Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Untitled Prezi

No description
by

LUIZA BETIOLO MARTINS

on 1 July 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Untitled Prezi

Bases Integradas da Medicina
Plenária do Caso 2


Cecília
11 meses, 8,5 kg, 72 cm de altura
Diagnóstico: fissura transforame unilateral direita (goela de lobo)
Origem Asiática

Primeira filha de Lia (40 anos) e Chau (38 anos)
Mãe apresenta fissura pós-forame completa já corrigida cirurgicamente

Medicina 2015/1
Turma 02

História
Classificações de Spina
Pré-forame Incisivo ou Grupo I:
podem afetar o lábio e rebordo alveolar e subclassificam-se em unilateral, bilateral e mediana, completas ou incompletas.

Completas:
rompimento alcança a base do nariz e o forame incisivo;
Incompletas:
a extensão da fissura varia na porção anterior ao forame incisivo, porém sem alcança-lo ou romper a base do nariz.

Transforame Incisivo ou Grupo II:
as fissuras podem ser unilaterais ou bilaterais e romper a maxila em toda sua extensão, desde o lábio superior, estendendo-se pelo assoalho nasal, rebordo alveolar, palato duro, palato mole ate a úvula. É o tipo de fissura mais frequente, de maior gravidade e envolve o palato primário e palato secundário.

Pós-forame Incisivo ou Grupo III:
envolvem apenas o palato secundário e não há comprometimento estético, apenas funcional. Clinicamente podem envolver manifestações brandas, como a úvula bífida até o rompimento total do palato mole e parte do palato duro. Desenvolvem-se de posterior para anteriormente.



Completas:
alcançam o forame incisivo;
Incompletas:
não alcançam o forame incisivo.

Submucosa:
o plano mucoso encontra-se íntegro, mas o plano muscular subjacente apresenta-se rompido. Assintomática na maioria dos casos.

Fissuras Raras da Face ou Grupo IV:
atingem outras estruturas faciais.

Oblíquas:
estendem-se do lábio superior até a borda medial do olho;
Faciais laterais ou transversais:
correm da boca em direção ao ouvido externo.

Classificações
Disponível em: < http://www.scielo.br/img/revistas/dpress/v12n5/a13fig04.jpg > Acesso em: 25 de jun de 2015.

Disponivel em: <https://fissuraeaudicao.files.wordpress.com/2010/10/tuba_auditiva.jpg >Acesso em: 25 de jun de 2015.
Úvula Palatina

Ato reflexo – fechamento da epiglote;
Ausência total ou parcial na fissura transforame;
Engasgos frequentes.


Disponível em: <https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/8/81/Tonsils_diagram.jpg/250px-Tonsils_diagram.jpg> Acesso em: 25 de jun de 2015.

Úvula Palatina
Alteração no timbre da voz;
Fanhosidade;
Faringoplastia.
Disponível em: <http://www.clinicaantonioassuncao.com.br/includes/images/faq/01_2_7.jpg
> Acesso em: 25 de jun de 2015.
Referências
POERNER, Fabiana. Classificação, epidemiologia e etiologia das fissuras labiopalatais: uma revisão. Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 1996.

MOORE, Keith et al. Anatomia orientada para clínica. 7ª ed. – Rio de Janeiro: Koogan, 2014
Causas Genéticas
A fissura lábiopalatina devido à herança genética pode ser :



Sindrômica


ou


Não-sindrômica(isolada)



“Aproximadamente 70% dos casos de FL ou FLP são condições isoladas, ou seja, não sindrômicas, enquanto 30% ocorrem em associação com outras anormalidades” (MARTELLI ,2006)

Pela análise do cariótipo(amniocentese cultura celular) podemos distinguir se a fissura está relacionada com alguma
SÍNDROME
Geralmente mutações Genômicas (alteração numérica), originadas de erros na meiose(ex:Não-disjunção cromossômica)

Ex: Síndrome de Patau(47,XX ou XY,+13)
Fenótipo: Além da Fissura lábiopalatina, o indivíduo afetado apresenta outras anomalias

Caso da Cecília
Fissura transforame
unilateral direita

Não-sindrômica (não apresenta outras anomalias)

Mutações Gênicas
(A maioria mutações de ponto em genes específicos)

Quais os genes envolvidos?

“A malformação é condicionada por muitos genes com efeitos fenotípicos variáveis” (LUCCHESI et al, 2005).

Estudos sugerem como
principais
os genes:


MSX1
,FGFR1,
FGF-8
,
BMP-4
, FOXE1 ,
IRF6
, MYH9, MAFB, RARA,
TGF-α, GLI-2, JAG-2, LHX-8,MSX-2, SATB-2, SKI, SPRY-2,TBX-10

Obs: Mais de 30 genes possuem ligação com a fissura labiopalatina

Gene
IRF6
(1q32.2 - 1q41)
A função desse gene está relacionado
com a formação do tecido conjuntivo,
como por exemplo do palato.

Disponível em: <http:/ghr.nlm.nih.gov> . Acesso em: 22 de jun de 2015.

Gene
MSX-1
(4p16.2)
Gene da família Homeobox, é responsável pela ativação de outros genes , sendo importante no desenvolvimento de estruturas no período embrionário, como as relacionadas à cavidade oral.

Disponivel em: < http://ghr.nlm.nih.gov/>. Acesso em: 22 de jun de 2015.
Gene
BMP-4
(14q21-14q23)
A proteína traduzida desse gene tem um papel fundamental em induzir a ossificação e a formação de cartilagem

Disponível em: <http://ghr.nlm.nih.gov/>. Acesso em: 22 de jun de 2015.
Gene
FGF-8
(10q24)
Desempenha um importante papel no desenvolvimento embrionário, sendo responsável pela proliferação, diferenciação e migração de células

Disponível em: <http://ghr.nlm.nih.gov/>. Acesso em: 22 de jun de 2015.
Referências
VIEIRA et al. Medical sequencing of candidate genes for nonsyndromic cleft lip and palate. 2005.

LUCCHESI et al. Fissuras labiopalatinas em gêmeos: relato de caso. Rev Cir Traumat Buco-Maxilo-Facial, v. 5, n. 4, p. 43-48, 2005.

MARTELLI et al. "Estudo epidemiológico das fissuras labiais e palatais em Alfenas-Minas Gerais-de 1986 a 1998." RPG Rev Pos Grad 13 (2006): 31-35.

Causas Externas
Ácido Fólico
Fontes:
VÍSCERAS, FEIJÃO, VEGETAIS COM FOLHAS VERDES.


Via metabólica:
INTERCONVERSÃO DE GRUPOS ORGÂNICOS; SÍNTESE DE PURINAS.
DEVLIN, Thomaz M. Manual de Bioquímica com correlações clínicas. 7 ed. Blucher: São Paulo, 2011.
SANTOS, Leonor Maria Pacheco  and  PEREIRA, Michelle Zanon. Efeito da fortificação com ácido fólico na redução dos defeitos do tubo neural. Cad. Saúde Pública [online]. 2007, vol.23, n.1 [cited  2015-06-27], pp. 17-24 .

DEVLIN, Thomaz M. Manual de Bioquímica com correlações clínicas. 7 ed. Blucher: São Paulo, 2011.

Fontes:
LEITE, CARNE, OVOS, PRODUTOS CEREAIS

Via metabólica:
RESPIRAÇÃO CELULAR E REPLICAÇÃO.

NAD
DEVLIN, Thomaz M. Manual de Bioquímica com correlações clínicas. 7 ed. Blucher: São Paulo, 2011.
COELHO, Liana S. et al . Deficiência de tiamina como causa de cor pulmonale reversível. Arq. Bras. Cardiol.,  São Paulo ,  v. 91, n. 1, p. e7-e9, July  2008 .

Fontes:
CEREAIS, GRÃOS, CARNE DE PORCO, VEGETAIS E LATICÍNIOS.

Via metabólica:
COENZIMA PIRUVATO DESDROGENASE.

Tiamina
DEVLIN, Thomaz M. Manual de Bioquímica com correlações clínicas. 7 ed. Blucher: São Paulo, 2011.

Fontes:
CARNE, VEGETAIS, GRÃOS INTEGRAIS DE CEREAIS, GEMA DE OVO.

Via metabólica:
CATABOLISMO E INTERCONVERSÃO DE AMINOÁCIDOS.

DEVLIN, Thomaz M. Manual de Bioquímica com correlações clínicas. 7 ed. Blucher: São Paulo, 2011.

Fontes:
VEGTAIS VERDES ESCUROS E AMARELOS, FÍGADO, GEMA DE OVO, MANTEIGA, LEITE INTEGRAL

Via metabólica:
ANTIOXIDANTE, REGULAÇÃO DO CRESCIMENTO E DIFERENCIAÇÃO CELULAR, CICLO VISUAL, SÍNTESE DE GLICOPLROTEÍNAS.

DEVLIN, Thomaz M. Manual de Bioquímica com correlações clínicas. 7 ed. Blucher: São Paulo, 2011.

Fontes:
ALIMENTOS DE ORIGEM ANIMAL, CARNES

Via metabólica:
COENZIMA DE REAÇÕES QUE ENVOLVEM AMINOÁCIDOS.

Vitamina A
Vitamina B12
SHASHNI, R. et al. Comparison of risk indicators of dental caries in children with and without cleft lip and palate deformities.
Comtemporary Clinical Dentristry. v. 6, n. 1, p.58-62, 2015 Jan-Mar.

Não há relação direta entre a prevalência de fissuras labiopalatinas e a incidência de caries;

A acidogênese é um dos fatores que pode causar caries, assim como a falta de higiene;

DEVLIN, Thomaz M. Manual de Bioquímica com correlações clínicas. 7 ed. Blucher: São Paulo, 2011.

SHASHNI, R. et al. Comparison of risk indicators of dental caries in children with and without cleft lip and palate deformities. Comtemporary Clinical Dentristry. v. 6, n. 1, p.58-62, 2015 Jan-Mar.

Michelle Zanon. Efeito da fortificação com ácido fólico na redução dos defeitos do tubo neural. Cad. Saúde Pública [online]. 2007, vol.23, n.1 [cited  2015-06-27], pp. 17-24 .

SANTOS, Leonor Maria Pacheco  and  PEREIRA, Michelle Zanon. Efeito da fortificação com ácido fólico na redução dos defeitos do tubo neural. Cad. Saúde Pública [online]. 2007, vol.23, n.1 [cited  2015-06-27], pp. 17-24 .

COELHO, Liana S. et al . Deficiência de tiamina como causa de cor pulmonale reversível. Arq. Bras. Cardiol.,  São Paulo ,  v. 91, n. 1, p. e7-e9, July  2008 .





Referências

Estudos Epidemiológicos
Disponivel em: < http://www.clinicaantonioassuncao.com.br/includes/images/faq/01_3_4.jpg>. Acesso em: 23 de jun de 2015.
Disponivel em: <http://www.rbcp.org.br/imagens/v25n1a08fig13.jpg>. Acesso em: 23 de jun de 2015.

A incidência de fissuras labiopalatais é maior em homens. Já as mulheres possuem maior incidência de fissuras estritamente palatais.

Incidência Quanto ao Sexo

Disponivel em: <http://itnet.com.br/imagens/rotary_labios.jpg>. Acesso em: 23 de jun de 2015.

A maior incidência fica com os asiáticos, mais especificamente com os japoneses, com um índice de 2,1/ 1000 nascidos vivos. Já a menor incidência fica com os africanos, com um índice de 0,3/ 1000 nascidos vivos.

Incidência Quanto à Raça

Disponivel em: <http://www.rbcp.org.br/imagens/21-02-01-fig15.jpg> . Acesso em: 23 de jun de 2015.

As fissuras mais comum são as que envolvem tanto o lábio quanto o palato. Dentre estas, as mais comum são as unilaterais esquerdas, com uma frequência duas vezes maior do que as unilaterais direitas.

Quanto ao Tipo

No Brasil, a incidência de fissuras labiopalatais é de 1/ 650 nascidos vivos. Quanto à raça, no Brasil as fissuras labiopalatais têm maior frequência entre os brancos.

No Brasil

Fonte: Estudo epidemiológico das fissuras labiais e palatais em Alfenas - Minas Gerais - de 1986 a 1998 / Epidemiologic study of cleft lip and palate in Alfenas - Minas Gerais - from 1986 to 1998

Um estudo feito com 22 pessoas, nascidas entre os anos de 1986 e 1998, que possuem algum tipo de fissura, em Alfenas, mostrou que: a incidência de fissuras foi de 1,46/ 1000 nascidos vivos ao ano; 60% dos afetados foram homens e 40% mulheres; das 22 fissuras, 10 eram labiais, 8 labiopalatais e 4 palatais, com predominância de fissuras bilaterais.

Em Alfenas

A incidência cresce com a presença de parentes fissurados:

Pais normais: 0,1% de chance de ter um filho fissurado
Pais normais e um filho fissurado: 4,5% de chance de ter outro filho fissurado
Um dos pais fissurado e um filho fissurado: 15% de chance de ter outro filho fissurado

Frequência na Família

VASCONCELOS, B.C.E.; SILVA, E.D.O.; PORTO, G.G.; PIMENTEL, F.C.; MELO, P.H.N.B.- Incidências de malformações congênitas labiopalatais. Rev. Cir. Traumat. Buco - Maxilo-Facial, v.2, n.2, p. 41-46, jul/dez – 2002

Estudo epidemiológico das fissuras labiais e palatais em Alfenas - Minas Gerais - de 1986 a 1998 / Epidemiologic study of cleft lip and palate in Alfenas - Minas Gerais - from 1986 to 1998

Referências

Formação Embrionária
Cefalização
Estomodeu
Proeminência frontonasal
Aparelho faríngeo

Sinalização Celular
Dentinogênese
Desenvolvimento embrionário dos dentes
Os dentes se desenvolvem a partir do ectoderma oral, do mesênquima, e da crista neural.

Os mecanismos moleculares e as vias de sinalização envolvem a expressão e os efeitos do FGF, BMP, Shh, e Wnt.

MOORE K L., PERSAUD T.V.N. Embriologia Clínica. 9ª Edição. Elsevier, 2012.

Foram analisadas 592 radiografias panorâmicas, sendo 106 dentro dos critérios de inclusão, de indivíduos de 9 a 37 anos de idade. A tabela a seguir mosta a comparação relacionando a presença de anomalias dentárias nos lados adjacentes e não adjacentes à fissura

Anomalias dentárias em indivíduos com fissura transforme incisivo unilateral e o tratamento endodôntico, Pereira A C, Nishyiama C K, Pinto LC. RFO, Passo Fundo, v. 18, n. 3, p. 329, set./dez. 2013

Histologia nasal e oral
Retirado de NETTER, F. Atlas Human Anatomy. 6 ed. Elsevier: Philadelphia, 2014.


Retirado de NETTER, F. Atlas Human Anatomy. 6 ed. Elsevier: Philadelphia, 2014.


Retirado de JUNQUEIRA, L.C.; CARNEIRO, José; Histologia Básica. 10 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2004.


Músculo estriado esquelético

Retirado de NETTER, F. Atlas Human Anatomy. 6 ed. Elsevier: Philadelphia, 2014.


Retirado de BERKOVITZ, B.K.B. et al. Anatomia, Embriologia e Histologia Bucal. 3 ed. Porto Alegre: Artmed, 2004.


Retirado de BERKOVITZ, B.K.B. et al. Anatomia, Embriologia e Histologia Bucal. 3 ed. Porto Alegre: Artmed, 2004.


Retirado de BERKOVITZ, B.K.B. et al. Anatomia, Embriologia e Histologia Bucal. 3 ed. Porto Alegre: Artmed, 2004.


Retirado de BERKOVITZ, B.K.B. et al. Anatomia, Embriologia e Histologia Bucal. 3 ed. Porto Alegre: Artmed, 2004.


Retirado de BERKOVITZ, B.K.B. et al. Anatomia, Embriologia e Histologia Bucal. 3 ed. Porto Alegre: Artmed, 2004.


Retirado de BERKOVITZ, B.K.B. et al. Anatomia, Embriologia e Histologia Bucal. 3 ed. Porto Alegre: Artmed, 2004.


Retirado de BERKOVITZ, B.K.B. et al. Anatomia, Embriologia e Histologia Bucal. 3 ed. Porto Alegre: Artmed, 2004.


Retirado de BERKOVITZ, B.K.B. et al. Anatomia, Embriologia e Histologia Bucal. 3 ed. Porto Alegre: Artmed, 2004.


Retirado de BERKOVITZ, B.K.B. et al. Anatomia, Embriologia e Histologia Bucal. 3 ed. Porto Alegre: Artmed, 2004.


WASCHIKE, J.; PAULSEN, F. Sobotta: Atlas de Anatomia Humana. 23 ed. Guanabara Koogan.

Há indícios, segundo o atlas Sobotta, de que possa haver um transplante muscular para malformações craniofaciais a partir de retalhos músculo peitoral maior.

BERKOVITZ, B.K.B. et al. Anatomia, Embriologia e Histologia Bucal. 3 ed. Porto Alegre: Artmed, 2004.

JUNQUEIRA, L.C.; CARNEIRO, José; Histologia Básica. 10 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2004.

NETTER, F. Atlas Human Anatomy. 6 ed. Elsevier: Philadelphia, 2014.

WASCHIKE, J.; PAULSEN, F. Sobotta: Atlas de Anatomia Humana. 23 ed. Guanabara Koogan.




Referências:

Amamentação e Engasgo
Cuidados com a amamentação em casos de malformações orofaciais.

Fornecer orientações constantes à mãe.
cuidados especializados;
técnicas alimentares antes e depois da alta.

Suporte emocional.

Solicitar apoio familiar.


Equipe de multiprofissionais.

Propriedades anti-infecciosas do leite;
Menor irritação na árvore brônquica;
Maleabilidade da mama;
Sucção = melhor desenvolvimento;
Menor pressão na tuba auditiva;
Contato mãe e filho.

Benefícios do aleitamento.

Disponivel em: <www.brasil.babycenter.com> Acesso em: 24 de jun de 2015.

No momento do parto;
Conscientização da família e prevenção de broncoaspiração.

Técnicas de aleitamento.

Posição de cavaleiro, Tratado de Pediatria, 2º ed.

Posição “mão de dancer”, Tratado de Pediatria, 2 ed.

Fissuras labiopalatais: “mão de dancer” e posição ortostática(de cavaleiro);




Dificuldades concomitantes:
Perda de peso;
Deglutição ruidosa;
Sibilo durante a sucção;
Complementação alimentar.
Orientações adicionais.
Mama cheia;
Oferecer leite antes da mamada;
Uso de travesseiro para a posição de cavaleiro.

Bom estado nutricional;
Armazenamento de leite materno;
Alimentação normal pós-operatório;
Complementação alimentar.

Recomendações Pré e Pós- operatório.

Pais estão preparados para socorrer?

Engasgo

Tratamento
SILVA FILHO, Omar Gabriel da; OZAWA, Terumi Okada; BORGES, Heloisa Carvalho. A influência da queiloplastia realizada em tempo único e em dois tempos cirúrgicos no padrão oclusal de crianças com fissura bilateral completa de lábio e palato. Revista Dental Press de Ortodontia e Ortopedia Facial, Maringá, v. 12, n. 2, p. 24-37, mar./abr. 2007.

“A precocidade do tratamento do fissurado minimiza danos estéticos, anatômicos, funcionais e psicológicos na idade adulta.”
MELGAÇO, Camilo Aquino et al. Aspectos ortodônticos/ortopédicos e fonoaudiológicos relacionados a pacientes portadores de fissuras labiopalatinas. Revista Brasileira de Implantodontia e Prótese sobre Implantes, Maringá, v. 7, n. 37, p. 23-32. jan./fev. 2002.


EQUIPE MULTIDISCIPLINAR
CIRURGIAS PRIMÁRIAS
CIRURGIAS SECUNDÁRIAS

TRATAMENTO CIRÚRGICO

CARLINI, J. L. Et al. Enxerto Autógeno De Crista Ilíaca Na Reconstrução Do Processo Alveolar Em Portadores De Fissura Labiopalatina – Estudo De 30 Casos. Trabalho realizado no Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço do Hospital Heliópolis – Hosphel – São Paulo-SP. Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões — Vol. 27 – no 6 — 389. 2000.

RODRIGUES, Marina Roncatto et al. Fissura completa bilateral: características morfológicas. Revista de Odontologia da UNESP, Araraquara, v. 34, n. 2, p. 67-72, 2005.

“Para refazer o assoalho ósseo da fossa nasal, foi utilizado um fragmento ósseo de crista ilíaca (porção cortical triturada), não sendo utilizado nenhum método de fixação, promovendo-se a separação definitiva das cavidades nasal e bucal. Em seguida, utilizou-se a porção medular do fragmento de crista ilíaca individualizado, de forma triturada pura ou combinada com material aloplástico (hidroxiapatita) para preenchimento da fenda palatina existente.”

ENXERTO ÓSSEO

Estruturas Afetadas
Região Oral

Esruturas afetadas

COSTA, M. Deglutição 70-84.

Limites e Cavidades

COSTA, M. Deglutição 70-84; 92.

Esqueleto ósseo da cabeça

COSTA, M. Deglutição 70-84; 92.

Osso palatino

CARVALHO, F. I. Ortopedia maxilar neonatal, pré e pós-cirurgia reparadora em pacientes portadores de fissuras labiopalatinas. Universidade Estadual do Ceará.
Academia Cearense De Odontologia- Centro De Educação Continuada. Fortaleza, 2008.

Deformidades ósseas

COSTA, M. Deglutição 70-84; 92.

Organização muscular

COSTA, M. Deglutição 70-84; 92.

Músculos Cuticulares

COSTA, M. Deglutição 70-84; 92.

Músculos do assoalho da boca

COSTA, M. Deglutição 70-84; 92-97.

Língua

COSTA, M. Deglutição 70-84; 92.

Músculos da mastigação

COSTA, M. Deglutição 70-84.

“A sequência das ações da fase faríngea implica a determinação do sentido do fluxo e a exclusão das vias aéreas por ação dos processos presentes na região, ação da úvula e da epiglote”

Faringe

COSTA, M. Deglutição 70-84; 92-97.

Palato Mole

COSTA, M. Deglutição 70-84; 92-97.

M. tensor do palato mole e M. levantador do palato mole

M. da úvula; M. palatoglosso; M. palato faríngeo

Vascularização

Discussões Antropológicas
SUS
Disponivel em: <http://psfonline.alfenas.mg.gov.br/caensa/>. Acesso; 26 de jun de 2015.



Travessa Dom Silvério, 33 – Aparecida;
O PSF Caensa localiza-se em área urbana, a 1,5 km de distância do centro;
Há pontos de ônibus na área e as ruas são todas asfaltas, facilitando o acesso ao PSF. O ônibus passa pela região a cada 30 minutos;

PSF CAENSA

Rua Adolfo Engel, 625, Jardim Elite


Creche Lucinda Tamburini de Souza
Ipê Amarelo


A creche é uma instituição municipal e oferece vagas para crianças com faixa etária entre 4 meses e 4 anos;
Horário de funcionamento: das 6h às 18h;
Clientela atendida: crianças de bairros próximos.
Qualquer ocorrência dentro da creche, a mãe da criança é comunicada e o SAMU é acionado. Nenhuma providência é tomada na creche;






Disponível em: <http://www.unifenas.br/extensao/eventospassados/iiforum/projetoprosorriso.htm>. Acesso em: 25 de jun de 2015.


Disponível em: <https://unifenas.br/noticia.asp?note=uni_464>. Acesso em: 25 de jun de 2015.


Coordenador: Julian Miranda Orsi Júnior

O Centro Pró-Sorriso localiza-se dentro da UNIFENAS, com a qual mantém vínculo.

Centro Pró Sorriso

No Centro Pró-Sorriso não há mais geneticista;

Função do geneticista:
Orientação em relação as chances de um segundo filho com fenda;
Análise de exames citogenéticos molecular em casos de gravidez constatada.

Acesso ao geneticista via SUS;

Importância do aconselhamento genético:
aspecto psicológico;
abordagem positiva da família e melhoria da aceitação familiar;
tratamento mais precoce resultando em maior integração social;
melhora os resultados do tratamento de fissuras lábio-palatina.








Dispoível em: <http://www.acm.org.br/revista/pdf/artigos/674.pdf>. Acesso em: 25 de jun de 2015.
Embriologia
CORRÊA, Maria. Odontopediatria na primeira infância, 3ª ed. Editora Santos.

Primeiras evidências:
Fissuras labiais em uma escultura indígena datada do século I da era Cristã;
Primeiro tratamento cirúrgico,ocorreu no ano de 390d.C

Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo o Projeto de Lei no. 161, 23 de março de 2013

Objetivo: Fissurado como portador de deficiência física.


Histórico

A partir da 14ª semana;
Ultrassonografia obstetrícia;
Ultrassonografia morfológica (3D e 4D);
Análise Citogenética:
-Um dos pais e um filho fissurado apresenta 15% de chance de ter outro filho fissurado



Diagnóstico

Objetivos gerais (ligados à APS):

- Longitudinalidade do cuidado: Vigiar o crescimento físico e o desenvolvimento neuropsicomotor;
- Integralidade da atenção: Promover a educação alimentar e nutricional;
- Coordenação dos cuidados:
Promover a prevenção de acidentes;
-Promover a higiene física;


PUERICULTURA

-Pediatria;
> Promoção da saúde infantil;
>Aspectos de prevenção;
> Orientações antecipatórias;
> Compreender a criança em seu ambiente familiar e social;


PSF

Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/csc/v11n3/30988.pdf >. Acesso em 21 de junho de 2015

Diretrizes do SUS X Fenda Labiopalatal

Não há relação com o NASF pois os centros especializados possuem toda a equipe multiprofissional para atender o paciente.


UNIVERSALIDADE;
EQUIDADE;
INTEGRALIDADE;
HIERARQUIZAÇÃO E REGIONALIZAÇÃO;
PARTICIPAÇÃO COMPLEMENTAR DO SETOR PRIVADO;




Disponível em: < http://www.operacaosorriso.org.br/para-pais-e-pacientes/duvidas-das-maes > Acessado em 21 de junho de 2015.

Criado pelo Ministério da Saúde;
Abrange todos os estados do país;
OBJETIVO: Visa garantir o acesso ao tratamento médico a pacientes portadores de doenças que não podem ser tratadas em seu estado de origem;
Oferece uma ajuda de custo (alimentação, transporte e hospedagem) ao paciente e, em alguns casos, também ao acompanhante;

Tratamento Fora de Domicílio (TFD)

- Chau (Pai): 38 anos
- Lia (mãe): 40 anos
- Residentes Bairro Aparecida;
- Ambos Ensino Médio Completo;
- Moradores casa própria;
- Casa de Alvenaria com água encanada e esgoto;
- Trabalham em um comércio;
- Renda mensal: 4 salários mínimos.


Classificação de Risco

Disponível em: < http://www.fonosp.org.br/publicacoes/materiais-de-consulta/informativo-centros-especializados-e-hospitais-para-tratamento-de-fissura-labio-palatina/ > Acessado em 22 de junho de 2015

Centros especializados

Tratamento tem duração de 18/20 anos;
No Brasil há aproximadamente 52 Centros


- Tratamento multiprofissional:
> Odontologia;
> Cirurgia plástica;
>Fonoaudiologia;
>Psicólogo;
>Nutricionista;
>Pediatra;
>Geneticista;
>Assistente Social.


Razão social: Centro Pró-sorriso da Unifenas-
FETA (Fundação de Ensino e Tecnologia de Alfenas)
.
Fundado 19 de agosto de 1992 e em 14 de agosto de 1998 foi credenciado em
Alta Complexidade
.
Credenciado pelo
Ministério da Saúde
– SUS e pela
Secretaria Estadual de Saúde
.
Atende
230 pessoas por mês
, tanto adulto quanto criança com deformidade crânio-facial que inclui os com fissura lábio palatal, prótese de olho, nariz e etc.
Alcança em media de
70 a 95% da reabilitação do paciente
.
Parceiros: Fundação de Ensino e Tecnologia de Alfenas, Sistema Único de Saude, Prefeitura Municipal de Alfenas, ONG Smile Train de NY EUA e
Secretaria de Estado de Saúde
.




Centro Pró- Sorriso


Indicadores psicossociais dos portadores de fissura labiopalatal.

Como o restante da sociedade se porta sobre isso.

Questão Social

Um estudo realizado na cidade de Bauru no Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais da Universidade de São Paulo HRAC-USP, teve como objetivo nos mostrar claramente esses questionamentos, teve com amostra.
67 adolescentes portadores de fissura labiopalatal.
67 adolescentes sem fissura, todos residentes na cidade de Bauru.

Expressam-se como :

menos tranquilos
menos inteligentes
menos dependentes
menos tímidos.
Adquirem maior facilidade para lidar com situações que envolvam deboche e preconceito.
Os adolescentes portadores de fissuras apresentam predomínio quanto ao uso de bebidas alcoólicas.

Questão Emocional dos Portadores

49,2% dos adolescentes dos portadores, consideram-se satisfeitos com o tratamento e cirurgias não achando necessário qualquer outro procedimento no momento.

Envolvem-se em confrontos físicos com maior frequência, para defender sua autoimagem.


Autoimagem

Percebe-se por meio deste estudo, que os adolescentes portadores de malformação labiopalatal, superam os limites da deficiência, evento fundamental para que se integrem à sociedade, apresentando satisfação com a vida que levam, através da auto realização, saúde e bem-estar.


Conclusão

Um dos dados mais significativos do estudo constatou que:

No grupo sem fissura, 15 adolecentes (22,4%) têm algum conhecimento.
E 52 adolecentes (77,6%) desconhecem esta malformação.

Questão do Preconceito


A partir dessa informação, nota-se :

Os portadores de malformação labiopalatal são julgados pela marca que possuem. Toma-se o todo pela parte: considera-se o corpo inteiro e, por conseqüência, a pessoa em sua totalidade, como inteiramente ou globalmente malformada e não apenas a parte lesada.
Por isso, é importante ressaltar que o portador de uma deficiência tem sempre que provar para si e para as outras pessoas, que é um ser capaz e tais dificuldades acabam se transformando em estímulo para que ultrapassassem as barreiras (Montanari, 1999).


Tese apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Pediatria, Área de Concentração em Pediatria da Faculdade de Medicina de Botucatu – UNESP para obtenção do título de Doutor.

Bachega.Maria Irene; 2002 – INDICADORES PSICOSSOCIAIS E REPERCUSSÕES NA QUALIDADE DE VIDA DE ADOLESCENTES COM FISSURA LABIOPALATAL .

Referência

Vídeo
Vídeo
Fissura transforame bilateral;
Acompanhamento: HRAC – Centrinho/USP Bauru;
Centrinho/USP;
Idade: 1 ano e 4 meses;
Cirurgias: 3 meses (lábio e palato duro) e 12 meses (palato mole);
Futuras cirurgias
- Enxerto ósseo: 7 anos
- Ortognática: 18 anos
- Cirurgias plásticas: nariz e lábio
Pré-natal;
Nascimento;
Sentimentos.


João Victor

Disponível em: < http://www.centrinho.usp.br/hospital/ >. Acesso em: 24 de jun de 2015.
Exigências primeira cirurgia: 3 meses e 5 kg

Detalhes da cirurgia: mamadeira com colher,
sem usar bico e mamadeira convencional por 30 dias

Segunda cirurgia: alimentação com colher durante 30 dias (somente alimentos líquidos).
Proteção com cano de PVC até os pontos caírem.
Ambas as cirurgias foram realizadas com ponto.

Desenvolvimento de João Victor

Atualmente...

Responsável por proliferação celular, migração e especificação do destino celular.

Via de sinalização Wnt/β – Catenina

SINALIZAÇÃO CELULAR

Dessa forma, mutações que modifiquem de alguma forma esses receptores são responsáveis por alterar a via de sinalização e consequentemente causar fenda labiopalatina.

Estudos demonstram que receptores e co-receptores transmembrana relacionados com a via Wnt estão intimamente ligados com o fechamento do palato.

RELAÇÃO COM FENDA LABIOPALATINA
Full transcript