Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Gramática de Construção Corporificada

No description
by

Paulo Henrique Duque

on 12 March 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Gramática de Construção Corporificada

GRAMÁTICA DE CONSTRUÇÃO CORPORIFICADA Objetivos A GCC é uma representação simbólica de nível mais alto, pensada para ser projetada a uma representação neural de nível mais baixo. O NTL se baseia em dois princípios: Hipótese do melhor ajuste: a seleção de construções durante a produção é baseada no ajuste probabilístico do inventário de construções armazenadas à intenção comunicativa correspondente; por outro lado, a interpretação do ouvinte é baseada na melhor seleção de construções, dado o enunciado e o contexto. Hipótese da simulação: compreender é simular mentalmente (neurônios espelho) O cérebro como um simulador de ação Neurônios-espelho Sorrimos quando vemos alguém sorrir e choramos quando o protagonista de um filme chora. Quando vemos alguém fazendo algo, automaticamente simulamos a ação no cérebro, é como se nós mesmos estivéssemos realizando aquele gesto: ensaiamos ou imitamos mentalmente toda ação que observamos. Neurônios-espelho: distribuídos por partes essenciais do cérebro - córtex pré-motor e centros de linguagem, empatia e dor. As células cerebrais são essenciais no aprendizado de atitudes e ações, como conversar, caminhar ou dançar. Elas permitem que as pessoas executem atividades sem necessariamente pensar nelas, apenas acessando o seu banco de memória. Pesquisas de Rizzolatti (Universidade de Parma) Neurônios disparam, mesmo que não estejamos executando uma ação ou manipulando um objeto. Possuímos neurônios-espelho muito mais sofisticados e flexíveis que os macacos. Detectamos cadeias de atos motores, a partir de um estímulo mínimo. O cérebro associa a visão de movimentos alheios ao planejamento de seus próprios movimentos. Neurônios-espelho são ativados quando imitamos, complementamos uma ação ou quando nos imaginando a realizar uma ação. Há uma conexão entre percepção e ação. A percepção seria uma simulação interna da ação. Mas qual seria a verdadeira função dos neurônios-espelho? Talvez não seja exatamente o de espelhar ou simular a ação, mas o de antecipar as possíveis respostas a essa ação. O cérebro seria um gerador de hipóteses que antecipa as consequências da ação e que permite a tomada de decisão. Devido a essa capacidade, podemos imaginar aquilo que se passa na mente do outro, colocando-nos no lugar da outra pessoa, compreendendo suas ações. A capacidade de simular a perspectiva do outro estaria na base de nossa compreensão das emoções do outro, de nossos sentimentos empáticos. Isso faz toda a diferença, porque é graças a essa capacidade que podemos estabelecer relações sociais. A predição das emoções do outro é fundamental para o comportamento sociail. Nós nos colocamentos mentalmente no lugar de outra pessoa. Nem tudo no nosso comportamento é aprendido, mas os neurônios-espelho são um mecanismo chave para a aprendizagem. O autismo teria relação com falhas no sistema de neurônios-espelho? 1 - só são ativados quando o ser visualizado interage com um objeto. Características dos neurônios-espelho 2 - não são ativados durante a imitação com o objeto. 3 - nossa sobrevivência depende do entendimento das ações, intenções e emoções das outras pessoas. 4 - hemisfério esquerdo 5 - graças aos neurônios-espelho somos capazes de interpretar metáforas. Abstração Compreensão da linguagem
duas fases Primitivos da GCC Esquemas I e Esquemas X Construções
(lexicais, gramaticais, morfológicas, gestuais etc.) Projeções
(metafóricas, metonímicas, espaços mentais) Espaços mentais
(discurso, hipotético, contrafactual etc.) A GCC distingue: Definição/ tipo de objeto (esquema ou construção) Instância do objeto. Assim, existem múltiplas instanciações de um único tipo/ definição. As definições/tipos dizem respeito à gramática As instâncias são unificadas à definição/ tipo para formar o semspec. UNIFICAÇÃO Para representar a linguagem, precisamos instanciar um monte de estruturas (que são vinculados via papéis) Há restrições de tipo, valor e identidade sobre o que pode ser vinculado a quê. Unificação: processo de vinculação restrita. Em GCC, a unificação é conhecida como "binding" devido ao que isso representa em termos neurais. Esquemas de três tipos Esquemas semânticos: definem a estrutura interna de um conceito - inclui frames e esquemas universais Esquemas de forma: tais como PALAVRA definem uma representação estruturadas da forma linguística (p.ex. fonologia, ortografia) Esquemas construcionais: definem os atributos gramaticais da construção - traços morofossintáticos como gênero e número Formalismo de um esquema Define um novo tipo de esquema Sinaliza que esse esquema é um subtipo de um ou mais tipos de esquemas, e pode herdar suas propriedades. Usado para relacionar o esquema a uma instância de outro esquema que pode já estar presente na análise. Papéis dos esquemas: entidades/ eventos que o esquema relaciona. São preenchidos por instâncias do esquema. Atribuição literal: um valor constante Binding/ unificação: sinaliza que o objeto preenchedor referidos por esses dois papéis são o mesmo. Anula uma restrição herdada. Evoca A instrução Evoca é exclusiva da GCC. Ela especifica um tipo de esquema a ser evocado e identifica o local da instância evocada. Procedimento: O analisador procura as instâncias do esquema que foram criadas até agora na análise para ver se combina com o tipo evocado e eventuais restrições impostas ao exemplo evocado. Se não existir tal esquema, uma nova instância do tipo evocado é criada. Que processo neural esse modelo representa? A ativação por espraiamento. Exemplo Hipotenusa é um conceito que é definido em relação ao triângulo retângulo. Logo, o esquema hipotenusa parece evocar o esquema triângulo retângulo. Este triângulo retângulo tem hipotenusa de dimensão 5 O esquema evocado já foi criado pelo sintagma triângulo retângulo, então a interpretação semântica de hipotenusa se refere a uma instância existente, TriânguloRetângulo. A hipotenusa de dimensão 5. Nenhuma outra palavra ou expressão na sentença instancia o esquema TriânguloRetângulo, então a evocação em Hipotenusa vai criar uma nova instância TriânguloRetângulo. Alguns esquemas já conhecidos O esquema "para dentro de" O esquema "para dentro de" vincula alguns esquemas na configuração que caracteriza o significado de "para dentro de". É um tipo de relação TrajetorMarco, tanto que os papéis trajetor e marco estão implícitos na definição. (Se "para dentro de" precisasse de papéis adicionais , eles poderiam ser definidos no "setor" de papéis). Formalismo de uma construção Construção: define um novo tipo de Cxn Subcaso de: sinaliza que esta cxn é um subtipo de um ou mais tipos de cxn e pode ter herdado propriedades. Bloco construcional: Diz respeito aos atributos gramaticais da cxn.
Constituintes são elementos da cxn. Podem ter esquemas construcionais, como por exemplo TraçosdoSubstantivo Bloco de forma: especifica a forma linguística da cxn. Pode ter um tipo de esquema de forma como Palavra que define propriedades para formas de palavras, tais como ortografia. Restrições -antes de- assinalam que o constituinte deve preceder outro no input. Restrições - precede- sinalizam que um constituinte deve preceder imediatamente o outro no input. Relembrando o esquema Paradentrode A construção Paradentrode Cxn associa este esquema semântico com sua forma linguística em Português (no caso, a forma escrita). Muitas construções são generalizações de outras construções. Normalmente desejamos definir construções gerais (ou abstratas) que nunca são instanciadas por conta própria, mas encapsulam propriedades de muitos subtipos de construções concretas. Por exemplo, é útil ter uma única construção capturando as propriedades compartilhadas de todas as preposições espaciais. Nunca queremos instanciar PreposiçãoEspacial diretamente. É muito vago! Por isso é definida como construção geral. O processo de análise produz uma especificação semântica que:

- inclui esquemas imagéticos, controle motor, e estruturas conceptuais

- fornece os parâmetros para a simulação mental. A especificação semântica
(semspec) Processo de compreensão da linguagem Análise construcional Especificação Semântica Resumo Partes - construções e esquemas. No geral, suas definições constituem a gramática.

Combinação = binding (unificação) de partes (instâncias). A rede completa é a semspec.

Significado do todo = simulação das partes combinadas. Bergen, Ben, & Chang, Nancy (2005). Embodied Construction Grammar in simulation-based language understanding. In J.-O. Östman, & M. Fried (Eds.), Construction grammar(s): Cognitive and cross-language dimensions. John Benjamins. Bryant, John (forthcoming). Ph.D. dissertation, University of California, Berkeley.
Feldman, Jerome A. (2006). From molecule to metaphor: A neural theory of language. Cambridge, MA: MIT Press.
Fillmore, Charles J., Kay, Paul, & O’Connor, Mary C. (1988). Regularity and idiomaticity in grammatical constructions: the case of ‘let alone’. Language, 64 (3), 501-538.
Goldberg, Adele (1995). Constructions: A construction grammar approach to argument structure. Chicago: University of Chicago Press.
Goldberg, Adele (2006). Constructions at work: The nature of generalization in language. New York: Oxford University Press.
Kay, Paul, & Fillmore, Charles J. (1999). Grammatical constructions and linguistic generalizations: the What's X doing Y? construction. Language, 75 (1), 1-33.
Langacker, Ronald W. (2002). Concept, image, and symbol: The cognitive basis of grammar (2nd ed.). Berlin: Mouton de Gruyter. 63
Revista Psiqué, ano VI, nº 76. Cérebro: um simulador de ação. páginas 24 a 31, 2012. (os trechos sobre neurônios-espelho foram extraídos da revista) Referências
Full transcript