Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Sistema Reprodutor Feminino

No description
by

Tiago Silva

on 20 June 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Sistema Reprodutor Feminino

Sistema Reprodutor Feminino
Sistema Reprodutor Feminino
O sistema reprodutor feminino tem como objetivo a fomação de oócitos II, transporte de gâmetas, receção de esperma, permitindo a fecundação, e o desenvolvimento de um novo ser.
Órgãos Externos
Trabalho elaborado por:
Ana Isabel Silva
Joana Silva
Tiago Silva

Órgãos Internos
Útero
Trompa de Falópio
Ovário
Vagina
Cólo do Útero
É o órgão que recebe o pénis, que aí deposita os espermatozoides.
Aqui é produzido o muco cervical que, no periodo fértil, ajuda os espermatozóides a deslocarem-se desde a vagina até ao útero.
É a cavidade que aloja e permite o desenvolvimento do feto durante a gestação.
Endométrio
É o tecido que reveste a parede uterina e cuja expessura varia cíclicamente.
Miométrio
É a parede externa do útero. O miométrio é muscular (elástico).
Recebe o oócito e é o local onde ocorre a fecundação. Na sua parede interna, existem cílios que ajudam na condução do oócito / zigoto para o útero.
Os ovários são as gónadas femininas. São nestes órgãos que se produzem gâmetas - os oócitos - e hormonas femininas - estrogénios e progesterona.
Ciclo Ovárico
São pregas da pele que protegem os restantes órgãos externos
A
oogénese

consiste na produção de gâmetas femininos. Inicia-se nos ovários durante a gestação com formação de todas as oogónias com meiose suspensa em profase I, até à puberdade.
A partir daí e até à menopausa, ocorre, em cada ciclo ovárico, a maturação, em regra, de um oócito I, e a degenerescência de outros.
Cada ciclo dura cerca de 28 dias e distinguem-se duas fases:
Folículo Primordial
Folículo Primário
Folículo Secundário
Folículo Terciário
Folículo de Graaf
Cerca de 7 milhões de oócitos I formam-se por mitose durante o quinto mês da gestação.

Até ao setimo mês, os oócitos ficam rodeados por células foliculares achatadas formando os folículos primordiais.

Como já foi referido, estes folículos iniciam a meiose mas não vão além da prófase I, iniciando a fase de repouso.
Na
fase de multiplição
, as oógonias (2n) ou células germinativas, multiplicam-se por mitoses sucessivas durante o desenvolvimento embrionário.
Na
fase de crescimento
, as oogónias aumentam de volume, devido à síntese e acumulação de substãncias de reserva, originando oócitos I, que se rodeiam de células folículares dando origem aos folículos primordiais. Iniciam, assim, a primeira divisão meiótica que se interrompe em prófase I.
Na
fase de repouso
, os folículos primordiais, permanecem inativos desde o nascimento até à puberdade. Nesta fase, a maior parte dos folículos primordiais degenera.
Na
fase de maturação
, o oócito I, que se encontrava em prófase I, recomeça a primeira divisão da meiose, originando duas células haploides (n) desiguais: o oócito II e o primeiro glóbulo polar. Devido a uma citocinese desigual, o oócito II irá conter maior volume enquanto o glóbulo polar irá degenerar. Após estes acontecimentos, o oócito II inicia a segunda divisão da meiose, mas esta apenas avança até à metáfase. Apenas um folículo conclui a maturação.
Se a
fecundação
ocorrer, a maturação do oócito II completar-se-á.
Oócito I
Células folículares
Já na fase de maturação, as células foliculares que envolvem o oócito desenvolvem-se, formando uma camada regular - o folículo primordial transforma-se em primário.

Este fenómeno ocorre no início de cada ciclo ovárico - aproximadamente de 28 em 28 dias.


Oócito I
Células folículares
Órgão excitável que intervém no ato sexual
Abertura da uretra para expulsão de urina
Abertura da vagina que permite :

>
A saída do fluxo
menstrual;

>
A saída do feto na
altura do parto
>
A entrada do pénis durante
o ato sexual.
Oócito I
Zona pelúcida
Células folículares (granulosa)
Tecas
A camada de células foliculares continua a sua proliferação. Nesta camada surgem cavidades cheias de líquido.
As tecas diferenciam-se em tecas internas e tecas externas
Tecas
Células folículares (granulosa)
Zona pelúcida
Oócito I
Cavidade com líquido
As cavidades com líquido aumentam as suas dimensões até originarem uma só cavidade – a cavidade folicular. É devido a este acontecimento e à multiplicação das células foliculares que surge o folículo maduro ou de Graaf.
É neste folículo que se conclui a divisão I da meiose com a formação do oócito II e do primeiro glóbulo polar. O oócito II inicia a divisão II da meiose que não vai para além da metáfase.

No final deste processo, o folículo maduro provoca uma saliência na superfície do ovário.

Tecas
Granulosa
Zona pelúcida
Oócito II
Cavidade folícular
No folículo secundário as células foliculares continuam a sua proliferação, formando-se a granulosa. Entre o oócito I e a granulosa surge uma camada acelular – a zona pelúcida (que protege o gâmeta). Surge ainda uma outra camada mais externa a rodear a granulosa – as tecas.
Ovulação
Consiste no rompimento do folículo de Graaf e a libertação do oócito II para o pavilhão da trompa de Falópio seguindo o seu percurso em direção ao útero.

Caso não ocorra a fecundação o oócito II degenera. Se ocorrer, a divisão meiótica terminar-se-á formando o óvulo e o segundo glóbulo polar (que irá sofrer degeneração).

Corpo Amarelo
Após a ovulação os restos do folículo de Graaf que permanecem no ovário, vão formar uma pequena cicatriz – o corpo amarelo ou lúteo - que se carrega de um pigmento amarelo intenso com função hormonal (produção de progesterona).

Se não ocorrer fecundação, o corpo amarelo degenera. Mas se este fenómeno se verificar, o corpo amarelo permanecerá no corpo da mulher nos primeiros meses de gravidez, acabando depois por degenerar.
>
A
fase folícular
A ovulação
>
A
fase luteínica
Ciclo Uterino
Paralelamente ao ciclo ovárico ocorre o ciclo uterino. Este divide-se em três fases:
Fase Menstrual
Fase Proliferativa
Fase Secretora
Ocorre a desagregação parcial do endométrio, por contração e rompimento dos vasos sanguíneos.
As hemorragias e os restos da mucosa, constituem um fluxo que dura cerca de 5 dias – a menstruação.
Esta fase ocorre devido à degeneração do corpo amarelo.
Ocorre o crescimento da células do endométrio, que se regenera e vasculariza.
Desenvolvem-se glândulas.
Ocorre entre o dia 5 e o dia 14ºdo ciclo.

Coincide com a fase folicular do ovário.
O endométrio atinge a máxima espessura (até 8 mm) e ocorre a vascularização. As glândulas apresentam atividade secretora produzindo um muco rico em glicogénio.

Coincide com a fase luteínica do ovário.
Pavilhão das trompas de falópio
Fase Menstrual
Dia 5
Dia 1
Dia 14
Dia 28
Fase Proliferativa
Fase Secretora

O Cólo do Útero ou cérvix é a parte inferior e mais estreita do útero.
Controlo Hormonal
As hormonas intervêm nos ciclos ovárico e uterino.
Folículos do ciclo ovárico desenvolvem-se devido ao complexo hipotálamo-hipófise, localizado no encéfalo
O hipotálamo segrega
GnRH
(gonadotropina), que induz a hipófise anterior a fabricar duas hormonas sexuais:

>

LH
(hormona luteoestimulina)

>

FSH
(hormona foliculoestimulina)
Estas hormonas atuam nos folículos ováricos.
GnRH
LH
FSH
LH
LH
A hormona lúteoestimulina
atua nos folículos ováricos, sendo responsável pela maturação final dos folículos.
Atuam nos folículos ováricos
FSH

A hormona folículoestimulina tem como tecidos-alvo, os folículos primordiais. Alguns desenvolvem-se, no entanto, apenas um chega à fase de maturação.
FSH
Estrogénios
Os estrogénios promovem o desenvolvmento e a maturação das características femininas, bem como a maturação dos oócitos.
Estrogénios
Os estrogénios também atuam no útero, iniciando a
fase proliferativa
caracterizada pelo crescimento do endometrio.
Antes da ovulação, há uma concentração elevada de estrogénio no sangue, através de
feedback
positivo
.
Após a ovulação, a LH também permite que o folículo de Graff se transforme em corpo amarelo.
Progesterona
Progesterona
Aproxidamente 10 dias após a ovulação, há uma grande concentração de estrogénios responsáveis pelo atrofiamento do corpo amarelo.
Professora: Paula Castelhano
12B
No ser humano, a reprodução sexuada ocorre devido à existência de órgãos reprodutores, quer masculinos, quer femininos.
Para além de receber o sémen, o cérvix é também responsável pela saída do fluxo menstrual e do feto, no momento do parto.
LH estimula a teca interna a segregar estrogénios.
ESTROGÉNIOS
São produzidos nas células folículares e tem como destino a maioria dos tecidos.
Uma concentração moderada desta hormona, faz baixar a FSH, por
feedback negativo.
Este pico de LH provoca a ovulação. Após este acontecimento, a concentração destas hormonas desce, bem como os estrogénios.
Devido a este fenómeno, a concentração de hormonas hipofisárias (LH e FSH) vão aumentar, sobretudo a LH.
OVULAÇÃO
A progesterona é produzida pelo corpo amarelo e tem como destino os tecidos do endométrio uterino, promovendo a manutenção da secreção uterina, na
fase secretora
. O corpo amarelo também produz estrogénios, mas em pouca quantidade.
A progesterona também
atua nas glândulas
mamárias, estimulando
a formação dos ductos
mamários.
Devido à degeneração do corpo amarelo, a progesterona deixar-se-á de ser produzida, e os níveis de estrogénio baixam.
Assim, o endométrio entra na
fase menstrual
devido à desagragação do endométrio.
A diminuição das hormonas ováricas induz a produção de hormonas hipofisárias, inicinado um
novo ciclo sexual
.
Relação entre o Ciclo Ovárico,
Ciclo Uterino e
Controlo Hormonal
Conclusão
Neste trabalho, concluímos que...
>
Os níveis de estrogénios e a progesterona controlam diretamente o espessamento
do endométrio.
Bibliografia
>

CARRAJOLA, Cristina, Castro, Maria José, HILIÁRIO, Teresa,
Planeta com Vida - Biologia 12o
ano
, Santillana Constância, Carnaxide, 2009;
>

http://www.wesapiens.org/pt/class/1359766/file/6/Ov%C3%A1rio%2C+a+compara%C3%A7%C3%A3o+entre+os+fol%C3%ADculos+primordiais+e+prim%C3%A1rios
>

http://www.medipedia.pt/home/home.php?module=artigoEnc&id=672
>

http://resumosestudante.weebly.com/biologia.html
>

http://ecb-m.ccems.pt/mod/resource/view.php?id=19303
>

http://www.slideshare.net/locabandoca/2-fisiologia-do-sistema-reprodutor-final
>
o sistema reprodutor feminino é constituído por órgãos internos e externos;
>
a oogénese ocorre nos ovários (gónada feminina);
>
o sistema reprodutor feminino é cíclico. O ovário compreende a fase folícular,
ovulação e a fase luteínica, enquanto o útero compreende a fase menstrual, fase
proliferativa e fase secretora;
>
o controlo hormonal é feito por hormonas hipofisárias (FSH e LH) e por hormonas
ováricas (estrogénio e progesterona);
>
a ovulação ocorre devido a um pico de LH, através de
feedback
positivo, no entanto,
nos restantes dias,ocorre
feedback
negativo entre os ovários e o complexo
hipotálamo-hipófise;
FIM!
Full transcript