Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Humanistas - Maslow e Rogers

No description
by

Sara Nunes

on 7 June 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Humanistas - Maslow e Rogers

Resumo 1. Introdução
2. Abraham Maslow
2.1 A sua biografia
2.2 A sua teoria
2.3 A psicoterapia
2.4 Críticas
3. Carl Rogers
3.1 A sua biografia
3.2 A sua teoria
3.3 A psicoterapia
3.4 Críticas Contributos da perspetiva humanista de Rogers e Maslow Introdução A Psicologia Humanista Psicologia da Personalidade Docente: Maria Odília Teixeira Discentes:
Carolina Barros -º11100
Carlos Gomes - 11108º
Iolanda Oficiano - 8785º
Rogério Lopes - 10066
Sara Nunes - 11086
Susana Andrade - 11377º Turma P3 Faculdade de Psicologia Universidade de Lisboa Ano lectivo 2012/2013 A sua teoria... Psicologia Humanista Psicologia Existencial Teoria Optimista Principais conceitos Tendência Realizadora Consciência Congruência/Incongruência Auto-conceito Auto-realização Estima/Auto-estima O Organismo e o Self Duas tendências É o "todo";
Nem sempre é consciente. É o que interage directamente com o meio. Imagem que o indivíduo tem dele próprio = AUTO-CONCEITO. Inclui tudo o que somos e o experienciamos. Tendência Formativa Tendência Evolutiva;
Processo de criação, onde o produto é sempre mais complexo do que aquilo que o originou. Tendência Realizadora Tendência para atingir os objetivos, para se sentir completo e concretizado;
Engloba a totalidade da pessoa – o consciente e o inconsciente, o racional e o emocional. É inato.
Visa a maturação e a auto-realização. É o "eu". Desenvolve-se na infância; Consciencialização da sua identidade; Estabelecimento da sua estrutura do self; Está disponível à consciência mas não é necessariamente consciente (Rogers, 1959). O Self Ideal Nossa visão do nosso “eu” ideal;
Contém todos os atributos, características que gostaríamos de ter. A consciência das nossas experiências Eventos que são experienciados abaixo do limiar de consciência e que portanto são ignorados ou negados; Três níveis: Experiências que são simbolizadas correctamente e que são consistentes com o conceito do “eu”; As experiências que são distorcidas por forma a se encaixarem no nosso auto-conceito. "a representação simbólica (não necessariamente em símbolos verbais) de uma porção da nossa experiência." (Rogers, 1959, p.198) Negação de experiencias positivas: dificuldade em aceitar elogios ou criticas positivas. A pessoa não se sente merecedora Ameaça iminente Não se confia na pessoa que os faz Desenvolvimento da Personalidade Congruência e Incongruência O self espelha o que o organismo experiencia O self não espelha o que o organismo experiencia Há uma grande margem entre o self e o self ideal Quanto maior a incongruência entre o self e o organismo
... Mais vulneráveis nos tornamos... À medida que nos vamos tornando conscientes dessa discrepância vamos ficando ansiosos O que acaba por evoluir para um sentimento de ameaça relativamente às experiências do organismo que não sejam consistentes com o self. MAS Infância como período crítico;
A maturação não se faz por estádios: está ligada às avaliações externas;
Tem como origem a necessidade de contacto humano. Necessidade de contacto Sentimento de estima Necessidade de ser amado e aceite Auto-estima Não está só presente durante a infância Realizamo-nos que há alguém que nos estima Desenvolvemos amor próprio; É necessário para satisfazer parcialmente a nossa necessidade de estima positiva. Nem todos são estimados de forma positiva incondicionalmente... CONDIÇÕES DE VALOR, isto é, a estima é condicionada. Forem aceites pelos outros; Corresponderem às expectativas de outrem. É auto-suficiente. Adquirimos os valores dos outros Regemo-nos pelas suas avaliações Incongruência Mais e mais discrepância Ameaça/Ansiedade/Tensão Negação Distorção Negamos a experiência organísmica. A experiência é reformulada para encaixar no nosso auto-conceito. Dois mecanismos de defesa face a incongruências: O nosso comportamento torna-se desorganizado quando:
Estes mecanismos falham;
A incongruência é demasiado óbvia;
A incongruência ocorre rápido de mais; Existem sete estágios para o processo de mudança de personalidade construtiva: Existe uma linha guia para a terapia Necessidade de se ser estimado ou aceite por outra pessoa quando não existem quaisquer condições

Compreender a independência das escolhas

Para Rogers (1980) empatia trata-se de não só entrar na vida de outra pessoa mas “viver” essa vida de forma delicada sem julgar a mesma Possiblidades para a junção das três condições Congruência, consideração positiva incondicional e escuta empática “A pessoa do amanhã” Incongruência 1º - Ruptura entre sentimentos e consciência


2º - Discrepância entre a consciência de uma experiência e a capacidade de expressar a mesma Condições de congruência, consideração positiva incondiciona e escuta empática Terapia centrada no cliente Condições, processo e resultados Ambiente positivo de aceitação e relação empática Psicoterapeuta Psicoterapia Se as condições de congruência, relação empática e positivismo do terapeuta estiverem presentes então de facto irá existir terapia para com o paciente e poderão ser previstos certos resultados. Todos possuímos a habilidade para nos compreendermos a nós mesmos Hipótese Investigar processo e resultados da terapia centrada no cliente Estudos de Chicago Menor discrepância nestas pessoas entre o seu self real e ideal depois da terapia
Resultados deveras positivos, todavia estes estão muito abaixo do que seria considerado ideal Experiências orgânicas de uma pessoa correspondem à percepção equivalente dessas mesmas experiências ocorridas assim como ao desejo e capacidade sobre esses mesmos sentimentos (Rogers, 1980)

Ser humano completo Pouca disposição de comunicar algo intimo; Menos resistência; Pessoa fala mais abertamente mas como um objecto; Sentimentos mais profundos são falados mas não no presente; Sentimentos já são expressados no presente mas não simbolizados; Crescimento exponêncial, self orgânico completo; Fora do plano terapêutico, tornam-se confiantes na sua mudança e cresimento; Aprendizagem é um processo pessoal, de carácter vivencial, no centro da qual está a pessoa enquanto ser que pensa, sente e vive. psicanálise de Sigmund Freud Resposta à psicologia comportamental. O Homem é bom por natureza reação à frustração dos seus desejos e necessidades. actos negativos Pressupostos: Teoria Humanista "desenvolvimento máximo dos potenciais de cada ser humano. Cada pessoa atinge a auto-realização na medida em que procura atualizar os seus potenciais.” (Sobreira et al., 2004) Teoria da motivação Autorealização Biografia 1908 1935 Ingressou na faculdade de Direito de Nova York em meados dos anos 30. No ano seguinte retornou a Nova York, e começou a trabalhar na Universidade de Columbia; 1930 1960 1969 1970 Abraham Maslow Nasceu dia 1 de Abril de 1908 em Brooklyn, Nova Iorque; Descendente de russos e judeus, viveu uma infância bastante infeliz e miserável. Era o mais velho de sete irmãos, de uma família judia; Passava muito tempo "refugiado" em bibliotecas. Vivia na Califórnia, EUA, quase quase sem contato social;
Acabaria por falecer, vítima de ataque cardíaco, a 8 de junho de 1970. Largou o curso e transferiu os seus estudos para a Universidade de Cornell, ingressando em Psicologia. Casou com a sua prima, Bertha Goodman, e mudaram-se para Wisconsin, onde conheceu Harry Harlow. Licenciou-se em 1930, acabou o mestrado em 1931 e doutorou-se pela Universidade de Wisconsin em 1934. Durante este período foi pai de duas meninas. Dois anos depois, em 1937, mudou-se novamente para Brooklyn, onde leccionou psicologia na faculdade de Brooklyn, durente 14 anos. Conheceu importantes psicólogos, que o motivaram a dedicar-se aos estudos da motivação humana e das hierarquias da necessidade do indivíduo. Com 61 anos de idade, Abraham Maslow aceitou a bolsa residente da Fundação Laughlin, mudando-se para Menlo Park, na Califórnia. Teve contato com o trabalho de Peter Drucker e McGregor, o que influenciou o seu envolvimento com a Gestão de Negócios; Em 1967 foi eleito presidente na APA (American Pshychological Association). No fim dos anos 60, recebeu da Associação Americana de Psicologia o prémio de “Humanista do ano”; Não só actualizou o seu livro "Motivação e Personalidade", como escreveu mais duas obras: "Rumo a uma Psicologia do Ser" e "Além da natureza humana". As necessidades Estéticas, Cognitivas e Neuróticas Características de uma pessoa auto-realizada:
Percepção eficiente da realidade, aceitação, espontaneidade, centradas nos problemas, necessidade de privacidade, independência da cultura e do meio, frescor da apreciação, experiências supremas, afinidade com os seres humanos, humildade e respeito, relacionamentos interpessoais, ética e valores, discriminação entre meios e fins, senso de humor, criatividade, resistência à aculturação e resolução da dicotomia. A Auto-Realização Por vezes as necessidades sofrem uma inversão. Isto acontece pela troca de prioridades que acontece dentro dos individuos. A ordem Inversa das Necessidades Por exemplo, a necessidade de auto-realização pode ter prioridade sobre a necessidade de segurança. Um artista entusiasmado pode arriscar a sua saúde e segurança para completar um trabalho importante. Maslow acreditava que as pessoas se desenvolviam por vários níveis para alcançar o seu pleno potencial. E as pessoas que conseguiam chegar a este nível são denominadas de auto-realizadas. Hierarquia de Necessidades Conativas Quanto maior o grau de satisfação do nível inferior, mais urgente é a necessidade do nível seguinte. As necessidades sobem aos pouco, no entanto uma pessoa pode estar simultaneamente motivada por necessidades de 2 ou mais níveis. Maslow estimava que que um individuo hipotético mediano teria as suas necessidades satisfeitas aproximadamente nestes níveis: Discussão Geral das Necessidades Por último, Maslow define que as necessidades podem ser dispostas em forma de hierarquia; Outro pressuposto é todas as pessoas em todos os lugares tem uma motivação comum, as necessidades básicas; As pessoas são motivadas continuamente por uma necessidade ou por outra, ou seja, quando uma necessidade é satisfeita, ela perde o seu poder motivacional e é substituida por outra; Define a motivação como sendo algo complexo, ou seja, o comportamento de uma pessoa pode depender de vários motivos em separado; A Teoria da Personalidade de Maslow baseia-se em vários pressupostos referentes à motivação. A Visão de Maslow sobre Motivação Adota uma abordagem Holistica para a motivação, ou seja, a ideia de que a pessoa é motivada como um todo, e não uma parte ou uma função dela; Embora sejam dificeis de ser modificadas, as necessidades intinstóides podem ser modeladas, inibidas ou alteradas por factores ambientais, uma vez que os fatores e as forças culturais acabam por ser mais fortes que os instintos em muitas situações. A sua satisfação leva por norma à saúde, enquanto as não intinstóides são temporárias e não são um pré-requisito para a saúde. As necessidades intinstóides estão relacionadas com a espécie. Assim, os instintos animais não podem servir de de modelo para estudos da motivação humana. Satisfação das Necessidades Institóides A não satisfação de necessidades instintóides produz por norma patologias. Por exemplo, o facto de não se receber amor, leva a um estado de doença. Quando as pessoas ficam frustrados nas suas necessidades de segurança, estima e de auto-realização, ficam doentes. Não Satisfação das Necessidades Institóides Maslow especulava que algumas necessidades tinham um cariz inato, ainda que possam ser modificadas pelo aprendizado. Natureza Instintóide das Necessidades É sempre motivado e voltado para a satisfação de necessidades.
Em contrapartida, o comportamento de ajustamento é normalmente consciente, requer esforços e aprendizado e é determinado pelo ambiente externo. Envolve tentativas individuais para ajustar-se ao ambiente, assegurar alimentos, segurança, amigos, receber aceitação e receber valorização e mérito dos outros. Este comportamento tem sempre alguma meta ou alvo e é sempre motivado por alguma necessidade deficitária. Frequentemente não tem motivações
O comportamento expressivo é um fim em si mesmo. É frequentemente inconsciente e espontâneo, ocorre naturalmente e com pouco esforço. Entre os comportamentos expressivos, temos a voz, o caminhar, os gestos, etc. Estes comportamentos en geral não são aprendidos, são espontãneos e determinados por forças internas do individuo. Comportamentos Ajustamento Comportamentos Expressivos Para Maslow existiam os comportamentos expressivos e de ajustamento. Comportamentos Expressivos e de Ajustamento Maio 2013 Carl Rogers Biografia Carl Rogers nasceu a 8 de Janeiro de 1902 em Oak Parks Illinois; 1902 1940 Nos anos de 1945 a 1957, a sua terapia evoluiu de um modelo centrado na metodologia (técnica não-directiva) para um modelo que dava ênfase ao relacionamento cliente-terapeuta. 1924 Casou com Helen Elliot, sua amiga de infância. 1950 Foi distinguido de várias formas ao longo da sua vida:
Exerceu a função de director do serviço de Aconselhamento da United Services Organization em Nova York;
Foi o primeiro presidente da American Association for Applied Psychology e ajudou a reuni-la com a APA;
Foi presidente da APA;
Foi o primeiro presidente da American Academy of Psychotherapists;
Formou também o Center for Studies of the Person 1970 Faleceu a 4 de Fevereiro de 1987 em La Jolla, na Califórnia, consequência de uma fractura do fémur. 1987 Cresceu num ambiente bastante controlado pelos pais, bastante religiosos, que lhe incutiram os valores da bíblia e do trabalho árduo; Rogers foi um adolescente tímido e com dificuldade nos relacionamentos interpessoais, pelo que tinha pouca vida social; Com interesse na agricultura científica, ingressou na Universidade de Wisconsin, no curso de Agricultura; após dois anos transitou para o ministério religioso e, posteriormente, para a psicologia. Foi fortemente influenciado por Otto Rank no início da vida sua vida profissional. Este deu-lhe uma visão da terapia como um relacionamento emocional produtor de crescimento, onde o terapeuta cria uma relação empática e de aceitação incondicional com o cliente. Em 1942, apresentou as suas ideias sobre psicoterapia em Counseling and Psychotherapy. Demonstrou uma relação com as antigas abordagens terapêuticas ao enfatizar a importância do crescimento interior do cliente; identificou, rotulou e diminuiu as causas dos distúrbios. O casamento durou até março de 1979, quando Hellen veio a falecer. Dele resultaram dois filhos: David e Natalie. Críticas... Critérios para considerar uma teoria útil:
1. Produzir pesquisa e hipóteses testáveis.2. Refutabilidade.3. Organização numa estrutura significativa.4. Teoria como um guia para a resolução de problemas.5. Consistência de conteúdo.6. Parcimoniosa (sem conceitos muito complexos). Medinnus e Curtis (1963) Harrington, Block e Block (1987) Estudo com mães, que investigou a relação entre o seu auto-aceitação e até que ponto aceitavam os seus filhos como eles eram e não como elas queriam que eles fossem. Moretti e Higgins (1990) Provam que quanto maior a discrepância entre o self percebido e o self ideal, maiores serão a ansiedade, a depressão, o desajuste social, etc. Adolescentes que recebiam consideração positiva incondicional dos seus pais, expressavam-se sem restrições e desenvolviam maior potencial criativo. Alguns estudos... Medo de ser melhor ou de alcançar o sucesso;

Tentativas de fuga do sucesso ou negação do talento;

O complexo de Jonas é considerado um dos obstáculos à obtenção da auto-realização. O complexo de Jonas Psicologia Positiva Psicoterapia A terapia visa a adoção de valores B;

O cliente deve estar independente dos outros de modo a ativar o impulso natural rumo á auto-realização e á grandeza;

As pessoas que procuram a terapia têm dificuldade satisfazer as necessidades de amor e de pertença;

No relacionamento entre cliente e terapeuta o cliente obtém a satisfação das necessidades de amor e de pertença que lhe trarão sentimentos de confiança e valor pessoal;

Proporciona que o cliente consiga relacionar-se fora da terapia e se sinta digno de ser amado. Capacidade de distinguir o falso do genuíno nas pessoas, arte, musica e literatura;

Pouco preconceituosas;

Visão do mundo como ele é ao invés de como desejariam que fosse;

Maior tolerância face ao desconhecido e aos desafios;

Procura de problemas que não tenham uma solução certa ou errada definida;

Privilegio da duvida e da incerteza.  
Perceção mais eficiente da realidade Filosofia da Ciência Abordagem humanista e holística;
Desadequação de uma ciência isenta de valores e emoções humanas ao estudo da personalidade humana;
Estudo do individuo em vez de grandes grupos de indivíduos;
Privilegio de relatos subjectivos ao invés de relatos objectivos; Resistência à aculturação   Caracteristicas das Pessoas auto-realizadas Padrões próprios de comportamento;
Não obedecem cegamente a regras;
Privilegiam a mudança social;
Revelam-se menos aculturadas e modeladas do que as outras pessoas;
Assemelham-se menos em relação a outras pessoas;   Caracteristicas das Pessoas auto-realizadas Aceitam as suas falhas;

Ausencia de uma atitude auto-defensiva ou derrotista;

Não exageraram nas criticas ás suas falhas;

Não têm necessidade de instruir, informar ou converter os outros;

Toleraram os pontos fracos dos outros e não se sentem ameaçados pelos seus pontos fortes;

Não esperam perfeição nem em si nem nos outros.  Aceitação de Si, dos Outros e da Natureza das Coisas e das Pessoas 1- Livres de patologias;
2- Ter as suas necessidades inferiores bem satisfeitas;
3- Adoção de valores B;
4- Satisfação das necessidades com vista a tornar-se naquilo que são capazes de se tornar- alcançar o seu potencial máximo. Critérios para a auto-realização Auto-realização (aprofundada) Experiencias de natureza mística;

Transmitem um sentimento de transcendência;

Involuntárias, ocorrendo em momentos inesperados e comuns;

Vistas como algo positivo;

Possibilidade de ausência de necessidades, perda do noção do tempo e espaço e da auto-consciencia;

Induz emoções de espanto, alegria, admiração, extase, entrega, humildade. Experiencias Culminantes Caracteristicas das Pessoas auto-realizadas Noção clara de certo e errado;
Atenção voltada para os fins e não para os meios;
Apresentam uma habilidade para distinguir entre os dois;
Realizam uma ação pelo prazer de a realizar; Discriminação entre meios e fins São abertos e compreensivos com as pessoas;
Não discriminam a cor da pele, classe social, idade ou género;
Indivíduos menos saudáveis são uma fonte de aprendizagem;
Adotam uma atitude humilde e respeitosa diante dessas pessoas;
Não aceitam o mau comportamento nos outros e lutam contra ele. Estrutura de carácter democrática Características das Pessoas auto-realizadas Os indivíduos auto-realizados apresentam-se seletivos;
Poucos relacionamentos;
Relacionamentos profundos e intensos;
Escolha de pessoas saudáveis para relações de amizade. Relações interpessoais profundas Caracteristicas das Pessoas auto-realizadas Gemeinchaftsgefuhl (Interesse social) Significa interesse social, sentimento de comunidade ou senso de unicidade com toda a humanidade;
Demonstração de preocupações com os outros e em auxiliar os outros;
Sentimento de uma ligação básica com pessoas medianas mesmo que se aborreçam com as falhas dessas pessoas. Focalização da atenção para problemas externos que não se limitam ao seu auto -crecimento;
Desenvolvimento de uma missão na vida - vocação. Centralização no Problema Caracteristicas das Pessoas auto-realizadas Padrões próprios de comportamento;
Comportamento espontâneo e natural é semelhante aos animais e ás crianças;
Adotam perspectivas de vida simples;
Mostram os seus sentimentos ou emoções mesmo as mais negativas e profundas como o medo ou a raiva sem receio; Espontaneidade, Simplicidade, e Naturalidade A ausência de valores B Sentimentos de desadequação;

Metapatologias ou uma ausência de uma filosofia de vida significativa. Totalidade, Esforço, Humor, Autonomia, Verdade, Bondade, Beleza, Integridade, Vivacidade, Singularidade, Perfeição, Completude, Justiça e Simplicidade. Valores B Indicadores de saúde psicológica que se contrapõem ás necessidades de deficiência.

Os valores B são metanecessidades.

Compõem a metamotivação
Maslow postulou 14 valores B A criatividade não está relacionada com alguma apetência artística;
É uma criatividade que vem de qualquer lugar;
Apresenta características distintas daquilo que é esperado pela maioria das pessoas. Criatividade Capacidade de rir de si próprias sem ser de forma masoquista;
O seu tipo de humor causa um riso espontâneo e visa informar e alertar para ambiguidades;
É um humor subentendido e dependente da situação;
Não é planeado;
Não é repetido. Senso de humor filosófico Características das Pessoas auto-realizadas Apreciam o que têm;
Não reclamam do que não têm ou de uma “existência aborrecida e insignificante”;
Sentimento de gratidão e sorte; Apreciação continuamente renovada   Autonomia adquirida através de relações satisfatórias;
Aquisição de aceitação, confiança e valor pessoal;
Resistência às criticas e frustrações e ter elevada confiança em si mesmo. Autonomia   Apresentam uma qualidade de desapego;
Sentem-se bem sozinhos ou acompanhados;
Conseguem disfrutar da sua solidão; Necessidade de privacidade   Caracteristicas das Pessoas auto-realizadas Concluindo Jack Bauer e Dan McAdams Maslow As pessoas adquirem níveis superiores de saúde psicológica á medida que envelhecem. Desenvolvimento, Crescimento e Metas da Personalidade Como Malow supôs, pessoas mais velhas apresentavam níveis mais elevados de saúde psicológica comparativamente a indivíduos mais jovens. Mas esta conclusão apenas se verificou para pessoas com utilizavam metas intrínsecas. baseada numa conduta expressiva em vez de num comportamento de ajustamento. Combina o enfase na esperança e otimismo com a ciência e a avaliação;

Os psicólogos positivos baseiam-se em teorias humanistas e criticam a psicologia tradicional;

Valores como a esperança, espiritualidade, responsabilidade, coragem, desapego em relação ao futuro são os traços que fazem com que a vida valha a pena ser vivida. Abordagem extrínseca Habilidade para pensar de modo complexo sobre as metas da sua vida; Relacionado com fama, dinheiro, poder. Abordagem intrínseca Habilidade de um individuo para se sentir melhor em relação á sua vida;Relacionado com felicidade, satisfação, relacionamentos interpessoais saudáveis e crescimento pessoal. Críticas... - É possível uma pessoa estar auto-realizada e não conseguir, contudo, uma total satisfação das suas necessidade fisiológicas;

- Há indivíduos que chegam a auto-realizar-se sem passar por todas as etapas da pirâmide de Maslow. Questões: 1. Para Carl Rogers de que forma a congruência se destaca das restantes condições para um terapeuta? A congruência relaciona-se com aceitar novas experiências na sua mente, livre de fingimentos sendo capaz de integrar sentimentos na sua consciência. A congruência pode ser tratada como um impasse para uma melhor compreensão com o cliente. Ambas as condições de escuta empática e consideração posítiva incondicional são mais importantes na visão de Carl Rogers para a terapia relacionada com o cliente, sendo a congruência somente um “caminho” secundário para uma ligação emocional. 2. Quais as caracteristicas de uma pessoa auto-realizada? Percepção eficiente da realidade, aceitação e discriminação entre meios e fins; Percepção eficiente da realidade, sucesso, valorização social; Percepção eficiente da realidade, aceitação, empatia; Referências bibliográficas Feist, J. & Feist, G.J. (2008). Teorias da Personalidade. São Paulo, Brasil: McGraw-Hill;

Scultz, D. P. & Schultz, S. E. (2001/2002). Teorias da
Personalidade. São Paulo: Pioneira Thomson Learnig, Ltda.

Anjos, M. (2012). Maslow e teoria da auto realização. Acedido em: 20, Abril, 2013, em: http://www.slideshare.net/MarceloAnjos1/maslow-e-teoria-da-auto-realizao.

Viana, I. (2009). Hierarquia das Necessidades. Acedido em: 17, Abril, 2013, em: http://artigos.psicologado.com/abordagens/humanismo/hierarquia-das-necessidades.
Full transcript