Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Segundo Reinado

Trabalho de História - Brasil II Reinado
by

Victor Gollo Carvalho

on 14 November 2012

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Segundo Reinado

BRASIL II Reinado Antecedentes 1889 1840 (1840-1889) O Regente Feijó não aguentou a pressão das revoltas e foi afastado. Os grupos políticos haviam mudao, os conservadores, com a morte de D. Pedro I, se juntaram aos liberais moderados no partido regressista, enquanto os liberais exaltados formaram o partido progressista. Os progressistas, com medo de se afastarem muito do poder fizeram o golpe da maioridade, onde eles foram contra a Constituição e tornaram D. Pedro II imperador apenas com 15 anos. Período marcado por várias revoltas populares em diversas províncias do país, como a Cabanagem no Pará, a Revolução Farroupilha no Sul, e várias outras que ameaçavam dividir o país. 1824 Constituição de 1824
Afirmava que quando o herdeiro não tivesse condições para assumir o trono, era necessário uma regência, no caso, uma Regência Trina. 1831 D. Pedro I é deposto, deixando seu filho de 5 anos, D. Pedro II, para governar o Brasil 1834 Os três grupos políticos
Os conservadores
Os liberais moderados
Os liberais exaltados Esse período ficou conhecido como experiência de república, pois virou uma Regência Una (o regente funcionava como um presidente) e havia as Assembleias Legislativas Provinciais, que funcionavam como um poder estadual. Diogo Antônio Feijó, um dos Juízes de Paz e parte dos Liberais Moderados, conseguiu influência política suficiente para fazer o Ato Adicional (avanço liberal), onde havia diversas medidas de descentralização juntas com medidas centralizadoras. Período de grande progresso cultural e de grande significância para o Brasil, com o crescimento e a consolidação da nação brasileira como um país independente, e como importante membro entre as nações americanas. 1870 Guerra do Paraguai

Solidificação do exército e da marinha. Mudanças profundas na situação social, como a gradativa libertação dos escravos negros e o incentivo de imigração para a força de trabalho brasileira. O regime monárquico novamente consolidou-se com a ascensão de D. Pedro II, personalidade principal deste período. O prestígio internacional que o Brasil alcançou nessa época, mesmo comparado com determinados países da Europa de então, e seu progressivo desenvolvimento social e econômico, foram em grande parte devidos à firmeza com que D. Pedro II conduziu o país. D. Pedro II decretou que o imperador não possuía mais os dois poderes, e sim apenas o Moderador. O poder executivo ficaria a cargo do Presidente do Conselho de Ministros, escolhido pelo Imperador. 1847 Decreto 523 de 20 de julho, criação do cargo de Primeiro-Ministro, equivalente ao cargo até então chamado de Presidente do Conselho. O Presidente do Conselho escolhia o Gabinete, ou seja, os ministros quem formavam o Conselho de Ministros. Por fim recebia ou não a aprovação do parlamento. O que aconteceu muito no Brasil e no resto do mundo foi que o parlamento muitas vezes não aprovava a decisão do Chefe de Estado, e este se via obrigado a dissolver o parlamento. Apesar do modelo parlamentarista brasileiro não parecer muito democrático, era bastante democrático para o seu tempo. O imperador tinha muitos poderes, mas isso era costume da época em várias localidades do mundo, até mesmo na Inglaterra. Quando D. Pedro II entrou no poder, ainda acontecia a Revolução Farroupilha, então, o imperador nomeou como Comandante-chefe do exército o duque que havia acabado com as revoltas em Minas e em São Paulo. Apesar de que o uso de violência estivesse liberado para acabar com a revolta, o Duque de Caxias usou a diplomacia no Sul, convencendo os revolucionários que os inimigos eram os presidentes do Uruguai e da Argentina, que queriam formar uma república com o país que seria formado da Revolução Farroupilha. Durante o Primeiro Reinado a grande elite agrária do Brasil era concentrada no Nordeste (os barões da cana). Mas, nessa mesma época, o café começava a ser introduzido na Baixada Fluminense e no Vale do Paraíba, e começou a fazer um rápido sucesso, no séc. XIX. Com o fim da era do ouro brasileiro, os pioneiros do café perceberam que era um investimento altamente rentável, pois as terras da região eram muito baratas (por vezes gratuitas), a mão de obra era escrava e, após ser plantado, o cafezal era produtivo por vinte anos. O mercado consumidor internacional também era próspero, e a venda de café era quase certa. Assim, em alguns anos uma nova elite começou a surgir no sudeste brasileiro. A elite cafeeira, em pouco tempo, se tornava mais poderosa e mais rica do que a elite nordestina. O desenvolvimento do comércio internacional baseado na exportação do café deveu-se a fatores externos e internos. Dentre os externos, destacam-se o crescimento da demanda internacional ao café brasileiro, fruto do aumento do padrão de vida da população norte-americana e européia, o que estimulou o aumento dos níveis de consumo; a industrialização dos EUA e Europa, que necessitavam de matérias-primas para suas indústrias de transformação; o aperfeiçoamento técnico, o qual beneficiou o comércio internacional, tanto através de meios de transporte quanto na nova organização dos setores mercantil e financeiro. E, sobretudo, ao grande momento que o final do século XIX proporcionou ao comércio internacional, através do liberalismo econômico, o qual proporcionou a todos os países a oportunidade de comércio. Crise do Império 1873 Congresso Republicano em São Paulo
Neste, houve a confecção e a aprovação de um projeto de constituição. O regime monárquico estava acabando, os ventos republicanos já sopravam no horizonte. Com o agravamento da questão militar, o gabinete de Ouro Preto iniciou sua queda. A crise do Império foi resultado das transformações processadas na economia e na sociedade, a partir do século XIX, que se somando, conduziram importantes setores da sociedade a uma conclusão: a Monarquia brasileira, que nunca conseguia se mostrar capaz de acompanhar a marcha da História em todos os detalhes, precisava ser superada para dar lugar a um outro regime político mais adaptado aos problemas da época. A crise do Império foi marcada por uma série de questões que desembocaram na Proclamação da República. A questão militar, causada por atritos entre os militares e o império, foi uma das questões. Os profissionais das armas queriam uma maior autonomia nos assuntos políticos da nação, e o império punia as manifestações quaisquer que fossem. Os republicanos cresciam em poder e influência, a opinião pública já vislumbrava com bons olhos um Brasil sem imperador. O tenente-coronel Benjamin Constant na Escola Militar pregava o positivismo e a república. 1850 Lei Eusébio de Queirós
Extinguindo-se definitivamente o tráfico. A solução para a falta de mão de obra na lavoura cafeeira apoiou-se no incentivo à imigração. O problema era que, por ter o regime escravocrata, o Brasil afugentava boa parte dos candidatos a imigrantes, o Império tentou amenizar a pressão interna e externa, assinando duas leis (as "leis para inglês ver"): a lei do Ventre Livre (1871) e a lei do Sexagenário (1885). Foi nessa época que o Império passou a financiar a imigração de europeus para a agricultura no Brasil. Muitos italianos foram para as terras paulistas, cuidando do café. Alemães, poloneses e italianos, também, imigravam para o sul, para fundar colônias. E, no início do século XX, já na República, começou a imigração de japoneses. 1888 A Lei Áurea
Acabou com a escravidão no Brasil e estava acima de qualquer outra lei que dizia o contrário, mas mesmo assim, os escravos não conseguiam achar emprego porque eram considerados vândalos. Mas a assinatura da lei foi o golpe de misericórdia para o próprio Império, pois o único grupo que apoiava o regime imperial, a elite cafeicultora do Vale do Paraíba, que não recebeu indenizações, ficou contra o Imperador e abandonaram a política de favores. Essa foi uma causa fortíssima para a queda do Império. O movimento pró-república no Brasil tomava proporções irreversíveis, mas para que a alteração na forma de governo se desse de forma democrática seria necessário uma Assembleia Geral majoritariamente republicana, o que parecia distante de ocorrer, pois a população não se mostrava simpática à derrocada da monarquia. Cientes desse problema, os republicanos viram-se obrigados a apelar para a força, e, em 15 de novembro de 1889, o marechal Deodoro da Fonseca proclama a república. D. Pedro II foi deposto do trono brasileiro. Deodoro recebeu o título de chefe do governo provisório. D. Pedro II foi obrigado a embarcar para a Europa com a família no dia 17 de novembro de 1889, na calada da noite, a fim de não gerar revolta popular. Outro fator secundário era que os países vizinhos como: Argentina, Paraguai e Uruguai já tinham adotado o governo republicano, coisa que durante a Guerra do Paraguai os integrantes das forças armadas do Brasil de então, notadamente os membros do Exército, tiveram a oportunidade de conhecer profundamente, e de perto, criando em si um espírito positivista da visão de um Brasil republicano. Motivos e Interesses

Durante cinco anos, o Brasil, a Argentina e o Uruguai, apoiados financeiramente pela Inglaterra, fizeram uma guerra desigual contra o Paraguai, ou seja, tinham por meta a destruição do Paraguai.
Esse confronto militar, conhecido como Guerra do Paraguai, foi a mais longa e sangrenta das guerras ocorridas na América do Sul. Os motivos dessa guerra foram complexos, incluindo diferentes interesses, que acabaram voltando-se contra o Paraguai.

A origem do conflito é o rio da Prata, durante o processo de independência da região.
Pois havia poderosos comerciantes da Região do Vice-Reino do Prata que queriam manter a unidade sob sua direção – isso significaria dominar e anexar o Paraguai e o Uruguai.

Um detalhe foi que o Paraguai, devido sua localização geográfica, desde a sua independência, desenvolveu uma política voltada para dentro, para depender o mínimo possível do comércio e relações exteriores. Consequências da Guerra do Paraguai

Você sabia, que depois da Guerra do Paraguai este país perdeu grande parte de seu território para o Brasil e a Argentina, e teve de pagar pesadas indenizações a ambos até a Segunda Guerra Mundial? A vitória da Tríplice Aliança sobre o Paraguai, em 1870, foi um duro golpe para o desenvolvimento paraguaio.

Já o Brasil saiu com o Exército fortalecido, assim como a sua voz na região, liderança hoje notória quando se contempla as relações do Mercosul.

Para saber mais sobre o maior conflito armado da América do Sul, veja o documentário ”A Guerra do Paraguai”, que visita os palcos das principais batalhas na Argentina e no Paraguai e conta a história, apoiada em diários e documentos de época.

Na série 500 Anos: O Brasil- Império na tv, o episódio ”Guerra do Paraguai” fala sobre as motivações para o conflito e a principal consequência da vitória brasileira: o nascimento do sentimento abolicionista que culminaria com o fim da escravatura. Guerra do Paraguai - Solano Lopez. Caricatura de Angelo Agostini na Revista Fluminense 12/06/1869. Plantação de Café Séc. XIX Fazenda de Café Séc. XIX Escravos lutando pela liberdade - Revolução Farroupilha BRASIL - Segundo Reinado Grupo:
Antonio Tomassini,
Lucas Nunes
e
Victor Gollo Bibliografia Esquema do periodo regencial-
http://www.google.com.br/search?um=1&hl=pt-PT&client=safari&tbo=d&biw=1024&bih=690&tbm=isch&sa=1&q=esquema+periodo+regencial&oq=esquema+periodo+regencial&gs_l=img.3...85716.93575.0.93890.25.10.0.10.10.0.1363.2137.6-1j1.2.0...0.0...1ac.1.J_Azd-q9tVQ#biv=i|13;d|7vRmgfNt5-Wd_M:
Movimentos sociais no periodo regencial-

http://www.google.com.br/search?um=1&hl=pt-PT&client=safari&tbo=d&biw=1024&bih=690&tbm=isch&sa=1&q=esquema+periodo+regencial&oq=esquema+periodo+regencial&gs_l=img.3...85716.93575.0.93890.25.10.0.10.10.0.1363.2137.6-1j1.2.0...0.0...1ac.1.J_Azd-q9tVQ#biv=i|20;d|5EnRXyMaUQ5GAM:
Coroação de d Pedro ii aos 15 anos
http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Manuel_de_Araújo_Porto-alegre_-_estudo_para_a_sagração_de_Dom_Pedro_II_-_c._1840.jpg
Guerra do Paraguai
http://www.google.com.br/search?q=guerra+do+Paraguai&ie=UTF-8&oe=UTF-8&hl=pt&client=safari#biv=i|2;d|ObGLAcjN2bmixM:
Plantação de café
http://www.google.com.br/search?hl=pt&client=safari&tbo=d&biw=1024&bih=690&tbm=isch&sa=1&q=planta%C3%A7ao+de+cafe&oq=planta%C3%A7ao+de+cafe&gs_l=img.3...79532.86092.0.87017.0.0.0.0.0.0.0.0..0.0...0.0...1ac.1.6hecsSXIXcE#biv=i|3;d|87RlQOnJewoFNM:
Proclamação da republica

http://www.brasilcultura.com.br/wp-content/uploads/2010/11/proclamacao-da-republica.jpg
Fotos: Texto: http://pt.wikipedia.org/wiki/Segundo_reinado
(adaptado)
Full transcript