Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Insuficiência Cardíaca Congestiva

No description
by

Renata Ribeiro P Campos

on 23 November 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Insuficiência Cardíaca Congestiva

Componentes:
Ana Paula Gonçalves, Barbara Gonçalves, Ellen Joyce, Emanuele Lemos Erica Borges, Kamila Martins, Nazarena Figueiredo e Renata Campos

Cuidado Integral ao Paciente com Ênfase em ICC
O processo de enfermagem é uma forma de prestar cuidados de forma sistemática, humanizada e individualizada. Ao padronizarmos os cuidados estamos garantindo ao cliente uma assistência integral, sem perder a individualidade de cada paciente, proporcionando um cuidado único, porém dentro das normas de atendimento pra cada tipo de situação. Com o objetivo de ampliar a discursão acerca do tratamento e continuidade do paciente portador de Insuficiência Cardíaca Congestiva (ICC), se faz necessário um trabalho multidisciplinar continuo entre todos os profissionais envolvidos, para um atendimento eficaz e funcional.
Introdução
Geral
Avaliar ações que podem ser desenvolvidas pelo enfermeiro no cuidado integral ao paciente com ICC.

Específico
Elaborar diagnósticos, resultados esperados e planos de cuidados para um paciente portador Insuficiência Cardíaca Congestiva (ICC).
Objetivos
Este trabalho tem como finalidade abordar a ICC, sob um fato real de um paciente internado em uma Unidade de Pronto Atendimento. Realizamos estudo de Campo proporcionando um grupo de discussão do Caso Clínico. Além disso, realizaremos uma interdisciplinaridade com as disciplinas estudadas no 6° período de Enfermagem, e suas peculiaridades em relação ao tema abordado, dando ênfase aos caracteres psicobiológicos, psicossociais e psicoespirituais desta patologia com fundamento na teoria de Wanda Aguiar Horta, visando o cuidado integral com o paciente.
 
Justificativa
Metodologia
Insuficiência Cardíaca Congestiva
Orientador: Clayton Lima Melo
Pergunta de Partida
Quais ações podem ser viabilizadas pelo enfermeiro no cuidado integral ao paciente com ICC?
Insuficiência cardíaca (ICC) é a condição clínica na qual o coração se torna incapaz de bombear o volume sanguïneo necessário para suprir as demandas do metabolismo tecidual(oxigênio e nutrientes), usualmente causada por comprometimento da função contrátil do músculo cardíaco(falência miocárdica), traduzida funcionalmente por disfunção sistölica.
(PRADO,2005)
Fisiopatologia
O coração tem a capacidade de ajustar suas funções para atender as necessidades orgânicas do nosso corpo. Quando estamos dormindo, ocorre a diminuição do débito cardíaco (DC) e quando praticamos atividades físicas este débito é aumentado para atender a demanda do nosso corpo.
(PORTH, 2002)
Etiologia
Diagnóstico
Tratamento
Considerações Finais
Compreendemos que a integralidade, como um dos princípios do SUS que exige novos padrões de relacionamento entre serviços, profissionais e usuários, se efetiva através da relação entre os diversos cidadãos com suas diferentes perspectivas e interesses, no interior das instituições, nos vários níveis de atenção básica. (RIBAS, 2002)

E a assistência ao portador de ICC , quando fundamentada teoricamente e aplicada de forma correta, vem para auxiliar no processo de manutenção da saúde da vítima de ICC e principalmente a melhoria da qualidade de vida do mesmo.

O desafio é grande. Aprendemos que, para tratarmos de forma adequada o paciente portador de ICC, devemos trabalhar para melhor qualidade de vida e evitar complicações, entretanto, trabalhando com promoção à saúde, poderemos evitar que muitos pacientes sejam portadores desta e outras patologias.
BRUNNER, Lilian Sholtis; SUDDARTH, Doris Smith. Enfermagem Médico Cirúrgico.8 ed.Rio de Janeiro: Guanabara koogan, 2005.v.1 p.835.
COSTA, Ludmila Lima. Processo de Enfermagem aplicado ao paciente com Insuficiência Cardíaca Congestiva. 10 Sinaden: São Paulo: 2009.
Diagnóstico de Enfermagem da NANDA: definições e classificação 2009-2011/NANDA International; tradução Regina Machado Garcez.-. Porto Alegre: Ar-tmed; 2010.

Fisiologia do ICC Insuficiência Cardíaca Congestiva. Disponível em: http://pt.scribd.com/doc/55211040/Fisiologia-Do-ICC-Insuficiencia-Cardiaca-Congestiva. Acessado em 21 de NOV. 2012.

GIL, Antonio Carlos. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 4 Ed, São Paulo: editora Atlas, 2002.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. MANUAL DE ESTRUTURA FÍSICA DAS UNIDADES BÁSICAS: SAÚDE DA FAMÍLIA. Brasília, 2ª ed., 2008.
MINISTÉRIO DA SAÚDE. CADERNO DE ATENÇÃO BÁSICA. DOENÇAS RESPIRATORIAS CRÔNICAS. Brasília, 2010
PORTH, Carol Mattson. Fisiopatologia. 6ed,Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002.
Referências
Obrigada
Cuidados de Enfermagem
Intervenções de Enfermagem
A ICC não é um diagnóstico específico, mas sim, o resultado de outras doenças ou fatores de risco. Descobrir essa condição é importante, pois o tratamento depende dela. Muitas condições podem causar a ICC, entre elas:
•Distúrbios do Músculo Cardíaco;
•Aterosclerose coronária;
•Hipertensão Pulmonar ou sistêmica;
•Doenças degenerativas e inflamatórias do miocárdio;
•Outras doenças cardíacas;
•Fatores Sistêmicos.
•Anamnese e exame físico;
•Hemograma;
•Eletrocardiograma;
•Radiografia de Tórax;
•Ecocardiograma;
•Cateterismo Cardíaco;
•Cinecoronariografia.
(BRUNNER, 2005)
(BRUNNER, 2005)
Tratar o paciente com ICC inclui o fornecimento de aconselhamento geral e educação sobre a restrição de sódio, monitoração do peso diário e de outros sinais de retenção de liquido, encorajamento do exercício regular e recomendação para prevenção de ingesta excessiva de líquidos, álcool e fumo.
Terapia farmacológica:
Digitálicos;
Diuréticos;
Vasodilatadores.
(BRUNNER, 2005)
Os principais cuidados que devem ser realizados pela equipe de enfermagem são:
Promover o repouso. Justificativa: Diminui o trabalho cardíaco, aumenta a reserva cardíaca e reduz a pressão arterial.
Posicionamento. Justificativa: Elevar cabeceira do leito (45°) o retorno venoso ao coração (pré-carga) e pulmões é reduzido.
Aliviar ansiedade. Justificativa: Elevar cabeceira do leito e manter uma lâmpada acesa ao dormir.
Evitar o estresse. Justificativa: Produz vasoconstrição, aumenta a pressão arterial e acelera o coração.
Promover perfusão tecidual adequada. Justificativa: Estimular a prática de exercícios diários moderados
(BRUNNER, 2005)
Manifestações Clíncas
ICC a Direita
ICC a Esquerda
ICC
(BRASILIA, 2010)
Trata-se de um estudo de caso de caráter descritivo e exploratório, realizado em uma Unidade de Pronto Atendimento na cidade de Belo Horizonte, no dia 31 de agosto de 2012, com o paciente T.B.S., trinta e quatro anos.
A pesquisa foi realizada através de literaturas, utilizando artigos científicos e livros relacionados ao tema. A seleção dos artigos foi efetuada em sites como Bireme.
A coleta de dados, tais como a Anamnese, Exame Físico, dados do prontuário e avaliação. Essa pesquisa obtém um contexto qualitativo com a preparação de um relatório, sendo uma forma de demonstrar que o estudo de caso constitui procedimento científico.
(GIL, 2002)
DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM
RESULTADO ESPERADO
PRESCRIÇÕES DE ENFERMAGEM
Volume de líquidos excessivo relacionado a mecanismos reguladores comprometidos, caracterizado por edema generalizado.
O paciente deverá alcançar estabilidade do volume de líquidos corpóreos até o final da internação.
Débito cardíaco diminuído relacionado a volume de ejeção alterado caracterizado por taquidispnéia e edema
O paciente deverá apresentar estabilidade hemodinâmica durante o período de internação hospitalar.
Intolerância a atividade relacionada a fraqueza generalizada caracterizada por dispneia aos esforços
O paciente não deverá realizar esforços físicos durante a internação hospitalar.
- Aferir Dados Vitais (DV) de 6/6 horas, atentando para possíveis alterações, comunicar o enfermeiro. (Técnico em enfermagem).

- Administrar medicamentos prescritos e checar conforme horário; (Técnico de Enfermagem)

- Avaliar o peso diariamente, comunicar ao enfermeiro e anotar no prontuário; (Técnico de Enfermagem)

- Inspecionar a pele quanto à palidez e cianose, comunicar anormalidades. Diariamente (Equipe de enfermagem).

- Observar pulso pedioso de 12-12 horas, atentar para edema, vermelhidão e palidez em MMII. (Equipe de enfermagem).
Intervenções de Enfermagem
Intervenções de Enfermagem
DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM
RESULTADO ESPERADO
PRESCRIÇÕES DE ENFERMAGEM
PRESCRIÇÕES DE ENFERMAGEM
RESULTADO ESPERADO
DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM
- Posicionar em semi-Fowler ou Fowler-alto para facilitar o retorno venoso. Diariamente (Equipe de Enfermagem).
- Realizar ausculta cardíaca de 12/12 horas, para avaliação dos sons, observar possíveis alterações. (Enfermeiro)
Observar sinais e sintomas da diminuição da perfusão tecidual periférica: pele fria, palidez facial, enchimento capilar retardado, diariamente (Equipe de Enfermagem).
- Administrar terapêutica prescrita e avaliar a resposta quanto ao alívio de sintomas, diariamente (Técnico de Enfermagem).
- Melhorar a oxigenação, diariamente (Equipe de Enfermagem).
- Administrar O2 para reduzir dispneia e fadiga, quando necessário; (Técnico de Enfermagem)
- Posicionar em semi-Fowler ou Fowler-alto para facilitar a respiração e aliviar a congestão pulmonar, diariamente (Técnico de Enfermagem).
- Monitorizar frequência respiratória, profundidade e facilidades respiratórias, 2/2 horas; (Técnico de Enfermagem).
- Promover a alternância de decúbitos, de 2/2horas; (Técnico de Enfermagem)
- Estimular os exercícios frequentes de respiração profunda, diariamente; (Equipe de Enfermagem).
- Proporcionar refeições fracionadas e em pouca quantidade, a cada dieta; (Técnico de Enfermagem).
Caso Clínico fundamentado na teoria das Necessidades Humanas Básicas de Wanda Aguiar Horta

IDENTIFICAÇÃO:Trata-se de T. B. S., 34 anos, sexo masculino, melanodermo, ensino médio completo, desempregado, solteiro, natural e residente em Belo Horizonte.
CONTEXTO:
#QP: Admitido em uma Unidade de Pronto Atendimento há 01 dia, proveniente de uma Unidade Básica de Saúde/BH-MG. Com diagnóstico médico de Insuficiência Cardíaca Congestiva descompensada.
#HMA: Paciente relata que há 02 dias apresenta episódios intermitentes de cansaço aos mínimos esforços associada a dor abdominal difusa, evoluindo com taquidispnéia, edema em MMSS/II, hipotensão. Nega episódios anteriores.
#HP: Portador de Miocardiopatia, Asma, HAS. Nega DM, alergoses, outras comorbidades e passado cirúrgico. Relata passado de etilismo e tabagismo há um ano. Em uso domiciliar regular de Furosemida 10mg, Enalapril 20mg, Espironolactona 25mg e Carvedilol 3,125mg.
Full transcript