Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Osteoporose e Osteomielite

No description
by

Larissa Araujo

on 16 November 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Osteoporose e Osteomielite

Osteoporose e Osteomielite
Alice Santiago¹
Amelia Larissa¹
Luana Nunes¹
Rafaela Santos¹
Sued Ferraz¹

Adriana Coutinho²

1. Graduando do curso barcharelado em Fisioterapia, turma 4 AM
2. Docente da disciplina Fisiopatologia II .
Anatomohistofisiologia
Ossos são órgãos esbranquiçados, muito duros, que unidos um ao outro, por intermédio das junturas ou articulações constituem o esqueleto. É uma forma especializada de tecido conjuntivo cuja principal característica é a mineralização (cálcio), de sua matriz óssea (Fibras, colágeno e proteoglicanas).
Se classificam em: Ossos longos, ossos curtos, ossos laminares, ossos alongados, ossos pneumáticos, ossos irregulares, ossos sesamoides, ossos suturais.
Tecido Ósseo
É formado por células e material extracelular calcificado, chamado de matriz óssea. A nutrição de uma das células formadoras do tecido ósseo (osteócitos) depende dos canalículos presentes na matriz, que possibilitam as trocas de íons e moléculas entre os capilares e estas células ósseas. Os ossos são recobertos na sua face interna (endósteo) e externa (periósteo) por uma camada de tecido que possui células osteogênicas.
Divisão do Tecido Ósseo
Não possui espaço medular, mas possui canais que abrigam nervos e vasos sanguíneos, conhecidos como canais de Volkmann e canais de Havers. Presente, quase que na totalidade da diáfise de ossos longos, na periferia de ossos curtos, nos ossos chatos formando duas camadas que recebem o nome de tábuas interna e externa.
Apresenta amplos espaços medulares, formados por diversas trabéculas, conferindo ao osso, um aspecto poroso, abrigando a medula óssea. É encontrado na parte mais profunda da diáfise de ossos longos, no centro de ossos curtos e separando as tábuas interna e externa dos ossos chatos.
Osso compacto
Osso esponjoso
Células do Tecido Ósseo
Estas células produzem a parte orgânica da matriz óssea. Possuem a capacidade de armazenar fosfato de cálcio, participando na mineralização da matriz. Encontram-se dispostas lado a lado na superfície óssea e, quando estão em alta atividade de síntese apresentam formato cubóide, com citoplasma  basófilo; quando em estado de pouca atividade, tornam-se achatados e o citoplasma se torna menos basófilo. Quando esta célula passa a ficar aprisionada na matriz óssea, torna-se um osteócito.
Ficam localizados em cavidades na matriz óssea, chamadas de lacunas, sendo que cada uma abriga apenas um osteócito. Possuem um formato achatado, semelhantes a amêndoas, possuem certa quantidade de retículo endoplasmático rugoso, complexo de Golgi pequeno e núcleo com cromatina condensada. São células de extrema importância na manutenção da matriz óssea.

Osteoblasto
Osteócitos
Células do Tecido Ósseo
Osteoclasto
São células gigantes, móveis, muito ramificadas, contendo inúmeros núcleos, com citoplasma granuloso, certas vezes com vacúolos, pouco basófilos nas células jovens e acidófilos nas células mais velhas.
Os osteoclastos apresentam prolongamentos vilosos, ao redor desta área de prolongamento existe uma zona citoplasmática, chamada zona clara que é pobre em organelas, porém rica em filamentos de actina. Esta zona é um local de adesão do osteoclasto com a matriz óssea e cria um ambiente fechado, onde ocorre a reabsorção óssea.
Osteoporose
É uma doença caracterizada por ossos porosos e massa óssea reduzida. As alterações estruturais associadas predispõe a fratura óssea. A desordem pode estar localizada num certo osso ou região, como na osteoporose por desuso de um membro, ou pode envolver todo esqueleto, como uma manifestação da doença óssea metabólica. A osteoporose generalizada pode ser primária ou secundária, a uma grande variedade de condições.
Osteoporose
Quando o termo osteoporose é utilizado de modo desqualificado, geralmente se refere ás formas mais comuns, a osteoporose senil e pós-menopausa, na qual a perda de massa óssea torna o esqueleto vulnerável as fraturas.

Epidemiologia
Pesquisadores estimam que aproximadamente 1 em cada 5 mulheres americanas com mais de 50 anos tem osteoporose. Em torno da metade de todas as mulheres com mais de 50 anos de idade sofrerão uma fratura do quadril, do punho ou da vértebra (ossos da coluna vertebral).
Mulheres com mais de 50 anos e homens com mais de 70 anos têm risco maior de osteoporose.

Causas
.Mudanças relacionadas a idade;
.Influências hormonais;
.Atividade física;
.Fatores genéticos;
.Estado nutricional do cálcio;
.Causas secundárias de osteoporose.

Metabolismo do Cálcio
O metabolismo do cálcio é o resultado da interação entre três fatores:

a absorção deste elemento a partir da alimentação;

sua eliminação junto à urina e captação / liberação óssea do mesmo.

98,9% do cálcio no corpo humano está localizado nos dentes e ossos, 1% está no interior das células e 0,1% está presente no sangue e nos demais líquidos extracelulares. Mesmo com estas pequenas quantidades fora dos ossos, alterações mínimas de concentração podem acarretar graves disfunções no organismo.
Patogênese
O pico de massa óssea é alcançado durante o inicio da fase adulta. A sua magnitude é determinada em grande parte pelos fatores hereditários, especialmente polimorfismos nos genes que influenciam o metabolismo ósseo. Uma vez que uma massa esquelética máxima é atingida, ocorre um pequeno déficit na formação óssea a cada ciclo de reabsorção e formação de cada unidade multicelular básica. Sendo assim, a perda óssea relacionada a idade que pode variar de 0,7% por ano, é um fenômeno biológico normal é previsível.
Osteomielite
A Osteomielite é um processo inflamatório agudo ou crônico do tecido ósseo, produzido por bactérias piogênicas (isto é, produtoras de pus). A bactéria responsável varia de acordo com a idade do paciente e o mecanismo da infecção. Esses agentes causadores (bactéria) chegam ao tecido ósseo de diferentes maneiras: através de infecções originadas em lesões cirúrgicas ou acidentais; através de partes infectadas do corpo que aumentam a sua área afetada, atingindo os ossos; pelo sangue, que pode trazer infecções de outras partes do corpo.
Patogênese
A osteomielite hematogênica localiza-se na metáfise através dos vasos nutrícios. Koch demonstrou que quando se injeta bactérias por via intravenosa, estas tendem a localizar-se nos espaços vasculares das metáfises, o que predispõe que a zona seja um foco de infecção. A natureza do abastecimento sangüíneo dos ossos longos nas crianças é a razão subjacente para que se localizem as bactérias patógenas, nos sinusóides metafisários. Nas crianças o abastecimento sangüíneo da epífise está separado da metáfise.

Patogênese
A osteomielite é rara em adultos, mas quando ocorre pode aparecer em qualquer local do osso (epífise, metáfise ou principalmente na diáfise).
Uma vez que o foco de infecção no osso esteja estabelecido, a resposta inicial, inflamatória, será a vascularidade aumentada com ingurgitação vascular, infiltração leucocitária e edema de tecidos circunvizinhos e formação de abscesso.


Causas
Bactérias, fungos e vírus;
Pode se originar de uma infecção persistente;
A inflamação óssea pode ocorrer também após fraturas abertas;
Pacientes diabéticos.

Bactérias Envolvidas
- Recém-nascidos (menos de 4 meses): Staphilococus aureus, Enterobacter species e Streptococus species dos Grupos A e B
- Crianças (de 4 meses a 4 anos): Staphilococus aureus, Streptococus species do Grupo A, Haemophilus influenzae e Enterobacter species
- Crianças e Adolescentes (de 4 anos até a idade adulta): Staphilococus aureus (80%), Streptucocus species do Grupo A, Haemophilus influenzae e Enterobacter species
- Adultos: Staphilococus aureus e ocasionalmente Enterobacter ou Streptococus species;
- Nas Osteomielites por trauma direto, geralmente: Staphilococus aureus, Enterobacter species e Pseudomonas species;
- Nas feridas perfurantes dos pés: Staphilococus aureus e Pseudomonas species.

Osteomielite Piogênica
A maioria dos casos agudos de osteomielite é causada por bactérias. Em geral, o staphylococcus é o organismo causal mais frequente; sua propensão para infectar ossos pode estar relacionada a expressão de proteínas de superfície que permitem adesão a matriz óssea.

Epidemiologia
A epidemiologia da osteomielite hematogênica aguda na infância mudou desde que a imunização sistemática contra Haemophilus influenzae do tipo B foi introduzida, no inicio dos anos 90. Atualmente, o agente mais comum em todas as faixas etárias é o Staphylococcus pneuminiae. Existem grupos com maior risco de acometimento de determinados agentes, como o Streptococcus do grupo B, em neonatos, e Salmonella sp, em portadores de anemia falciforme.

Osteomielite Tuberculosa
É uma infecção bacteriana crônica causada pelo Mycobacterium tuberculosis (bacilo de Koch) e mais raramente pelo Mycobacterium bovis caracterizada pela formação de granulomas nos tecidos infectados, sendo uma enfermidade localizada e destrutiva.
Uma dessas localizações da tuberculose secundária pode ser no osso, onde o bacilo tem preferência pelo tecido esponjosos das epífises e metáfise, por exemplo, das extremidades esponjosas dos ossos longos, ou dos corpos vertebrais. Nos ossos curtos das mãos e pés são acometidas habitualmente as diáfises, porque contrariamente aos ossos longos, são relativamente ricos em tecidos esponjosos.

Epidemiologia
Um ressurgimento da osteomielite tuberculosa vem ocorrendo em países desenvolvidos e atribuído ao fluxo de imigrantes de países onde a tuberculose é endêmica e ao maior número de pessoas imudeprimidas. Nas nações em desenvolvimento, os indivíduos afetados são geralmente adolescentes ou adultos jovens , ao passo que na população indígena dos EUA eles tendem a ser mais velhos, exceto aqueles que estão imudeprimidos. Cerca de 1% a 3% dos indivíduos com tuberculose pulmonar ou extrapulmonar apresenta infecção óssea.

Bíbliografia
Full transcript