Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Alterações Climáticas

180 slides
by

David Rocha

on 4 July 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Alterações Climáticas

Alterações climáticas Introdução
O que são?
Quais são?
Quando ocorrem?
Intervenão humana
Causas


Caso português
Consequências
Como evitá-las?
Conclusão
Bibliografia 1. Naturais
2. Antrópicas Índice Introdução: Este trabalho é acerca das alterações climáticas e suas consequências. Vamos falar sobre algumas das maiores catástrofes climáticas que se têm vindo a detetar nos últimos anos e como parar estas catástrofes. As mudanças climáticas verificam-se devido a fatores que influenciam o clima de modo a que este se altere. Ou seja, o clima não muda por acaso: o clima muda devido a certas causas.
As causas das mudanças climáticas podem ter origem natural ou origem antrópica: Causas Antrópicas – são fatores que sofreram, de uma maneira direta ou indireta, a ação do homem, fazendo com que as alterações climáticas que originam sejam, elas também, um resultado da ação humana. 1. De influência externa: são fatores que influenciam o clima a partir do exterior do planeta, ou seja, fatores que não pertençam ao sistema Terra. São exemplos:
Variação orbital
Ciclo solar
Impacte de meteoritos 2. De influência interna: são fatores que influenciam o clima e que pertençam ao sitema Terra. São exemplos:
Ciclo de glaciações (arrefecimento global)
Deriva dos continentes;
Ciclo da água;
Modificação do campo magnético terrestre; Causas Naturais – dentro das causas naturais, temos dois outros grupos: as causas naturais de influência externa e de influência interna. CAUSAS A pecuária também contribui significativamente para a poluição atmosférica, detendo 16% desta poluição. maior combustível para satisfazer esta necessidade crescente maior e melhor produção de produtos maior produção leva a maior procura e a maior qualidade de vida leva a um crescimento populacional mais população e mais procura precisa de mais energia para mais produção crescente necessidade energética REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Intervenção Humana A humanidade, desde a Revolução Industrial, tem vindo a aumentar as suas necessidades energéticas de forma extremamente acentuada. A descoberta do carvão foi o início de um crescendo de consumo de combustíveis fósseis que, se nada for feito, apenas acabará quando não houverem mais combustíveis fósseis para explorar. Perante isto, a humanidade vê-se quase que obrigada a utilizar até ao fim os combustíveis fósseis, maltratando os ecossistemas e alterando gravemente o clima. São emitidos milhares de Kg de GEE todos os segundos em todo o planeta, o que é gravemente prejudicial para o clima. Os pricipais causadores antrópicos das mudanças climáticas são a combustão de combustíveis fósseis e sua emissão para a atmosfera e o desflorestamento, já que as árvores são uma espécie de “pulmão”, que absorve o dióxido de carbono e que impede que chegue a ficar preso na atmosfera terrestre. Sem árvores, não há absorção e o aquecimento global e outras alterações climáticas ocorrem duas vezes mais rápido do que aconteceriam se não existisse desflorestação. Portugal subiu oito lugares no índice sobre desempenho nas alterações climáticas, sendo o 3.º entre 58 países, o melhor lugar de sempre, segundo a Quercus.
Uma investigação sobre mudanças climáticas em Portugal traça um cenário futuro de impactos negativos que vão desde o aumento da temperatura à diminuição da precipitação. Caso Português As alterações climáticas fazem-se sentir não só nas zonas onde a emissão de gases poluidores é maior mas sim também em zonas onde esta emissão não é tão alta, como em Portugal. Isto deve-se a que os gases, uma vez emitidos, podem deslocar-se longas distanças ajudados pelos ventos e correntes, e fixarem-se em pontos onde não há muita poluição. O que são Podem estar em causa variações no estado do clima que possam acontecer em milhares de anos ou apenas algumas décadas. Estas alterações podem ser causadas por processos naturais externos ou internos ou por processos antrópicos (atividade humana). Alteração climática refere-se à variação do clima à escala global, ao longo do tempo. Estas variações dizem respeito a mudanças dos fatores do clima, como a temperatura, a precipitação, a nebulosidade, a pressão atmosférica e outros fenómenos climáticos em relação às médias históricas. Quais são Alterações climáticas Chuvas ácidas Efeito de estufa Maior frequência de tornados e tempestades Aquecimento excessivo do planeta Secas e cheias frequentes; ? ? Poluição máxima da Natureza; ecossistemas destruídos e Sistema Terra altamente alterado. Hoje Sociedade petróleo-dependente lança quantidades esmagadores de GEE para a atmosfera. Descoberta do petróleo e passagem à industria movida a petróleo Regresso à Idade Média a nível social e económico e modo de governo é a anarquia Completa maquinização da industria Grandes fábricas consumidoras de carvão lançam GEE em quantidades enormes para a atmosfera Começou a diminuir durante o século XVIII, no início da Revolução Industrial "Saúde" do clima ao longo do tempo e consequências Consequências Como evitá-las? As consequências das alterações climáticas são extremamente graves e serão ainda mais se nada for feito para impedir que o homem continue a interferir com a Natureza, alterando-a para pior.
Assim, as consequências serão vastas, e irão afetar vários setores: Setores afetados Recursos hídricos e pesca Zonas costeiras Saúde humana Agricultura e florestas Catástrofes Menor quantidade de água potável disponível; Pior qualidade das águas fluviais; Os rios internacionais serão afectados e disputados, pois os países vão precisar de reter mais água. Sado e Guadiana poderão perder 60% de escoamento anual e o Tejo 30%; Alteração nos recursos pesqueiros (menos quantidade de peixe); Subida do nível médio das águas do mar (50 cm) e maior erosão costeira; Intrusão salina Alto e muito alto risco de inundação em 67% da nossa zona costeira, onde se concentra a maior parte da população portuguesa; Submersão de quase todas as linhas costeiras e todo o mundo (Califórnia, Pen. Ibérica, Países Baixos, Oceânia, ilhas do Pacífico); Aumento de doenças associadas a ondas de calor; Aumento de doenças por poluição do ar e de alergias Surtos de doenças transmitidas pela água e alimentos - febre tifóide, salmoneloses, toxinas associadas com mariscos, cianobactérias Surtos de doenças transmitidas por insectos - malária, dengue, febre amarela, doença de Lyme, febre escaronodular, encefalites. Aumento dos casos de desnutrição. Mudanças no tipo de culturas devido à escassez de água para irrigação; e readaptação a novos períodos de cultivo Aumento de pragas, doenças e infestantes, tanto na floresta como na agricultura Desertificação itensiva devido ao aquecimento excessivo das zonas tropicais e subtropicais. Perda de biodiversidade Redução da produtividade florestal Aumento acentuado de incêndios Diminuição drástica da biodiversidade devido à extinção de uma percentagem elevada de espécies, devido à desflorestação, à poluição atmosférica e aquática e ao aquecimento gradual do planeta; Aumento de: Secas Inundações Furacões/Tufões ENERGÉTICAS Hoje em dia, não hà nada que não seja feito ou produzido sem a utilização de um combustível fóssil. As deslocações são esmagadoramente feitas por automóveis e transportes públicos, que consomem ou que foram construidos em fábricas onde utilizam combustíveis fósseis; o transporte de mercadorias é feito com aviões e barcos, também grandes consumidores de combustíveis fósseis; até os utensílios do dia-a-dia, são feitos em fábricas “movidas” a combustíveis fósseis, desde uma simples escova de lavar os dentes a um computador. Perante isto, não é difícil imaginar que, se um dia, as reservas de petróleo, gás natural e carvão esgotassem, assistiria-se a uma grave recessão não só de alguns países menos desenvolvidos, mas sim de todos os países no mundo. Aliás, os países mais desenvolvidos sofreriam uma recessão muitas vezes mais acentuada que os menos desenvolvidos, visto que estes são os que mais necessitam destes combustíveis fósseis para “funcionarem”. Os produtos deixavam de ser produzidos, e os que já estavam produzidos não podiam ser transportados. A comida escassiaria, todas as empresas abreriam falência, a moeda deixaria de ter valor numa sociedade em que mais valia um pacote de arroz do que 1000 $. Haveria um recuo de cerca de 1000 anos na história, em termos de condições de vida e sociais. A civilização voltaria à Idade Média. 1000 anos Poluição abundante da Natureza e destruição progressiva de ecossistemas, mas com possibilidade de retorno ANOS Por isto, é extremamente urgente acabar com as emissões de e encontrar uma alternativa realmente viável aos combustiveis fósseis. GEE Q u a n d o o c o r r e m ? As alterações climáticas não se podem prever exatamente . É preciso que haja uma junção de fatores para ocorrer uma alteração climática, e essa junção de fatores não se pode prever. Para minimizar todos estes cenários catastróficos é necessário: Potenciais impactos das alterações climáticas (Portugal continental) sobre os sectores: florestas/biodiversidade; energia; e saúde humana. Florestas e biodiversidade Tendência para a migração de espécies florestais de Sul para Norte; Potencial aumento da produtividade no Inverno; Ocorrência de pragas e doenças mais frequentes, que associadas a incêndios poderão ter um impacto bastante severo na economia florestal. Alteração da estrutura e composição da vegetação; Aumento do stress ambiental durante o período seco; Energia Deslocação do pico de consumo eléctrico para o Verão, agravando a pressão sobre o sistema eléctrico. Redução dos requisitos p/ aquecimento (Inverno) e aumento p/ arrefecimento (Verão); Aumento das perdas no transporte de energia eléctrica; Riscos p/ estruturas de produção junto à costa e para sistemas de abastecimento (ventos extremos); Redução da eficiência termodinâmica de motores/turbinas e da disponibilidades de água p/ arrefecimento de centrais térmicas; Saúde humana Aumento da mortalidade associada a este tipo de eventos; Aumento generalizado do risco de transmissão de Leishmaniose. Aumento da ocorrência (frequência e intensidade) de eventos extremos de temperatura elevada (“ondas de calor”); Aumento do número anual de dias com stress térmico extremo por calor; Diminuição do número anual de dias com stress térmico pelo frio; Clima completamente modificado e eossitemas completamente destruídos; fim das reservas do petróleo e colapso social Tempestades inesperadas e violentas. Incêndios cada vez mais incontrolados. Derrocadas no litoral. Doenças inusitadas e habitualmente restritas a climas tropicais. Ondas de calor. Chuvas torrenciais. Cheias catastróficas. Calotes polares a derreter. Instabilidade climática com variações de temperatura abissais na mesma semana e no mesmo lugar. Picos de poluição nas cidades, obrigando a alertas públicos. Estas são algumas das consequências que já se fazem sentir em todo o mundo e que se prevê que se agravem nos próximos anos. diversificar as fontes de energia adoptar políticas que obriguem à diminuição das emissões dos gases catalisadores do efeito de estufa, de que é exemplo o Protocolo de Quioto Dialogar com todos os agentes implicados. Todos percebemos que as mudanças climáticas estão a ter repercussões muito prejudiciais ao ambiente e à sua sobrevivência. Para isso, será preciso mudar o comportamento que o ser humano tem vindo a ter. Cada vez mais se pensa que a energia do futuro passará pelo hidrogénio, mas ainda nada é concreto. O que é certo, é que prevê-se que esta nova energia produza 3,5 vezes mais que o petróleo, mas acredita-se que ainda seja mais eficiente. O Hidrogénio, quando produzido por fontes de energia renováveis, a sua utilização através de células de combustível, é totalmente limpa, formando apenas como produtos da reacção água e calor, não havendo quaisquer emissões de partículas que são responsáveis por problemas ambientais. Alternativa O hidrogénio é o elemento mais abundante no universo (75%). É incolor e inodoro.Este elemento tem excelentes propriedades como combustível (Um quilo de hidrogénio possui aproximadamente a mesma energia que 3,5 litros de petróleo ou 2,1 quilos de gás natural). Pode ser obtido da electrólise da água. Assim, é considerado por muitos o ‘’combustível ideal’’. Mais significativo é que se poderia abrir o caminho para uma energia sem emissões de GEE em toda parte, de casas até carros. Nenhuma tecnologia isolada oferece oportunidades tão amplas. 75% 3,5 x As energias renováveis, como a eólica, hídrica e solar, não são solução pois têm um elevado risco de investimento uma vez que são muito caras e têm pouca eficiência. A solução pode também passar pela fusão nuclear, mas esta ainda não é, de momento possível. A energia de fissão nuclear também é descartada, devido ao perigo de lançamento de radiações letais e às associações a armas de destruição massiva. O clima tem vindo a sofrer alterações preocupantes e, como demonstrado, muitas dessas alterações têm a culpa do ser humano, devido às emissões de GEE para a atmosfera. Estas alterações de clima podem ser extremamente graves para os ecossitemas e para as habitantes pois destroem-nos a pouco e pouco.
Por isso, há que encontrar soluções rapidamente, e a do combustível do futuro ser hidrogénio é um bom começo para que o clima volte ao normal.
Temos que nos esforçar para cuidar do clima, por que se não, ele dá cabo de nós. CONCLUSÃO Trabalho feito por: David Rocha, nº 9 Filipe Moreno, nº10 João Almeida, nº16 Vasco Fernandes, nº29 http://www.wwf.pt/o_nosso_planeta/alteracoes_climaticas/
http://pt.wikipedia.org/wiki/Mudan%C3%A7a_do_clima
http://www.notapositiva.com/trab_estudantes/trab_estudantes/fisico_quimica/fisico_quimica_trabalhos/hidrogenio.htm
Grande Enciclopédia Universal, Vol. 4 e 5.
O Sétimo Selo, José Rodrigues dos Santos, Gradiva BIBLIOGRAFIA FIM perguntas? Davidcesar BossMoreno17 AtumRamirez VascoXavi
Full transcript