Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

A Crônica

No description
by

Alexandre Marques

on 17 April 2018

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of A Crônica

A Crônica
O que é uma crônica?
Os grandes jornais de circulação diária e as revistas semanais costumam reservar espaço fixo para publicação de crônicas.

A
crônica
é um gênero discursivo no qual, a partir da observação e do relato de
fatos cotidianos
, o autor manifesta sua
perspectiva subjetiva
, oferecendo uma interpretação que
r
evela ao leitor algo que está por trás das aparências
ou não é percebido pelo senso comum. Nesse sentido, é a finalidade da crônica revelar as fissuras do real, aquilo que parece invisível para a maioria das pessoas ajudando-as a interpretar o que se passa à sua volta.

Este é o princípio desencadeador da crônica:
A crônica tem raízes na história e na literatura...
Até o século XIX, era como encontrar crônicas que apresentavam essa estrutura básica. Não se tratava mais, é claro, de registrar os acontecimentos de uma expedição, mas os fatos cotidianos. Grandes escritores brasileiros, como José de Alencar e Machado de Assis, celebrizaram-se como cronistas de seu tempo. Como os cronistas eram muitas vezes romancistas ou poetas, o parentesco da crônica com a literatura se estreitou.
Escrita para ser publicada em jornais, a crônica se define por ser
claramente opinativa
. Em meio a notícias e reportagens, em que deve prevalecer uma perspectiva imparcial, a crônica oferece um contraponto para o leitor. Torna-se uma espécie de avesso da notícia: em lugar da objetividade e da imparcialidade que caracterizam aquele gênero,
a crônica se define como subjetiva, opinativa, pessoal
.
Contexto de circulação
Publicações especializadas, como revista dedicadas ao público feminino ou adolescente, também reservam espaço para cronistas em suas páginas. Dada a natureza dessas revistas, porém, é mais frequente que as crônicas nelas divulgadas sejam dedicadas ao tema geral da publicação. Por isso, cronistas que escrevem em revistas femininas costumam abordar temas ligados à vida das mulheres; cronistas que escrevem para adolescente enfocam questões próprias dos jovens, e assim por diante.

O que se costuma observar é que quanto mais geral for a abordagem jornalística do veículo no qual se insere, maior tende a ser a liberdade dos escritores no momento de decidirem o que irão tematizar em suas crônicas.

O formato típico de crônicas
clímax
situação inicial
retorna ao ponto original
Estrutura da Crônica - Texto Analisado
A crônica em outros formatos
A observação do real com olhos investigativos, que desejam não só “registrar” uma cena (corriqueira ou surpreendente, não importa), mas sempre ir além do que tal cena ilustra, para buscar seu significado mais geral em relação ao comportamento humano.
Durante o período das grandes descobertas, quando as pessoas ainda descobriam territórios misteriosos nos quatro cantos do mundo e se aventuravam nas explorações marítimas, era comum haver sempre um cronista que acompanhava essas expedições. Sua função era clara: narrar os acontecimentos de modo cronologicamente organizado. Naquele momento, portanto, fazer uma crônica significava registrar, de modo fiel, uma série de fatos ordenados no tempo. A finalidade da crônica, nesse caso, é preservar a memória dos acontecimentos e, por isso, aproximava-se da história.
problema
A linguagem utilizada na crônica é marcada por certa informalidade. Como se trata de um texto para publicação, espera-se que as regras do português escrito culto sejam seguidas, mas admite-se a presença de algumas marcas de oralidade. Essa aparente contradição é facilmente explicada: por trazer sempre uma perspectiva fortemente subjetiva, a crônica configura-se como gênero discursivo no qual se espera a presença de um “eu”.

Linguagem
DÚVIDAS?
Full transcript