Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

O Engraçado Arrependido

Trabalho de Literatura
by

Maria Garcez

on 13 September 2011

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of O Engraçado Arrependido

O Engraçado Arrependido Um trabalho de Maria Victória - nº37
Hevelyn Sato - nº24
Ana Lucia - nº3
Paola - nº41
Vitor Emanuel - nº43 2ª 3ª Francisco Teixeira de Souza Pontes era um comediante natural!
Era só sua presença em um sala,
e todos os presentes riam sem parar. E, depois de tantos anos,
Pontes se cansou dessa vida.
Queria ser alguém sério;
alguém como qualquer um. Um conto do livro URUPÊS de MONTEIRO LOBATO Pensou em tudo:
indústria, quitanda, bar, fazenda...
qualquer coisa que o tirasse
dessa vida só de palhaçada. Porém, sempre com "Quá quá quá"
era respondido.
e a vontade de ser levado a sério
de Pontes, só crescia mais. mas um dia soube de um emprego
como coletor federal.
porém esse cargo já era ocupado
pelo Major Bentes, que tinha um aneurisma cruel. Pontes contatou seu primo do Rio
e este lhe prometeu o cargo de coletor,
após a morte do major. Porém era para ser avisado, logo, logo, quando o velho batesse as botas. E ENTÃO, OS PLANOS COMEÇARAM! Pontes PENSOU: cOMO MATAR O MAJOR? Sendo um comediantes, logo era óbvio: "VOU MATAR O MAJOR DE RIR!" O aneurisma do Major não haveria de aguentar sua presença cómica e bem, matar de rir não é crime... Então, depois de decidir matar o velho, Pontes passou a
frequentar a coletoria (e depois de várias vezes, teve que
improvisar com motivos bobos a sua visita) e com o tempo,
começou a fazer pequenos trabalhos e a conquistar cada
vez mais a simpatia e confiança do major. "QUE DILIGÊNCIA! QUE FINURA! QUE TATO!" Pensava o pobre velho do ganancioso Pontes. Enfim, Major Bentes o
convidou para uma janta. E Pontes começou a testar
Bentes, mas a vítima se limitava. Se ria, ria timidamente. Não se esforçava, com medo
de estourar o aneurisma. Pontes, Porém pensou: "Todo homem tem
seu ponto fraco!" E depois de muitas piadas e anedotas,
descobriu que Bentes não resistia a piadas
de INGLÊS e FRADES. Então, que fosse! Pontes repetia, repetia, repetia todas as piadas desse gênero que conhecia. Mas,
em todas, o Major se controlou. Então Pontes se preparou. Depois de noites e dias se preparando, Pontes
criou uma anedota de 1 inglês, sua mulher e 2 frades que o major simplesmente não aguentaria! Porém, se ele conseguisse sobreviver... PONTES PROMETOU À SI MESMO QUE SE DARIA UM TIRO NA CABEÇA! Então, o dia chegou. Era um almoço no carnaval, havia peixe para comer. Estavam todos
a beber e tremendamente alegres e comunicativos! E Pontes sabia que aquele era o
momento para o ataque. E assim se fez. A anedota corria pelos lábios velozes e espertos do comediante e a atenção era toda sua. Major Bentes estava atento e adorando! Pontes enrrolou, enrrolou e continuou enrrolando, para deixar cada convidado daquela mesa totalmente preso à sua piada. E O MOMENTO DO FIM SE APROXIMAVA! Pontes não aguentava mais. Seu coração estava pulsando rápido. Precisava terminar. Em um ato rápido e cômico, Pontes finalizou sua obra-prima. Uma explosão de gargalhadas
preencheram o lugar por inteiro. Todos na mesa riam brutalmente, abriam os botões dos
coletes e afrouxavam o cinto. TODOS. Major Bentes riu. Riu como não fazia há anos. Sua risada foi ouvida na rua, nas lojas, e por qualquer pessoa que passava por ali na hora. Mas foi sua última risada. O major caiu de cara no prato de peixe e ali morreu. Todos na mesa se espantaram, mas quem mais se chocou foi Pontes. O assassino indireto saiu correndo da mesa e foi para casa e lá se trancou por dias. Ele havia matado o Major, querendo ou não. Depois de alguns dias, Pontes recebeu a ligação de seu primo dizendo que ele havia perdido a chance e a vaga do major já havia sido preenchida por outra pessoa. "Tarde venientibus ossa" Quem chega tarde só encontra ossos... Um mês depois, Pontes foi achado enforcado com uma ceroula.
E isso foi motivo de piada para toda a cidade. Foi o fim do engraçado arrependido que mesmo na morte, era motivo dos "quás" de quem quisesse rir. FIM
Full transcript