Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

História e Filosofia da Ciência: subsídios para a aplicação no Ensino de Ciências Biológicas

IFMA, CAmpus Buriticupu
by

Elson Silva

on 11 September 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of História e Filosofia da Ciência: subsídios para a aplicação no Ensino de Ciências Biológicas

Prof. Elson Silva de Sousa
História e Filosofia da Ciência: subsídios para a aplicação no Ensino de Ciências
Questões Iniciais
Referências
ALFONSO-GOLDFARB, A. M.; BELTRAN, M. H. R. Escrevendo a história da Ciência: tendências, propostas e discussões historiográficas. São Paulo: Livraria da Física, 2005.

CHALMERS, A. F. O que é ciência afinal? São Paulo: Brasiliense, 1993

GIL-PÉREZ, Daniel et al. Para uma imagem não-deformada do trabalho científico. Ciência & Educação, Bauru, v.7, n.2, p.125-153. 2001.

HARRES, J. B. S. Uma revisão de pesquisas nas concepções de professores sobre a natureza da ciência e suas implicações para o ensino. Investigações em Ensino de Ciências, v. 4(3), p. 197-211, 1999.

PORTO, P. A. História e Filosofia da Ciência no Ensino de Química: Em busca dos objetivos educacionais da atualidade. SANTOS, W. L. P.; MALDANER, O. A. (org.). Ensino de Química em Foco. Ijuí: Editora Ijuí, 2010, p. 159 - 180.

TEIXEIRA, E. S.; FREIRE Jr. O.; EL-HANI, C. N. A influência de uma abordagem contextual sobre as concepções acerca da natureza da ciência de estudantes de física. Ciência e Educação, v. 15, n. 3, p. 529-556, 2009

1. Na sua visão, o que é ciência? O que torna a ciência (ou uma disciplina científica como a Física, a Biologia etc.) diferente de outras formas de investigação (por exemplo, religião, filosofia)?

2. O que é um experimento?

3. Após os cientistas terem desenvolvido uma teoria científica (por exemplo, a teoria atômica, a teoria da evolução), a teoria pode transformar-se?
. Se você acredita que as teorias científicas não mudam, explique por quê. Defenda sua resposta com exemplos.
. Se você acredita que as teorias científicas de fato mudam:
(a) Explique por que as teorias mudam.
(b) Explique por que nós nos preocupamos em aprender teorias científicas. Defenda sua resposta com exemplos.
Livro: O que é ciência afinal?
A. F. Chalmers
MÉTODO INDUTIVO

FRANCIS BACON : primeiro a questionar sobre métodos da ciência
Indutivismo Ingênuo
Raciocínio Lógico dedutivo
Princípio da Indução
Se um grande número de As foi observado sob uma ampla variedade de condições, e se todos esses As observados possuíam sem exceção a propriedade B, então todos os As têm a propriedade B.
Condições para as Generalizações serem consideradas legítimas
1. o número de proposições de observação que forma a base de uma generalização deve ser grande;
2. as observações devem ser repetidas sob uma ampla variedade de condições;
3. nenhuma proposição de observação deve conflitar com a lei universal derivada.
Exemplos
Exemplo 1:
1. Todos os livros de filosofia são chatos.
2. Este livro é um livro de filosofia. .
3. Este livro é chato.
(1) e (2) são as premissas e (3) é a conclusão. Se (1) e (2) são verdadeiras, então (3) é obrigada a ser verdadeira. Não é possível para (3) ser falsa uma vez que é dado que (1) e (2) são verdadeiras. Para (1) e (2) serem verdadeiras e (3) ser falsa envolveria uma contradição. Essa é a característica-chave de uma dedução logicamente válida. Se as premissas de uma dedução logicamente válida são verdadeiras, então a conclusão deve ser verdadeira.
Exemplo 2:
1. Muitos livros de filosofia são chatos.
2. Este livro é um livro de filosofia. .
3. Este livro e chato.
Essa dedução não é valida
Resumindo...
Fonte: O que é Ciência afinal? A.F. Chalmers p.29
FALSEACIONISMO
Karl Popper
PARADIGMAS
Thomas Kuhn
Por que é importante estudar História e Filosofia da Ciência?
* Concepções dos estudantes e futuros docentes são próximas de uma imagem “popular” da ciência, associada a um suposto método científico, único, algorítmico, bem definido e infalível. (Perez et al 2001)
O livro tras ainda outras perspectivas epistemológicas que não serão citadas nesse momento
* Numerosos estudos têm mostrado que o ensino transmite visões empírico indutivistas da ciência que se distanciam da forma como se constroem e produzem os conhecimentos científicos.
- a consideração do conhecimento científico como absoluto;
- a ideia de que o principal objetivo dos cientistas é descobrir leis naturais e verdades;
- lacunas para entender o papel da criatividade na produção do conhecimento;
- lacunas para entender o papel das teorias e sua relação com a pesquisa;
- incompreensão da relação entre experiências, modelos e teorias.
Harres (1999), destaca:
Quais são as concepções inadequadas?
FUTURO PROFESSOR, COMO VOCÊ ENSINARIA O CONTEÚDO DE
A CÉLULA
EM SUAS AULAS?
Reforma Francisco Campos (1931)
Proposta curricular para o ensino de Ciências (1988)
Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (1996)
Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio (1999)
Visão positivista da Ciência.
Reflexão sobre as tendências atuais da História da Ciência.
Reorientação no sentido de se compreender o conhecimento científico-tecnológico como portador de uma história.
Ressaltam a importância da História da Ciência para a contextualização e discussão dos conhecimentos.
DOCUMENTOS OFICIAIS
História da Ciência narrada sob um perspectiva enciclopédica, internalista, continuísta e acumulativa.
A NOVA HISTORIOGRAFIA DA CIÊNCIA
Escrevendo a História da Ciência: tendências, propostas e discussões historiográficas (ALFONSO-GOLDFARD; BELTRAN, 2005)
Historiografia Antiga
Contribui com um ensino de Ciências mais "dogmático", mais voltado para a transmissão cultural; ou mesmo para um ensino mais voltado para emular a atividade científica.
Nova Historiografia
Análise pontual e minuciosa de estudos de caso, buscando identificar a especificidade de episódios e documentos. Nesse processo, contempla-se a contextualização de ideias, procurando-se seu significado no seio do pensamento característico do perido estudado.
Formar estudantes críticos, capazes de compreender as complexidades da atividade científica.
Desenvolvimento de competências e habilidades pelos alunos do Ensino Médio envolvendo a História da Ciência.
Preocupação com a dimensão histórica do conhecimento no processo de profissionais da área de Química.
Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de Química (2001)
PCN+ Ensino Médio: Orientações Educacionais Complementares aos PCN (2002)
AVALIAÇÃO
Considerando as discussões e reflexões sobre o tema realizadas em aula, cada grupo de alunos vai fazer uma resenha crítica do texto " História e Filosofia da ciencia no ensino muitas pedras nesse caminho"(MARTINS, 2007).

IFMA, Campus Buriticupu
HISTÓRIA E FILOSOFIA DAS CIÊNCIAS
NO ENSINO DE BIOLOGIA
Autores: Maria Helena da Silva Carneiro; Maria Luiza Gastal
Ciência & Educação, v. 11, n. 1, p. 33-39, 2005
Introdução
A inclusão da perspectiva histórica no ensino de ciências é constantemente defendida por muitos pesquisadores da área de ensino de ciências.

O projeto 20061, 1985, já recomendava a inserção/inclusão de elementos de História e de Filosofia das Ciências nos currículos do Ensino Fundamental e Médio.
Na formação de professores proporciona:

uma maior compreensão da natureza do conhecimento científico;
um melhor entendimento dos conceitos e teorias da física;
uma compreensão dos obstáculos e possíveis dificuldades dos alunos;
uma concepção das ciências como empresa coletiva e histórica e o entendimento das relações com a tecnologia, a cultura e a sociedade.
Acredita-se que a História e a Filosofia das Ciências podem apresentar algumas respostas à crise mundial da educação científica:

Podem humanizar as ciências e aproximá-las dos interesses pessoais, éticos, culturais e políticos da comunidade;

Podem tornar as aulas de ciências mais desafiadoras e reflexivas, permitindo, desse modo, o desenvolvimento do pensamento crítico;

Podem contribuir para um entendimento mais integral de matéria científica, para a superação do “mar de falta de significação” que se diz ter inundado as salas de aula de ciências, onde fórmulas e equações são recitadas sem que muitos cheguem a saber o que significam;
NOS PCNs
A dimensão histórica pode ser introduzida nas séries iniciais na forma de história dos ambientes e invenções.

Também é possível o professor versar sobre a história das idéias científicas, que passa a ser abordada mais profundamente nas séries finais do Ensino Fundamental.

No Ensino Médio, os elementos da história e da filosofia da Biologia tornam possível aos alunos a compreensão de que há uma ampla rede de relações entre a produção científica e o contexto social, econômico e político.
A apresentação da ciência é absolutamente a-histórica. Sem referência a seu processo de criação e muito menos ao contexto em que foi criada.

E, o que é pior, na tentativa de suprir esta lacuna passa uma visão da História da Ciência como se fosse, como já dizíamos, um armazém, um depósito onde se guardam as vidas dos cientistas, seus feitos e suas obras. (Pretto, 1985; p. 77)
Embora muito criticado nos últimos anos por dar muita ênfase ao chamado método científico, o livro Biological Sciences Curriculum Study – BSCS (1983) – foi um dos materiais curriculares produzidos nos anos 60 que já apresentava preocupação com a contextualização histórica.
Quanto aos livros universitários, aqueles usados nos cursos de formação de professores de Biologia, muitos deles apresentam uma contextualização histórica dos temas abordados. A título de exemplo citamos o livro “Ecologia” de E. O. Odum:
O termo “ecossistema” foi proposto primeiramente em 1935 pelo ecologista britânico A. G. Tansley, mas, naturalmente, o conceito é bem mais antigo. Mesmo na mais remota história escrita, encontram-se alusões à idéia da unidade dos organismos com o ambiente (e,também, da unidade dos seres humanos com a natureza)...
Objetivo
Indicar algumas concepções de História da Ciência presentes em Livros Didáticos de Biologia (LDB), desde os anos 60, e discutir algumas implicações deste modelo de história no ensino.
Métodos
AMABIS, J. M.; MARTHO, G. R. Biologia das Células: origem da vida, histologia e embriologia. São Paulo: Moderna, 1997.

BIOLOGICAL SCIENCES CURRICULUM STUDY. Biología: parte II. São Paulo: Edart, 1971.

ODUM, E. P. Ecologia. Rio de Janeiro: Guanabara, 1983.

SCHWAB, J. J.; KLINCKMANN, E. Manual do professor de biologia. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 1970.
Livros didáticos analisados
Resultados
A história veiculada nos livros didáticos e suas implicações pedagógicas
Apesar dessa crítica, a concepção de História da Biologia veiculada pelos livros didáticos do Ensino Médio e Universitário caracteriza-se por reforçar uma imagem de ciência e de sua história que já se vem tentando combater nas três últimas décadas. Citaremos a seguir algumas
características de tal concepção que aparecem nos LDB.
Histórias anedóticas
Os episódios históricos, geralmente centrados na biografia de um cientista, evidentemente podem ter seu lugar no processo educativo, mas desde que caracterizados como tal (como biografia), e inseridos num contexto mais amplo de análise histórica.

Caso contrário, esta forma de apresentar os aspectos históricos pode reforçar ou induzir os alunos à construção de uma imagem na qual a produção do conhecimento científico se limita a eventos fortuitos, dependentes da genialidade de cientistas isolados.
Linearidade
A sucessão de episódios históricos apresentados nos LDB é uma genealogia, das origens até os dias atuais, que conduz a uma idéia de linearidade. É como se o conhecimento científico atual fosse sempre o resultado linear de conhecimentos preexistentes.

Além disso, privilegia certos eventos da História da Ciência, em detrimento de outros de menor apelo.

Implícita na idéia de linearidade está, também, a de que todo o desenvolvimento do conhecimento científico desembocou no único conjunto “correto” de explicações para os fenômenos do mundo, o que hoje é compartilhado pela comunidade científica. Isso produz no aluno o efeito de pensar neste conhecimento como pronto, acabado e definitivo.
Consensualidade
Mostram-se apenas as concordâncias, os consensos na construção do conhecimento científico.

Quando os pontos de vista conflitantes são apresentados, em geral, é para reforçar a idéia de que trata-se de um conflito entre visões “corretas” e “equivocadas”.
Ausência do contexto histórico mais amplo
Passa a idéia de que a ciência é hermética, que não sofre influência dos aspectos socioculturais de sua época.

Em todos os exemplos mencionados não se encontram referências ao contexto histórico-social em que trabalhavam os cientistas, à influência das idéias vigentes à época em outros campos do conhecimento nem às influências e implicações políticas das idéias que estavam sendo geradas pela ciência.
Considerações finais
A necessidade de uma nova abordagem da história das ciências nos LDB
Apesar do reconhecimento quase consensual sobre a necessidade da abordagem histórica dos conteúdos da Biologia, falta ainda um maior número de estudos que possibilitem uma avaliação sobre se e como essa perspectiva histórica tem sido efetivamente trabalhada em sala de aula, e em que contextos
Um dos aspectos identificados ao examinarmos os livros didáticos foi o fato de que há uma tendência dos livros do Ensino Médio em acompanhar o modelo de História da Biologia apresentado nos livros universitários.
Produção de materiais curriculares que possam fornecer aos professores indicadores a respeito de como trabalhar esta abordagem em suas aulas.
Assim uma abordagem histórica deveria centrar-se nas rupturas epistemológicas.

Pois, apesar da epistemologia e da concepção de história contemporânea já terem demonstrado que a produção do conhecimento científico não é linear, os livros conservam até hoje este tipo de abordagem Histórica.

Ao eliminarmos da história os problemas que levaram os pesquisadores da época, os obstáculos encontrados, as falsas pistas seguidas e as controvérsias que existiram, os manuais seguimos o programa positivista de educação científica.
Conceito de Natureza da Ciência

Natureza da Ciência compreende questões sobre a existência de um método científico, as influências de contextos sociais, culturais, religiosos, políticos, entre outros no desenvolvimento, aceitação ou rejeição de idéias científicas, o papel da imaginação na elaboração de teorias e hipóteses, os erros e acertos cometidos pelos cientistas ao longo de suas atividades e muitos outros (MOURA, 2008, p.10).
O que é História da Ciência? Quais as contribuições dessas abordagem para o ensino de ciências
Full transcript