Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

ARTE NA IDADE MÉDIA

No description
by

Pedro Vormittag

on 6 February 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of ARTE NA IDADE MÉDIA

ARTE -
REFLEXÕES EM
TORNO DO TEMA

Sobre a presença da arte no vestibular:
Sobre o conceito de arte:
ARTE NA IDADE MÉDIA
Tarsila do Amaral é uma das artistas que melhor traduziu o “espírito de brasilidade”, como se pode observar no quadro Abaporu. Partindo de seus conhecimentos sobre a década de 1920, analise as afirmações.


I. O quadro Abaporu, de 1928, inspirou o Manifesto Antropofágico, e os quadros de Tarsila serviram para divulgar o modernismo brasileiro.
II. As formas ousadas e cores de tons fortes e vibrantes usadas nos quadros de Tarsila traduziram o espírito de brasilidade.
III. Em 1929, a cafeicultura no Brasil, sobretudo a paulista, sofreu um forte abalo com a quebra da bolsa de Nova Iorque.
IV. A cultura cafeeira paulista, buscando as manchas de terras roxas, possibilitou a conservação do solo e a preservação das florestas, minimizando as ações antrópicas.

Estão corretas as afirmações

A) II e III, apenas.
B) I, II e III, apenas.
C) III e IV, apenas.
D) I e IV, apenas.
E) I, II, III e IV.
UNESP 2012
1a fase
FUVEST 2012
2a fase
Examine estas imagens, que reproduzem, em preto e branco, dois quadros da pintura brasileira.
Anita Malfatti, "O homem das sete cores", 1915-1916, MBA-FAAP.
Tarsila do Amaral, "A Negra", 1923, MAC-USP.
a)Identifique o movimento artístico a que elas pertencem e aponte uma característica de sua proposta estética.

b) Cite e caracterize um evento brasileiro importante relacionado a esse movimento.
a) O Modernismo, no início do século XX, em um momento de crescente urbanização, apresentava preocupações com a construção da identidade do homem brasileiro. Nesse sentido, destacam-se:
• preocupações com temas nacionalistas;
• valorização dos temas cotidianos;
• antiacademicismo;
• diálogos com as vanguardas europeias.

b) O evento brasileiro relacionado a esse movimento cultural foi a Semana de Arte Moderna, ocorrida em São Paulo no início de 1922. A nova geração de artistas, apadrinhada por um setor esclarecido da oligarquia paulista, ancorada na sintaxe estética do modernismo europeu, pretendia renovar a cultura nacional. Para alcançar esse objetivo, nas suas apresentações no Teatro Municipal de São Paulo, assumiram uma atitude vanguardista, marcada pela irreverência e pelo comportamento escandaloso.
UNESP 2011 - 1a fase
A peça "Fonte" foi criada pelo francês Marcel Duchamp e apresentada em Nova Iorque em 1917.
"Fonte" - obra de Marcel Duchamp, fotografada por Alfred Stieglitz
A transformação de um urinol em obra de arte representou, entre outras coisas,

A) a alteração do sentido de um objeto do cotidiano e uma crítica às convenções artísticas então vigentes.

B) a crítica à vulgarização da arte e a ironia diante das vanguardas artísticas do final do século XIX.

C) o esforço de tirar a arte dos espaços públicos e a insistência de que ela só podia existir na intimidade.

D) a vontade de expulsar os visitantes dos museus, associando a arte a situações constrangedoras.

E) o fim da verdadeira arte, do conceito de beleza e importância social da produção artística.
Cândido Portinari conseguiu retratar em suas obras o dia a dia do brasileiro comum, procurando denunciar os problemas sociais do nosso país. No quadro "Os Retirantes", produzido em 1944, Portinari expõe o sofrimento dos migrantes, representados por pessoas magérrimas e com expressões que transmitem sentimentos de fome e miséria.
Sobre o tema desta obra, afirma-se:

I. Essa migração foi provocada pelo baixo índice de mortalidade infantil do Nordeste, associado à boa distribuição de renda na região.

II. Contribuíram para essa migração os problemas de cunho social da região Sul, com altas taxas de mortalidade infantil.

III. Os retirantes fugiram dos problemas provocados pela seca, pela desnutrição e pelos altos índices de mortalidade infantil no Nordeste.

IV. Contribuíram para essa migração a desigualdade social, no Nordeste.

É correto apenas o que se afirma em
A) I.
B) I e II.
C) II, III e IV.
D) III e IV.
E) IV.
"Quando Colin Powell chegar às Nações Unidas hoje para defender a guerra contra Saddam Hussein, as Nações Unidas planejam cobrir a obra-prima de Picasso, “Guernica”, com uma capa azul. Repórteres e câmeras irão cercar o secretário de Estado (cargo equivalente ao de ministro das Relações Exteriores) na entrada do Conselho de Segurança das Nações Unidas, onde a reprodução de “Guernica” está pendurada. De fato, Powell não pode convencer o mundo sobre a necessidade de bombardear o Iraque cercado por mulheres, homens, crianças, touros e cavalos aos gritos e mutilados."

(Adaptado de Maureen Dowd, “Powell without Picasso”.)
http://www.nytimes.com/2003/02/05/opinion/powell-without-picasso.html. Acesso em 06/12/2010
UNICAMP 2011
2a fase
a) Quais eram as mensagens incompatíveis entre a fala de Colin Powell e a obra Guernica de Picasso?





b) Identifique os acontecimentos políticos associados à obra Guernica.
ARRANJO?
CORES
SONS
FORMAS
PALAVRAS
IMAGENS
REFLEXÃO?
CONCEITOS
TEMAS
SENTIMENTOS
IDEIAS
IMITAÇÃO
"Mimesis": conceito desenvolvido por Aristóteles no século IV a.C, que entende a arte como representação ou "imitação" da vida e da natureza.
Cantigas Medievais
Sempre com acompanhamento musical
Transmissão apenas oral
Trovadores geralmente de origem nobre
Gênero lírico e satírico
Galego-português
MARCO INICIAL: "Cantiga da Ribeirinha" ou "Cântico da Guarvaia" Paio Soares de Taveirós - 1189 ou 1198
CANTIGA DE AMOR
Origem provençal
Eu lírico masculino
Amor não realizado
Dama mais rica, mais velha e casada
Expressão “mia senhor”
Relação de vassalagem amorosa
Sofrimento amoroso – coita
Linguagem mais elaborada
Cantada em ambientes nobres
CANTIGA DE AMIGO
Origem lusitana
Eu lírico feminino
Moça jovem, simples e solteira
Forte ligação com o folclore português
Presença marcante da natureza
Estrutura dialogada
Sofrimento pela ausência do "amigo" que nunca volta
Linguagem mais simples
Normalmente apresenta refrão
Paralelismo
CANTIGAS SATÍRICAS: escárnio ou maldizer
Escárnio
crítica irônica e indireta
linguagem mais elaborada
presença marcante da ironia
Maldizer
crítica direta que nomeia o criticado
linguagem chula com palavras de baixo calão
não deixa dúvidas sobre suas intenções
HUMANISMO EM PORTUGAL
século XV d.C.
Separação entre poesia e música
poesia palaciana

Início da prosa historiográfica
Fernão Lopes

Teatro popular
Gil Vicente
transição entre a Idade Média e o Renascimento...
Jerónimo Bosch *1450 + 1516
Transformação e fusão de gêneros do teatro medieval
Textos bilíngües, escritos em versos.
Personagens sem desenvolvimento psicológico, tipos sociais ou alegóricos.
Predomínio da mentalidade teocêntrica.
Critica as pessoas, mas poupa as instituições.
Teatro que oferece um retrato impiedosamente satírico da sociedade de seu tempo, sem esquecer de nenhuma classe social: a fidalguia, a burguesia, o clero e a plebe.
A linguagem é um dos principais recursos utilizados para caracterização das personagens.
Oscila entre temas medievais e aqueles ligados ao presente imediato das transformações produzidas pelo Humanismo.
CARACTERÍSTICAS IMPORTANTES DO TEATRO VICENTINO
CONGRESSO INTERNACIONAL DO MEDO

Provisoriamente não cantaremos o amor,
que se refugiou mais abaixo dos subterrâneos.
Cantaremos o medo, que esteriliza os abraços,
não cantaremos o ódio, porque esse não existe,
existe apenas o medo, nosso pai e nosso companheiro,
o medo grande dos sertões, dos mares, dos desertos,
o medo dos soldados, o medo das mães, o medo das igrejas,
cantaremos o medo dos ditadores, o medo dos democratas,
cantaremos o medo da morte e o medo de depois da morte,
depois morreremos de medo
e sobre nossos túmulos nascerão flores amarelas e medrosas.
CANTIGA DE MALDIZER

De Martin Moxa posfaçan as gentes
e dizen-lhe por mal que é casado;
non lho dizen senon os maldizentes,
ca o vej'eu assaz om'ordinhado
e moi gran capa de coro trager;
e os que lhe mal buscan por foder,
non lhe vann jajuar o seu pecado.

E posfaça del a gente sandia
e non no fazen senon com maíça,
ca o vej'eu no coro cada dia
vestir [a] capa e sobrepeliça;
e moito fala el e moi melhor
diz: se por foder ele é pecador,
non an eles i a fazer justiça.

Martin Moxa - séc. XIII
a) O secretário de Estado Colin Powell chegava às Nações Unidas para defender a guerra dos EUA contra
Saddam Hussein. Esse conflito foi marcado pela falta de apoio internacional, pela inexistência de provas
consistentes contra Saddam e, principalmente, pela destruição causada no Iraque e pelo massacre de civis
inocentes. Dessa forma, a fala de Powell se tornava incompatível com a obra Guernica, de Picasso, por ser
esta tela uma reconhecida crítica a uma guerra também marcada pela destruição e pelo massacre de civis
(Guerra Civil Espanhola, de 1936 a 1939).

b) A obra Guernica está associada à Guerra Civil Espanhola. Naquele contexto a Europa vivia um cenário de
polarização ideológica: de um lado estavam as esquerdas e de outro a extrema direita. A guerra na Espanha
foi a materialização desse conflito, que foi marcado pelo massacre de civis inocentes e terminou com a
vitória dos setores conservadores ligados à extrema direita, liderados por Francisco Franco.
D.

O quadro de Cândido Portinari retrata os ‘Flagelados da Seca’, emigrantes nordestinos que fugiam do sertão em busca de melhores oportunidades de vida, principalmente na região Sudeste.
O Sertão Nordestino é desde sempre uma região de repulsão demográfica por apresentar sérios problemas sociais relacionados à concentração de riquezas, agravados pela seca característica do semiárido.
A
.

A peça Fonte é uma das realizações mais expressivas do Dadaísmo, no contexto das vanguardas europeias que surgiram no início do século XX. Essa obra representa uma ruptura em relação ao paradigma tradicional da arte, ao descontextualizar o objeto de seu ambiente convencional e buscar uma nova linguagem em relação “às convenções artísticas então vigentes”.
B.

Estão corretas as afirmações, I, II e III:

Afirmação I:
“Abaporu”, o trabalho que Tarsila do Amaral deu de presente a seu então marido Oswald de Andrade, inspirou-o a criar o “Manifesto Antropófago” (e não “Antropofágico”, como diz o enunciado); além disso, em suas pinturas a artista sintetizou o espírito inovador e nacionalista do movimento, colaborando para sua consolidação e difusão.

Afirmação II:
no quadro, é possível perceber a exploração das tonalidades fortes, ressaltando tanto o contraste entre elas, quanto a sua referência nacionalista, na presença das cores da bandeira nacional (o azul do céu, o verde da terra e o amarelo do sol). A ousadia das formas plásticas se faz presente, na tela, no contraste entre os pés e a cabeça da figura representada.

Afirmação III:
o chamado crack da bolsa de Nova Iorque, em outubro de 1929, abalou as finanças de boa parte do mundo ocidental. A cafeicultura paulista não ficou imune à crise, e muitas fortunas foram atingidas — como a de Oswald de Andrade, marido de Tarsila do Amaral.

Afirmação IV:
a expansão cafeeira na década de 1920, assim como nas décadas anteriores, não permitiu a con- servação dos solos e a preservação da floresta; ao contrário, a ampliação das ações antrópicas (relativo às modificações provocadas pelo homem no meio ambiente) acentuou significativamente a deterioração ambiental.
Não existe amor em SP
Um labirinto místico
Onde os grafites gritam
Não dá pra descrever
Numa linda frase
De um postal tão doce
Cuidado com doce
São Paulo é um buquê
Buquês são flores mortas
Num lindo arranjo
Arranjo lindo feito pra você


Não precisa morrer pra ver Deus
Não precisa sofrer pra saber o que é melhor pra você
Encontro duas nuvens em cada escombro, em cada esquina
Me dê um gole de vida
Não precisa morrer pra ver Deus
Não existe amor em SP
Os bares estão cheios de almas tão vazias
A ganância vibra, a vaidade excita
Devolva minha vida e morra afogada em seu próprio mar de fel
Aqui ninguém vai pro céu
Full transcript