Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Copy of Copy of Nutrition

Pregnancy and
by

Roberta Corrêa

on 17 December 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Copy of Copy of Nutrition

Os estudos não mostram
Cronograma da apresentação

Visão geral sobre o aborto; definição, tipos, procedimentos para evacuação, complicações pós-abortamento.
Como é tratado o aborto pelo mundo;
Identificação das fases gestação;
Abordagem do aborto sob o ponto de vista da saúde pública e seus estudos no Brasil durante 20 anos;
O que diz o código penal Brasileiro sobre a mulher que abortou: penas, legalidades, ilegalidades...


Aborto de anencéfalos e direitos básicos da mulher previstos na constituição;
Estatuto do nascituro;
Quais as questões éticas que envolvem a Enfermagem;


Considerações finais do grupo;
Dinâmica de grupo para finalizar e realizar uma síntese compreendendo os assuntos atuais sobre o aborto no Brasil.
Qual o papel da(o) Enfermeira(o) diante da mulher que abortou;
Apresentação das 5 entrevistas: Evangélica, Enfermeira e feminista, Homen, Católica e mulher que abortou;

Introdução
Este é um trabalho de pesquisa realizado pelas acadêmicas do 4 semestre de Enfermagem da UFSM na disciplina de Exercício de Enfermagem. Trata-se de uma pesquisa nas bibliografias, nas leis, nos jornais e nos sites, sobre a temática do aborto.
Exercício de Enfermagem
Acadêmicas:
Emanuelle
Jennifer
Nathalia
Roberta
Talita
Tamiris

Introdução
O tema ABORTO é, na maioria das vezes, um assunto de muitos conflitos; o qual é permeado por questões ideológicas, culturais, religiosas...
Adquirir maior conhecimento sobre o tema;
Apresentar o tema de forma clara, objetiva e criativa;
Problematizar o assunto entre os colegas;
Demonstrar todas as visões sobre o tema;
Formar pensamento crítico tendo como base a pesquisa sobre o tema;
Apresentar as leis, código de ética da Enfermagem e relacionar com o tema.
Objetivos do trabalho
Fases da gestação
Código Penal Brasileiro
Adolescência
Forma qualificada
ABORTO: Questões Éticas e a Importância do papel da(o) Enfermeira(o)
Tríade pós-abortamento
Dor, sangramento e febrícula são os achados mais comuns.
É causada por retenção dos produtos da concepção.

Hemorragia
O sangramento uterino persistente pode ser em função de atonia uterina, laceração cervical, perfuração uterina, gestação cervical, presença de restos ovulares ou coagulopatica.
Complicações pós-abortamento
Abortamento espontâneo
Surge quando a gravidez é interrompida por motivos fisiológicos, atravez de fatores biológicos, psicológicos e sociais.
Abortamento induzido
O aborto induzido ocorre através de estimulação; medicamentos, chás ou meios físicos (agulhas e sondas).
Ocorre através de fatores extrínsecos.
TIPOS DE ABORTAMENTO
De acordo com a Organização mundial da Saúde (OMS), o abortamento é a interrução da gravidez antes dos 20 semanas de gestação ou com o peso fetal inferior a 500 g.

ABORTAMENTO
Andorra, Angola, Chile, Congo, Egito, Haiti, Somália, Honduras, Micronésia, Nicarágua, Omã, Palau, República Centro-Africana, República Democrática do Congo, El Salvador, República Dominicana, Filipinas, San Marino, Gabão, São Tomé e Príncipe, Senegal, Guiné-Bissau, Iraque, Suriname, Síria, Laos, Lesoto, Tonga, Madagascar, Malta, Ilhas Marshall, Mauritânia e Maurício.




Países onde o aborto é totalmente proibido
O tema do aborto é tratado de distintas formas ao redor do mundo. Há países que proíbem completamente e outros que não há restrição...
Procedimentos para evacuação
Curetagem uterina instrumentalizada
Aspiração manual intrauterina (AMIU)
Utilizada ambulatorialmente, sem necessidade de usar bloco cirúrgico e anestesia geral.
Utiliza cânulas plásticas semirrígidas ou rígidas, que são acopladas em uma seringa, por diferentes conectores.
A vantagem da AMIU sobre a curetagem uterina instrumentalizada é que ela é menos traumática e possui menor índice de perfuração uterina.
Abortamento completo e incompleto
Abortamento séptico ou infectado
As pacientes que apresentam esse tipo de abortamento geralmente tem, na sua hitória ou no exame físico, algum achado que sugira manipulação uterina ou infecção. A infecção geralmente se inicia no endométrio com disseminação para o paramétrio, para o peritônio , para os linfáticos e para a circulação sistêmica. Essa complicação pode evoluir para um desfecho desfavorável, inclusive levando à morte.
Entrou no mercado brasileiro em 1986 para
tratamento da úlcera gátrica, e até 1991
sua venda era permitida nas farmácias;
• Mais barato que as clínicas privadas e com
menos riscos à saúde da mulher;
• Paralelo ao novo método abortivo,
pesquisas surgiram sobre o impacto do
misoprostol no desenvolvimento do feto;
sugerido efeito teratogênico quando não
fosse suficiente para induzir o aborto.
Misoprostol
É no início dos anos 1990 que os
estudos identificam uma mudança
nos métodos abortivos entre as
mulheres: clínicas privadas, leigas,
injeções e instrumentos perfurantes
são substituídos pelos misoprostol
(conhecido como Cytotec).
Método abortivo
As pesquisas sobre o aborto no Brasil
Compreender o aborto

Seriedade no enfrentamento do tema
Aborto: "Uma questão de saúde pública"
A curetagem uterina é um procedimento
cirúrgico que visa a raspagem do endométrio
por meio de instrumental cirúrgico - cureta -
com finalidade terapêutica ou diagnóstica.
Purpose: Assess the knowledge and behavior of a sample of pregnant women regarding exercise, diet, and weight management during pregnancy
Methods: 83 pregnant women receiving prenatal care at 2 clinics answered survey while waiting for regular prenatal visit
Results: Participants knew the most about exercise and weight management but had less knowledge regarding nutrition
Conclusion: Pregnancy education is a first step to healthful pregnancy behaviors, but promotion of healthful behaviors during pregnancy needs to e expanded/improved


Study: Exercise, Nutrition, and Weight Management during Pregnancy

Normal Neural Tube

- Recommended: 400 mcg of folic acid/day – beginning at least one month before trying to get pregnant
- Decreases Neural Tube Defects by 50-70%
- Neural tube formation: 3rd – 4th weeks of pregnancy
- NTDs: failure of neural tube to close
- Result: abnormalities of brain, skull, spine  stillbirth or lifelong disability
- Most common NTD: spina bifida
Folic Acid and Neural Tube Defects

POP QUIZ QUESTION #4

WHY IS IT IMPORTANT TO TAKE FOLIC ACID DURING PREGNANCY?
HOW MANY SERVINGS OF FRUITS AND VEGETABLES ARE RECOMMENDED DURING PREGNANCY?

POP QUIZ QUESTION #3
Include an extra 2 to 3 food guide servings from any of the Four Food Groups each day
e.g Fruit and yogurt for a snack

Extra food servings
Food and Pregnancy

Países que permitem o aborto nos casos em que a vida da mulher está em risco
Estudos baseados em evidência;
• Resultados confiáveis das principais pesquisas
sobre o aborto no Brasil comprovam a tese de
que a ilegalidade traz consequências negativas
para a saúde das mulheres, pouco coíbe a
prática e perpetua a desigualdade social;
• O risco imposto pela ilegalidade do aborto é
majoritariamente vivido pelas mulheres pobres
e pelas que não tem acesso aos recursos
médicos para o aborto seguro.

Como é tratado o aborto no Brasil;
O que será abordado em aula:
Completo
Eliminação do feto e saco gestacional, com ausência de restos ovulares na cavidade uterina.
Incompleto
Presença de restos ovulares na cavidade uterina, necessita vácuo, aspiração ou curetagem uterina.
O aborto pelo mundo...
Países onde é permitido sem nenhuma restrição
Albânia, Armênia, Estados Unidos, Áustria, Azerbaijão, Bielorrússia, Bósnia, Canadá, Cuba, Cabo Verde, Bahrain, China, Croácia, Bélgica, Bulgária, Camboja, Coreia do Norte, França, Estônia, Macedônia, Dinamarca, Alemanha, Hungria, Itália, Grécia, Geórgia, Guiana, Vietnã, Ex-República Iugoslava, Quirguistão, Lituânia, Mongólia, Latvia, Montenegro, Nepal, Países Baixos, Portugal, Porto Rico, Noruega, Rússia, Sérvia, Romênia, República Tcheca, Eslováquia, Eslovênia, Cingapura, África do Sul, Suíça, Tunísia, Turquia, Turcomenistão, Uzbequistão, Tadjiquistão e Ucrânia, Suécia.
Brasil, México, Panamá, Guatemala, Afeganistão, Antigua e Barbuda, Butão, Nigéria, Mianmar (Birmânia), Papua-Nova Guiné, Paraguai, Sudão, Ilhas Salomão, Costa do Marfim, Dominica, Irã, Quênia, Quiribati, Tanzânia, Timor-Leste, Líbia, Faixa de Gaza e Cisjordânia, Venezuela, Malauí, Mali, Líbano, Emirados Árabes Unidos, Tuvalu, Uganda, Iêmen, Irlanda, Bangladesh, Brunei, Indonésia e Sri Lanka.

Países que permitem para preservar a saúde física:

Argentina, Bahamas, Benim, Bolívia, Burquina Fasso, Burundi, Camarões, Chade, Comores, Costa Rica, Equador, Guiné Equatorial, Djibouti, Eritreia, Etiópia, Grenada, Guiné, Jordânia, Kuwait, Liechtenstein, República das Maldivas, Marrocos, Mônaco, Moçambique, Nigéria, Paquistão, Peru, Polônia, Catar, Arábia Saudita, Coreia do Sul, Ruanda, Uruguai, Togo, Vanuatu e Zimbábue.
Países que permitem para preservar a saúde mental ou nos casos em que a saúde da gestante está prejudicada:

Colômbia, China, Espanha, Serra Leoa, Suíça, Tailândia, Trinidad e Tobago, Argélia, Botsuana, Gâmbia, Gana, Hong Kong, Israel, Jamaica, Libéria, Malásia, Namíbia, Nauru, Nova Zelândia, Irlanda do Norte, Samoa, São Cristóvão e Névis, Santa Lúcia e Seicheles.

Países onde é permitido nos casos em que a saúde física ou mental estão comprometidas e por critérios econômicos:

Austrália, Barbados, Belize, Chipre, Fiji, Finlândia, Índia, Japão, Luxemburgo, Taiwan, Grã-Bretanha e São Vicente e Granadinas.
Países onde é permitido apenas nos casos em que a vida da mulher está em risco:
Aborto no Brasil - 20 anos de
pesquisas
Significa entendê-lo como uma
questão de cuidados em saúde e
direitos humanos , e não como um
ato de infração moral de mulheres
levianas;
• Há uma tendência nos estudos com
mulheres que já abortaram e
procuraram o serviço público de
saúde: a maioria é jovem, pobre,
católica e já com filhos.
Uma questão de saúde pública, pois
trata-se de pensar nas mulheres
brasileiras em geral;
• Início de um novo caminho
argumentativo: em um estado LAICO
E PLURAL, onde o campo da saúde
pública no Brasil traz sérias e
importantes evidências pra o debate.
Quem são elas?
• Predominantemente, mulheres entre
20 e 29 anos, em união estável, com
até oito anos de estudo,
trabalhadoras, católicas, com pelo
menos um filho e usuárias de
métodos contraceptivos, as quais
abortam com misoprostol.
Como se aborta nas clínicas privadas, com leigas ou parteiras. Não se sabe como as
mulheres tem acesso aos instrumentos abortivos: de quem compram o misoprostol ou
os chás; quais os recursos abortivos e práticas adotadas pelas mulheres rurais ou
indígenas; qual o impacto da raça na magnitude, na morbidade e na experiência do
aborto induzido;
Como mulheres em situação de violência doméstica decidem pelo o aborto;
Como a epidemia HIV/AIDS se relaciona com a prática do aborto;
Os estudos sobre assistência à saúde e mulheres em situação de abortamento induzido
são raros, e há poucas pesquisas sobre os serviços de aborto legal.
Trajetória do Aborto
Cenário inicial - Ausência da menstruação é testada por
chás ou ervas medicinais para avaliar se é
atraso menstrual ou gravidez. Nesta fase
os chás e ervas são utilizados para “descer
a regra” ou “regularizar a menstruação”.
Cenário intermediário - Se os chás ou ervas não regularizarem a
menstruação, sua eficácia poderá ser
novamente testada para provocar um
aborto. Aqui entra em cena a aquisição do
misoprostol.
Cenário final - É nas primeiras 24 horas após o uso do
misoprostol que a mulher procura um
hospital público.
O perfil da adolescente que aborta é bastante
semelhante ao da jovem mulher que aborta;
• Quem são elas?
Predominantemente, adolescentes entre 17 e 19
anos, em relacionamento conjugal estabelecido,
dependentes economicamente da família ou do
companheiro, as quais não planejam a gravidez e
abortam com misoprostol.
Decreto-lei n. 2.848 de 07 de dezembro de 1940 Artigos 124 - 128
Título I dos crimes contra a pessoa
Capítulo I dos crimes contra a vida

Aborto provocado pela gestante ou com seu consentimento
Art. 124
Provocar aborto em si mesma ou consentir que outrém lhe provoque: pena: detenção de dois a seis anos.

Aborto provocado por terceiros
Art. 125
Provocar aborto sem o consentimento da gestante: Pena: reclusão, de três a dez anos.
Art. 126
Provocar aborto com o consentimento da gestante: Pena: reclusão de um a quatro anos.
Parágrafo único: Aplica-se a pena do artigo anterior, se a gestante não é maior de quatorze anos, ou é alienada ou débil mental, ou se o consentimento ó obtido mediante fraude, grave ameaça ou violência.

Art. 127
As penas cominadas nos dois artigos anteriores são aumentadas de um terço, se, em consequência do aborto ou dos meios empregados para provocá-lo, a gestante sofre lesão corporal de natureza grave; e são duplicadas, se, por qualquer dessas causas, lhe sobrevém a morte.
Art. 128
Não se pune aborto provocado por médico
Aborto necessário
I
- se não há outro meio de salvar a vida da gestante.
Aborto no caso de gravidez resultante de estupro
II
- se a gravidez resulta de estupro e o aborto é precedido do consentimento da gestante ou, quando incapaz, de seu representante legal.
Depoimento de uma mulher que abortou...
Descriminalização do aborto de
anencéfalos: a conquista de um direito
e o início de vários dilemas éticos
Ministro do STF Marco Aurélio de
Mello afirma ao sustentar a
descriminalização da prática:
“A incolumidade física do feto
anencéfalo, que, se sobreviver ao
parto, o será por poucas horas ou
dias, não pode ser preservada a
qualquer custo, em detrimento dos
direitos básicos da mulher”.
Direitos básicos da mulher previstos na
constituição
Dignidade da pessoa humana,
liberdade no campo sexual,
autonomia, privacidade, saúde e
integridade física, psicológica e
moral.
Anencefalia
“A anencefalia constitui grave
malformação fetal que resulta da
falha do fechamento do tubo neural”
e é “um resultado de um processo
irreversível, de causa conhecida e
sem qualquer possibilidade de
sobrevida, por não possuir cérebro.
Portanto, a antecipação do parto ou
a interrupção da gravidez de feto
anencéfalo não é um processo
abortivo.” (FEBRASGO)
E a mulher?
A FEBRASGO cita ainda que a
“literatura científica demonstra a
associação entre anencefalia fetal e
maior frequência de complicações
maternas” e, “portanto, a
manutenção da gestação eleva o
risco de morbimortalidade materna.
O sofrimento psíquico gerado pela
gestação de um feto anencéfalo
pode promover quadro de estresse
pós-traumático”
Estatuto do nascituro
Projeto de lei 478/2007
Deputado Luis Bassuma PT/BA
Deputado Miguel Martini PHS/MG
Código de Ética da Enfermagem
Seção I
Das relações com a pessoa, família e coletividade.
Proibições

Art. 28
Provocar aborto, ou cooperar em prática destinada a interromper a gestação.
Parágrafo único: Nos casos previstos em lei o profissional deverá decidir, de acordo com a sua consciência, sobre a sua participação ou não no ato abortivo.

O papel da Enfermeira(o)
Identificar os sentimentos da mulher que sofreu aborto e a partir das informações desenvolver estratégias de intervenções individualizadas e mais humanizadas, buscando proporcionar mais conforto e acolhimento à paciente.
Ações de prevenção: educação em saúde; planejamento familiar, métodos contraceptivos...
Entrevistas
Pergunta norteadora:
Qual a sua opinião sobre o aborto?
Enfermeira
Eu como pessoa, por questões culturais, religiosas e ideológicas, sou contra o ato abortar. Porém, não cabe a mim julgar quem realiza o aborto. Respeito às mulheres que abortaram, que muitas vezes, estão num contexto socioeconômico muito complicado, em situação de violência e de abandono pelo companheiro e pela família. Acredito muito na educação sexual para homens e mulheres, com a qual as pessoas possam se empoderar do conhecimento sobre o seu corpo e possam ter garantido o acesso aos serviços de saúde e a todos os métodos contraceptivos hoje existentes.
Evangélica
O aborto é um crime contra a própria mulher: agressão ao seu
corpo, contra o homem: em relação às responsabilidades com a
família; contra a criança: que ali está sendo gerada e ansiando
pela vida e principalmente contra Deus, que é o criador da vida
independente se sua concepção ou que fase se encontra.
Considero o aborto o pecado mais grave contra Deus, a igreja, e
a sociedade. Sou totalmente a favor da vontade de Deus.
Mulher que já abortou
R.O.S. 33 anos, solteira,
desempregada
• G3PV2A0 IG=+- 6 semanas (exame:
bhcg+)
• Diagnóstico de abortamento
incompleto aguardando curetagem.
Qual o principal motivo, método utilizado e sentimento
referente a realização do aborto?
A entrevistada argumenta como principal motivo para a realização do aborto a falta
de condições financeiras, uma vez que, já possui dois filhos anteriores que não
recebem qualquer auxilio dos pais, encontra-se desempregada morando em um
quarto cedido por uma amiga, tendo como principal renda o auxilio da bolsa família. O
método utilizado para a realização do aborto foi a administração de medicamento
(misoprostol), comprado por um atravessador (camelô), por indicação de uma amiga
que também já havia realizado três abortos, segundo a entrevistada.
• “Tomei três comprimidos e introduzi na vagina mais três, senti muitas dores tipo
cólica como se estivesse tendo um parto normal”.
• Relatou a paciente que não tinha conhecimento das reações e complicações que o
aborto poderia trazer para o seu organismo, relata que só procurou o atendimento
hospitalar devido ao sangramento intenso e fortes dores, contou que procurou
clandestinamente, pessoas especializadas na realização de aborto.
Porém, como o custo era muito elevado, decidiu
realizá-lo em sua residência.
Quanto ao sentimento pela realização do aborto, a
paciente respondeu com ar de arrependimento,
porém, alívio. “Eu não recomendaria a ninguém
realizar um aborto nessas condições a qual eu realizei,
pois, tive medo de morrer, podemos prevenir a
gravidez, antes que ela ocorra e não depois.”
Homem
"Toda mulher que realiza um aborto
está pensando somente em si e não
na vida que está gerando; sem
pensar nas consequências que trará
para a sua saúde. E o pior, cometer
um assassinato.”
Católica
"O aborto é um ato contra as leis de Deus e da igreja e contra a vida; sou a favor da vida."
Considerações finais
Existem diversas opiniões sobre o aborto, religião, política, feminista, machista...
Porém a Enfermagem, em especial, a(o) Enfermeira(o), deve saber posicionar-se frente à questão do abortamento, independente da causa, sem julgamentos e opressões; Visamos o cuidado, isto é primordial na nossa profissão! Temos o dever de nos mantermos informados para que possamos prestar uma assistência de qualidade e humanizada.
Dinâmica de grupo
Para realizarmos o fechamento da
apresentação propomos uma
dinâmica, a qual está diretamente
relacionada com os assuntos atuais
sobre o aborto e saúde da mulher.
Obrigada!
Referências
Ministério da Saúde. Aborto e saúde pública 20 anos de pesquisa no Brasil. Brasília -
DF, 2008, Disponível em http://www.saude.gov.br/bvs Acesso em 01/12/2013
• http://www.aborto.com/tipos%20de%20aborto.htm
• OLIVEIRA, F. R.; CAMARGOS, A. F.; Descriminalização do aborto de anencéfalos: a
conquista de um direito e o início de vários dilemas éticos. Femina, Abr 2011, vol 39,
n° 6.
Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações
Programáticas Estratégicas. Atenção humanizada ao abortamento: norma técnica / Ministério
da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Área Técnica de Saúde da Mulher. – 2. ed. –
Brasília : Ministério da Saúde, 2011.

MIRABETE, J. F. Manual de Direito Penal. 24 ed. v. 2. São Paulo: Atlas, 2006.
OLIVEIRA, S. Maternidade: uma escolha? Blogueiras Feministas. Disponível em:< http://
blogueirasfeministas.com/2013/05/maternidade-uma-escolha/>. Acessado em: 02 dez. 2013.

Brasil. Decreto-Lei n. 2.848, de 07 de dezembro de 1940. Código Penal, 1940. Disponível
em:< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del2848compilado.htm>. Acessado
em: 02 dez. 2013.
Código de Ética da Enfermagem
www.abcdobebe.com.br
http://idmed.terra.com.br/saude-de-a-z/saude-da-mulher/curetagem-uterina.html -> idmed terra
http://nemge.wordpress.com/2011/03/10/o-aborto-pelo-mundo/ O NEMGE é órgão da Pró-Reitoria de
Pesquisa da Universidade de São Paulo. Visa aprofundar, através de pesquisa empírica e estudos teóricos,
as articulações entre gênero, etnia e classe social, especialmente no Brasil e na América Latina.
http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=443584 estatuto do nascituro
Vida, Life, Vita...
Full transcript