Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

A EXPANSÃO DAS FRONTEIRAS DA COLÔNIA

No description
by

Lucas Farias

on 16 February 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of A EXPANSÃO DAS FRONTEIRAS DA COLÔNIA

A descoberta do ouro.
- Bandeiras de prospecção: localizar minas de ouro- segunda metade do século XVII.
- 1693-95: primeiras descobertas na região de Ouro Preto.

O cotidiano das viagens.
- Fronteiro: peão que direcionava o caminho..
- Dono da tropa: determinava o ritmo.
- Peões tocadores: gritos e assobios.
- Animais, ladrões e índios representavam riscos.

A importância das festas.
O conselho ultramarino.
- Renovação administrativa. Conselho Ultramarino: coordenar atividades coloniais.
- Conselho da Fazenda, Estado e Guerra.
- Aumento de impostos e criação das Companhias do Comércio.

Revolta de Beckman.
- Jesuítas contrários à escravização dos índios.
- Abusos das Companhias do Comércio.
- Manuel Beckman e Jorge Sampaio.
- Depuseram o governador, extinguiram a Companhia do Comércio e desalojaram os jesuítas.
- Líderes enforcados, “ordem” estabelecida.

Um período de crise
- 1640: D. João VI assume o trono, funda a dinastia de Bragança e opera a Restauração.
- Navios tomados pela Espanha, frotas em más condições.
- Holandeses controlavam o Nordeste açucareiro.
- Colônias na África e Oriente foram tomadas pelos holandeses e ingleses.
- Portugal se alia à Inglaterra, concorrente da Espanha. Ingleses comercializam diretamente com o Brasil.

A EXPANSÃO DAS FRONTEIRAS DA COLÔNIA
As companhias do comércio.
- Companhia Geral do Comércio do Brasil, 1649.
- Companhia do comércio do Maranhão, 1682.
- Firmar o monopólio comercial (estrangeiros).
- Para ter direitos, as Companhias prestavam serviços, como o escoltamento de navios perto dos portos de Recife.
- Maranhão: fornecer açúcar, escravos e transporte de mercadorias.
- Companhias do comércio cobravam preços abusivos.

A expulsão dos holandeses.
- Maurício de Nassau deixa o governo.
- Com a expulsão dos holandeses os donos de engenho viam a possibilidade de dívidas suspensas.
- Exército luso-brasileiro em maior quantidade e com conhecimento da região.
- 1654: holandeses expulsos.
- Holandeses migram para Antilhas e o açúcar brasileiro entra em crise.

- Procissões, festas religiosas, ocasiões solenes.
As drogas do sertão.
- A perda de territórios no Oriente com a União Ibérica enfraqueceu o comércio de especiarias, gerando a valorização das drogas do sertão.
- Cravo, canela, urucum, castanha-do-pará.

Outras atividades econômicas.
- Pequenas lavouras: arroz, feijão, milho e jiló.
A expansão da pecuária.
- Abastecimento de engenhos.
- Carne, couro, força de tração

O sertão nordestino.
- 1701: proibida a criação de gado a dez léguas da costa.
- Rápida expansão: baixos investimentos.

A expansão rumo ao Sul.
- Região sul: zona de litígio entre portugueses e espanhóis.
- Fim da União Ibérica: povoar a região.
- Clima ameno, vasta vegetação, rios.
- Estâncias.

O bandeirantismo.
- Séculos XVI e XVII: expedições para penetrar o interior da colônia.
- Bandeiras: expedições particulares.
- Entradas: patrocinadas pela Coroa Portuguesa.

- Bandeirante: sinônimo de paulista.
- Fracasso na economia de açúcar.
- Interiorização, pecuária e pequenas lavouras.
- 1554: colégio jesuíta – futura São Paulo.
- Apresamento de índios, comércio de escravos.

São Paulo de Piratininga.
Quem eram os bandeirantes?
- Usavam técnicas de orientação indígenas.
- Arco e flecha, arcabuz e mosquete.
- Andavam descalços, casacos de couro e camisas acolchoadas.

A caça ao indígena.
- Bandeiras de apresamento: capturar nativos.
- Sorocaba e Itu: áreas indígenas despovoadas.
- Guerra justa: brecha para a escravização.

As missões jesuíticas.
- 1534: Contrarreforma – Inácio de Loyola.
- Evangelização de crianças.
- Aldeamentos atacados.

A batalha de Mbororé.
- Índios e jesuítas da missão São Francisco Xavier no Rio Grande do Sul pegam em armas para resistir ao ataque de bandeirantes paulistas.
A guerra dos Emboabas.
- Emboabas: forasteiros.
- Paulistas queriam exclusividade na exploração.
- Paulistas fracassam 1708-09.
- Novas descobertas em Mato Grosso e Goiás.

A exploração do ouro. Técnicas trazidas da África.
- Ouro de aluvião: não exigia grandes investimentos, logo se esgotava.
- Começa também a exploração das serras.

O controle das minas.
- Migração de massa.
- Casas de fundição: cobrança de impostos.
- Quinto real.

A cobrança de impostos e o contrabando.
- Produtos de outras regiões recebiam taxação.
- Preagem: uso de pontes e estradas.
- População mineira deveria arrecadar anualmente 100 arrobas (1500 quilos).
- Derrama: recolhimento forçado do imposto.

A descoberta de diamantes.
- 1729: descoberta de Diamantes.
- 1734: criado o Distrito Diamantino no Arraial do Tijuco.
- Imposto de capitação: sobre cada escravo empregado na mineração.
- Minerações clandestinas.

A Revolta de Filipe dos Santos.
- 1720: mineradores querem diminuição dos impostos e dos preços de alimentos.
- Extinção de Casas de Fundição.
- Felipe dos Santos é morto.
- Minas Gerais é desmembrado de São Paulo.

O tropeirismo.
- Tropeiros: comerciantes responsáveis pelo abastecimento de produtos básicos na região mineradora. Percorriam grandes distâncias com suas cargas sobre mulas.
A integração do território.
- Novas redes de comunicação entre as regiãos.
As monções.
- As regiões de Mato Grosso e Minas Gerais haviam sido descobertas pelos mineradores.
- Expedições guiadas pelos rios realizavam seu abastecimento de produtos básicos.

As reformas pombalinas.
- Marquês de Pombal é nomeado em 1750 como Ministro de Estado do governo de D. José I.
- Buscava o controle das riquezas e a centralização da administração.

As consequências para a Colônia.
- Aulas régias: novo imposto (subsídio literário) para sustentar escolas, faltavam professores.
- Novas Cias. Do Comércio: Grão Pará, Maranhão e Paraíba.
- Extintas as últimas capitanias hereditárias.
- 1763: Transferência da capital de Salvador para o Rio de Janeiro.

Os tratados e limites.
- 1750: Assinatura do Tratado de Madri, baseado no uti possidetis, redefiniu as dimensões da colônia.
- 1777: Tratado de Santo Idelfonso: Sacramento e Sete Povos de Missões ficam com Espanha.
- 1801: Tratado de Badajós. Sete Povos e Missões fiam com portugueses.

A sociedade do ouro.
- Nova sociedade: predominantemente urbana.
- Intelectuais.
- Elite Comercial.
- Camadas intermediárias ( pequenos comerciantes, artistas, profissionais liberais).
- Homens livres e pobres.
- Escravos.

O papel social das irmandades.
- Promover o culto a um santo.
- Sustentar asilos, orfanatos e hospitais.
- Negros, cristãos-novos.
- Irmandade de Nossa Senhora do Rosário por vezes justava dinheiro para alforriar negros.

A resistência africana.
- Destruição de ferramentas.
- Queima de plantações.
- Diminuição do ritmo de trabalho.
- Paralisação da produção.
- Preservação de sua cultura.

Os quilombos.
- Fuga e formação de quilombos.
- Interior das matas, próximo aos rios.
- Governante e rei eleito que chefiava um conjunto de quilombos.
- Divisão do trabalho, lavouras, criações e artesanato.

O quilombo de Palmares.
- Século XVII: foragidos de um engenho em alagoas.
- Ganga Zumba queria tratado de paz com governador que só alforriou os nascidos em Quilombo.
- Zumbi o destitui e organiza uma resistência que vai até 1694, quando o quilombo é destruído pela expedição de Domingos Jorge Velho.
Full transcript