei de cotas tem como objetivo dar oportunidade aos alunos provenientes das escolas da rede pública, o ingresso numa universidade pública federal. Só que gira em torno dessa lei uma grande polêmica. Alguns pensam que com ela em vigor, o nível das universidades federais diminuiria bastante, devido o déficil educacional apresentado pela maioria dos alunos da rede pública, enquanto outros, dizem que dessa maneira estariam sendo mais justos com pessoas menos favorecidas da sociedade. Penso que com essa lei estariamos dando a pessoas que não tiveram oportunidade de ter um bom ensino médio e fundamental, condições de ingressar e de se formar numa instituição de ensino superior de qualidade.

O parágrafo apresenta as falhas explicitadas a seguir.

• Contextualização insuficiente
• Problemas de coesão, de ortografia, de pontuação, de escolha lexical Grande parte dos alunos do ensino público são inferiores, em questões educacionais, aos alunos da rede privada, então seria uma enorme injustiça estar colocando em mesmo nível de seleção pessoas que receberam instruções escolares em níveis completamente diferentes.

O segundo parágrafo apresenta as seguintes falhas.

* Repetição lexical: "alunos"
* Noção vaga e confusa: "questões educacionais"
* Falso pressuposto: a que ensino público e de que rede privada o autor está se referindo?
* Generalização: "completamente diferentes"? IFRN é da rede pública, por exemplo. Além disso, de que maneira mudariamos a triste condição vivida por pessoas pobres, se não lhe dermos oportunidade de se formar para futuramente arrumar melhores empregos? Ou será, que quem já vem da rede pública, onde o ensino é gratuito, que ao meu ver pelas condições atuais já está caro, tem condições de pagar uma universidade particular?

Nesse parágrafo, encontramos os defeitos listados abaixo.

• Noção vaga: "triste condição".
• Construção sintática confusa.
• Incoerência semântica: "o ensino gratuito... já está caro". Por esses motivos, defendo a lei de cotas para o acesso a educação superior, pois assim estaremos, de certa forma, "igualando" os alunos em níveis de seleção e ajudando a mudar a triste realidade na educação brasileira.

Esse último parágrafo apresenta os problemas a seguir.

Pontuação.
Sinalização da crase.
Adjetivo de alto teor subjetivo. (Último parágrafo)

"Portanto, é preciso estar atento. Uma informação ou uma imagem divulgada inocentemente nesses ambientes virtuais, ainda que seja para pessoas do seu círculo de amizade, pode, por algum motivo, ser utilizada de forma irresponsável por alguém mal-intencionado para prejudicá-lo." Concluindo...

Esperamos que os estudos realizados em PLE II , até este momento e, em especial, os conteúdos revistos nesta aula possam servir como subsídios não apenas para o exame que acontecerá na próxima aula (em 11/04), mas também para a formação acadêmica e o exercício profissional de vocês no que se refere às práticas de leitura e escrita.

VAMOS FIXAR MELHOR COM A ATIVIDADE EM TRIO? Que gênero discursivo é esse?
Artigo de opinião?
Carta argumentativa? Se a ideia foi a de escrever um artigo de opinião, também não houve sucesso. Do ponto de vista composicional, por um lado, faltam título, nome, endereço eletrônico; por outro, "sobram" despedida e assinatura, que não fazem parte desse gênero.
Nesse sentido, o texto apresentado para avaliação não é artigo de opinião nem é carta argumentativa. É um bicho híbrido. A lei de cotas para acesso ao ensino superior no Brasil tem como objetivo dar mais oportunidade aos alunos provenientes das escolas da rede pública de ingressar em instituições federais. Porém, gira em torno dessa lei uma grande polêmica. Alguns pensam que, com ela em vigor, o nível das universidades federais diminuiria bastante, devido ao déficit educacional apresentado pela maioria dos alunos da rede pública, enquanto outros dizem que, dessa maneira, o Brasil estaria sendo mais justo com pessoas menos favorecidas da sociedade. Penso que, com essa lei, estaríamos oferecendo a estudantes que, em geral, não tiveram oportunidade de ter um bom ensino médio e fundamental em escolas públicas estaduais e municipais melhores condições de ingressar e de se formar numa instituição de ensino superior de qualidade. Além desse problema inicial, merecem destaque outras falhas encontradas no texto. Vejamos. Grande parte dos alunos do ensino público apresenta baixo índice de rendimento escolar se comparada à média dos provenientes da rede privada. Então, seria injusto avaliar com os mesmos parâmetros estudantes que receberam formação em níveis diferentes. Além disso, de que maneira estudantes pobres melhorariam sua condição social se não tiverem oportunidade de se qualificar para postos mais elevados no mercado de trabalho? Nesse sentido, é importante ampliar a esses estudantes o acesso ao ensino superior de qualidade. Por esses motivos, defendo a lei de cotas para o acesso à educação superior, pois assim estaremos, de certa forma, "igualando" os alunos em níveis de seleção e ajudando a mudar esse quadro adverso da educação básica no Brasil.
Full transcript