Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Crise e Emergência do Socialismo

Antes do final da 2.ª guerra Mundial (1945), EUA, URSS e Grã-Bretanha reuniram-se para preparar a pós-guerra. Decidiu-se também o novo mapa político da Europa, o desmembramento e desarmamento da Alemanha e a divisão em duas áreas de influência...
by

Gustavo Malacarne

on 24 October 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Crise e Emergência do Socialismo

Mundo Pós-Guerra
Alemãnha
Política de Blocos
Após Guerra
Guerra Fria
Houve uma bipolarização generalizada do mundo.
Dessa bipolarização decorreu uma corrida aos armamentos e a divisão do mundo em duas forças.
A Divisão do Mundo Bipolar
O desmoronar da
União Soviética
Ideológica
Econômica
Política
Reestruturação Alemã
Desmembramento
Novo Governo
Tripla crise:
Fim da
Guerra Fria
& Guerra Fria
&
Obrigado!
Acadêmicos:
Giovani Bessegato
Gustavo Malacarne
Professor:
Cristiano Stamm
Consolidação do
Socialismo
China Comunista e a ascensão de
Mao Tsé-Tung
Liderado Pelos Eua
Liderado pela URSS
Antes do final da 2.ª guerra Mundial, EUA, URSS e Grã-Bretanha reuniram-se para preparar a pós-guerra.
Decidiu-se o novo mapa político da Europa, o desmembramento e desarmamento da
Alemanha e a divisão em duas áreas de influência.
Países da Europa Ocidental e Canadá
Economia de Mercado
Plano Marshall
(1948)
OTAN
(1949)
Países do Leste Europeu e China
Economia Planificada
COMECON
(1949)
Pacto de Varsóvia
(1955)
Constituída por quinze Repúblicas, em que a maior e mais importante era a Rússia, com a localização da capital Moscovo.
Era Khrushchev
Criou, em 1955, o Pacto de Varsóvia;
Desestalinização;
Aprovou a construção do Muro de Berlim;
Corrida espacial;
Coexistência pacífica;
Um esforço sem precedentes foi realizado para a produção de bens de consumo, e também realizou numerosas reformas na agricultura soviética. Mesmo não obtendo o resultado esperado;
Por tais medidas precipitadas e contraditórias, Khrushchov é deposto pelo Politburo;.
Era Brejnev


A saúde e educação tornaram-se exemplos mundiais, a indústria crescia rapidamente e a ciência soviética desenvolvia novas tecnologias. A população abaixo da linha da pobreza no ano de 1975, segundo o Instituto Levada, era de 1,5%, o menor nível na história da Rússia.
Durante esta época, a URSS conseguiu atingir seu auge político, militar e econômico, tendo grande influência em todo o mundo, desde a economia até os esportes, e seu povo alcançou uma melhor qualidade de vida.


A produtividade industrial cresceu 400%, o que não aconteceu com os salários, que só aumentaram 52%.

Com as primeiras ameaças do socialismo ao governo do Partido Comunista, Mao Tse-Tung proclamou uma liberalização interna, permitindo diferentes pensamentos políticos no país.

Com as críticas ao seu governo crescendo, houve reação por parte deste com uma campanha antidireitista que levou milhares de pessoas à prisão.
Houve a nacionalização das indústrias e a reforma agrária, para enfrentar as dificuldades econômicas, que ressurgiram com a Guerra da Coréia (1950). Em 1955 foram organizadas um milhão de cooperativas no campo, acelerando assim a coletivização da agricultura.
Nos anos 70 a desordem provocada pela Guarda Vermelha trouxe problemas políticos para Mao, que foi criticado devido ao caos socio-político no país. Mao ordenou, portanto, o desmonte da Guarda Vermelha. Aos poucos foi reconhecendo a necessidade do Estado Chinês de contar com cientistas, técnicos especializados, administradores, educadores, etc, os quais estavam exilados.

A Revolução Cultural terminou oficialmente em 1976, ano em que Mao Tsé-Tung morreu, aos 92 anos. Com a morte do líder comunista, a facção de direita foi se reestabelecendo e os esquerdistas foram abolidos da política chinesa.
Em 1985, Mikail Gorbatchev assume o governo soviético e estabelece mudanças com a abertura politica e a reestruturação econômica do país, não obtendo êxito devido à diversidade étnica e a oposição dos burocratas.
Com a precipitação da queda do chamado Muro de Berlim em 1989 e da decisão administrativa de abertura da fronteira entre as duas Alemanhas, produziu-se uma alteração na comunidade internacional.
A crise da URSS assinalou também a crise no socialismo, o fim da guerra-fria e consequentemente a passagem de um mundo bipolar para multipolar.
O Presidente Mikhail Gorbatchev enfrenta dificuldades para implementar as reformas, vendo-se obrigado a abandonar o cargo. Então, mais que nunca, como causa e consequência do fim do comunismo, o desmembramento da URSS acelera-se. Uma a uma, cada Republica Soviética proclama a sua soberania.
Do fim do mundo bipolar
Cuba
31/12/91 – Desmembramento da URSS.
ao Multipolar
Socialismo na América Latina
Petróleo na Década de 90
A commodity do final do século
A década de 1990 começa com mais uma crise no mercado do petróleo, quando, em uma tentativa frustrada o Iraque invade o Kwait e é derrotado na Guerra do Golfo pelos EUA. O exército de Sadam Hussein chegou a bombardear os poços de petróleo kwaitianos antes da retirada. Por conta dessa história uma grande especulação fez com que o preço do barril oscilasse violentamente, passando os preços internacionais do petróleo a sofrer uma forte alta pontual. Mas, assim como a guerra, a crise também foi rápida e não deixou grandes estragos como as anteriores. Seguiu-se um período de estabilidade e crescimento.
Com a entrada dos russos no mercado e a descoberta de novas tecnologias de extração, a produção de petróleo aumentou. O problema foi que a economia mundial cresceu muito em meados dos anos 90. Seguindo a tendência, o petróleo poderia ter provocado novo esfriamento nessa temporada, mas a crise financeira que atacou a economia asiática em 1997 evitou nova falta de óleo.
A característica principal dessa década é a transformação do petróleo numa verdadeira commodity. Além disso, a década de 1990 é marcada por uma queda nos investimentos em exploração, pela queda da produção do Bloco Soviético que foi compensado pelo aumento da produção da Arábia Saudita. Também se pode destacar a mudança no perfil de demanda do petróleo em função de exigências ambientais.
Petróleo e Sociedade
A greve nacional dos petroleiros, em maio de 1995, representou a luta contra a política neoliberal implantada no atual governo.
No mundo, o contexto é outro e começam a surgir alianças estratégicas entre empresas estatais e privadas, privatizações, além do “boom” do movimento de fusões entre as empresas do setor ocorrido após 1998.
Recorde verde-amarelo
A Petrobrás alcança na década de 1990 o posto de empresa líder mundial em exploração em águas profundas.
Em 1997, a empresa, que tem a maior frota petroleira do Hemisfério Sul, ingressou no selecionadíssimo grupo dos 16 países que produzem mais de um milhão de barris de petróleo por dia.
A descoberta do gás
Havia a previsão de que em 1999 haveria problemas de escassez energia elétrica no Brasil. Com isso, a energia proveniente do gás natural ganhou importância para o desenvolvimento sustentado do País como fonte alternativa de oferta.
A implantação de usinas termelétricas nas extremidades da malha elétrica que, estrategicamente colocadas, aproveitem as linhas de transmissão existentes passaram a ser uma excelente alternativa de curto prazo.
Além da produção de gás natural existente na Bacia de Campos e na Foz do Amazonas, o Governo Federal firmou contrato com a Bolívia para a construção de um gasoduto que transportasse o insumo produzido pela Petrobras naquele país.
Fim do Monopólio
Para o segmento de Exploração e Produção da Petrobras, 1999 foi um ano de avanço no novo ambiente da indústria petrolífera no Brasil.
Com a Emenda Constitucional nº 9, de 1995, extinguiu-se a exclusividade na execução do monopólio nas atividades básicas da indústria e a Lei nº 9478/97 disciplinou a abertura à participação direta do setor privado, em todos os elos da cadeia produtiva.
O fim da década de 1990 é marcado pelo ressurgimento do poder da Opep, responsável por 40% da produção mundial, em particular dos países do Oriente Médio, detentores de 80% das reservas da Opep. Isso, aliado à continuidade da queda da produção Russa, do Mar do Norte e dos EUA, e a mudança do perfil de petróleo, fizeram com que fosse iniciado um novo ciclo de crescimento do preço do petróleo.
Privatização do setor petroquímico
O Governo de Fernando Collor é marcado pelo fim do modelo tripartite: começam as privatizações – que acabou trazendo uma série de entraves que afetaram a cadeia petroquímica até o final da década.
A brusca redução de barreiras aduaneiras numa época de recessão mundial também comprometeu a rentabilidade da indústria nacional.
Depois da década de 70, as empresas soviéticas encontraram dificuldades com a concorrência exterior.
Houve uma estagnação do comércio.
Após libertar-se da Espanha, em 1898, Cuba mergulhou na dominação dos Estados Unidos. Por meio da Emenda Platt, a república cubana ficou subordinada aos Estados Unidos.
Cuba manteve sua estrutura econômica, baseada na exportação do açúcar.

Na primeira metade do século XX, Cuba transformou-se na ilha dos prazeres dos turistas americanos. Construindo toda uma infraestrutura voltada ao turismo estrangeiro.


Reagindo a essa situação de decadência e opressão, um grupo de guerrilheiros comandado por Fidel Castro começou a lutar contra o governo cubano, em 1956.
Em janeiro de 1959, conseguiu derrubar a ditadura de Fulgêncio Batista.

Após a tomada do poder, a revolução liderada por Fidel Castro caminhou rumo ao socialismo. Cresceram, então, os conflitos entre o novo governo de Fidel e os interesses do capitalismo norte-americano
Depois de três décadas no poder, o governo de Fidel Castro exibe seus melhores êxitos no campo social, conseguindo:

- A eliminação do analfabetismo; a implantação de assistência médico-hospitalar gratuita à população; a queda significativa da taxa de mortalidade infantil; a redução do desemprego.

- No campo político, permanece como uma ditadura do Partido Comunista, alheia às reformas democráticas.

- No campo econômico, o desempenho do governo cubano foi um fracasso. Não conseguiu diversificar a agricultura do país, nem estimular a industrialização. A economia continuou dependente da exportação do açúcar e do fumo. Somado ao bloqueio econômico imposto pelos EUA.

Essa situação obrigou o governo de Fidel Castro a flexibilizar a economia, permitindo, dentro da estrutura socialista, a abertura para as atividades capitalistas.
Cuba se tornou uma sociedade entre dois mundos. Não é mais completamente socialista nem, muito menos, capitalista.
Cuba está investindo tudo no turismo. Ou melhor, deixando investir, já que o capital é, principalmente, estrangeiro.
Com os turistas, vêm as divisas. Chegam também os problemas.
Não há esperança de que o velho modelo estatal tenha muito tempo de sobrevida. Os cubanos parecem apenas desejar que a transição não seja muito dramática e se conservem as conquistas nos campos da educação e da saúde, os dois principais cartões de visita do regime.



Os graves conflitos entre Cuba e Estados Unidos forçaram a aproximação do governo de Fidel Castro com a União Soviética. Essa aproximação levou Cuba a permitir a instalação, em seu território, de mísseis nucleares soviéticos em 1962.

A crise dos mísseis
A crise dos mísseis foi um dos momentos mais dramáticos da Guerra Fria. O mundo esteve à beira de uma catástrofe, que seria provocada pelo choque entre EUA e URSS.
Full transcript