Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Interferências Estruturais no Processo de Impermeabilização

No description
by

Fernanda M

on 29 October 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Interferências Estruturais no Processo de Impermeabilização

Interferências Estruturais no Processo de Impermeabilização
Introdução
A impermeabilização das estruturas tem como propósito evitar o desprendimento ou a infiltração da água. Porém, um dos fatores principais das falhas no processo de impermeabilização é o baixo controle de qualidade na sua execução.
Piscinas
Impermeabilização
Rodapé
Conduítes
Sistema Flexível
Mantas pré-fabricadas
Sistema Rígido
Argamassas impermeabilizantes
Obs: Para um resultado 100% confiável, é recomendado o uso de ambos os sistemas.
"Camadas Impermeabilizantes"
CAMADA DE REGULARIZAÇÃO:
Essa
camada
de 2 cm de
argamassa
deixa o berço bem lisinho e nivelado. Ela é feita sem cal e tem
um acabamento arredondado
nos cantos – (meia-cana) entre piso e parede. Essa estratégia serve para
diminuir os riscos de fissura ou rachadura
já que esse encontro sofre muita tensão por conta do peso da água.
ARGAMASSA IMPERMEABILIZANTE:
Em cima da regularização
aplica-se uma
camada
de 0,5 cm de
argamassa impermeabilizante
– pode ser
a cristalizante
ou a
polimérica
. Antes da manta, devem ser
chumbados
com os reforços de impermeabilização já executados,
os ralos, retornos, aspirações e iluminarias
. Esses pontos costumam dar bastante problema e devem ser executados observando cada detalhe.


PRIMER:

Quando todos os pontos estiverem prontos,
aplica-se primer
, espécie de
tinta asfáltica
que sela a superfície, garantindo a
boa aderência da manta
. Tempo de secagem >> de 4 a 12 horas (deve estar seco ao toque).
MANTA:
Com a função de
proteger
a estrutura da piscina de
eventuais impactos
que a mesma pode sofrer, apresenta as seguintes características:

VANTAGENS:

Garante camada protetora uniforme
É resistente a impactos
Acompanham leves movimentações do berço sem rachar.
DESVANTAGENS:

Não suporta a umidade do solo (com a ação dos lençóis freáticos pode descolar)
Dependem de um berço que ja recebam algum produto do sistema rígido
EXCETO as piscinas elevadas
.

OBS: Nas piscinas enterradas com berço de concreto a manta é dispensável, segundo a norma NBR 9575/2003.

A título de curiosidade… PISCINAS ELEVADAS!

“TEST-DRIVE”

Há dois testes
que devem ser feitos antes da finalização da piscina.
 O primeiro,
de carga
, não é obrigatório e, portanto, muita gente o deixa de lado. Assim que o berço ficar pronto,
antes de fazer a regularização, enche de água por 72 horas
. Depois de esvaziado,
verificar se ocorreram fissuras
. Eventuais problemas poderão ser consertados antes da colocação da manta. Além do mais, o peso da água fará o berço movimentar e se acomodar – é bom que isso ocorra antes da impermeabilização.


O segundo teste, de
estanqueidade
, é obrigatório. Logo
após a colocação da manta, enche-se
novamente
o tanque por 72 horas
. Se o
nível continuar o mesmo
, a impermeabilização está
aprovada
. Só então a piscina é esvaziada e começa-se a preparação para colocar o revestimento.

A falha da impermeabilização ou a falta dela são as causas mais comuns de problemas nos rodapés, conhecida como “umidade ascendente”. Porque a umidade existente no solo tem a capacidade de ascender, ou seja, subir através das paredes, podendo alcançar alturas até 1 metro, dependendo da intensidade de umidade do terreno.

O tratamento consiste na remoção do revestimento até atingir a alvenaria.

A impermeabilização consiste na aplicação do sistema Argamassa Polimérica que é um revestimento bi-componente composto por pó e líquido. O pó é um cimento modificado e o líquido um polímero. Aplica-se na forma de pintura, com brocha ou trincha, em demãos cruzadas em intervalos de 6 h entre demãos.

Avançar com a impermeabilização no piso aproximadamente 40 cm, para evitar que a umidade possa infiltrar no encontro do piso com a parede.

Geralmente, na instalação de conduítes, as mantas impermeabilizadas são perfuradas, dando espaço para infiltrações.
Para prevenir isso, deve-se analisar todos os dados do projeto antes da execução. E na necessidade de perfurar uma parede ou piso, prevê-se uma nova impermeabilização na área.

Ralos
Um dos problemas mais frequentes nos banheiros é o emboçamento, que tem como consequência a infiltração.

Para evitar o emboçamento, o piso deve ter um caimento, um desnível de 1% na direção da parede ao ralo.

E para evitar a infiltração, a impermeabilização deve ser feita de forma correta.

Forma correta de impermeabilização
A impermeabilização deve se estender para dentro do ralo e ser bem aderida.

Pode-se fazer a impermeabilização tanto com manta asfáltica quanto com argamassa polimérica, mas o mais recomendado é a manta.

Etapas de impermeabilização
1º passo:

Enrola-se um canudo de manta asfáltica e coloca dentro do ralo, 10cm para dentro e o resto para fora.

2º passo:

Com um estilete, corta-se tiras na parte da manta que ficou na superfície e arremata. Nessa parte, a manta fica parecendo com uma flor, por isso esse arremate é chamado de margarida.

3º passo:

Recorta um quadrado de manta de 40cm x 40cm e sobrepõe ao ralo e com um estilete divide o centro como se fosse fatias de pizza. O diâmetro da área cortada é o mesmo do ralo.

4º passo:

Por último, empurra-se as fatias cortadas para dentro do ralo e utiliza-se uma colher de pedreiro aquecida para fazer a ligação da manta com o cano
Está pronta a impermeabilização do ralo.

Esse tipo de impermeabilização é feita para qualquer tipo de ralo, como de banheiro, piscina e lajes.

O diâmetro mínimo de um ralo é 75mm, ou 7,5cm.

Lajes
Para fazer uma obra de impermeabilização na laje, é necessário conferir sua situação primeiro, checando elevação, caimento e ralos. É necessário que ela esteja limpa e seca e que as condições climáticas sejam favoráveis, além de verificar o bom funcionamento da rede hidráulica da construção. Há quem prefira aguardar dias de calor intenso para realizar o trabalho, certificando-se que o concreto que será impermeabilizado está bem seco.
A superfície deve estar regularizada (com caimento de 1% para os ralos com os cantos arredondados, o que se chama de meia cana) de modo que haja um caimento, intencional e calculado, em direção aos ralos, calhas ou tubos emergentes, garantindo a evacuação completa das águas. Esses locais também devem receber um reforço do material impermeabilizante.
COMO IMPERMEABILIZAR
Impermeabilizações a frio:

Lajecril Branco: indicado para lajes expostas às intempéries onde não há trânsito.
Veda Laje: Indicado para lajes expostas a intempéries onde há trânsito.

Impermeabilizações a quente:

Manta Asfáltica de Alumínio: indicado para lajes expostas a intempéries onde não há trânsito. É necessário mão-de-obra especializada para aplicação deste produto.
Manta Asfáltica de Polietileno ou Poliéster: indicado para sacadas, terraços, banheiros, lavanderias, e cozinhas. É necessário mão-de-obra especializada para aplicação deste produto.

MEMBRANAS LÍQUIDAS
Verificar se o local está sem partículas soltas (poeira), limpo, sem poças, sem trincas e sem grandes imperfeições.
Nos cantos e arestas, recomendamos o abaulamento (chamado de meia-cana), utilizando argamassa. Após este procedimento aguardar 7 dias para cura, por ser um produto cimentício.
Para a aplicação é necessário que o local esteja totalmente seco, em caso de chuva, aguardar 48 horas para secagem do local.
Após preparo, aplicar a 1ª demão o utilizando rolo de textura e/ou trincha. Para aplicação com trincha aplicar apenas em um sentido.
Após aplicação aguarda até 6 horas para secagem.
Após secagem da 1ª demão, aplicar as 2ª e 3ª demão. Em caso de utilização de trincha mudar sentido da aplicação para o sentido cruzado à anterior, aguardar até 6 horas para secagem.

MANTA ASFÁLTICA
Arredonde os cantos vivos entre lajes e paredes com argamassa forte de cimento e areia, antes de aplicar a manta. Na região do ralo devera ser criado rebaixo de 40 x 40 cm por 1 cm de profundidade com bordas arredondadas para o nivelamento da impermeabilização acima dos reforços previstos.
Em caso de trinca na laje, coloque uma tira de manta de 40cm de largura em toda extensão da trinca.
Cole somente as bordas desta tira (10 cm de cada lado), deixando o meio sem colar.
Utilize maçarico de boca larga, próprio para aplicação de manta.
Após a colagem da manta em toda a área, aconselha-se fazer um teste de água, tampando os ralos e enchendo a área com 5cm de água. Deixe com água por 3 dias. Se houver vazamentos, verificar as emendas nas região da infiltração. Se houver cortes ou furos, corrigir.
Utilize uma camada separadora para evitar que o contrapiso, com espessura mínima de 3cm, fique em contato direto com a manta.
Em caso de áreas grandes, é necessário ter juntas de dilatação para preservar o contrapiso de fissuras e trincas.
Não aplicar a manta asfáltica com temperatura inferior a 5°C.
Não realizar trabalho com chuva ou tempo instável e não recomeçar ate que a superfície este totalmente seca.
Desníveis
Esta interferência mostra o limite entre ambiente externo e interno ou seco e molhadoque é indispensável para o sucesso do processo de impermeabilização.

Para sua impermeabilização os cantos e arestas têm que ser arredondados, procedimento popularmente conhecido como “meia-cana”, Ø mín.= 8cm (NBR12190/90), para evitar o desprendimento ou a infiltração de água na impermeabilização.

Soleira
A impermeabilização deve estender-se até 50cm dentro do substrato,
com elevação entre o ambiente externo e o interno de no mínimo 3cm.

Juntas
Espaço que se deixam na construção para permitir dilatações e contrações
dos materiais de modo a prevenir problema na estrutura deles.


A impermeabilização das juntas sempre deve ter:

Uma limpeza na abertura da junta, afim de retirar todo o material solto;

Um selante e um delimitador de material flexível e um cuidado na hora de aplicar.

Juntas de Retração
Tem objetivo de pré-definir o local exato onde ocorrerá a fissura decorrente da retração na proteção.
Quanto a sua profundidade e a abertura das juntas devem seguir algumas regras:
- 1/4 ou 1/6 da espessura da placa
- 3mm a 10mm de abertura das juntas
Recomenda-se o arredondamento das bordas da junta, quando moldada, com o auxílio
de ferramenta apropriada.


 A distância máxima é de 6 m entre as juntas.

Sua impermeabilização pode ser feita com o uso de mástique ente elas de 0,5 a 1,0 cm.

MÁSTIQUE: é uma resina, geralmente usado na construção, para a vedação elástica de juntas
Juntas de Perimetral
Devem existir em todos as áreas horizontais e verticais impermeabilizadas. Tem objetivo de evitar pressões decorrentes da dilatação da proteção do substrato à impermeabilização do rodapé. E elas devem ter um afastamento a cada 3m na horizontal e a cada 6m na vertical, tendo uma espessura no mínimo de 8mm e no máximo de 15mm.
Sua impermeabilização ocorre com o tratamento da juntas. Após a limpeza aplica-se uma fita isoladora no fundo da junta, para que o selante não tenho um terceiro ponto de adesão. Para finalizar coloca-se o selante que dever ser um material flexível para garantir o objetivo da junta.

Juntas de Dilatação
São espaçamentos que permitem a expansão e a retração de um material provocadas por variações de temperatura em toda a sua estrutura.
Sua impermeabilização consiste na colocação de faixas de manta asfáltica que são aderidas em mesma proporção ambos os lados da junta, sanfonando a primeira camada dentro da junta, as demais são aplicadas por cima desta, sendo separadas por uma camada de feltro de lã de vidro. Embaixo da primeira camada de dentro da junta é colocado um delimitador para permitir a expansão e a retração dela, em toda sua superfície vertical coloca-se um selante para sua proteção.

Bibliografia
http://www.ebah.com.br/
http://www.telhanorte.com.br/arquivos/ids/220340_10/942928.jpg
http://www.piscinas-online.com/images/piscina-elevada-borabora-max.jpg
http://www.tecnoguide.com/wp-content/uploads/2012/02/piscina-elevada-madera.jpg
http://www.engebracempreiteira.com.br/images/galeria/ipermeabilizacao.jpg
http://www.forumdaconstrucao.com.br/conteudo.php?a=20&Cod=198
http://www.casadoimpermeabilizante.com.br/problemas-e-solucoes
http://www.vedacit.com.br/infoteca/perguntas-frequentes/1025-impermeabilizacao-de-paredes
http://www1.folha.uol.com.br/folha/classificados/imoveis/ult1669u1490.shtml
http://s3.amazonaws.com/magoo/ABAAAA3SMAE-49.jpg
http://www.impermeabilizacao-lajes.com.br/
http://www.impermeabilizacao-sp.com.br/
http://construindo.org/impermeabilizacao-de-lajes/
http://www.impermeabilizacaofjs.com.br/manta-asfaltica.html
http://engenharia.anhembi.br/tcc-09/civil-25.pdf
http://www.npc.ufsc.br/gda/humberto/Aula_impermeabilizacao.pdf
ABNT- ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS
http://engciv.wordpress.com/2012/11/10/juntasdilatacao-juntas-em-lajes-concreto/
http://www.lmbrasil.com.br/retracao.html
http://www.viapol.com.br
http://engenharia.anhembi.br/tcc-09/civil-25.pdf
http://quimatecnica.com.br/construcao-civil/juntas-de-dilatacao-selante-para-juntas-de-dilatacao/
http://www.clubedoconcreto.com.br/2013/09/fissuras-e-juntas-de-pisos-industriais_11.html
http://www.uniontech.com.br/tratamento.htm
Bruna Cristina 12682
Fernanda Munhoz 12003
Giovana Lisboa 12005
Maira Penazzo 12770
Rafael Silva Barreto 12031
Sofia Rodrigues 12034
2º CCD
Professor: Fábio
COTIL
Full transcript