Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Bioluminescence

essa é uma tentativa de fazer slides sobre a Bioluminescência
by

Felipe Joia123

on 29 October 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Bioluminescence

Apareceu primeiramente nas bactérias anaeróbicas (SELINGER, et al. 1965;

Foi uma tentativa de metabolizar o oxigênio e diminuir a sua toxidade permitindo para essas bactérias a sua sobrevivência (SELINGER, et al. 1965
.
A origem da Bioluminescência
Algumas Bactérias como a E.Coli não possuem a biolumenescência porém é inserido um fragmento do DNA de Vagalume que permite a essas bactéria produzir esse efeito;


Essas bactérias transformadas são utilizadas para entender melhor como funciona esses mecanismos.
Bactérias bioluminescêntes
Não sabe-se ainda porque os fungos produzem a bioluminescência;


Estudiosos acreditam que esse mecanismo seja usado como forma de processar o oxigênio presente no meio.
Fungos bioluminescêntes
O Plâncton possui difragelados que produz a bioluminescência quando são tocados e ou quando estão sobre muito movimento das correntes marinhas;

Alguns lugares em que o mar apresenta correntes forte, essa bioluminescência é tão extensa que é possivel ver do espaço.
Plâncton bioluminescentes
Presente nos Crustáceos como uma forma de defesa contra predadores;


Produzem um fenomeno muito peculiar, conseguem produzir a bioluminescência fora de seus corpos.
Crustáceos bioluminescêntes
Bioluminescência
Moluscos bioluminescêntes
A bioluminescência em moluscos é vista, principalmente em lulas, e possue varias funções nesses seres tais como a comunicação entre indivíduos de uma mesma espécie, atração sexual captura de pressas e defesas contra possíveis predadores.

Na verdade os moluscos não são capazes de produzir a bioluminescência, quem produz essa luz na verdade são bactérias que trabalham de forma simbiótica com esses organismos e dessa forma que os moluscos obtêm a bioluminescência.
Fulgora luminosa(Jaquiranaboia )
Elateridae
Lampyridae
A bioluminescência é um fenômeno não muito raro e deveria ser mais estudada, pois, pode facilitar a vida do ser humano através do uso de lâmpadas bioluminescentes ou associadas à nanotecnologia, poderia ser empregada na iluminação pública ou em ambientes internos devido à alta rentabilidade e por ser uma energia renovável de baixo custo. A bioluminescência também é empregada como marcadores genéticos nos sequenciadores de ultima geração, como 454 e Illumina tornando os processos de sequenciamento mais eficazes quando comparados a outros métodos.
Referências Bibliográficas
BECHARA, E.J.H. Vagalumes: Da Química à Biotecnologia. Química Nova. Vol. 17. 3.ed. 1994
BRANCHINI, B. R.; SOUTHWORTH, T. L.; MAGYAR R. A.; GONZALEZ, M. C.; RUGGIERO, M. C.; STROH J. G. Alternative mechanism of bioluminescence color determination in firefly luciferase. Biochemistry, 2004.
BRUSCA, R. C.; BRUSCA, G. J. Invertebrados. 2. ED. Rio de Janeiro, Guanabara Hoogan, 2007.
BUZZI, Z. J. Entomologia Didática. 5. ED. Curitiba, UFPR, 2010.
BURGGREN, W.; FRENCH, K.; RANDALL, D. Traduzido por: MENEZES, arlos Eduardo Lobato de, MOURA, José Luiz de, PAULINO, Maria de Lourdes Mendes Vicentini, RUBIO, Carlos Roberto, VEIGA, José Alberto da Silva. Fisiologia Animal: Mecanismos e Adaptação. Guanabara Hoogan: Rio de Janeiro, 2000.
GLOUD, S. J., KELLER G. A. and SUBRAMANI S.; Identification of a peroxisomal targeting signal at the carboxy terminus of firefly luciferase. J. cell boil. (1987).
HARVEY, E. N., Bioluminescence. New York, Academic Press. 195
JOHNSEN, S.; BALSER E. J.; FISHER E. C.; WIDDER E. A. bioluminescence in the deep-sea cirrate octopod Stauroteuthis sytensis verril (mollusca: cephalopoda) Marine Science Division, Harbor Branch Oceonografiphic Institution, ft. pierce, Florida; and Department of Biology, Illinois Wesleyan University, Bloomington Illinois (1999)
OSAMU, S. Bioluminescência: princípios e métodos químicos. World Scientific, 2006.
TRIPLEHORN, C. A,; JONNSON N.F. Estudo dos insetos. 7. ED. São Paulo, Cengage Learning, 2011
SELINGER, H. H. Y W. D. MCELROY Light: Physical and Biological Action. New York: Academic Press. 1965.
VIVIANI, V.R. Luciferases em vagalumes: Estrutura, função e aplicação em bioanálise e biomageamento Laboratório de Bioluminescência e Biotecnologia-UNISO Universidade Federal de São Carlos Campus de Sorocaba, SP, Brasil 2002.
OBRIGADO
BLATTORIDAE
VIBRIO FISCHERI
Full transcript