Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

AntropA

No description
by

Letícia Carvalho

on 24 November 2016

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of AntropA

Antrópolis
Kevin Andrew Lynch

KEVIN LYNCH
Expoente do movimento urbanístico ANTROPÓPOLIS

* 1918, Chicago, Illinois
+ 1984, Martha’s Vineyard, Massachusetts, EUA

• Professor de city-planning do MIT (Massachusets Institute of Technology) de 1948 a 1963.

• Estudou arquitetura com F. L. Wright.

• Realizou estudos de psicologia e antropologia.

• Criou uma nova abordagem do problema urbano - Consciência Perceptiva com ênfase no campo visual: estudou as bases da percepção específica da cidade e isolou suas constantes a serem utilizadas nas propostas de planejamento.

• Co-diretor de uma pesquisa sobre “a forma perceptiva da cidade” financiada pela Fundação Rockfeller usando como terreno experimental as cidades de Los Angeles, Boston e Jersey-City

• Participou como conselheiro de vários projetos de planejamento nos EUA, particularmente do projeto atual de remodelamento de Boston


Ficou muito conhecido por seu livro “A Imagem da Cidade”, publicado em 1960.

. Faleceu em 1984 nos Estados Unidos.
OBRAS PRINCIPAIS

• The Image of the City, (1960)
• Site Planning, 1964
• The View from the road, em colaboração com D. Appleyard e R. Myer, 1964

* The Image of the City (1960), foi resultado de um estudo de cinco anos, dirigido com Gyorgy Kepes; What Time is This Place? (1972), no qual ele examina como o inato senso humano de tempo afeta o modo como vemos e como mudamos nosso entorno, sobretudo as cidades; e Growing Up in Cities (1977), que ele editou e no qual explora como o meio circundante afeta as crianças.


CONCEITOS PRINCIPAIS

– Legibilidade
‘‘ Facilidade com que cada uma das partes [da cidade] pode ser reconhecida e organizada em um padrão coerente” (LYNCH, 1960, p.2).

– Imagibilidade

‘‘ Qualidade de um objeto físico que lhe dá uma alta probabilidade de evocar uma imagem forte em qualquer observador. Refere-se à forma, cor ou arranjo que facilitam a formação de imagens mentais do ambiente fortemente identificadas, poderosamente estruturadas e altamente úteis. ’’ (LYNCH, 1960, p. 9)

Lynch influenciou o campo do planejamento urbano por meio de seu trabalho baseado na teoria da forma urbana e na percepção o ambiente das cidades e suas consequências para o desenho urbano.

Ele promoveu diversas contribuições ao campo urbanístico através de pesquisas empíricas em como os indivíduos observam, percebem e transitam no espaço urbano. Seus livros exploram a presença do tempo e da história nas cidades, como ambientes afetam as crianças, e como aguçar a percepção urbana a forma física das cidades e regiões. Ele procurou estudar estes aspectos como conceitos básicos de um bom design urbano.



OS PARÂMETROS DE LYNCH

Nos textos verificamos que Lynch busca formular parâmetros para formar e analisar a cidade partindo da fenomenologia da percepção.
O autor tenta identificar elementos e dimensões de contrução da cidade (tanto física quanto psíquica) a partir das percepções indivíduais .
Desta forma é possível eleger metodologias pontos importates para análise e planejamento urbano.


- Ao movimento progressista, quanto ao erro dos urbanistas quando compõem seus projetos como quadros ou obras de arte;

- Ao urbanismo racionalista;

- À criação de cidades dirigidas à máquina e a indústria, e não ao homem (urbanismo progressista).

Críticas


PROPOSTAS

Kevin Lynch criou uma nova abordagem do problema urbano - Consciência Perceptiva com ênfase no campo visual: estudou as bases da percepção específica da cidade e isolou suas constantes a serem utilizadas nas propostas de planejamento.

Ele influenciou o campo do planejamento urbano por meio de seu trabalho baseado na teoria da forma urbana e na percepção o ambiente das cidades e suas conseqüências para o desenho urbano e promoveu diversas contribuições ao campo urbanístico através de pesquisas empíricas em como os indivíduos observam, percebem e transitam no espaço urbano.

Seus livros exploram a presença do tempo e da história nas cidades, como ambientes afetam as crianças, e como aguçar a percepção urbana a forma física das cidades e regiões. Ele procurou estudar estes aspectos como conceitos básicos de um bom design urbano.
ESTRUTURA DA PERCEPÇÃO URBANA


• O urbanismo, arte anacrônica
• A cidade nunca totalizável nem acabada

I. A IMAGEM DA CIDADE

• Legibilidade
• A cidade não pode ser separada da sua imagem mental
• Imagem mental da cidade e orientação
• Imagem da cidade e desenvolvimento do indivíduo
• Em prol de uma imagem aberta
• Imagem e significações
• O meio ambiente legível
• A imagem da metrópole
Kevin Lynch
e a imagem da cidade

Para estruturar a cidade, Lynch agrupa 5 tipos de
elemento a serem analisados


II. BAIRROS

III. NÓS
• Cruzamentos e convergências da cidade.

• Onde o observador pode entrar e/ou mudra de direção.

– Ex: Junções, cruzamentos entre vias, espaços convergentes, etc.


IV. PONTOS DE REFERÊNCIA


• Onde o observador não entra.

• Podem ser vistos de diversos outros lugares e têm contraste entre figura e plano de fundo.

• Contrasta com os elementos vizinhos

– Ex: edifício, loja, montanha, monumentos, etc.


V. LIMITES

• Fronteiras que quebram a continuidade da cidade

• Podem ser considerados barreiras, mas não necessariamente impermeáveis.

• São referências laterais.

– Ex: rios, muros, loteamentos, etc.
I. CAMINHOS

• Canais de circulação onde o observador se locomove.

• Para muitos observadores as vias são os elementos urbanos predominantes.

• O movimento ao longo das vias permite formular uma sequência de imagens da cidade e identificar seus elementos.

– Ex: ruas, calçadas, passeios, canais, etc.

• Regiões Médias ou Grandes de uma cidade de características semelhantes.

• Não necessariamente bairros administrativos.

• Introvertidos, voltados para si mesmos.

• Extrovertidos, ligados com suas proximidades e com a cidade.



– Interconexão dos elementos

– Conflitos ou contrastes
Copley Square – Boston

Jhon Hancock Tower

A partir dos estudos de Kevin Lynch sobre o campo visual, a perspectiva e a percepção das cidades através de seus habitantes, pode-se analisar suas aplicações ao urbanismo da seguinte forma:

II – APLICAÇÕES AO URBANISMO
• MEIO ADAPTADO AO HOMEM, EM VEZ DE HOMEM ADAPTADO AO MEIO

• A PROJEÇÃO (designing) DOS CAMINHOS

• CARACTERÍSTICAS ESPECÍFICAS DOS CAMINHOS

• DECLIVE, ASSIMETRIA, SETAS

• A IMAGEM MELÓDICA

• PONTOS DE REFERÊNCIA

• VENEZA

• DIVERSIDADE PESPECTIVA DE UMA MESMA CIDADE

• CONTRA A RIGIDEZ ESTRUTURAL

• REMODELAMENTO E ESTRUTURAS LATENTES

• A CRIAÇÃO “EX NIHILO” E SUAS IMPOSIÇÕES

• O PLANO “VISUAL”

Elementos do grupo:

Daniela Cristina Almeida
Érika Moreir Coelho
Letícia Ingrid de Carvalho Gonçalves
Referência Internet
http://analisesocial.ics.ul.pt/documentos/1224259125S4oVP4lh3Yg91VY8.pdf
http://othaudoblog.blogspot.com.br/2013/03/resenha-imagem-da-cidade-kevin-lynch.html
http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/entrevista/10.040/3397/pt_BR?page=9
http://uninomade.net/wp-content/files_mf/110510120559Entre%20a%20representa%C3%A7cao%20e%20a%20revela%C3%A7o%20-%20Gerardo%20Silva.pdf
LYNCH, Kevin. A boa forma da cidade. Lisboa: Edições 70 1981. 446 p. (Arquitetura e urbanismo; 5) ISBN 972-44-1330-3.
CHOAY, Françoise, O Urbanismo. São Paulo: Editora Perspectiva S.A., 1979.
HALL, Peter, Cidades do Amanhã - Uma história intelectual do planejamento e do projeto urbanos no século XX, São Paulo, Perspectiva,1995.
CASTELLS, M. A questão urbana. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983
REIS, N. G. Notas sobre urbanização dispersa e novas formas de tecido
urbano. São Paulo: Via das Artes, 2006.
LYNCH, Kevin. A Imagem da Cidade. São Paulo: Martins Fontes, [1960] 1999.

Referência Bibliográfica
Corrente Urbanística: Antrópolis
Ela pode ser qualificada de humanista, e foi desenvolvida por sociólogos,
psicólogos, historiadores e economistas na segunda metade do século 20. Dividiu-se em três tendências: a primeira relaciona-se com o contexto espaço-temporal da localização humana e se destaca Patrick Geddes, seu discípulo Lewis Munford, e Marcel Poete; a segunda aborda a higiene mental com Jane Jacobs e Leonard Duhl entre seus representantes; e a terceira sobre a percepção urbana com grande destaque para Kevin Lynch.
Estudo para Remodelamentode Boston
Projeto de Remodelamento de Boston
Full transcript