Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Stylistic Phenomenon - The use of Diminutive x Normal Degree

Seminário de Sociolinguística apresentado em 11 de maio de 2013, na Universidade Católica de Brasília. Criado a partir do artigo de Aline Emilio (2003): Diminutivo X Grau Normal - Um fenômeno estilístico no enfoque da abordagem variacionista.
by

Beatriz Lima

on 11 May 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Stylistic Phenomenon - The use of Diminutive x Normal Degree

Expressividade: Sua característica fundamental reside na força de persuadir ou transmitir conteúdos desejados, na capacidade apelativa, no poder de gerar elementos evocativos. Variação Estilística Por Beatriz Lima Nós somos: Beatriz Lima e Suzanne Soares Bom dia! Sociolinguística Profª: Vânia Aquino Um fenômeno estilístico no enfoque da abordagem variacionista Diminutivo x Grau Normal: Aline Emilio, 2003 Objetivo Estudar um fenômeno estilístico – o uso do diminutivo versus grau normal – sob a análise variacionista. Descrição do Desenvolvimento 1. Estatuto gramatical e função comunicativa do diminutivo;

2. Aspectos da disciplina Estilística e sua relação com a Sociolinguística;

3. Análise do corpus no enfoque da abordagem variacionista. Diminutivo: Estatuto Gramatical e Função Comunicativa Ao analisar as gramáticas de Cunha (1983), Bechara (1983) e Lima (1992), Emilio percebe que todos os autores são unânimes em admitir o fato de o diminutivo possuir uma característica que vai além da dimensão. Baseada nos pressupostos de Rocha (1986) e Benveniste (1976), Emilio amplia o entendimento sobre o uso do diminutivo em –inho, considerando três possibilidades: Ponto de Partida A) Dimensão Pura 1º Nível Semântico; Sentido Referencial ou Significado-Base. B) Dimensão + Expressividade
C) Expressividade Pura 2º Nível Semântico; Significado Básico + Outro Valor; Característica Expressivo-Estilística. Entendendo Melhor Como a autora chegou a esse quadro inicial? 1º Nível (1) “Na época de verão, a gente era pobre, então a gente vinha tudo ali que tinha uma praiazinha aqui no lado do cais (...). É tinha uma praiazinha, uma praiazinha pequena, né?” (SC Flp 18 L 536/540). “Praiazinha” Sentido Referencial

Apenas Dimensional

-inha =
“pequena”, somente Entendendo Melhor Como a autora chegou a esse quadro inicial? 2º Nível “Pontinho” -inho =

Valor expressivo somente

(O objetivo é transmitir um sentimento ao ouvinte) (3) “...inclusive nos pontos do ônibus, antigamente, inclusive eles puseram aqui no nosso pontinho aqui da Nilo Peçanha, tinha um tipo de um aí, como é que eu quero dizer ...”. (PR Ctb 10 L l27/128) Entendendo Melhor Como a autora chegou a esse quadro inicial? 2º Nível “Criancinhas” -inhas =

crianças pequenas
+
valor expressivo (conotação de dó) (2) “Você vê aquelas criancinhas, ali né? Que te corta né? Acorda que já amanheceu e tal criancinha, né? (PR Ctb 03 L 374/386). Estilística, Estilo, Expressividade e Sociolinguística Estilo: Resultado de um trabalho de escolha lexical, morfológica, sintática, etc., que produz efeito de sentido em determinada situação de interação comunicativa, a depender também do produtor do enunciado e do receptor. Estilística: Preocupa-se, enquanto disciplina, em descrever os fatos da expressão linguística do ponto de vista expressivo. Leva em consideração a natureza sociológica da enunciação, sem perder de vista a própria cadeia verbal. Abordagem Variacionista Emilio utiliza o instrumental metodológico variacionista com vista a quantificar os dados e controlar, as variáveis independentes que condicionam as escolhas do falante quanto ao uso do diminutivo ou do grau normal. Contextos Discursivos ou Temáticos Aparições simultâneas de diminutivo e grau normal em temas como:

•Cidade/Bairro
•Infância
•Família
•Trabalho
•Lazer
•Política A partir da delimitação dos contextos temáticos, Emílio verificou:

a) Matizes assumidos pelas variantes. Ou seja, o tipo de valor expressivo (apreciação ou depreciação) acrescido ao valor nocional;

b) Frequência de –inho na língua falada, nas condições dimensiva + expressiva; Só dimensão ou apenas expressiva. Escolha das Variantes 12 entrevistas informais do Projeto VARSUL:
6 de Curitiba-PR
6 de Florianópolis -SC


Foram considerados os contextos temáticos em que o diminutivo tivesse um correspondente em grau normal com o mesmo significado-base.

“Eu me lembro que meu avô construiu um barco, não um barco (falando rindo) assim, né? Mas um barquinho.” (SC Flp 01 L 56/58/59/61/62)

No total foram 256 ocorrências:
119 são do diminutivo e
137 são no grau normal.

Codificação dos dados foi pelo VABRUL. Sobre os entrevistados...

Foram distribuídos por escolaridade (primário, ginasial, colegial) e sexo.

Faixa etária de 25 a 49 anos. Houve uso preferencial de –inho;

4 contextos significativos para o uso da variante;
Análise do Corpus 1. Leitura semântico-pragmática e estilística Matiz positivo:

“E sirvo com macarrão ou salada. Faço uma saladinha de tomate” (SC Flp 20 L 1393)

Matiz Negativo: "Bonitinho";

Neutro: Signifcado-Base, Dimensivo. Hipóteses O sufixo – inho aparece mais com o traço expressivo: Confirmada

Influência do contexto temático: Negada 3. Leitura Morfossintática Os aspectos morfológicos da língua são atingidos em função do propósito comunicativo dos falantes. Pronome Possessivo

“ E a minha netinha tem um ano e quatro meses (ruído). Minha Neta é muito linda, né?” (SC Flp 1 L 114)

O pronome recebe influência da expressividade de –inho
A ideia de posse enfraquece.

Artigo Indefinido

“(...) Não sei como é o nome do bar. Funciona na frente da ordem dos advogados do Brasil tem uns barzinhos ali perto do Cine São José.” (SC Flp 18 L 1078/1080)

O artigo indefinido transfere suas características para os nomes com –inho. Hipótese Os determinantes recebem ou transmitem influência para os nomes com sufixo – inho: Confirmada 2. Leitura dos componentes dimensivo e estilístico Possibilidades de uso do -inho:

Dimensivo;
Dimensivo + Expressivo;
Expressivo. Classe de palavras “Eles estão cantando fininho demais, né? E eles não cantavam tão fino assim” (PR Ctb 3 L 1323) Função sintática - inho e grau normal são equivalentes;
Fator irrelevante para definir a variação. 4. Uma leitura social de –inho • Escolaridade
• Região
• Sexo Região Uso de –inho de acordo com as cidades:
Curitiba PR = 49%
Florianópolis = 43%

A ideia de ser expressivo sobrepõe a região. Sexo O uso de –inho é quase equivalente entre homens e mulheres;

Grau normal foi usado pelas mulheres em 56% das ocorrências. Considerações Finais • A expressividade é a característica mais acentuada de –inho;

• No uso contextualizado, alguns determinantes são capazes de explicitar expressividade;

• Os mais escolarizados optam com maior frequência pelo uso do-inho; O propósito foi apontar a compreensão do fenômeno estilístico através da metodologia variacionista. Obrigada!
Full transcript