Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Determinação do potencial hídrico em Solanum tuberosum L. (S

No description
by

Ana FP

on 10 September 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Determinação do potencial hídrico em Solanum tuberosum L. (S

Resultados e Discussão
A massa da batata deveria aumentar quando o potencial de água da solução fosse maior que o potencial de água da batata, e diminuir quando o inverso ocorresse;
Determinação do potencial hídrico em
Solanum tuberosum
L. (Solanaceae)

Dessa forma, o presente trabalho tem como objetivo determinar o valor do potencial hídrico em cilindros de batata embebidos em soluções de sacarose por meio da variação de sua massa;

Além disso, testaremos a hipótese de que a água caminha de um sistema aquoso de maior potencial de água para outro de menor potencial de água. Fazendo com que a massa da batata diminua quanto menor for o potencial osmótico da solução de sacarose.
Materiais e Métodos
Introdução
Praticamente todas as atividades metabólicas das plantas são guiadas pelas relações hídricas (Kerbauy,2004);

As propriedades físicas da água possibilitam que ela seja transportada no sistema solo-planta-atmosfera, tornando-a o mais importante e limitante recurso (Taiz & Zeiger, 1998);

A energia livre das moléculas de água afeta o estado hídrico da planta, visto que os movimentos da água são direcionados de acordo com o seu potencial;

O potencial hídrico é resultado da somatória dos potencial de pressão, mátrico, gravitacional e osmótico.
O potencial osmótico é o único que influencia diretamente no resultado desse experimento, pois os demais potenciais possuem valores ínfimos;

Assim sendo, a diferença do potencial osmótico entre o tecido vegetal e a solução de sacarose possibilitarão a passagem de água de onde houver maior potencial para onde houver menor potencial.
Isto posto, calculou-se o potencial osmótico para cada solução de sacarose através da equação de Van’t Hoff.
Concentração de sacarose, potencial osmótico da solução e diferença das massas inicial e final de cada repetição, bem como a média dessas massas
Gráfico de dispersão do potencial osmótico da solução pela média da diferença das massas final e inicial (Mf-Mi) com erro padrão
Gráfico estatístico de barras com o erro padrão da média da diferença das massas inicial e final referente a cada concentração
Gráfico de dispersão do potencial de água na batata de acordo com a concentração de sacarose
O potencial hídrico da batata será o resultado da substituição de y=0, pois o equilíbrio só ocorrerá quando a razão MF-MI for igual a 0. Assim sendo, substituindo na equação o valor de x será de -0,680 MPa, o qual simboliza o potencial hídrico da batata.
Conclusão
A análise dos resultados obtidos deixa claro que a água caminhou da uma região que possuia maior potencial de água para outra que possuia menor potencial de água;

Desta forma, os resultados comprovam que a hipótese inicial está condizente com o experimento realizado.
Referência
FERREIRA, L. G. R. Fisiologia Vegetal: Relações Hídricas. 1st ed. Fortaleza: Edições UFC, 1992, 138p
KERBAUY, Gilberto Barbante. Fisiologia Vegetal. 3ª edição São Paulo: Editora Guanabara Koogan, 2004.
PAIVA, R & OLIVEIRA, L.M. Fisiologia e Produção Vegetal. Lavras. Ed. UFLA, 2006. 104 p.
TAIZ, L. & E. ZEIGER. Plant Physiology 2ª edição. Massachussets. Ed. Sinauer Associates, Inc., 1998. 792 p.

Artigo realizado por:
Ana Paula Franco Punhagui
Angélica Nunes Tiepo
Full transcript