Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Relatividade

No description
by

Thaís Dias

on 2 September 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Relatividade

Referencial Inercial
É quando determinado objeto está em repouso em relação à algum referencial. É algo realmente relativo pois você pode estar em repouso em relação ao computador e em movimento em relação ao Sol, por exemplo.

Teoria da Relatividade Restrita
Essa teoria estuda os fenômenos em relação a referenciais inerciais.
Até então, sabia-se que sobre o movimento de translação e que as estrelas se movimentam em alta velocidade mas quando se media a velocidade da luz, mesmo vindo ela de posições no espaço diferentes, ela era igual em relação à todos os objetos, independente de suas posições no espaço, era a constante c=300.000 Km/s. Einstein precisou tornar este resultado compatível com as teorias aceitas até o momento. Foi assim que o físico desenvolveu a Teoria da Relatividade Restrita e a Teoria da Relatividade Geral.

Postulados da Teoria da
Relatividade Restrita
A Teoria da Relatividade Restrita é baseada em 2 conceitos, o 1º postulado diz que as leis da física atuam da mesma maneira em relação à um objeto inerte e o 2º postulado explica que a velocidade da luz no vácuo tem o mesmo valor para qualquer objeto inerte, sempre c = 300 000 km/s. Einstein descobriu que a velocidade de referencial varia de acordo com o tempo e o espaço mas a velocidade da luz é sempre a mesma.

Simultaneidade
Para dois eventos serem simultâneos, eles devem acontecer ao mesmo tempo. Na Teoria da Relatividade, quando dois observadores possuem um movimento relativo, o que seria simultâneo para um, não seria considerado simultâneo para o outro. “Dois eventos que são simultâneos em um referencial não são simultâneos em nenhum outro referencial inercial que esteja em movimento em relação ao primeiro.”

Thaís Dias e
Victoria Kurkdjian
Turma: 1001
Relatividade
Para o observador que está dentro do trem, ao mesmo tempo em que se desloca para a direita, indo ao encontro do relâmpago da parte da frente do trem, ele se afasta do relâmpago que vem da extremidade traseira do trem. Portanto, o último relâmpago deve percorrer uma distância maior que o primeiro para chegar até o observador. Como a velocidade da luz é constante, o relâmpago da frente o atinge antes do de trás. Naturalmente, para se observar esse efeito, o trem deveria viajar na velocidade da luz.
Dilatação do Tempo
A dilatação do tempo é uma conseqüência da invariância da velocidade da luz. A velocidade da luz é a mesma para todas.
Se viajassemos em um espaçonave com uma velocidade de 240 000 km/s, para uma pessoa na Terra, nossa viagem demorará 100 anos. Mas, de acordo com a Teoria da Relatividade, para nós que estamos no espaçonave, o tempo de vôo sofrerá uma redução de 40%.
Contração do Comprimento
Para medir o comprimento de um objeto em repouso em relação ao nosso referencial podemos medir as coordenadas das extremidades do objeto usando uma régua. Porém ao medir o corpo em movimento, temos que observar simultaneamente do nosso referencial as coordenadas das extremidades do corpo para que o resultado de nossas medidas não seja trocado.
Nos postulados de Eistein as leis da física são as mesmas para qualquer referencial inercial e a velocidade da luz no vácuo é constante. Logo, ao medir o comprimento de um corpo em outro referencial em relação ao qual está se movendo (na direção da dimensão que está sendo medida), é sempre menor que o comprimento medido inicialmente.
Exemplificando, se os passageiros de uma nave vão viajar em uma velocidade de 80% da velocidade da luz no vácuo. Quando essa nave passar ao longo de uma pista de pouso de 5km de extensão, para eles, segundo a teoria da relatividade o comprimento da pista seria calculado usando a fórmula:

Onde L = comprimento do objeto em movimento;
L’ = comprimento do objeto em repouso;
u = velocidade relativa entre o referencial;
c = velocidade da luz no vácuo.



Assim: l=5,0.1−(0,8.c)2c2
l=5,0.1−82102
l=5,0.1−64100
l=5,0.100−64100
l=5,0.36100
l=5,0.610
l=3010
l=3,0km

Massa Gravitacional Vs.
Massa Inercial
Massa inercial é, ao contrário da massa gravitacional, quando você não considera a ação da gravidade sobre o corpo
Massa Relativística
Massa relativística é quando um
corpo atinge a velocidade da luz no vácuo sendo assim não podendo ser capaz de acelerá-lo, pois a sua velocidade chega ao seu limite, levando em conta o que conhecemos como Teoria da Relatividade. Pode-se então dizer que a inércia desse corpo é finita, ou seja, cada vez que a velocidade de um corpo é aumentada sua inércia também é. A Massa Relativística pode ser representada pela seguinte fórmula:

Energia Relativística
Energia relativistica é um estudo de Einstein que diz que a energia e a massa são produtos de uma mesma função, ou seja, a matéria e a energia estão conectadas, podendo ser transformadas uma pela outra pela velocidade da luz multiplicada por ela mesma. A equação de Einstein que se aplica na Energia relativisticia é E = ▲mc².
Exercício: Um recipiente contém 1 kg de água à temperatura de 3 °C. Se ela for aquecida até atingir a temperatura de 93°C, qual será sua nova massa?
Dados:
calor específico da água = 1cal/g°C,velocidade da luz no vácuo = 3.108 m/s, 1 caloria = 4 joules
Calorimetria: Q = m.c.∆t

Evolução Estelar
Evolução estrelar é o processo de modificação de um corpo celeste (Estrela), e seu estudo da transformação e da evolução das estrelas durante o seu respectivo ciclo de vida. A Evolução Estrelar é divido em algumas etapas, começando com o seu nascimento, que ocorre no berçário estrelar e que é formado por nuvens moleculares de gás e poeira. Logo após a junção desses gases ganha densidade e calor, chegando a temperaturas tão altas que seus átomos de hidrogênio se transformam em hélio, começando então o início da fusão nuclear e o surgimento da estrela, fazendo assim então a mudança da forma da estrela. O tamanho das estrelas determinam qual será o destino das mesmas, podendo elas se transformarem em buracos negros ou em uma estrela anã branca
Anã Branca
A anã branca é quando sua massa é igual a do Sol, originalizando uma estrela muito menor do que as estrelas comuns e com um brilho pequeno, podendo se tornarem Gigantes Vermelhas devido ao seu alto consumo de hidrogênio. A anã branca representa a morte da estrela que não era massiva o suficiente para virar uma supernova.

Buraco Negro
Buraco negro é quando a estrela consegue ser maior que o Sol, se originalizando da explosão termonuclear. O buraco negro possui uma quantidade de massa tão concetrada que nada (Inclusive a luz) consegue escapar da atração que a sua força gravitacional gera.

Teoria do Big Bang

A teoria do Big Bang revela que o universo surgiu após uma grade quantidade de energia ser libertada, ou seja, uma "explosão" cósmica; criando o que conhecemos de espaço-tempo. Na teoria também diz que após essa grande explosão o universo se resfriou, se degradando de violeta até se tornar transparente, fazendo então com que os elétrons e os núcleos atômicos se unam podendo assim deixar a luz caminhar livremente. Cerca de um bilhão de anos depois os elementos químicos começaram a se unir formando as galáxias
Full transcript