Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Denominações de Origem: Argentina, Chile e Uruguai.

No description
by

Fabi Prokopp

on 16 July 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Denominações de Origem: Argentina, Chile e Uruguai.

Denominações de Origem: Argentina, Chile e Uruguai
Deve:
* ter área delimitada (vinhedos);

* ser de variedades finas autorizadas;

* seguir práticas de viticultura estabelecidas;

* obedecer a métodos de vinificação e maturação;

* ter uma graduação alcoólica mínima;

* ser engarrafado no local e,

* passar por provas sensoriais.

DOC- Denominação de Origem Controlada
- Criada para vinhos de qualidade superior.
CHILE
URUGUAI
ARGENTINA
Fonte:http://www.winesofargentina.org/
Chamadas de Oásis

* Classificados estes em diferentes regiões e sub-regiões, encontramos oásis caracterizados pela altura, como os Valles Calchaquíes do Norte;

* Outros marcados pela aridez do solo, como os vales situados nas províncias de Mendoza, San Juan e La Rioja;

* E também oásis de baixas alturas com intensos períodos de maturação, como os Patagônicos.
“Regiões Vitivinícolas Argentinas”

- começa aos 1.500 m atingindo os 3.111 m

Entre seus vinhos mais destacados está o Torrontés Riojano, vinho muito frutado, considerado a expressão mais fina desta província
Salta: região mais ao Norte
- altitude de seus vinhedos: 1.000m até 3.000 m.
VINHEDOS MAIS ALTOS DO MUNDO!!

Outros traços distintivos da região:
- chuva escassa
- clima seco e quente, com temperaturas muito altas como média,
- solos arenosos que favorecem a drenagem.

Entre as variedades especiais da região está a Torrontés, cultivada principalmente no Valle de Cafayate (Salta).
REGIÃO NORTE
(País dos desertos) é uma das regiões mais áridas e férteis no que diz respeito à indústria vitícola.

É a maior zona vitivinícola do país e a principal produtora de Vinhos da América do Sul.

Altitude: 700 a 1.700 metros.

Temperatura média anual: 15°C.

A Cordilheira de Los Andes, fornece a principal fonte de irrigação graças ao degelo.
Região Cuyo
Chilecito - La Rioja
Luján de Cuyo
Ullum - San Juan
Chuvas Escassas

Irrigação com água do Degelo

Crescimento regular dos vinhedos

210 mil hectares

Malbec é a variedade mais cultivada

MENDOZA
Capital Mundial do Vinho, é a mais importante província vitivinícola do país.

Produtora de mais de 80% do vinho nacional, e possuidora de mais de 160.000 hectares de vinhedos cultivados. Sem dúvida é o Polo de referência na Argentina e na América do Sul.

Existem cinco grandes Oásis em Mendoza: Norte, Leste, Centro, Sul e Valle de Uco.
Tucuman
PATAGÔNIA
Região mais austral da Argentina

Mais de 4550 há de vinhedos

Invernos intensos e verões amenos durante as noites

Abrange Rio Negro, La pampa e Neuquén

- Qualidades : maturação lenta e prolongada das uvas.

- 300 a 500 m.

- Patagônica é a região mais austral do planeta com vinhedos.
Bodegas del Fin del Mundo - Neuquen
Bodega Charca - Rio Negro
Com uma configuração geográfica incomum, espremido entre a Cordilheira dos Andes e o Oceano Pacífico (com 4.300 km de extensão norte sul e apenas 177 km de leste a oeste), o Chile possui mais de 250 vinícolas registradas.

O Chile é o oitavo maior produtor de vinhos do mundo, tem quatorze denominações de origem do norte ao sul do país divididas em quatro grandes grupos: Coquimbo, Aconcagua, Vale Central e Região Sul.


Região Norte
Áreas de menor altitude: 600 a 700 metros

Irrigação pelo Rio Mendonza

Solo sobressai a fração de areia fina

Variedades Brancas:
Chardonnay, Chenin, Ugni Blanc, Sauvignon e Torrentés.
Variedades Tintas:
Syrah, C. Sauvignon, Malbec e Bonarda.

Leste
Potência vitivinícola (superfície de vinhedos e nº de vinícolas)
Altitude: 640 a 750 metros.
Variação de clima e solo de acordo com as áreas.

Centro
Altitude: de 650 a 1060 metros

Localização ao sul da cidade de Mendonza

Malbec é a variedade de maior relevância

Conhecida como a “primeira zona” dos vinhos argentinos.

Altitude: 1700 metros

Área apta a elaboração de vinhos de alta qualidade

Vinhos de guarda

Variedades Tintas:
Malbec, Merlot e Pinot Noir

Variedades Brancas:
Chardonnay e Semillón

Valle de Uco
Sul
Localização: Entre 34,5 e 35º Latitude Sul

Altitude: 450 a 800 metros

Produção Característica: Chenin

Também se produz:

Chardonnay, Malbec, Sauvignon, Merlot, C. Sauvignon

Coquimbo
DO Vale Elqui: Com 508 hectares plantados, essa região é conhecida por suas uvas de mesa, papaias e outras frutas, assim como pelo espírito destilado do Chile, o Pisco

DO Vale Límari: A neblina fria do Oceano Pacífico penetra o vale pelo oeste todas as manhãs e se retira quando o sol nasce sobre os Andes e banha as videiras com luz pura pelas tardes. Com menos de 10 cm de chuvas anuais, o sistema de irrigação gota a gota permite que as videiras florescam enquanto suas raízes cavam profundamente o solo rico em minerais. Esta combinação cria vinhos frescos com uma distinta característica mineral.


DO Vale Choapa: Com 136 hectares plantados, o vale Choapa está localizado no ponto mais estreito do Chile, onde não existe distinção entre a Cordilheira dos Andes e a Cordilheira da Costa.

Os vinhedos plantados em solos de rochas piemontes produzem uma quantidade limitada de uvas Syrah e Cabernet Sauvignon de alta qualidade com uma alta acidez e baixo pH.
Região Aconcagua
DO Vale Aconcagua: Com 1098 hectares cultivados a 6.956 metros de altura, o Monte Aconcagua, a montanha mais alta nas Américas, se destaca no vale e seu pico coberto de neve.


DO Vale Casablanca: A primeira região da costa de clima frio do Chile logo lançou vinhos definidos e frescos que chamou a atenção do mundo. Possui 4.142 hectares de vinhedos.

DO Vale San Antonio/Leyda: Os vinhedos chegam muito perto do Oceano Pacífico nessa região.
Vale Central
DO Vale de Maipo:

Seus Vinhedos se alongam ao leste de Santiago às Cordilheiras dos Andes e ao oeste até a costa formando três setores diferentes do Vale de Maipo, mais conhecido por seus vinhos tintos bem balanceados.

* O Alto Maipo alcança os pés da montanha e produz alguns dos mais destacados Cabernets chilenos.

* O Maipo Central é uma das regiões mais antigas e com a produção mais diversa do Chile,

* e Maipo Costeiro que se beneficia da influência marítima fria que chega sobre e entre a Cordilheira da Costa. Possui 10.800 hectares cultivados.
Situado ao sul de Santiago, o Vale Rapel se divide em dois setores de produção de vinho. Cachapoal, o que está mais ao norte, é conhecido principalmente por suas uvas tintas.

* O Cachapoal Alto se alonga em direção aos pés da Cordilheira dos Andes e produz Cabernets elegantes e bem balanceados, assim como combinações de vinhos tintos.

* Mais ao oeste na direção da Cordilheira da Costa, o setor Peumo recebe influência marítima suficiente para criar um clima aquecido, porém não quente, o que o torna ideal para o renomado Carmenere. Possui 10889 hectares de vinhedos
DO Vale Cachapoal – Rapel
DO Vale Colchagua
Casa Lapostolle
A maioria das adegas estão concentradas no centro do vale, apesar de novas plantações avançarem subindo a montanha e explorarem a fronteira oeste em direção ao mar.
DO Vale Curicó
DO Vale Maule
Região Sul
É o setor mais ao norte dos 3 vales da Região Sul. Alguns dos primeiros vinhedos foram plantados próximo à cidade portuária de Concepción durante os tempos coloniais. Hoje em dia a região é uma mistura de novo e velho com seus novos vinhedos posicionados verticalmente lado a lado com os arbustos das videiras antigas. Possui 10.504 hectares de vinhedos cultivados
DO Vale Itata
DO Vale Bio-Bio
DO Vale Malleco
Novas DO: lançadas na Expovinis 2013!

* Costa

* Entre Cordilheiras

* Andes
São quatro regiões vitícolas:

• A região sul, de grande influência marítima e solos moderadamente profundos;

• O litoral sudoeste com a influência do Rio Uruguai e solos mais profundos de excelente drenagem natural;

• a região norte e nordeste, com clima mais quente e solos de texturas leves e muito favoráveis;

• o centro, com o vale do Rio Negro, configura uma região com solos que combinam texturas finas, pedras e um clima especial;

A legislação uruguaia ainda não reconhece denominações de origem e classifica os vinhos como:

- Vinho Comum ou de Mesa - de categoria mais baixa - é obtido de uvas de mesa e ou híbridas;

- Vinho Fino ou de Qualidade Preferencial - é feito com uvas viníferas européias nobres.

As principais variedades destinadas aos vinhos tintos, cultivadas no Uruguai são: Cabernet Sauvignon; Merlot; Petit Verdot; Pinot Noir; Tannat e Cabernet Franc.
Destas variedades, a uva Tannat é uma espécie de marca registrada dos tintos do Uruguai, que estão melhorando bastante. Ela costuma entrar sozinha na produção de tintos encorpados e também são comuns os cortes com outras uvas.
Tannat e Merlot são relativamente precoces e se completam em muitos cortes. No caso a Merlot entra para “amaciar” a Tannat a gerar vinhos mais atraentes.

Já para vinhos brancos, as variedades são: Chardonnay; Gewürztraminer; Sauvignon Blanc e Viognier.

- temperaturas negativas, bastante frequentes nas noites de inverno, não descem muito abaixo de zero,

- os verões são amenos no extremo sul do país (nas regiões de Montevidéu e de Punta del Este), tornando-se mais quentes em direção ao norte.

- temperatura média anual varia dos 16°C em Montevidéu aos 19,5°C em Salto e Artigas,

- a precipitação média anual varia dos 1.000 mm no sul do país aos 1.400 mm no norte.

- As temperaturas máximas e mínimas recordes registradas no país são de 44°C, em Paysandú (em 20 de janeiro de 1943), e de -11°C, em Melo (em 14 de junho de 1967).

- As geadas são bastante frequentes no inverno, mas a queda de neve registrou-se apenas em ocasiões muito esparsas.
Full transcript