Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Lúpus Eritematoso Sistêmico

No description
by

Mariana Oria

on 18 February 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Lúpus Eritematoso Sistêmico

Lúpus Eritematoso Sistêmico
Locais onde se depositam os imunocomplexos: glomérulos, membranas basais tubulares, vasos sanguíneos
Nefrite Lupica
Anormalidades mínimas ou não detectáveis (classe I)
Glomerunefrite mesangial lúpica (classe II)
Glomerulonefrite proliferativa difusa ( classe IV)
Glomerulonefrite membranosa (classe V)
Classe II
Proliferação de células mesangiais, alterações histológicas brandas, depósitos de imunoglobulinas e complementos
Classe III
Tufos em um glomérulo, inchaço, proliferação de células epiteliais e mesangiais, infiltrações com neutrófilos, depósitos e trombos intracapilares, hematúria, proteinúria. Afeta menos de 50% dos glomérulos.
Classe IV
Muitos ou todos os glomérulos atingidos, proliferação de células endoteliais, mesangiais, e, algumas vezes, epiteliais.
Classe V
Espessamento difuso das paredes dos capilares.
"Alça de Arame"
Os depósitos subendoteliais constituem um espessamento homogêneo da parede dos capilares que pode ser visto pela microscopia como uma lesão tipo "alça de arame" (wire loops).
Imunodepósitos
Corpos de hematoxilina
Lesão fibrosa oclusiva de artéria
Necrose fibrosa segmentar
Hipercelularidade endocapilar
Proliferação endo e extra capilar
Lesões wire loop
Influxo leucócitos
Corpos apoptóticos
Necrose capilar
Expansão mesangial
Hipercelularidade mesangial
Depósitos nas alças mesangiais e capilares
Depósitos
Depósitos
Pele
Eritema (área malar, extremidades e tronco)
Etiologia do LES
Fisiopatologia do LES
Diagnóstico do LES
Terapêutica do LES
* Drogas potencialmente desencadeadoras
(antibióticos, sulfonamidas e a penicilina, por exemplo)

Drogas para tratamento do lúpus
Aspirina e
não esteróides
- dor nas articulações e musculares

- efeitos colaterais ( alterações pépticas, dificuldades na coagulação etc)

- Anti inflamatórios não esteroides (mais seguros que a aspirina)

Anti-maláricos
- Desordens de pele e articulações
- Efeitos colaterais (depósito na retina, amarelamento da pele)
- Tratamento efetivo contra o lúpus (hidroxicloroquina pode ser usado na gravidez)
- Mecanismo de atuação ainda desconhecido

Esteróides
- Muito eficiente no tratamento do LES

- Efeitos mais comuns(ganho de peso)

- Efeitos em longo prazo(fraqueza muscular, óssea)

- Reversibilidade dos efeitos colaterais

Efeitos colaterais dos esteróides
Atuação dos esteróides
- Fisiologicamente

- Excesso em ambiente em homeostase

- Excesso na LES

Doses usadas na terapia
- Depende do grau da doença

- De acordo com o mínimo necessário para a contenção do LES

- Esteroides devem ser tomados por toda a vida?

Imunossupressores
- Lúpus: doença auto-imune

- efeitos colaterais (supressão de células
em divisão, pode ocasionar problemas
na formação de células sanguíneas)

- Usado em pacientes com problemas renais ou doses altas de esteroides

Novos medicamentos
- Micofenolato de mofetila

- Novos imunossupressores
mais efetivos

Contraceptivos orais

- Níveis altos de estrogênio -> podem afetar, apesar da baixa ocorrência

- É liberado para muitas pacientes o uso de contraceptivos com baixo nível de estrogênio

Efeito da luz do sol
- Raios solares podem ativar a doença, especialmente raios UV,
mas não é uma regra

- Influência do protetor solar

Alimentação
- Poucas evidências científicas

- É recomendado ingerir alimentos com propriedades antiinflamatórias

Pressão arterial
- Comum em pacientes com doença renal
- Pode ser temporário, mas exige atenção.
- Tratamento com anti-hipertensivos
- Ciclo dos danos renais
- Pressão normal e pressão aceitável

Desordens renais
- É necessário controle rápido dos problemas renais
- Diuréticos contra retenção de líquidos
- Em casos de danos irreversíveis – transplante e diálise
- Atualmente não é tão comum a ocorrência de formas mais severas

-Evolui com manifestações clínicas polimórficas, é frequentemente febril.

-Pode levar a uma confusão diagnóstica inicial
-Avaliações laboratoriais auxiliam o diagnóstico mediante a constatação de alterações hematológicas (leucopenia/linfopenia/plaquetopenia/anemia hemolítica) e alterações do sedimento urinário
Critérios clínicos e imunológicos criados pela Academia Americana de Reumatologia
1. Lúpus cutâneo agudo
2. Lúpus cutâneo crônico
3. Úlceras orais
4. Alopécia não cicatrizante
5. Sinovite
6. Serosite
7. Lesão renal
8. Sinais e sintomas neurológicos
9. Anemia hemolítica
10. Leucopenia ou linfopenia
11. Trombocitopenia
1. Valores de anticorpos anti­nuclear (ANAs) acima dos limites de referência laboratoriais
2. Valor de anticorpos anti­DNA de cadeia dupla (anti­dsDNA) acima dos limites de referência laboratoriais
3. Anticorpos anti­Sm positivo
4. Anticorpo anti­fosfolipídios positivo
5. Fatores de complemento diminuídos
6. Teste de Coombs directo

Clínicos:
Imunológicos:

Fatores Genéticos
Conta com Genes MHC e não-MHC
-pelo menos 35 genes aumentam a chance de desenvolver LES
-8% dos pacientes afetados já possui um membro
de primeiro grau com LES
-mais de 20% de concordância em gêmeos
monozigóticos ≠ dizigóticos(1% a 3%)
Fatores imunológicos
-Falha nos mecanismos de autotolerância

-Escape de linfócitos T e B autorreativos
-Aumento da produção de autoanticorpos antinucleares pelos linfócitos B
Fatores ambientais
-A fotossensibilidade é claramente um precipitante de doença de pele
-Acão da luz ultravioleta
-Influência de hormônios sexuais
-O uso de medicamentos como procainamida, hidralazina, clorpromazina, isoniazidas, protolol e metildopa;

-Possivelmente, infecções por vírus como o da hepatite C, o parvovírus e o Epstein-Barr(EBV)
Introdução
Imunidade
-Indispensável para a sobrevivência, sua hiperatividade pode causar doenças fatais
Inata
Principal Característica
Adaptativa
Produção anormal de anticorpos pelos linfócitos B contra autoantígenos
DNA nativo
Histonas
Proteínas ribonucleares
Formada por:barreiras epiteliais, macrófagos, neutrófilos, células dendríticas e natural killers
Anti-DNA dupla hélice (anti-ds DNA)
Anti-Smith (Anti-SM)
Anti-P
*Muito específicos do LES
Maior efeito patológico
Depósitos do complexo imune
Reage como
Diversos orgãos
Ativação do sist. de complemento
Mediadores inflamatórios
Inflamação
Defesa antiviral
Rins
Agregados de antígeno-anticorpo - protuberâncias amorfas na membrana basal
Sistema Nervoso
-Leucócitos são capazes de reconher além dos padrões associados aos patógenos, os padrões moleculares associados ao perigo, liberado por células lesadas e necróticas
Anticorpos (Anti P ribossomal, anti SSA, Anti-DNA, Anti-cardiolipina, Anti-fosfolipideos...)
*cogita-se que a doença afete a função dos neurotransmissores --> mudança de comprotamento
-Formada por: Linfócitos e anticorpos, capazes de reconhecer um vasto grupo de substâncias estranhas.
Genes de sucetibilidade + fatores ambientais --> respostas imunes anormais
-Diferentes classes são segregadas e podem migrar, interagindo entre si quando estimuladas(naive, efetoras ou células de memória)
1. Ativação imunidade inata
2. Limiares de ativação mais baixos das células da imunidade adaptativa (linf. T e B antígeno-específicos)
3. Células CD4+ e CD8+ reguladoras e inibidores ineficazes
4. Depuração reduzida das células apoptóticas e dos imunocomplexos
contra micro-organismos intracelulares e é mediada pelos (linfócitos T)
Humoral
Celular
contra micro-organismos extracelulares e suas toxinas (linfB e Ig)
Reconhecimento dos antígenos próprios por parte do sistema imune --> vesículas superficiais das células apoptóticas
Antígenos, auto-anticorpos e complexos imunes persistem por períodos prolongados
Inflamação
LES
Autoimunidade
-Autoanticorpos podem surgir após dano tissular (remoção de produtos teciduais) é importante e natural
O distúrbio será autoimune quando:
-Possui uma reação imune específica para algum autotecido ou antígeno;
-não originada de um dano tissular;
-com ausência da causa bem definida da doença
Doenças específicas – diabetes(I)
sistêmicas - LES
Lúpus Eritematoso Sistêmico
Hipersensibilidade mediada por imunocomplexos (tipo III)
-Incidência: 1/2500 indivíduos.
-Predomina em mulheres: 1/700 mulheres em idade fértil(principalmente afro-americanas)
-Razão mulheres/homens: 9/1 (fora da idade reprodutiva –> razão:2/1)
-Pode se manifestar em qualquer idade, mas geralmente surge entre 15 e 40
-Apresenta períodos de quiescência e crises de manifestações clínicas, caracterizado pela existência de autoanticorpos antiantígenos do núcleo, do citoplasma e da membrana celular de vários tecidos e por lesões em diferentes órgãos.

Inflamação crônica - acúmulo de fatores de crescimento e de produtos da oxidação crônica --> dano tecidual irreversível aos glomérulos, artérias, pulmões, outros tecidos.
Articulações
Lesão típica: sinovite não-erosiva com pouca deformação
Fases agudas do LES --> Extravazamento de neutrófilos e fibrina na sinóvia e infiltrado celular mononuclear perivascular no tecido subsinovial
Pulmões
50% pacientes --> pleurite e derrame pleural
Menor frequência --> lesões alveolares na forma de edema e hemorragia
Fibrose intersticial crônica
Outros órgãos e tecidos
Fígado: vasculite aguda no trato portal
Degeneração liquefativa da camada basal da epiderme junto com edema na junção dérmica nas áreas atingidas
Derme: edema variável e infiltrados mononucleares perivasculares
SNC
Lesões do endotélio por parte de anticorpos antifosfolipideos
Pericardite e outros comprometimento em serosas
Inflamações nas membranas: agudas, subagudas ou crônicas
Fases agudas: Superfícies mesoteliais cobertas por exsudatos fibrinosos
Espessas, opacas, tecido fibroso rugoso --> obliteração parcial ou total da cavidade serosa
Miocardite
Infiltrado mononuclear não-específico
Baço
Espessamento capsular
Hiperplasia folicular
Plasmócitos numerosos na polpa
Artérias penicilárias centrais: espessamento e fibrose perivascular --> lesões em casca de cebola
Olhos
Conjuntiva, esclera ou córnea podem estar envolvidas
Esclerite, ceratite elcerativa periférica, conjuntivite de cicatrização progressiva
A patogenia da doença sistêmica por imunocomplexos pode ser dividida em 3 fases:

1- formação de complexos antígeno-anticorpo na circulação
2- deposição dos imunocomplexos em vários tecidos
3- geração de uma reação inflamatória aguda
Medula óssea : corpos de LE ou hematoxilinófilos
Fenômeno LE : Fagocitose por fagócitos do sangue periférico de núcleos de leucócitos
Linfonodos: podem estar aumentados e conter folículos hiperativos, assim como plasmócitos --> indicam ativação células B
Full transcript