Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

MAURÍCIO KNOBEL

No description
by

on 5 October 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of MAURÍCIO KNOBEL

MAURÍCIO KNOBEL
Biografia
• Nasceu dia 19/03/1922 em Buenos Aires, Argentina;
• Casou-se com Clara Freud Knobel com quem teve quatro filhos;
• Doutor em Medicina na universidade de Buenos Aires;
• Professor titular em psicologia nas universidades de La Plata e Buenos Aires;
• Especialista em Psiquiatria Infantil nos E.U.A, Argentina e Brasil;
• Membro efetivo de inúmeras associações científicas;
• Publicou mais de 300 trabalhos científicos em diversas línguas;
• Escreveu 52 capítulos de livros e 12 livros;
• Adolescência; La Adolescência Normal; Infância, Adolescência y Familia; A Adolescência na Família Atual; Psiquiatria e Saúde Mental;
• Mudou-se para o Brasil em 1976 e naturalizou-se em 1985;
• Chefiou o departamento de psiquiatria e psicologia medica da Unicamp;
• Idealizou e dirigiu o Centro de Prevenção ao Suicídio em Campinas.
• Professor titular da Pós Graduação em Psicologia Clínica da PUC Campinas;
• Em 2002 recebeu o título International Fellow;
• Doou 1370 títulos de seu acervo pessoal à biblioteca central da Unicamp;
• Morreu em 22/01/2008, aos 85 anos de causas naturais;

A Adolescência segundo Knobel
Necessidade de intelectualizar e fantasiar
Arminda Aberastury, in Knobel (1981:39) já assinalou ser a intelectualização uma fuga para o interior, “uma espécie de reajuste emocional, que leva à preocupação por princípios éticos, filosóficos, sociais, que muitas vezes implicam formular-se um plano de vida muito diferente do que se tinha até este momento e que também permite a teorização acerca de grandes reformas que podem acontecer no mundo exterior”.
A evolução sexual desde o auto-erotismo até a heterossexualidade
Oscilação entre a atividade masturbatória e o começo do exercício genital;

Busca pelo parceiro, de forma tímida, mas intensa;

“O amor apaixonado”;

A relação genital heterossexual completa só se realiza na adolescência tardia;

A evolução da sexualidade adolescente vai de uma fase prévia de masturbação a uma atividade lúdica;

A situação edípica é revivida na adolescência;

A Homossexualidade no adolescente.
Conclusão
“A adolescência é um momento crucial na vida de um homem.” (Maurício Knobel)
Alana Carmine Alban
Anaíra Espíndola Pereira Kienen
Maria Eduarda dos Santos
Isabela Ecker Dresch
Laura Iovine

Atitude social reivindicatória
O adolescente assume uma atitude reivindicatória;

Segundo Knobel, sem esta atitude, será um adulto insatisfeito;

Juventude revolucionária do mundo;

O jovem projeta o luto pelos pais da infância no mundo exterior.
Contradições sucessivas em todas as manisfestações
da conduta
Personalidade permeável;

Instabilidade permanente e normal;

Os adultos não aceitam esta instabilidade de conduta;

Fixar-se numa só conduta, não corresponde a um comportamento normal, nem ajuda a aprender da experiência.
• Considera a adolescência como um momento evolutivo do gênero humano, que segue princípios gerais, mas também considera os fatores sócio-culturais.

• Adolescência como um período fundamental de todo processo de desenvolvimento humano.

• Manifestações culturais se diferem, porém os psicodinamismos e bases do comportamento e condutas manifestas são as mesmas.

• O adolescente busca sua identidade adulta e isto se dá por um período turbulento (Síndrome da Adolescência Normal).

• A identidade adulta só é alcançada quando o adolescente se conscientiza e passa pelo luto (piscanalítico) das três perdas fundamentais.

As Três Perdas/ Lutos
Perda do Corpo Infantil:
as transformações corporais da puberdade obrigam o adolescente a re-fazer seu esquema corporal, sua sexualidade e luto pela perda da bissexualidade (psicanalítico).

Perda da Identidade Infantil:
o adolescente não tem mais papel de criança segura e dependente. Adesão à grupos, procurando segurança.

Perda dos Pais da Infância
: os pais antes supervalorizados agora são alvos de críticas e questionamentos, necessidade da identificação fora do ambiente familiar. Ambivalência dual.

As perdas precisam da elaboração de lutos, e para isso o adolescente deve usar seus mecanismos de defesas, especialmente os psicopáticos, se manifestando através de conduta patológica, que Knobel chama de
Síndrome da Adolescência Normal
.
A Síndrome da Adolescência Normal
• Comportamentos considerados patológicos em outras fases da vida, na adolescência são considerados "normais".

• Segundo Knobel, a síndrome se revela por atitudes de instabilidade emocional, alternando audácia e timidez, desinteresse e urgência, introversão e extroversão e ao mesmo tempo conflitos afetivos, crises religiosas, ascetismo, homossexualidade ocasional e condutas dirigidas para heterossexualidade.

CARACTERÍSTICAS DA SÍNDROME
Busca de si mesmo e da identidade:
• Para Knobel, a identidade é formada na adolescência.

• O jovem deve conhecer seu self como entidade psicológica e seu corpo como esquema corporal para definir sua indentidade.

• A identidade se forma através das experiências de auto-conhecimento.

• Através de modelos de conduta, os jovens estabelecem sua identidade.

• Adotam identidades ocasionais e circunstanciais.
A Tendência Grupal
• Transfere o sentimento de dependência dos pais para o grupo.

• Sente que pertence mais ao grupo do que à família.

• O grupo atua com oposição aos pais.

• O grupo auxilia o adolescente.

• Depois da experiência grupal, o adolescente poderá separar-se da turma para assumir uma identidade adulta.

As Crises Religiosas

Atitudes de ateísmo ou de misticismo;

Negação ou exaltação da religiosidade;

Processo de identificação projetiva.


A Deslocalização Temporal
O adolescente vive com certa desorientação temporal, em que as urgências são enormes e as postergações são irracionais;

Aceitando a perda de infância, o jovem aceita a morte de uma parte de si mesmo e de seus objetos, para poder localizá-los no passado;

Negação da passagem do tempo;

Para Knobel (1981: 42), “ é durante a adolescência que a dimensão temporal vai adquirindo lentamente características discriminativas”

A Separação Progressiva dos Pais
“Para atingir a maturidade é necessário ter individualidade e independência reais.”


“Para realizar as potencialidades como adultos, os jovens precisam trocar os seus primeiros objetos de amor: abandonar os pais em beneficio dos futuros companheiros e, finalmente, em beneficio do cônjuge”.
Constantes Flutuações do Humor e do Estado de Ânimo

“O adolescente nunca está feliz” ou “Ele muda de humor com muita facilidade”.


Conjuntos de sensações internas (cenestésicas) e da quantidade de hormônio (formula endócrina).

A síndrome da adolescência normal é uma tentativa de esquematizar uma compreensão dos adolescentes e este processo de transição o qual passam.
Obrigada!
Referências
KNOBEL, Maurício; ABERASTURY, Arminda.
Adolescência Normal
: Enfoque Psicanalítico. Porto Alegre: Artmed, 1981. p 24 - 59.

FERREIRA, Berta Well.
O Cotidiano do Adolescente
. Petrópolis: Vozes, 1995. p 39 - 54.
Full transcript